Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Silvia Azucena Nebra de Pérez

Engenharias

Engenharia Mecânica
  • produção de biocombustíveis de primeira e segunda geração a partir de cana-de-açúcar - avaliação energética, exergética, ambiental e dos possíveis impactos do programa renovabio no setor de biocombustíveis
  • Na década de 70 a produção de etanol a partir da cana-de-açúcar no Brasil foi alavancada através de políticas públicas como o Pro-Álcool. Com isso, o país apresenta-se hoje como o segundo maior produtor de biocombustíveis no mundo sendo uma referência tecnológica e política para outros países nesse setor. Contudo, nos últimos anos o setor sucroalcooleiro no Brasil vem passando por um período de estagnação. Visando a maior participação dos biocombustíveis na matriz energética e a redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE), o Brasil, em 2017 lançou o programa RenovaBio na COP 23 que tem como objetivo aumentar a competividade econômica dos biocombustíveis em relação a seus concorrentes fosseis através do melhor desempenho ambiental. Introduzindo monetariamente os benefícios ambientais, a produção de biocombustíveis de segunda geração poderá ser favorecida por esta política. A produção de biocombustíveis de segunda geração a partir dos resíduos lignocelulósicos (bagaço e palha) e dos resíduos líquidos da usina (vinhaça) se apresenta como uma alternativa desejável uma vez que permitiria aumentar a produção de biocombustíveis sem a necessidade de aumentar área plantada de cana, diversificar a matriz energética brasileira e contribuir com a redução de emissões de gases de efeito estufa (GHG). Assim, o objetivo principal desta proposta é a modelagem e avaliação energética e ambiental dos processos de produção de biocombustíveis de primeira e segunda geração a partir da cana-de-açúcar e a verificação dos possíveis impactos do programa RenovaBio no setor de biocombustíveis. Dentre as rotas tecnológicas preliminarmente selecionadas podem-se citar: i) Hidrólise enzimática dos resíduos lignocelulósicos: bagaço e palha para produção de etanol; ii) Biodigestão anaeróbia da vinhaça e outros resíduos da indústria seguida do beneficiamento do biogás para produção de biometano e outros biocombustíveis e iii) Pirólise do bagaço e da palha de cana-de-açúcar para produção de biodiesel. A metodologia adotada para o desenvolvimento inclui o levantamento bibliográfico, modelagem e simulação dos processos através de balanços de massa e energia, integração térmica dos casos selecionados incluindo a determinação das metas de energia, avaliação exergética e de custo exergético e ambiental através da Avaliação do Ciclo de Vida. Além disso, serão realizadas análises laboratoriais de caracterização físico-química e termofísica de amostras de vinhaça (in natura e concentrada) e de água residuária obtida em sistemas industriais de concentração de vinhaça. Espera-se obter resultados experimentais primordiais para alavancar tecnologias de recuperação energética de vinhaça, bem como destinação final ambientalmente adequada de água residuária de sistemas evaporativos.
  • Universidade Federal do ABC - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022