Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Aldina Maria Prado Barral

Ciências da Saúde

Medicina
  • ferramentas simples para diagnóstico e prognóstico da covid-19 no sus utilizando sintomas e saturação de oxigênio
  • Investigaremos as características clínicas dos pacientes com COVID-19 para desenvolver escores simples de diagnóstico e prognóstico para apoio na triagem dos pacientes com sintomas respiratórios e para orientar o prognóstico. Essas ferramentas serão para ampla utilização no SUS mesmo após curva inicial da epidemia, com a qual deveremos lidar por pelo menos mais dois anos. Aplicaremos métodos modernos e robustos de análise de dados, como rede neural e aprendizado de máquina (machine learning), para criar ferramentas clínicas precisas, repetindo estratégias de sucesso desenvolvidas pela nossa equipe e por outros pesquisadores, em síndromes febris virais. Tal estratégia é de grande importância considerando a rapidez como a COVID-19 propagou-se no mundo, impondo desafios especialmente para identificação precoce dos doentes e, entre esses, daqueles que necessitarão de internamento hospitalar. O diagnóstico laboratorial por PCR para identificar a infecção nos primeiros dias não está sendo realizado em massa pela escassez de kits para detecção molecular e necessidade de equipamento sofisticado. Por outro lado, os testes sorológicos disponíveis atualmente têm melhor desempenho após a segunda semana de sintomas, com pouca vantagem como estratégia para evitar disseminação do vírus. Adicionalmente, afora os fatores de risco de mortalidade, não é possível identificar precocemente o perfil clínico dos casos que irão necessitar de cuidados hospitalares. Para diagnóstico rápido e prognóstico de internamento é preciso criar ferramentas de vigilância que envolvam aspectos clínicos iniciais da doença. Essas ferramentas são factíveis considerando que, embora muitos sintomas de COVID-19 se assemelham a de outros quadros virais, há peculiaridades na apresentação clínica, como as alterações de olfato e de paladar. Com início precoce (em média 4 dias), essas alterações sensoriais foram descritas entre 45% a 86% dos casos de COVID-19, com alta especificidade, por tratar-se de sintomas incomuns em outras viroses. A associação dessas alterações sensoriais com outros sintomas da frequentes de COVID-19 infecção resultará em um escore diagnóstico de boa acurácia. Na avaliação de marcadores de prognóstico, além dos sintomas pretendemos analisar a taxa de oxigenação do sangue utilizando oximetria de pulso, uma medida indireta e simples para acessar a função pulmonar que tem sido utilizada em outros modelos de predição de infecção respiratória. Pretendemos realizar um estudo com 1200 pacientes testados para SARS-CoV-2 e outras viroses por PCR e/ou sorologia, aplicando questionário em dois momentos nos primeiros 30 dias de sintomas. Serão investigados presença e duração da manifestação clínica, condições coexistentes, uso de medicamentos, valor da oximetria e internamento hospitalar relacionado a COVID-19. Adicionalmente, em um grupo de pacientes positivos, pretendemos caracterizar e confirmar as queixas de alterações de olfato e paladar utilizando testes específicos. As características clínicas serão analisadas por árvore de decisão e análise multivariadas para derivação dos escores clínicos de risco de infecção e de internamento. Os escores serão derivados e validados em populações de diferentes estados e submetidas ao mesmo protocolo de avaliação. Os produtos desse estudo, duas ferramentas clínicas simples, de fácil utilização e aplicação sem custo adicional ao sistema de saúde, poderão ser utilizadas no contexto do SUS pela equipe de saúde de atenção primária. Esses escores serão especialmente úteis no período pós-epidemia considerando a necessidade de criar prioridades de atenção à saúde e de vigilância de novos surtos da doença num cenário de a escassez de recursos financeiros.
  • Fundação Oswaldo Cruz - BA - Brasil
  • 17/08/2020-16/09/2022
Foto de perfil

Aldo Ângelo Moreira Lima

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • desenvolvimento de um novo modelo murino de desnutrição infantil e patobiologia da infecção intestinal por escherichia coli enteroagregativa
  • A desnutrição infantil é um problema de saúde pública mundial que afeta principalmente países com baixo e médio poder socioeconômico, resultando no aumento da morbidade por doenças diarreicas e outras doenças infecciosas, enteropatia ambiental, déficit cognitivo e mortalidade infantil. Dentre os agentes etiológicos mais prevalentes na infecção entérica, temos a Escherichia coli enteroagregativa (EAEC). A EAEC causa infecção entérica subclínica e clínica, gerando um processo inflamatório intestinal que pode comprometer a absorção de nutrientes. Neste contexto, a desnutrição e a infecção por EAEC são duas patologias extremamente associadas, que impactam na saúde pública e necessitam da melhor compreensão quanto a sua patofisiologia para o desenvolvimento e aplicação de medidas preventivas e de tratamentos. Este estudo tem como objetivo desenvolver um novo modelo murino de desnutrição fundamentado com base nos dados do estudo coorte-multicêntrico de desnutrição e infecção entérica infantil (MAL-ED; https://www.fic.nih.gov). Neste modelo murino de desnutrição iremos caracterizar as alterações na composição de substratos orgânicos corporal, a disfunção na barreira morfofuncional intestinal, o perfil metabólico e a susceptibilidade a infecção por EAEC. Para isto, iremos reproduzir um modelo de desnutrição em camundongos C57BL/6 com base na dieta dos dados coletados e analisados do recordatório alimentar de 24 horas em crianças (0-24 meses de idade) participantes no estudo coorte MAL-ED em oito países na América do Sul (Peru e Brasil), África (África do Sul e Tanzânia) e Ásia (Bangladesh, Nepal, Paquistão e Índia) com baixo e médio poder socioeconômico. A partir deste modelo, poderemos compreender o impacto da desnutrição infantil e infecção entérica por EAEC no desenvolvimento corporal através de dados como peso, comprimento da cauda e composição corporal, por meio da bioimpedância elétrica; também avaliaremos as alterações desencadeadas na barreira morfofuncional intestinal, como alterações morfológicas através de estudos utilizando a microscopia óptica, eletrônica de varredura e de crio-fratura; alterações na área de absorção, permeabilidade e lesão intestinal através do uso de câmaras de Ussing e teste com biomarcadores moleculares, lactulose e manitol; e alterações de transcritos e expressões proteicas através do uso de PCR em tempo real e Western Blotting. Avaliaremos também o impacto da desnutrição no perfil metabólico através da ressonância magnética nuclear (RMN) de 1H e cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massa (LC-MS/MS). Os resultados deste estudo têm a perspectiva de desenvolver um novo modelo murino de desnutrição e identificar os mecanismos patofisiológicos associados a barreira morfofuncional intestinal, suas influências sobre a determinação do perfil metabólico relacionados ao modelo murino de desnutrição, bem como a susceptibilidade e patobiologia da infecção por EAEC em associação com a desnutrição. Estes resultados contribuirão para o desenvolvimento potencial de medidas preventivas e intervenções clinicas neste importante problema mundial de saúde pública.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022