Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Agueda Palmira Castagna de Vargas

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • aspectos funcionais da proteína m de streptococcus equi subespécie equi: uma abordagem para o desenvolvimento de uma vacina contra adenite equina.
  • A adenite equina é uma doença altamente contagiosa, de caráter inflamatório e desenvolvimento agudo, que acomete o trato respiratório superior dos equinos. O agente etiológico é o S. equi subesp. equi (See), que possui um variado repertório de fatores de virulência que combinados propiciam ao microrganismo a capacidade de infectar e causar doença nos equinos. Entre eles destaca-se a proteína M (SeM), que desempenha importante papel na patogenia da adenite equina, com funções de aderência às células do trato respiratório e atividade antifagocítica. Além disso, a SeM é considerada a mais imunogênica das proteínas de superfície, porém apresenta divergências genéticas que podem afetar a sua imunogenicidade e função biológica. Vacinas comerciais convencionais (bacterinas) tem sido amplamente utilizadas no controle da adenite, mas apresentam limitações quanto à eficácia, uma vez que mesmo em rebanhos vacinados são descritos surtos da doença. Assim, o objetivo deste projeto será elucidar as funções biológicas de variantes da SeM do See e disponibilizar um antígeno recombinante para o desenvolvimento de vacinas eficazes e de amplo espectro protetivo contra a adenite equina. Para isso, serão realizados dois experimentos: no primeiro experimento, serão avaliadas as características funcionais e perfil imunogênico de cepas que apresentam 15 distintos alelos da SeM, através da análise da deposição de C3 do sistema do complemento, avaliação da ligação do fibrinogênio equino sobre a superfície do See, investigação da reatividade sorológica cruzada entre os isolados e ensaio de fagocitose. No experimento 2, será desenvolvida uma vacina recombinante contra adenite equina baseada na SeM do See. Para isso, inicialmente será realizada a clonagem, expressão e purificação da SeM seguido do teste de funcionalidade das proteínas e avaliação da capacidade protetora dos antígenos recombinantes em camundongos e equinos. Com a realização de ambos experimentos espera-se caracterizar as diferenças nas funções biológicas de evasão do sistema imune da SeM em isolados de See que possuem diferentes alelos, determinar as diferenças na imunogenicidade entre as cepas detentoras destes diferentes alelos, e produzir antígenos recombinantes, baseados na estrutura aperfeiçoada da SeM do See, que induzam uma resposta imune protetora de amplo espectro contra adenite equina. Assim, considerando as limitações das vacinas comerciais disponíveis para o controle da adenite equina, o desenvolvimento de uma vacina recombinante, baseada na principal proteína imunogênica do S. equi (proteína M), poderia ser uma alternativa para a imunização e proteção de animais, contribuindo para a melhoria na sanidade do rebanho equino brasileiro. Este projeto também contempla uma oportunidade de consolidar e expandir uma colaboração científica já existente com foco no desenvolvimento de vacinas contra patógenos bacterianos que acometem animais de produção. Os alunos participantes serão expostos à um amplo espectro de conhecimentos e abordagens de pesquisa. Eles ganharão experiência em modelos de bioquímica, bioinformática, biologia molecular, engenharia de antígenos vacinais, imunologia e infecção experimental animal para avaliação de vacinas. Em termos de relevância científica, esta proposta contempla o que existe de mais moderno na área de desenvolvimento racional e funcional de vacinas.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Aguinaldo Silva

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • sistemas fluviais avulsivos e sua relação com as inundações e dinâmica hídrica do pantanal sulmatogrossense
  • A presente proposta visa o estudo da dinâmica hídrica do Pantanal Sulmatogrossense considerando as características geomorfológicas e evolutivas do sistema. Rios multicanais de planície tem comportamento pouco considerado nas políticas de gestão de recursos hídricos. Rios de planície, como os do Pantanal, têm estrutura e funcionamento totalmente diverso dos rios de planalto. Avulsões, reativações de canal, relações diretas entre precipitação e água subterrânea, diversidade de corpos de água com diferentes graus de conectividade, aliados a uma dinâmica bastante ativa, produzem ambientes caracterizados por rápida e marcante transformação de paisagem, cuja compreensão é imprescindível ao gerenciamento e gestão dos recursos hídricos. Para suprir tal deficiência, propõe-se neste trabalho estudos de natureza: a) morfológica (mapeamento das unidades geomórficas), dinâmica (balanços de fluxo de água superficial, transporte de sedimento e dinâmica das inundações), evolutiva (transformações no sistema em escala milenar, secular e decenal) e de funcionamento (interações entre os vários componentes do sistema), com a finalidade de produzir um modelo de funcionamento hídrico. A metodologia a ser aplicada é específica para cada tipo de estudo e consiste basicamente em: a) análise e interpretação de dados de sensoriamento remoto, b) medições de vazão, velocidade de fluxo e carga sedimentar (ADCP, amostradores van Dohr e van Veen), d) mapeamento do escoamento das inundações, com sensoriamento remoto e dados hidrológicos, e) mapeamento, composição e datação das estruturas de escoamento e armazenamento da água superficial (sensoriamento remoto, medidas em campo, datações de canais, paleocanais, lagoas etc.). A proposta visa também a integração de pesquisadores da UFMS com outras instituições do Estado e também com UNESP, UEM e com a Universidade de Kentucky/EUA, como também a qualificação de estudantes de pós-graduação para lidar com tema tão complexo como o estudo da dinâmica hídrica em planícies aluviais alagáveis (wetlands), com inundações frequentes e de grande magnitude.
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - MS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022