Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adelia Ferreira de Faria Machado

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • valorização do bagaço de oliva resultante da extração de azeite produzido no brasil por meio da recuperação de compostos fenólicos e desenvolvimento de novos “phenolipids”
  • Embora os compostos fenólicos sejam reconhecidos por suas propriedades antioxidantes, a hidrofilicidade característica desses compostos dificulta a aplicação dos mesmos em muitos produtos. Recentemente, a lipofilização de compostos fenólicos tem sido estudada como uma alternativa para modificar as características de solubilidade de antioxidantes naturais, com o objetivo de torná-los mais adequados para aplicação em sistemas lipídicos e emulsões, tanto em produtos alimentícios como em cosméticos, sem alterar suas propriedades funcionais. Além disso, em muitos casos, os lipídeos fenólicos, ou “phenolipids” (esse termo foi introduzido por Laguerre et al. no final dos anos 2000 e refere-se hoje em dia mais geralmente a qualquer composto fenólico de origem natural ou sintético, exibindo propriedades hidrofóbicas ou anfifílicas), obtidos têm apresentado atividade antioxidante melhorada quando comparados aos compostos fenólicos originais. Nesse sentido, a obtenção de “phenolipids” a partir de compostos fenólicos extraídos de resíduos agroindustriais representa uma alternativa viável para expandir, por exemplo, o uso do bagaço de oliva, principal subproduto da extração de azeite de oliva extra virgem. A recuperação e caracterização dos compostos fenólicos de bagaço de oliva têm sido estudadas nos últimos anos. No entanto, de acordo com buscas realizadas em bases de dados internacionais (ISI Web of Knowledge, por exemplo), não há relatos na literatura científica sobre a aplicação destes antioxidantes naturais no desenvolvimento de novos produtos de alto valor agregado, como os “phenolipids” propostos neste projeto. Por outro lado, o Brasil, através de instituições de pesquisa como a Embrapa e a EPAMIG (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais), com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), vem incentivando a ampliação da olivicultura no país. Isto é especialmente verdadeiro para Minas Gerais e Rio Grande do Sul, onde se pode encontrar regiões com condições edafoclimáticas bastante favoráveis ao cultivo de oliveiras. O desenvolvimento dessa cultura representa, em especial para os produtores dessas regiões, uma oportunidade de ampliar e diversificar sua participação no agronegócio brasileiro, uma vez que a olivicultura está associada a produtos de elevado valor comercial cujo consumo no país tem aumentado nos últimos anos. Dentro deste contexto, este projeto tem como objetivo desenvolver novos “phenolipids” a serem aplicados como compostos biologicamente ativos ou como compostos antioxidantes melhorados em emulsões alimentícias ou cosméticas, usando como matéria-prima compostos fenólicos de bagaço de oliva obtidos a partir de cultivares de oliveira adaptadas às condições edafoclimáticas do Brasil.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2020
Foto de perfil

Adelina de Oliveira Novaes

Ciências Humanas

Educação
  • subjetividade social docente e políticas de subjetividade: aportes de uma perspectiva psicossocial
  • O projeto ora proposto visa aprofundar a investigação acerca da conexão entre subjetividade social e representações sociais de modo a apresentar contributos aos estudos educacionais fundamentados em uma perspectiva psicossocial. O constructo subjetividade social foi anunciado por Serge Moscovici, no entanto, até o momento não é possível sustentar sua precisão teórica. Um investimento nesse sentido foi realizado em pesquisa anterior, desenvolvida em 2015, junto ao Department of Social Psychology - The London School of Economics and Political Science (LSE), Reino Unido. Ao investigar as subjetividades construídas por professores do ensino fundamental, pela via das representações sociais, a pesquisa que recebeu o título “Teacher subjectivity in pychosocial perspective: elements for educational policies’ promotion” permitiu discutir os objetos relativos à profissionalização docente, ao enfatizar tanto a viabilidade do acesso às subjetividades sociais por meio da contribuição da teoria das representações sociais, quanto indicar a importância de considerar as subjetividades docentes enquanto um ato político ao propor sua formação e seu desenvolvimento profissional por meio daquilo que Juan Carlos Tedesco cunhou como políticas de subjetividade. A análise das 500 respostas de professores do ensino fundamental (6o ao 9o ano), das cinco regiões brasileiras, incluindo 25 professores da Argentina (Buenos Aires) que compõem a base de dados construída pela Rede Internacional de Estudos sobre Profissionalização Docente, possibilitou a análise da constituição da subjetividade docente e a eleição de hipóteses que carecem de aprofundamento. Tais hipóteses estão relacionadas ao locus de controle das subjetividades sociais docentes, tendo sido considerado como locus de controle interno a relação dos professores com seus alunos e locus de controle externo os demais outros constituintes da subjetividade docente, a exemplo da rede de ensino, da mídia, da família e dos amigos. O estudo aqui proposto pretende realizar um aprofundamento teórico, a partir de ampla revisão de literatura, no que concerne à produção social da subjetividade docente, com um enfoque na abordagem dialógica das representações sociais, ao recorrer à tríade dialógica sistematizada por Ivana Marková. Complementarmente ao investimento teórico no sentido de cercar o constructo subjetividade social, serão realizados quatro grupos focais orientados pela proposta teórico-metodológica da dialogicidade e coletadas informações por meio da Metodologia Q junto a 50 docentes do ensino fundamental (6o ao 9o ano) da Cidade de São Paulo. Pretende-se, com a realização da pesquisa, obter elementos que ofereçam maior precisão ao constructo subjetividade social e contribuir para o debate acerca das políticas de subjetividade, sobretudo no que se refere à profissionalização docente.
  • Fundação Carlos Chagas - SP - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2020