Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Washington Leite Junger

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • saúde em ambientes urbanos (fase 3): poluição atmosférica, fatores climáticos e áreas verdes
  • O presente projeto visa contribuir para a consolidação do conhecimento sobre os efeitos das exposições urbanas como poluição atmosférica e extremas meteorológicas na saúde das populações residentes em grandes centros urbanos. Este projeto busca também estender a investigação para os efeitos que outros elementos do ambiente em centros urbanos podem exercer sobre a saúde, por exemplo, os benefícios de áreas verdes como parques e jardins. O objetivo principal deste projeto é avaliar os efeitos do espaço urbano construído, em termos de poluição atmosférica, fatores climáticos e disponibilidade de áreas verdes, na saúde da população das capitais brasileiras. Um objetivo secundário do projeto é o desenvolvimento de metodologias para quantificação da exposição da poluição atmosférica ambiental e avaliação de intervenções a fim de reduzir riscos ambientais. Os objetivos específicos são: (i) estimar a associação entre material particulado fino (PM2,5) e mortalidade por doenças respiratórias e cardiovasculares na cidade do Rio de Janeiro; (ii) estudar a associação entre poluição atmosférica e danos no DNA e a potencial modificação de efeitos de polimorfismos genéticos em crianças e adolescentes asmáticos no município do Rio de Janeiro; (iii) estimar o efeito da temperatura e das ondas de calor na mortalidade por DIC e DCBV no município do Rio de Janeiro; (iv) investigar o efeito da temperatura e do estresse térmico na mortalidade por doenças cardiovasculares nas populações das capitais brasileiras, bem como impactos futuros segundo diferentes modelos e cenários climáticos; (v) estimar a associação entre áreas verdes e mortalidade por doenças cardiovasculares, no município do Rio de Janeiro considerando aspectos sociodemográficos e ambientais; (vi) explorar a aplicabilidade de modelos de simulação baseada em agentes para avaliar o impacto de intervenções de mitigação dos efeitos das mudanças climáticas no ambiente urbano na saúde da população; e (vii) avaliar a associação entre áreas verdes no ambiente construído e os Transtornos Mentais Comuns. Este projeto também visa fortalecer a cooperação internacional com o ISGlobal (Instituto de Salud Global Barcelona, Espanha) com a participação de um pesquisador dessa instituição.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Washington Luiz Esteves Magalhaes

Ciências Agrárias

Recursos Florestais e Engenharia Florestal
  • uso da economia circular, sistema agroflorestal e da biorrefinaria para mitigar a falta de segurança hídrica, energética e alimentar aos pequenos produtores do litoral paranaense
  • Vide projeto anexo
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - PR - Brasil
  • 05/12/2017-31/12/2020
Foto de perfil

Washington Soares Ferreira Júnior

Outra

Ciências Ambientais
  • quais fatores influenciam no conhecimento e na seleção de estratégias de tratamento ao longo do curso da doença em um grupo humano?
  • O que leva as pessoas na busca por tratamentos e a adotar estratégias de prevenção de doenças em sistemas médicos locais? Algumas evidências mostram que doenças percebidas pelas pessoas com alta frequência de ocorrência tendem a apresentar muitas plantas e animais medicinais para o seu tratamento. Uma explicação para isso pode estar ligada à experiência prévia que as pessoas possuem com essas doenças frequentes. O papel da experiência prévia tem sido destacado nos estudos de percepção de risco das pessoas sobre desastres ambientais. Isso sugere que o fato de uma pessoa não apresentar experiência prévia com a doença levaria a pessoa a adotar menos comportamentos preventivos e apresentar um menor conhecimento sobre as estratégias de tratamento (plantas medicinais e medicamentos de origem biomédica). Além disso, a busca por tratamentos pode ser bastante variada ao longo do curso de uma doença. Nesse caso, é também importante verificar se a frequência de ocorrência da doença, além de outros fatores ligados às características das doenças e dos moradores locais, afeta a seleção de tratamentos à medida que a doença avança. Para avaliar o papel da experiência prévia em sistemas médicos locais, e os fatores que afetam as decisões terapêuticas ao longo da doença, realizaremos um estudo em um grupo humano no nordeste brasileiro. Serão realizadas entrevistas individuais em que os participantes serão convidados a listar as plantas medicinais, os medicamentos de origem biomédica e as estratégias de prevenção que utilizam para cada doença indicada. Os participantes também serão convidados a informar a probabilidade de adquirir a doença no próximo ano após a realização da entrevista, a percepção de gravidade e o grau de preocupação em relação à doença. Será realizado um itinerário terapêutico para acompanhar famílias da comunidade ao longo de dois anos, registrando os eventos de doenças e as decisões terapêuticas tomadas em cada episódio. Também será realizada uma oficina participativa para obter informações sobre a percepção da frequência de ocorrência da doença. Esperamos que a experiência prévia com a doença seja o principal preditor do número de plantas, medicamentos conhecidos e do número de estratégias adotadas para prevenir a doença. Esperamos também que a frequência da doença seja importante em predizer o número de estratégias tomadas ao longo do curso da doença. Esse achado indicaria um importante mecanismo pelo qual as pessoas em um sistema médico direcionam suas estratégias de prevenção e tratamento de doenças e explicaria por que há uma grande riqueza de tratamentos para doenças com alta frequência de ocorrência em grupos humanos.
  • Universidade de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022