Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Amélia Cardoso Rodrigues

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • eficácia da terapia de integração sensorial de ayres no tratamento de crianças com transtorno do espectro do autismo
  • De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais-Quinta Edição (DSM-V, American Psychiatric Association APA, 2014), o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um distúrbio do neurodesenvolvimento que se manifesta nos primeiros anos de vida, em geral, antes de a criança ingressar na escola, caracterizado por déficits persistentes na comunicação social e na interação social em diversos contextos, incluindo déficits na reciprocidade social, em comportamentos não verbais de comunicação para interação social e em habilidades para desenvolver, manter e compreender relacionamentos. Para o diagnóstico é necessária a presença de padrões repetitivos e restritos de comportamento, interesses e atividades, incluindo hiper ou hiporreatividade à entrada sensorial ou interesses atípicos em aspectos sensoriais do meio ambiente (por exemplo, fascínio com luzes ou movimento, versão a texturas, resposta auditiva excessiva), que prejudicam o desempenho em atividades diárias. Houve fusão do transtorno autista, transtorno de Asperger e transtorno global do desenvolvimento no transtorno do espectro autista, em relação ao DSM-IV para o DSM-V, deste modo, os sintomas representam um continuum único de prejuízos com intensidades que vão de leve a grave nos domínios de comunicação social e de comportamentos restritivos e repetitivos, não sendo mais variações do transtorno, mas gravidade do TEA. Estudaram indicam crescente número de crianças diagnosticadas com TEA, Baio et al. (2014) pesquisaram 11 cidades localizadas no Estados Unidos da América e levantaram que 1 a cada 59 crianças foram diagnosticadas com TEA aos 8 anos de idade, este índice foi maior do que nos estudos anteriores. Sendo necessários investidos em saúde pública para traçar estratégias de diagnóstico precoce e também com as finalidades de alcançar os fatores de risco, as necessidades comportamentais, educacionais e também ocupacionais dessa população. As questões de processamento sensorial são comuns nos indivíduos com TEA, estimam-se que cerca de 40% a 90% das crianças autistas apresentam dificuldades na integração sensorial (BARANEK, et al., 2014). De acordo com Ashburner, et al (2014), as respostas sensoriais incomuns podem impactar a participação nas atividades de vida diária (AVDs). As principais AVDs prejudicadas pelos padrões sensoriais incomuns são dormir, vestir-se, comer, participar de brincadeiras e participar de atividades de lazer e atividades escolares (CHEIEN, et al, 2016; MAZUREK, PETROSKI, 2015; MILLER HUHANECK, BRITNER, 2013). Para Minatel e Matsukura (2014) os familiares enfrentam claramente os impactos na inserção social, não só da criança/adolescente com TEA, mas de seu núcleo familiar como um todo condicionando a qualidade de vida e o bem estar de todos no dia a dia. As atividades de vida diárias são objetos de estudos dos terapeutas ocupacionais, e na população autista, a abordagem de Integração Sensorial de Ayres é frequentemente aplicadas pelos terapeutas ocupacionais. A Integração sensorial é “o processo neurológico que organiza as sensações do próprio corpo e do ambiente fazendo com que seja possível o uso do corpo efetivamente no ambiente”, (SCHAAF, ROSEANN C. et al, 2018 APUD AYRES, 1989). Para Schaaf, Roseann C, et al, (2018), “a fidelidade aos preceitos básicos preconizados por Ayres é essencial para assegurar que a intervenção, embora possa parecer questão irrelevante, a ausência de lealdade aos elementos estruturais e processuais vem repercutindo em equívocos no âmbito da produção científica e possivelmente da prática clínica”. Deste modo, técnicas sensoriais específicas são incorporadas em sessões de terapia para apoiar a participação da criança nas AVDs (PARHAM et al, 2011). A criança estará apta a receber o estímulo sensorial, registrá-lo, orientar-se perante ele, interpretá-lo, organizar uma resposta adaptativa e executá-la reduzindo os desafios relacionados ao processamento sensorial. O objetivo geral do estudo é analisar a eficácia da terapia de Integração Sensorial de Ayres no desempenho de atividades de vida diária e participação de crianças em idade pré escolar diagnosticadas com TEA.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Augusta Ferreira de Freitas

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • análise longitudinal do desempenho de negócios apoiados por programas de microcrédito
  • A presente pesquisa justifica-se à medida que se propõe a gerar evidências empíricas únicas das variáveis que explicam o desempenho de negócios apoiados por programas de microcrédito no Brasil. Para além do que se se tem feito até o momento, inclui-se neste projeto o efeito inédito do tempo, compreendendo a natureza das dinâmicas de médio e longo prazo. O objetivo geral é avaliar quais variáveis impactam no desempenho de negócios apoiados por programas de microcrédito e o efeito do tempo nesta relação. De forma a gerar evidências empíricas sobre o tema, serão utilizados dados de um Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste do Brasil, o maior banco de desenvolvimento da América Latina, com mais de 3 bilhões de reais em empréstimos a mais de 2 milhões de tomadores em 2017. Para esta pesquisa foram disponibilizadas informações de cerca de 200.000 (duzentas mil) operações ao longo de 15 anos. Técnicas estatísticas de modelagem de dados em painel e técnicas de segmentação dinâmica serão utilizadas para compreender a evolução de diferentes segmentos atendidos pelo Programa ao longo do tempo.
  • Universidade Estadual do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carina Tamanaha

Ciências da Saúde

Fonoaudiologia
  • reconhecimento de padrão pré-verbal e verbal para predizer a necessidade de implementação do picture exchange communication system – pecs em crianças autistas
  • Objetivo: Este estudo propõe investigar os padrões de comportamento pré-verbal e verbal no Transtorno do Espectro Autista (TEA), com intuito de reconhecermos um coeficiente que seja capaz de predizer mais facilmente a necessidade de implantação do Picture Exchange Communication System – PECS em crianças autistas que estejam iniciando a intervenção terapêutica fonoaudiológica na primeira infância. Metodologia: Trata-se de estudo longitudinal. A amostra será constituída por crianças de ambos os gêneros, na faixa etária de 3 a 5 anos, avaliadas e diagnosticadas por equipe multidisciplinar com TEA, segundo os critérios do DSM-5 e atendidas por meio da parceria interdisciplinar e interdepartamental dos Departamentos de Fonoaudiologia, de Psiquiatria e Psicologia Médica e da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, todos da UNIFESP. As crianças serão avaliadas clinicamente e realizarão avaliações fonoaudiológica e cognitiva. Trechos das sessões de avaliação fonoaudiológica serão analisadas e transcritas pela ferramenta ELAN. As crianças serão acompanhadas e após doze meses de intervenção terapêutica fonoaudiológica seus padrões pré-verbal e verbal serão reavaliados para obtenção do coeficiente preditivo. Resultados: A partir da análise dos resultados acreditamos que será possível contribuir com a construção de práticas baseadas em evidências que possam ser implementadas em serviços de assistência às crianças com TEA
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Amorim Orrico

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • compostagem de resíduos orgânicos em leiras estáticas: uso da aeração forçada na eficiência do processo e de aditivos na mitigação das perdas de n
  • Um dos métodos mais utilizados para o tratamento e reciclagem de resíduos orgânicos sólidos é a compostagem, por ser uma técnica que envolve baixo custo e pode ser realizada em diferentes escalas, gerando como benefícios a redução do material poluente, de microrganismos patogênicos e a obtenção de um fertilizante orgânico, que pode retornar ao sistema produtivo, agregando valor e reduzindo o custo com os fertilizantes químicos. Porém, muitos resíduos possuem condições que não permitem a manipulação durante a fase inicial de degradação, e assim surge a necessidade de que o processo seja desenvolvido em pilhas estáticas, no entanto, é essencial que mesmo sem o revolvimento da massa em compostagem haja aeração suficiente, garantindo assim a eficiência desta técnica. Assim surge o primeiro objetivo desta proposta, que será avaliar a compostagem em leiras estáticas, aeradas e não aeradas, conduzidas no inverno e verão, utilizando quatro resíduos orgânicos (peixe, restaurante, incubatório e abatedouro de ruminantes) em associação com feno e casca de arroz. Como uma das maiores preocupações deste processo é a perda de N durante a compostagem, a partir dos resultados obtidos com a condução da primeira etapa experimental, será desenvolvido o segundo ensaio, no intuito de verificar a eficiência da glicerina bruta e biocarvão na retenção de N. Para condução da primeira etapa experimental será adotado o DIC em esquema fatorial 4 x 2 x 2, formado por 4 resíduos orgânicos (produto da filetagem de peixe, descarte do restaurante universitário, descarte de abatedouro bovino e ovino e ainda, o resíduo de incubatório de ovos para a produção de pintos de 1 dia), compostados com e sem aeração e em duas estações do ano (verão e inverno), obtendo-se assim 16 tratamentos, com 2 repetições (leiras). Será utilizado material absorvente na formação das leiras, empregando-se a relação de 3,0 a 3,5:1 (massa:massa) entre resíduo orgânico e este material. Diariamente serão mensuradas as temperaturas das leiras e promovida a aeração nas leiras que terão esta condição (o fluxo de ar será de 0,9 L. min -1), semanalmente serão acompanhados os teores de umidade, efetuando a determinação dos ST (sólidos totais). Quando as temperaturas começarem a apresentar declínio as amostras coletadas para a determinação de umidade também serão utilizadas para a análise de Carbono, com o intuito de avaliar as perdas da fração orgânica; com essas amostras também serão medidos: pH, condutividade elétrica e determinados os números mais prováveis de coliformes totais e termotolerantes e dos teores de sólidos voláteis (SV) e N. A amônia será quantificada nos primeiros 20 dias de compostagem. No material inicial e final da compostagem também serão determinados o extrato etéreo (EE) e os constituintes fibrosos (FDN, FDA, celulose, hemicelulose e lignina). Com o composto será realizado o teste do índice de germinação (IG) e a determinação das concentrações dos ácidos fúlvicos e húmicos, além da quantificação dos teores de P e K. Para a segunda etapa será adotado também o DIC em esquema fatorial, sendo composto por: 1 tratamento selecionado na primeira etapa (condição onde foi perdida a maior quantidade de N) x 2 aditivos (biocarvão e glicerina bruta) x 3 doses de inclusão de cada subproduto (0, 5 e 10% da massa enleirada), totalizando assim 6 tratamentos, com 20 repetições (bolsas de incubação) para cada um deles. Para a incubação destas bolsas serão confeccionadas 5 leiras, promovendo-se a incubação de 4 bolsas de cada tratamento em cada uma das leiras, totalizando assim 24 bolsas por leira. As leiras de compostagem serão confeccionadas como descritas na etapa 1, utilizando-se camadas de material volumoso e do resíduo orgânico, podendo ou não conter aeração e também ocorrer no verão ou inverno. As bolsas de nylon terão capacidade para 3 kg da seguinte mistura: material absorvente (casca de arroz e feno de gramínea moído na proporção de 20:80, respectivamente) e resíduo orgânico na proporção de 3 a 3,5:1 (massa:massa), respectivamente, além dos aditivos biocarvão e glicerina bruta nas doses que serão utilizados. As bolsas serão acomodadas entre as camadas de formação das leiras sendo avaliados no início e final do processo: massa dentro das bolsas, teores de ST e SV, pH, condutividade elétrica, coliformes totais e termotolerantes, constituintes fibrosos (FDN, FDA, celulose, hemicelulose e lignina), teores de C, N, P e K. No composto será avaliado os ácidos húmicos e fúlvicos, além do índice de germinação. O tempo de incubação das sacolas, e consequentemente manutenção das leiras, será o mesmo tempo demandado na fase 1 pelo resíduo que será avaliado.
  • Universidade Federal da Grande Dourados - MS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Badalotti Passuello

Engenharias

Engenharia Civil
  • avaliação de impactos incorporados e operacionais do ciclo de vida de edificações
  • Nos últimos anos, o Brasil experimentou um crescimento em sua demanda imobiliária, que conduziu ao incremento dos impactos ambientais potenciais associados ao setor construtivo nacional. Muitos destes impactos podem ser reduzidos através de melhores práticas de gestão ao longo do ciclo de vida das edificações. Diferentemente de bens de consumo comuns, uma edificação possui uma larga duração ou ciclo de vida, que abrange sua construção, uso e demolição (desmantelamento). Para uma correta avaliação dos impactos relacionados a edificações, é necessária uma metodologia que englobe todas as fases do seu ciclo de vida e suas interações. Por isso, o presente projeto propõe a aplicação da ferramenta de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) para a determinação dos impactos ambientais potenciais associados ao setor construtivo nacional. Cabe salientar que os impactos relativos ao ciclo de vida de produtos e processos estão altamente relacionados a características locais do estudo, devido, por exemplo, a diferenças encontradas nos processos produtivos e na matriz energética de distintos países. A carência de estudos de ACV no Brasil valida a relevância desta proposta. Assim sendo, o principal objetivo deste projeto é comparar os impactos ambientais incorporados e operacionais de tipologia(s) de edificação significativa(s) para a realidade brasileira, através da ACV. Para tanto, o projeto se desenvolverá em duas escalas. Numa escala mais ampla, serão realizadas avaliações comparativas dos impactos incorporados e operacionais de edificação(ões) padrão brasileira(s). Em escala menos ampla, serão avaliados os impactos incorporados de materiais de construção inovadores em comparação a soluções tradicionais, considerando seus parâmetros de desempenho. Os resultados deste projeto confrontarão o desempenho ambiental dos produtos, sistemas e tipologias avaliados, permitindo aos profissionais da área escolhas mais conscientes em relação à gestão ambiental da construção civil. Será promovida uma colaboração interdisciplinar com os projetos desenvolvidos e em desenvolvimento na Universidade, com vistas ao fortalecimento da temática de pesquisa em ACV do ambiente construído, contribuindo na produtividade do Departamento Interdisciplinar e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil: Construção e Infraestrutura da UFRGS em que está inserido, uma vez que se atuará na capacitação de profissionais no uso da ferramenta ACV, bem como outras ferramentas de gestão ambiental. Finalmente, este projeto pretende fortalecer as linhas de pesquisa inseridas neste Departamento, e sua colaboração com a indústria, universidades e centros de pesquisa, no Brasil e no exterior.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022