Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Xênia de Castro Barbosa

Outra

Multidisciplinar
  • a transversalidade da ciência e da tecnologia para a efetivação dos objetivos do desenvolvimento sustentável
  • O tempo presente é marcado por desafios que colocam em risco a própria continuidade da vida no planeta (BOFF, 2015). Ações antrópicas têm contribuído cada vez mais para a ocorrência de fenômenos extremos, como o aquecimento global, as ondas de calor e de frio, a crise hídrica e energética e a emergência de novas doenças. A hiperconexão dos espaços e da economia, própria do mundo globalizado, faz com que problemas que seriam locais transponham essa escala e ocasionem efeito em cadeia, comprometendo as condições de vida e desenvolvimento socioeconômico em múltiplos espaços (BARCELOS et al., 2009). Se de um lado, nos últimos 70 anos pudemos observar maior estabilidade na política internacional, avanços da democracia, dos direitos humanos, da ciência, da tecnologia, do consumo e do bem-estar, a face reversa do processo de desenvolvimento desigual e combinado em curso (HARVEY, 2004) é a pobreza, a marginalização social e a degradação ambiental. Diante desse cenário de assimetrias profundas, a pressão sobre o meio ambiente tem se intensificado, resultando em um quadro complexo de insustentabilidade, riscos, vulnerabilidades e injustiças, que pesam de maneira distinta sobre ricos e pobres, impondo maiores ônus sobre as populações e segmentos sociais mais vulneráveis: as mulheres e meninas, as minorias étnicas e religiosas, as ex-colônias (SANTOS; MENESES, 2010; ONU, 2019). Ciente de tal cenário e da necessidade de enfrentar suas principais adversidades, a Organização das Nações Unidas traçou para a Agenda 2030 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a saber: (1) Erradicação da pobreza, (2) Fome zero e agricultura sustentável, (3) Saúde e bem-estar, (4) Educação de qualidade, (5) Igualdade de gênero, (6) Água potável e saneamento, (7) Energia acessível e limpa, (8) Trabalho decente e crescimento econômico, (9) Indústria, inovação e infraestrutura, (10) Redução das desigualdades, (11) Cidades e comunidades sustentáveis, (12) Consumo e produção responsáveis, (13) Ação contra a mudança global do clima, (14) Vida na água (15) Vida terrestre, (16) Paz, justiça e instituições eficazes, (17) Parcerias e meios de implementação. O alcance desses objetivos demanda ações convergentes e integradas e abordagens técnico-científicas transversais e dialógicas, que promovam novos conhecimentos, soluções tecnológicas sustentáveis e que conduza para uma nova cultura. Para o alcance desses objetivos, entende-se pertinente investir em duas frentes: 1- a de conexão de pesquisadores para o desenvolvimento de parcerias, com foco em projetos conjuntos, que considerem a transversalidade da ciência, da tecnologia e das inovações e sua aplicação na resolução dos problemas que estão na ordem do dia; 2- a de promoção da literacia científica junto a crianças, adolescentes e jovens, com vistas a educá-los para a compreensão dos elementos básicos da ciência, para a busca de informações em fontes fidedignas e a refutação de notícias e argumentos falsos, de modo a fortalecer a democracia e ampliar os horizontes da cidadania. O projeto em tela direciona seus esforços para as duas áreas. Com base no método de Paulo Freire (FREIRE, 1980) será planejado e ofertado um conjunto de oficinas, mostra de filmes e ciência móvel. As atividades terão como público-alvo estudantes e professores do Ensino Fundamental, do Ensino Médio e do Ensino Médio Integrado ao Técnico, contudo serão abertas ao público em geral. O diferencial desta proposta é seu compromisso em estender as atividades tradicionalmente concentradas no espaço urbano, para comunidades ribeirinhas, por meio do Barco da Ciência, e para três aldeias indígenas, de modo a fomentar o diálogo e planejamento de ações de médio e longo prazo com professores e estudantes das etnias Surui, Karitiana e Wari’.
  • Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia - RO - Brasil
  • 05/10/2021-31/10/2023
Foto de perfil

Xênia de Castro Barbosa

Ciências Humanas

Geografia
  • por uma terra sem males: educação em saúde para o enfrentamento das fake news e da covid-19 na terra indígena karitiana, porto velho/ro.
  • Este projeto tem como objetivo geral inventariar os impactos de notícias falsas (fake news) sobre a adesão do povo indígena Karitiana em relação às medidas de prevenção da COVID-19 orientadas pelo Ministério da Saúde. Dentre os objetivos específicos constam: (1) produzir informações qualificadas sobre os riscos e vulnerabilidades em saúde percebidos pelos indígenas Karitiana, (2) traçar um panorama da aceitabilidade, adesão e cumprimento das medidas de prevenção e controle da COVID-19 na TI Karitiana, (3) promover estratégia de educação em saúde em linguagem e formato acessível aos indígenas, visando alcançar a melhoria da comunicação e a prevenção da adesão dos indígenas às fake news. O estudo será conduzido em abordagem qualitativa. A coleta de dados será realizada mediante questionário e observações em campo. As análises serão procedidas com base em literatura concernente ao assunto e na experiência etnográfica, e os resultados serão compartilhados mensalmente com o CNPq, com o Ministério da Saúde, a Agência de Vigilância em Saúde do Estado de Rondônia (AGEVISA), o Distrito Sanitário Especial Indígena, dentre outros setores interessados. Estima-se contribuir com a educação em saúde, a prevenção do adoecimento de indígenas por COVID-19 e melhoria da comunicação, além de produzir informações passíveis de embasar políticas públicas de saúde, em especial no que se refere à vigilância e ao fortalecimento da saúde indígena nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas – DSEI.
  • Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia - RO - Brasil
  • 16/07/2020-15/09/2022
Foto de perfil

Xisto Serafim de Santana de Souza Júnior

Ciências Sociais Aplicadas

Turismo
  • uma contribuição geográfica para consolidação do turismo como alternativa de desenvolvimento da região geográfica de campina grande
  • A presente proposta de pesquisa surge dos resultados obtidos em uma pesquisa anterior desenvolvida com financiamento do CNPq entre os anos de 2013-2016 (SOUZA JÚNIOR, 2017) através da qual identificamos quatro áreas turísticas no Estado da Paraíba sendo uma consolidada-real (João Pessoa), uma em consolidação-potencial (Campina Grande) e duas ainda em processo de estruturação (Patos e Cajazeiras). Para classificação desses espaços foram realizadas, entre o período de 2014 e 2016, oito atividades de campo em municípios selecionados a partir de indicadores de órgãos do governo responsáveis pela classificação dos tipos de atividades turísticas no Estado: a Empresa Paraibana de Turismo (PBTUR) e a secretaria de turismo. A escolha dos municípios esteve pautada nas visitas as localidades classificadas pelas instituições visitadas como tendo potenciais turísticos. Além questionários (300) e entrevistas (15) adotados como procedimentos, o mapeamento foi realizado a partir da realização de um inventário turístico elaborado pela geógrafa Martha Pereira através do qual foi possível definirmos critérios mais precisos para identificação dos elementos de classificação dos espaços turísticos sendo possível relacionar os elementos que constituem a infraestrutura e superestruturas dos espaços visitados. Ao término da pesquisa observou-se que a área geográfica polarizada por Campina Grande necessitaria de um estudo mais consolidado voltado para identificação das potencialidades dos municípios que a compõem para que seja possível a definição da primeira Zona Turística do Estado da Paraíba. Segundo o mapeamento realizado na pesquisa anterior foram identificados como integrantes da área turística de Campina Grande os municípios de Araruna, Guarabira, Bananeiras, Areia, Alagoa Grande, Campina Grande, Fagundes, Ingá, Cabaceiras, Boqueirão e Pedra Lavrada. Para a presente pesquisa excluímos os municípios de Araruna, Guarabira e Bananeiras - por terem disso reclassificados pelo IBGE passando a compor a região geográfica intermediária de João Pessoa -, além da exclusão do município de Pedra Lavrada por não ter sido incluído no mapa do turismo brasileiro como pertencente a uma região turística (IBGE, 2018) e da inclusão do município de Monteiro que além de ter sido inserido pelo IBGE como pertencente a uma região turística vem sendo beneficiado com as obras da transposição do Rio São Francisco. O desenvolvimento deste projeto justifica-se, portanto, pelo fato de poder fornecer alternativas para melhoria do rendimento e baixo dinamismo da sociedade residente nos municípios da Região geográfica de Campina Grande, especialmente no que se refere aos indicadores de pobreza, debilidade econômica, urbanização, educação e renda familiar que, historicamente, têm influenciado de forma negativa na classificação dos municípios desta região dentro dos parâmetros apresentados pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Tem-se, portanto, uma proposta que sustenta a tese de que o turismo pode se concretizar como alternativa ao desenvolvimento regional por proporcionar o fortalecimento e diversificação da base produtiva, aumentar a competitividade e integrar os territórios proporcionando tanto a participação do poder público nas três instâncias federativas (municipais, estadual e federal) na parceria com o setor privado considerado como estratégico na viabilização das políticas de desenvolvimento territoriais. O procedimento metodológico a ser adotado pauta-se no uso de três técnicas da pesquisa qualitativa: a observação participante estruturada com o preenchimento de um inventário analítico por parte dos pesquisadores; a técnica do Snow ball (bola de neve) que consistirá na identificação do potencial turístico a partir de consultas e indicações progressivas e; entrevista com grupo focal através da qual realizaremos a análise de discurso dos sujeitos sociais envolvidos direta e indiretamente com o tema. Com o seu desenvolvimento, estima-se, portanto, uma melhoria no orçamento individual das municipalidades envolvidas sendo o retorno estimado pelo aumento da visitação nestes mesmos dinamizando a economia e promovendo desenvolvimento social.
  • Universidade Federal de Campina Grande - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022