Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Angélica Simone Cravo Pereira

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • wagyu em clima tropical: desempenho, qualidade da carcaça, carne e expressão gênica em progênies
  • A pecuária brasileira precisa evoluir, a fim de atender à demanda dos consumidores que estão dispostos a pagar por produtos de melhor qualidade sensorial. Neste contexto, a melhoria da qualidade da carne é fundamental. Este estudo objetiva caracterizar as progênies de touros representantes das principais famílias da raça Wagyu Kuroge. Serão utilizadas 40 progênies, de touros, que representam as principais famílias dos ancestrais da raça Wagyu Kuroge. Os animais, mesmo grupo contemporâneo, serão criados em pasto com suas mães, desmamados aos 6 meses, castrados e recriados em um sistema de semi-confinamento. As progênies serão confinadas com 16 meses e protocoladas pelo programa Carne Wagyu Certificada. Durante o abate, serão coletadas amostras do músculo Longissimus (LO) para extração de RNA e proteína. Serão coletadas amostras de LO para análise de colágeno, marmorização, cor, comprimento de sarcômero, maciez objetiva e sensorial, composição da carne e perfil de ácidos graxos. Será analisada a expressão de alguns genes relacionados à adipogênese e lipogênese, como o C/EBPalfa, PPAR, LEP, FABP4, SCD e TORC2, dentre outros. A importância deste estudo inovador infere no impacto da identificação de como as progênies dos principais touros da raça Wagyu se comportam, quando produzidos em condições tropicais. O conhecimento das características de carcaça, carne e como os genes se comportam poderá indicar a seleção genética para propiciar uma evolução rápida e precisa dos animais mais adaptados para nosso sistema de produção, com garantia de carne de qualidade, com características sensoriais desejadas pelos consumidores.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Angelica Thomaz Vieira

Ciências Biológicas

Imunologia
  • papel dos metabolitos microbianos na infecção pulmonar causada por sars-cov2, através da modulação a microbiota e do sistema imune
  • A doença coronavírus (COVID-19), causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV2) tem se tornado o maior problema mundial de saúde pública enfrentado pela humanidade este ano. Essa doença é caracterizada nas suas formas mais graves com sintomas de febre, tosse, dispneia, cefaleia e podem progredir para a síndrome respiratória e óbito. Nesse prognóstico mais grave, a morte dos pacientes está fortemente associada a um quadro de lesão aguda do sistema respiratório causada por uma intensa resposta inflamatória associada com o recrutamento de células inflamatórias, tais quais: neutrófilos e macrófagos. Além disso, tem sido documentado em alguns casos a ocorrência de diarreia como um dos sintomas e o RNA deste vírus foi detectado por longos períodos nas fezes de pacientes infectados com SARS-CoV-2. É importante levar em consideração também que o vírus utiliza a enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2) como porta de entrada, e que essa enzima se encontra altamente expressa no pulmão e intestino. Sabendo-se que a microbiota intestinal, particularmente, os seus metabolitos (ácidos graxos de cadeia curta: acetato, butirato e probionato) exercem um papel relevante na modulação da resposta imune pulmonar, o objetivo principal dessa proposta consiste em: elucidar o papel da microbiota intestinal na patogênese da COVD-19, bem como, avaliar a resposta imunomoduladora dos ácidos graxos de cadeia curta (do inglês short chain fatty acids – SCFAs) e do receptor sensor de metabolite microbiano (Gpr43/FFAr2) em resposta a infecção pelo SARS-Cov-2, em culturas celulares, experimentos in vivo com camundongos, e material clínico obtido de pacientes com COVID-19 para também análises de variantes de polimorfismos (SNPs) associados ao gene GPR43 e sintomas do COVID-19.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 27/08/2020-26/09/2022
Foto de perfil

Angelica Thomaz Vieira

Ciências Biológicas

Imunologia
  • efeito da interação entre dieta, microbiota e hospedeiro sobre a resistência bacteriana a antimicrobianos e suas consequências sobre os eixos intestino-pulmão e intestino- cérebro
  • É alarmante, ainda no século 21, a alta disseminação de bactérias resistentes aos antimicrobianos (RAM). O uso excessivo de antibióticos é um dos principais fatores para a resistência, embora os esforços para limitar o uso destes, não tenham tido os efeitos esperados. Isso sugere que desconhecemos outros fatores que possam contribuir para o aumento da resistência. É sabido, que a microbiota humana pode servir como reservatório de genes de resistência. Nossa microbiota inclui trilhões de microrganismos, que habitam nosso corpo, na sua maioria no intestino. O desequilíbrio na composição da microbiota (disbiose) interfere na quebra da homeostase intestinal e contribuem no surgimento de doenças. As mudanças dietéticas associadas ao estilo de vida ocidental afetam a microbiota e estão associadas com a incidência de doenças, tais quais, obesidade, doenças respiratórias e até mesmo doenças neurológicas. Todavia, é evidente que estratégias terapêuticas de modulação da microbiota (fibras dietéticas e probióticos) exercem efeitos imunomoduladores nessas doenças, como já demonstrado pelo nosso grupo de pesquisa. No entanto, é menos evidente se existe uma conexão direta entre disbiose induzida por fatores dietéticos e o aumento da resistência antimicrobiana. Assim, é nossa hipótese que a disbiose induzida por diferentes dietas ocidentais (dietas obesogênicas, ricas em lipídios e/ou dietas com baixo teor de fibras), contribuem com a seleção de bactérias RAM na microbiota do hospedeiro, e que também, essa seleção, favorece a quebra da barreira epitelial intestinal e alterações inflamatórias na mucosa intestinal que irão afetar outros sítios, como, o pulmão e o cérebro. Para isso, serão utilizados modelos experimentais murinos, incluindo animais nocautes e animais gnotobióticos, manipulações dietéticas, sequenciamento de larga escala para a caracterização dos mecanismos envolvidos no eixo intestino-pulmão-cérebro que possam atuar no processo de resistência antimicrobiana.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 20/04/2022-30/04/2025
Foto de perfil

Ângelo Brandelli Costa

Ciências Humanas

Psicologia
  • cuidados relacionados ao hiv para homens gays e outros homens que fazem sexo com homens: uma revisão sistemática
  • A presente revisão sistemática seguirá as recomendações do PRISMA (Moher et al., 2009) e AMSTAR 2 (Shea et al, 2017) e será registrada no International Prospective Register of Systematic Reviews (PROSPERO). Os artigos incluídos deverão apresentar dados de pesquisas sobre homens gays, homens que fazem sexo com homens e cuidados relacionados ao HIV. Como proposta dessa revisão, considerou-se que os cuidados relacionados ao HIV abrangem todas as intervenções com o objetivo de prevenir, tratar ou aliviar a carga de HIV em homens gays e HSH. Isso inclui estudos focados em HIV-negativo – como profilaxia pré-exposição e profilaxia pós-exposição – testagem de HIV, assim como artigos relativos ao acesso contínuo de cuidados para HIV, acesso aos profissionais de saúde e adesão ao tratamento. Apenas artigos de pesquisas quantitativas em Inglês, Francês, Português ou Espanhol serão incluídos. Portanto os critérios de inclusão serão os seguintes: (a) ter homens gays e homens que fazem sexo com homens (HSH) como participantes; (b) Analisar, no mínimo, uma forma de cuidado relacionado ao HIV – sendo estas PEP, PrEP, TasP, testagem em HIV, barreiras ou facilitadores à assistência de cuidados de saúde e adesão à TARV; (c) ser um artigo de pesquisa quantitativa; (d) ter sido escrito em Inglês, Francês, Espanhol ou Português; e (f) Ser um artigo revisado por pares. Em contrapartida os critérios de exclusão serão os seguintes: (a) incluir métodos incompletos ou ambíguos; (b) não ser um artigo completo, ou seja, um pôster ou resumo; (c) não está disponível para download; (d) não apresentar análise de resultados diretamente relacionados a homens gays e HSH, como por exemplo, análises de programas governamentais.; e (e) não apresenta nenhum resultado exclusivamente relativo a homens gays ou HSH. Vale ressaltar que artigos relacionados ao uso de preservativo e microbicida retal não serão incluídos na pesquisa. Se selecionados, serão excluídos durante o processo de triagem. Embora estas sejam estratégias de prevenção e, portanto, possam ser consideradas cuidados relativos a HIV/AIDS, foram incluídas exclusivamente estratégias que dependem do acesso a cuidado à saúde. Todos artigos serão coletados no período de 1 mês por 3 pesquisadores treinados em revisão sistemática. Todos artigos das seguintes bases de dados serão incluídas na presente revisão sistemática: PubMed, Scopus, Global Health, Sociological Abstracts, PsycINFO, Web of Science, EBSCO, and POPLine.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 01/01/2020-31/12/2022
Foto de perfil

Ângelo Brandelli Costa

Ciências Humanas

Psicologia
  • síntese de evidências sobre a efetividade de programas de educação em saúde sexual abrangentes em comportamentos de adolescentes com foco em equidade.
  • Em 2020, cerca da metade dos novos casos de HIV/AIDS ocorreram em jovens entre 15 e 24 anos de idade. Em função da abrangência, a educação sexual em ambiente escolar é um dos alicerces da prevenção de HIV/AIDS entre adolescentes. Em revisão sistemática, diversos autores identificaram a educação sexual abrangente com boas evidências para modificar uma serie de comportamentos entre os jovens. No entanto, mapeamento de propostas brasileiras de educação sexual para adolescentes evidenciou que a maioria das estratégias não contem evidências de eficácia e efetividade. Isso torna-se ainda mais complexo tendo em vista a diversidade sociocultural brasileira, geradoras de inequidades e barreiras para o acesso a implementação de estratégias de saúde sexual. Portanto, o objetivo geral desta proposta é definir, a partir de uma revisão sistemática programas de educação em saúde sexual abrangente, voltado à modificação de comportamento de adolescentes, com melhor custo-efetividade para implementação no contexto do sistema de saúde público brasileiro. A seguir, traduzir e disseminar conhecimento científico (por meio de policy brief) a fim de direcionar stakeholders, e as comunidades particularmente afetadas. Além disso, busca especificamente, 1) revisar as características programáticas e evidencias de efetividade das intervenções de educação sexual abrangente.2) revisar as barreiras de implementação destas intervenções, em sistemas de saúde públicos de países de baixa e média renda, com foco em equidade. E 3) caso possível, realizar metanálise, com análise de equidade, na redução de comportamento sexual de risco em adolescentes bem no reconhecimento de situações de abuso sexual. Portanto, será realizada uma síntese de evidências com diálogo de políticas, conforme passo a passo descrito na Diretriz metodológica: síntese de evidências para políticas do Ministério da Saúde. A presente síntese de evidências será baseada em uma revisão sistemática.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 03/12/2021-31/12/2022