Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sura Wanessa Nogueira Santos Rocha

Ciências Biológicas

Imunologia
  • avaliação dos mecanismos imunorregulatórios da dietilcarbamazina (dec) na hepatite autoimune e associação com doenças neurodegenerativas em estudo experimental e clínico.
  • Hepatite autoimune (HAI) é uma doença inflamatória crônica do fígado, caracterizada pela presença de autoanticorpos circulantes, elevação nos níveis das transaminases séricas, hiperglobulinemia (principalmente IgG) e um quadro histológico de hepatite de interface. Mesmo com o tratamento convencional, monoterapia com predinisona ou em combinação com azatioprina, a cirrose costuma ocorrer em 40% dos pacientes tratados e é tida como um fator de risco para o desenvolvimento do carcinoma hepatocelular (CHC). A inabilidade de suprimir totalmente a atividade inflamatória em até 12 meses de tratamento está relacionada com sua evolução para cirrose em 54% dos casos e morte ou transplante hepático em 15% dos casos. Desse modo, devido os relatos de falha terapêutica, toxicidade aos fármacos utilizados e o desenvolvimento de complicações secundárias associadas à HAI, opções terapêuticas que suplementem o tratamento convencional e que utilizam mecanismos de tolerância hepática estão começando a surgir, tais como a geração de células T regulatórias e de citocinas imunossupressoras para tratamento de doenças autoimunes. Atualmente, têm-se realizado alguns estudos sobre o mecanismo de ação da Dietilcarbamazina (DEC), que apesar de mais de 60 anos de uso, teve o seu potencial farmacológico pouco explorado. A DEC é conhecida como um anti-inflamatório, devido ao seu sucesso em reduzir o efeito induzido experimentalmente de inflamação pulmonar e hepática. Estas respostas inflamatórias reduzidas estão atribuídas à inativação do NF-κB, suprimindo assim a indução de NF-κB genes dependente. A DEC também é conhecida como inibidor da ciclooxigenase e vias lipoxigenase. Essa droga foi evidenciada por reduzir a inflamação hepática e lesão por redução de mediadores inflamatórios e elevação da IL-10. Dentre poucos estudos realizados com a DEC, cabe uma avaliação definitiva e abrangente desta droga para avaliar seu potencial efeito imunomodulador frente à hepatite autoimune. Estudos em humanos e animais têm demonstrado que a N-acetil-L-cisteína (NAC) é um potente agente antioxidante e terapêutico, mostrando-se uma droga segura, bem tolerada e com amplo espectro clínico. Suas aplicações estão sendo avaliadas no tratamento do câncer, transtornos neuropsiquiátricos, síndromes de isquemia-reperfusão, doenças cardíacas, infecções pelo HIV, bronquite, SARA, toxicidade induzida por quimioterápicos e outras doenças caracterizadas pela produção de radicais livres. Seus efeitos também estão sendo avaliados em doenças fibrogênicas e granulomatosas. A expressão de moléculas pró-inflamatórias é regulada por vários fatores de transcrição e vias de sinalização, e dentre estas vias, proteínas quinase ativadas por mitógenos (MAPKs) são moléculas sinalizadoras que possuem importante papel na regulação do crescimento, diferenciação, sobrevivência e apoptose celular, na resposta celular a citocinas e estresse. A via das MAPKs inclui p38 MAPK, c-Jun N-terminal kinase (JNK) e quinase regulada por sinal extracelular (ERK) que estão envolvidos na expressão de COX2 e iNOS em macrófagos ativados por LPS. MAPKs têm importante papel na ativação do fator de transcrição nuclear NF-κB, o qual por sua vez regula a expressão de genes envolvidos nas respostas imune e inflamatória. Diante do exposto, o presente trabalho tem como objetivo investigar a ativação da via de sinalização p38 MAPK bem como o fator nuclear-kB no fígado em um modelo experimental murino de hepatite autoimune induzida pela Concanavalina A, identificar quais outros órgão essa patologia pode influenciar negativamente, e assim, verificar o efeito imunomodulador da DEC, e também da sua associação com a N-acetil-cisteína através de avaliações moleculares, bioquímicas e morfológicas (histopatológicas e ultraestruturais). Ademais, um outro objetivo relevante deste projeto é de relacionar a HAI com doenças neurodegenerativas, sendo abordadas nesse trabalho: encefalopatia diabética, mal de Parkinson e Alzheimer. Investigar uma correlação entre essas enfermidades deve ser posta em prioridade, uma vez que as doenças envolvem mecanismos desreguladores da imunidade do indivíduo, incluindo os autoimunes. Adicionalmente, existe uma escassa literatura capaz de levantar dados epidemiológicos acerca dessa conexão, bem como de explicar a ocorrência dessas patologias correlacionadas. Além disso, compreender essa relação tem o potencial de propor o melhor manejo do usuário do sistema de saúde, atendendo melhor suas demandas e estruturando apoio do ponto de vista da saúde, do âmbito social, econômico e político. Outrossim, em parceria com o IFP, o presente projeto pretende caracterizar a hepatite autoimune em amostras de biópsias de fígado de pacientes do estado de Pernambuco, a fim de elucidar os mecanismos e as vias de sinalização do desenvolvimento dessa patologia e assim integrar aos cuidados específicos à saúde dessa população. Este projeto será desenvolvido na Universidade de Pernambuco em colaboração com o Instituto Aggeu Magalhães – IAM/FIOCRUZ, Instituto do Fígado de Pernambuco – IFP, Universidade do Vale de São Francisco – UNIVASF e Universidade Federal de Pernambuco – UFPE.
  • Universidade de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Susan Chow Lindsey

Ciências da Saúde

Medicina
  • determinação de biomarcadores para carcinoma medular da tiroide em sangue periférico identificados através de transcriptoma
  • O carcinoma medular da tiroide (CMT) avançado apresenta prognóstico desfavorável e, ao diagnóstico inicial, muitos pacientes já apresentam metástases. O acompanhamento dos pacientes é baseado nos níveis séricos de marcadores tumorais e em sua taxa de progressão ao longo do tempo. Pacientes com suspeita de metástases são submetidos a exames de imagem localizatórios que, com frequência, são realizados sequencialmente para se investigar progressão da doença. Baseados em estudos prévios de detecção de RNA mensageiro tumoral circulante, analisamos o transcriptoma em sangue periférico de pacientes com CMT através da técnica de sequenciamento paralelo em larga escala do tipo RNA-Seq, visando a detecção de assinaturas transcricionais representativas de CMT avançado. A partir destas bibliotecas de transcriptoma, analisaremos os genes diferencialmente expressos e realizaremos a validação em uma coorte ampliada de pacientes com CMT através de PCR quantitativo. Serão incluídos pacientes com CMT persistente, com doença locorregional e metastática, tanto com doença estável quanto em progressão, e aqueles com CMT sem evidência de doença. A validação de biomarcadores tumorais em sangue periférico de pacientes com CMT possibilitará um método pouco invasivo, de baixo custo, e que identifique, em tempo real, o estado tumoral e seu caráter de progressão, trazendo vantagens sobre métodos de maior custo ou que requerem tempo maior de observação.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Susan Martins Pereira

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • efeito da vacinação e revacinação por bcg na ocorrência e gravidade da covid-19 no brasil.
  • Trata-se de um estudo multicêntrico com o objetivo de avaliar a efetividade da vacinação e revacinação por BCG na ocorrência e gravidade da COVID-19 no Brasil. 1) Estimar a associação entre a gravidade da COVID-19 de acordo com diferentes status vacinal (Estudo 1). 2) Estimar e comparar a ocorrência e gravidade por COVID-19 entre vacinados (BCG neonatal) e revacinados (BCG neonatal e BCG na idade escolar) utilizando-se da população do REVAC-BCG (Estudo 2). 3) Avaliar a resposta de imunidade treinada, humoral e protetora da vacina BCG em pacientes hospitalizados com COVID-19 com e sem cicatriz vacinal (Estudo 3). Este projeto será desenvolvido a partir de três estudos complementares: Estudo de caso-controle, não pareado realizado com casos e controles residentes nos municípios de Salvador, Manaus, Rio de Janeiro, São Paulo e Recife. Os casos serão indivíduos hospitalizados com diagnóstico confirmado de COVID-19 que apresentaram a forma grave ou óbito por COVID-19 e os controles, indivíduos com diagnóstico confirmado de COVID-19 e que não apresentaram os sinais e sintomas de gravidade da doença. A vacinação por BCG será a exposição. O segundo estudo será uma re-análise do ensaio comunitário REVAC-BCG, realizada a partir da base de dados referente ao ensaio comunitário que avaliou a eficácia da segunda dose da vacina BCG contra tuberculose e hanseníase, em Salvador e Manaus. Os casos e óbitos da COVID-19 ocorridos nentas duas cidades serão identificados no Sistema de Informação SIVEP GRIPE e no Sistema de Informação sobre Mortalidade, e serão vinculados a base de dados do REVAC-BCG para análise da associação entre os diferentes status de vacinação por BCG e os desfechos (casos e óbitos) pela COVID-19. No terceiro estudo pretende-se avaliar a resposta de imunidade treinada, humoral e protetora da vacina BCG em pacientes diagnosticados com COVID-19. Espera-se contribuir para o conhecimento da efetividade da vacinação e revacinação por BCG na ocorrência e na redução da gravidade da COVID-19 em nosso país.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 16/07/2020-15/09/2022
Foto de perfil

Susana Bubach

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • análise da sífilis congênita e fatores associados em regiões de alta morbimortalidade no espírito santo
  • As notificações de sífilis congênita têm aumentado no Brasil, sendo mais frequente nas mulheres com menor escolaridade, jovens e nas negras e pardas. As regiões Metropolitana e Norte do estado do Espírito Santo têm registrado aumento no número de casos da doença em gestantes e crianças, com 12,7 e 8,6 casos de sífilis congênita para cada 1.000 nascidos vivos no ano de 2015, sendo estas regiões caracterizadas pela alta morbimortalidade materna e infantil. Assim, este estudo visa analisar os fatores associados à sífilis congênita, entre mulheres que tiveram sífilis durante a gestação, nas regiões de saúde Metropolitana e Norte do estado do Espírito Santo. Trata-se de um estudo de caso e controle a partir de casos de sífilis congênita notificados no ano de 2016, nos 34 municípios das Regiões Metropolitana e Norte do estado. Os casos de sífilis congênita serão todos os recém-nascidos, natimortos ou abortos de mulher com sífilis não tratada ou tratada de forma não adequada. Os controles serão os recém-nascidos de gestantes que durante o pré-natal foram notificadas para sífilis (tratadas, não tratadas ou inadequadamente tratadas), cujos bebês não tiveram sífilis congênita. As informações sobre os casos e controles serão obtidas por meio das fichas de notificação/investigação de sífilis congênita e sífilis em gestantes, além de dados do cadastro no Sistema de Acompanhamento no Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento (SisPreNatal). Em caso de ausência de informações nessas fontes, será realizado contato telefônico para agendar entrevista. Para análise será utilizado o programa Stata. Na análise descritiva, será determinada média com desvio padrão (DP), para as variáveis contínuas, e proporção com intervalo de confiança (IC), para as categóricas. A regressão logística será utilizada para estimar odds ratio. Para identificar diferenças estatisticamente significativas nos testes, será utilizado p-valor inferior a 5%. O projeto foi aprovado pelo Comitê de ética em pesquisa do Centro Universitário Norte do Espírito Santo da Universidade Federal do Espírito Santo. Espera-se com este estudo identificar os fatores que impactam no aumento das notificações de sífilis congênita e mudança na assistência a essas mulheres, com consequente redução no número de casos da doença.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022