Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sabrina Grassiolli

Ciências Biológicas

Fisiologia
  • o papel do nervo vago e do baço sobre a homeostase do ferro e sua repercussão no controle secretor de insulina e adiposidade.
  • A manutenção da homeostase do ferro é dependente da ação da hepcidina, a qual exerce controle sobre os sistemas reticulo-endotelial esplênico e hepático, regulando reciclagem e biodisponibilidade endógena do ferro, além de afetar a absorção intestinal. A obesidade, pelo seu grau crônico-inflamatório tem sido frequentemente relacionada a alterações da hepcidina e na homeostase do ferro, fatores ligados a resistência à insulina (RI). A hiperfunção vagal é capaz de causar hiperinsulinemia, RI e modular a resposta inflamatória via efeitos esplênicos. Assim, no presente projeto vamos avaliar os efeitos vagais e esplênicos sobre a homeostase do ferro e sua repercussão para a massa adiposa e secreção de insulina. Para tal, a obesidade será induzida por lesão hipotalâmica com glutamato monossódico (MSG; 4g/Kg). Ratos Controles (CTL) receberão salina. Aos 60 dias de vida os animais serão subdivididos em 8 grupos (20 ratos/grupos) de acordo com as cirurgias: Vagotomia subdiafragmática (VS); Esplenectomia (SPL), VS+SPL e Sham. Após 30 dias, metade dos animais de cada grupo será induzida a anemia hemolítica pela administração intraperitoneal de fenilhidrazina (FHZ; 40mg/Kg), formando 16 subgrupos (n=10 ratos/grupo). Aos 120 os animais serão eutanasiados, o sangue total coletado para análises de glicose, triglicerídeos, colesterol total, insulina, ferro, ferritina e IL6. O baço, fígado, pâncreas e tecido adiposo branco, serão removidos e submetidos a analises histológicas e imuno-histoquímica para marcação de hepcidina e ferroportina. Ilhotas pancreáticas serão isoladas e a secreção de insulina estudada. Serão registrados o peso corporal, consumo hídrico e alimentar dos animais. Todos os procedimentos serão previamente submetidos a aprovação pelo comitê de ética local. O presente estudo contribui para o entendimento da relação obesidade e metabolismo do ferro, sobretudo focando nos prováveis mecanismos autonômicos e esplênicos envolvidos nestes processos.
  • Universidade Estadual do Oeste do Paraná - PR - Brasil
  • 21/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Sady Mazzioni

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • controles gerenciais, gestão de riscos e inovação nas práticas ambientais, sociais e de governança na cadeia de suínos e aves
  • O agronegócio é fundamental para o desenvolvimento do Brasil e representou em 2020 cerca de 26,6% do produto interno bruto (CNA, 2020). A cadeia produtiva agroindustrial da região sul é destaque em âmbito nacional e internacional (BRASIL, 2021), especialmente na produção de carnes derivadas de aves e suínos (EMBRAPA, 2021), impulsionando o Brasil a ser o terceiro maior produtor e um dos principais exportadores (EMBRAPA, 2020). Fatores institucionais, tecnológicos e organizacionais têm alterado o ambiente concorrencial do sistema produtivo (ZANELLA; LEITE, 2016), caracterizado pelo uso de sistemas modernos de planejamento, organização, coordenação, técnicas gerenciais e incorporação de novas tecnologias que resultam em constante crescimento da produção e da produtividade (RECK; SCHULTZ, 2016). O agronegócio é um grande receptor de investimentos do governo e de iniciativas de expansão do mercado (GOMES, 2019), acompanhado de crescentes preocupações com seus impactos ambientais, sociais e de governança (ESG). Os avanços do setor têm produzido riscos e impactos nos recursos naturais, com repercussões na biodiversidade, disponibilidade hídrica, qualidade do ar e do solo, na saúde humana e no seu crescimento. A implantação de controles gerenciais permite planejar, controlar e tomar decisões adequadas para que o produtor e a indústria de processamento acompanhem a evolução do setor (NUNES; AURELIO, 2016). Neste contexto, a proposta visa responder a seguinte problemática: como os controles gerenciais, a gestão de riscos e a inovação afetam as práticas de ESG na cadeia de suínos e aves? A pesquisa utilizará o método misto e a coleta de dados será por meio de questionários, entrevistas semiestruturadas, observação de campo e pesquisa documental. Na análise dos dados quantitativos será utilizada a modelagem de equações estruturais e nas informações qualitativas a técnica de análise de conteúdo. O estudo pretende contribuir para melhorar as práticas de ESG no agronegócio.
  • Universidade Comunitária da Região de Chapecó - SC - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Salette Amaral de Figueiredo

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • quantificação dos impactos das mudanças climáticas na costa do rio grande do sul
  • O presente projeto foca na avaliação dos impactos das mudanças climáticas na linha de costa do Rio Grande do Sul. Serão quantificados os riscos costeiros relacionados às mudanças climáticas, como processos erosivos vinculados ao déficit sedimentar, aumento do nível do mar e efeitos de tempestades extremas. Serão geradas linhas de recuo para subsidiar o planejamento, ordenamento e adaptação costeira frente à subida do nível do mar. A resposta costeira não ocorrerá de forma homogênea. A declividade do perfil de praia, composto pela região emersa e submersa (antepraia), é um fator chave para determinar como a costa irá responder a variações nas forçantes externas. Considerando a escassez de dados detalhados de batimetria e topografia na região, um esforço neste sentido será realizado no projeto. Somente assim, uma projeção de linha de costa futura mais confiável será garantida. Na área de estudo do projeto, entre o farolete Verga (32° 58,5’ S; 52° 33,5’ W) e o Farol de Mostardas (31° 15’ S; 50° 54,5’ W), estão incluídas: a região urbanizada do balneário Cassino e o Porto do Rio Grande, com seu distrito industrial, e mais ao norte, uma região com características erosivas conhecidas, e que apresenta um grande potencial de expansão urbana. As mudanças climáticas intensificarão as taxas de erosão, aumentando o recuo da linha de costa, causando perda de habitats e de patrimônio por processos erosivos, inundação e ação direta de ondas, acompanhadas de alterações no nível do lençol freático. Estes impactos em áreas urbanizadas e de agricultura poderão causar diversos problemas socioeconômicos. Através de estimativas históricas das variações da linha de costa baseadas em imagens de satélite, do monitoramento em altíssima resolução (centímetros), e de levantamentos batimétricos será possível projetar futuras linhas de costa nos cenários de mudanças climáticas para 10, 25, 50 e 100 anos e subsidiar ações de manejo costeiro no intuito de minimizar os prejuízos socioambientais.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 23/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Samir D'Aquino Carvalho

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • novas n-acilidrazonas como inibidores da cruzaína e potenciais antichagásicos
  • A doença de Chagas é uma importante doença parasitária resultante da infecção promovida pelo protozoário hemoflagelado Trypanosoma cruzi e pode ser transmitida a mais de 150 espécies de animais domésticos e mamíferos silvestres. A Organização Mundial de Saúde estima que aproximadamente 10 milhões de pessoas sejam acometidas pela doença de Chagas, onde a população infectada é predominante na América Latina. Atualmente, somente dois fármacos, o nifurtimox e o benznidazol, são recomendados para a terapia contra a doença de Chagas. Ambos são ativos contra as formas tripomastigota e amastigota do T. cruzi, porém apresentam maior eficácia quando administrados na fase aguda da doença. Já na fase crônica apresentam grandes dificuldades terapêuticas. O uso desses medicamentos está associado à severas reações adversas e limitações de eficácia na fase crônica da doença, o que muitas vezes levam ao abandono do tratamento. Apesar da extensa lista de classes de compostos testados in vitro e in vivo contra T. cruzi desde a introdução do nifurtimox e o benznidazol, apenas alopurinol, ketoconazol, itraconazol e fluconazol foram submetidos a ensaios clínicos, apresentando resultados ainda pouco animadores. Assim, frente (i) a baixa e variável eficiência de nifurtimox e o benznidazol em especial durante tratamento na fase crônica, (ii) a alta toxicidade destes compostos, e o (iii) aparecimento de clones/isolados de parasitos resistentes a fármacos, se faz necessária a identificação de novos potenciais compostos que possam substituir a atual quimioterapia para esta parasitose. Uma estratégia que pode ser considerada nestes estudos é a identificação de moléculas que atuem em vias metabólicas específicas do parasito representando alvos para o desenvolvimento de novos agentes tripanocidas.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 30/06/2022-30/06/2024
Foto de perfil

Samira Peruchi Moretto

Ciências Humanas

História
  • as transformações socioambientais no campos e florestas do sul brasil: a expansão das monoculturas (1950 a 2020)
  • Na região Sul, no bioma da Mata Atlântica, o repovoamento e o desmatamento foram intensificados no final do século XIX e durante os dois primeiros quartéis do século XX. Dentre as fitofisionomias que foram amplamente devastadas está a Floresta de Araucária ou Floresta Ombrófila Mista, que na atualidade os seus remanescentes correspondem a menos de 3% da mata original no sul do país, ameaçadas pela expansão das monoculturas. Com o desmatamento, houve uma redução do volume madeirável e outras atividades econômicas, como agropecuária e monoculturas de árvores exóticas, se intensificaram. O objetivo deste projeto é investigar o processo histórico das transformações socioambientais ocorrido no sul do Brasil, mais especificamente onde havia a floresta com araucária e os campos sulinos, a partir de 1950 até 2020, em função dos incentivos às práticas de introdução de monocultura em grande escala, que catalisaram a descaracterização da paisagem nos espaços onde foram introduzidas. Os gêneros escolhidos para o monocultivo nesta região se dividem em dois grupos, o primeiro composto por monocultivos voltados a silvicultura, com o eucalipto e pinus spp, para atender a indústria madeireira; o segundo grupo, composto pelo milho e posteriormente a soja, para atender a agroindústria. A floresta e os campos nativos tiveram a sua extensão minimizada e sem possibilidade de auto recuperação ou reparação, em função das atividades da agroindústria. Houve a implementação de espécies exóticas que foram introduzidas para recomposição florestal, assim como, para atender a agroindústria, a exemplo da soja. Visa-se, portanto, entender como ocorreu o processo de transformação da paisagem e as medidas para conservação ou não dos ecossistemas envolvidos. Através da perspectiva da História Ambiental, serão consultadas fontes como: mapas, relatórios, censos demográficos, os periódicos, imagens de satélites, iconografia, entrevistas e a legislação federal.
  • Universidade Federal da Fronteira Sul - SC - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Sammer Sant'Ana Almeida

Outra

Divulgação Científica
  • dourados e caarapó: articulando ciência, tecnologia, inovação e sociedade.
  • Esta proposta tem como objetivo popularizar práticas científicas e tecnológicas fundamentadas em eletrônica, robótica, modelagem e impressão 3D em articulação com os saberes técnicos, populares, étnicos e a produção de conhecimentos escolarizados sobre o local. É composto pelas seguintes atividades: oficinas de robótica, mostra de modelagem e impressão 3D, sessões de planetário, observação do céu, mostra de Ciência e tecnologia e pesquisa sobre a relação Ciência e Público. As atividades serão realizadas nas cidades de Dourados e Caarapó, Estado de Mato Grosso do Sul, e tem como público professores e estudantes da educação básica, assim como público em geral.
  • Escola Estadual Floriano Viegas Machado - MS - Brasil
  • 12/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Samuel Beskow

Ciências Agrárias

Engenharia Agrícola
  • websyhda – uma plataforma web para aquisição e análise de dados hidrológicos
  • Séries hidrológicas são imprescindíveis para projetos de engenharia e gestão de recursos hídricos, porém análises do estado-da-arte são muitas vezes inviabilizadas pela limitação de softwares existentes, dificuldade no manuseio de muitos dados e experiência do hidrólogo. O Grupo de Pesquisa em Hidrologia e Modelagem Hidrológica em Bacias Hidrográficas finalizou em 2016 o software “System of Hydrological Data Acquisition and Analysis” (SYHDA), o qual tem propiciado publicações em periódicos de alto fator de impacto por viabilizar a utilização de metodologias sofisticadas e a aplicação em larga escala. A versão Beta do SYHDA foi licenciada em 2019 e já está bastante difundida (usuários de 28 países). Dada a grande demanda pelo software e o anseio em incluir novas técnicas, acredita-se que a utilização de uma linguagem de programação interpretada compatível com ambiente Web facilite a constante ampliação e atualização do SYHDA. O objetivo geral é a concepção e o desenvolvimento de uma plataforma online – o WebSYHDA, incluindo aprimoramentos computacionais e novas técnicas para aquisição, constituição e análise de séries hidrológicas. A plataforma será desenvolvida na linguagem de programação aberta R, com o auxílio do RStudio. O WebSYHDA será desenvolvido em módulos, sendo o módulo de aquisição de dados o básico, o qual permitirá a leitura dos bancos de dados do Hidroweb/ANA, do BDMEP/INMET e de outras fontes sem formato padrão. Os demais módulos serão totalmente independentes, a saber: estatísticas descritivas, gráficos, testes não paramétricos, análises de sazonalidade, consistência de dados de chuva, equações IDF, análise de frequência local e análise de frequência regional. Projeta-se avaliar o compartilhamento da plataforma no serviço de hospedagem na nuvem e em servidor local. Espera-se, com este projeto, manter próximos ao estado-da-arte os profissionais de engenharia de recursos hídricos que necessitam adquirir, constituir e analisar séries hidrológicas.
  • Universidade Federal de Pelotas - RS - Brasil
  • 05/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Samuel de Assis Silva

Ciências Agrárias

Engenharia Agrícola
  • machine learning e sensoriamento remoto aéreo como ferramentas para o manejo de pastagens cultivadas
  • A maioria das áreas brasileiras cultivadas com pastagens apresenta algum nível de degradação, ocasionados, quase sempre, por ausências de práticas agronômicas. A utilização de manejos nutricionais é imprescindível para elevar a produtividade e a sustentabilidade das áreas. A negligencia de adubações nitrogenadas, por exemplo, compromete a produtividade das gramíneas deixando-as mais propensas ao ataque de pragas, como as cigarrinhas das pastagens. Apesar da importância do nitrogênio (N), são escassas ou inexistentes, entre os produtores, as práticas para elevar os níveis desse nutriente no tecido foliar das pastagens. A grande extensão das áreas, os custos das análises laboratoriais e a falta de conhecimento sobre o manejo do N são elencados como empecilhos para a melhoria das práticas culturais em cultivos forrageiros. Para reduzir as dificuldades na adoção de manejos em cultivos de pastagens é possível utilizar ferramentas de Agricultura de Precisão e Digital, em especial o sensoriamento remoto (SR) aéreo e modelos de machine learning (ML). Por permitir a descrição do vigor vegetativo das plantas e agilizar as tomadas de decisão, a utilização de SR tende a favorecer o gerenciamento das áreas de pastagens. Ao associar o SR com modelos de ML é possível simplificar, em última análise, a identificação automatizada de deficiências nutricionais e estresses bióticos, auxiliando a definição de manejos. Para resolver o problema abordado nesta pesquisa, o estudo será realizado em duas áreas cultivadas com capim-tanzânia, onde serão levantadas informações sobre o volume de biomassa, incidência e flutuação populacional de cigarrinhas, comportamento espectral das plantas (por SR proximal e aéreo), índice de suficiência de N e fator potencial de produtividade. Essas últimas três variáveis serão utilizadas em modelos de inteligência computacional para predição de doses de N a serem aplicadas à cultura e o monitoramento da incidência e severidade de cigarrinhas de pastagens.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Samuel Filgueiras Rodrigues

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • investigação do fenômeno da transformação dinâmica por meio quantitativo direto via técnica de difração de raio-x durante a simulação termomecânica em aços de elevada resistência
  • As laminações a quente dos produtos metálicos como as utilizadas na indústria metalúrgica tanto no processamento de tiras a quente quanto de chapas grossas levam em conta que a ferrita (fase mais macia) só pode ser formada em temperaturas abaixo e/ou pouco acima da linha Ae3. Esta temperatura representam o limite de separação das regiões bifásica ferrita-austenita (abaixo) e a austenítica (acima) nos diagramas de fase da maioria das ligas ferrosas. De acordo com dados de pesquisas já publicados sobre o fenômeno da transformação dinâmica (DT), a ferrita pode ser formada devido a aplicação das deformações de laminação dentro da região austenítica, desde os passes de desbastes até o estágio final de passes de acabamento. Esta transformação ocorre de forma displaciva devido às energias de ativação mecânica por deformação impostas sobre o material em temperaturas acima da linha Ae3. Essa energia é suficiente para ultrapassar a barreira da energia de Gibbs que impede essa transformação em situações termodinamicamente estáveis. Este projeto trará luz a um assunto ainda pouco explorado e aplicado a indústria além de ter foco inovador para transpor a problemática conceitual e quebrar paradigmas antigos sobre os fenômenos de transformação de fases e amaciamento durante o processamento termomecânico. Novos procedimentos operacionais serão propostos para as indústrias de conformação termomecânica o qual o novo conceito sobre a transformação de fase austenita-ferrita que ocorre nos processamentos termomecânicos será levado em consideração. Adicionalmente, este projeto irá trazer um novo entendimento e consolidação deste assunto à comunidade acadêmica e industrial e trazer visibilidade ao estado do Maranhão no que diz respeito a inserção desta região nas fronteiras das pesquisas científicas em metalurgia física.
  • Instituto Federal do Maranhão - MA - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Samuel Goldenberg

Ciências Biológicas

Genética
  • uso de crispr/cas para a geração de para a determinação da função e papel de proteínas de ligação a rna (rbps) na regulação da expressão gênica em trypanosoma cruzi
  • A regulação da expressão gênica em Trypanosoma cruzi ocorre essencialmente ao nível pós-transcricional. Os transcritos policistrônicos são processados no núcleo e transportados para o citoplasma para a tradução em proteínas. Todavia, considerando que os mRNAs no transcrito policistronico não são relacionados nem em função, nem em expressão diferencial durante o ciclo de vida do parasita, deve haver mecanismos de seleção dos mRNAs que serão traduzidos, estocados ou degradados. Esta sinalização do destino dos mRNAs é feita pelas proteínas de ligação a RNA (RNA binding proteins ou RBPs). Nosso trabalho ao longo dos últimos anos permitiu evidenciar diferentes RBPs em T.cruzi e os resultados indicam o papel inequívoco das mesmas na seleção dos alvos (mRNAs) associados a uma dada RBP, de acordo com mudanças fisiológicas (estresse) a que o parasita é submetido. Recentemente estabelecemos a metodologia de CRISPR/CAS para o T.cruzi, facilitando o uso de ferramentas genéticas para o estudo do papel de diferentes genes na diferenciação do T.cruzi. Nesta proposta almejamos investigar o papel de diferentes RBPs na regulação da expressão gênica no parasita, tendo como foco inicial o estudo de RBPs com domínio de dedo de zinco, na constituição de mRNPs de T.cruzi, bem como na modulação da expressão gênica e diferenciação do parasita. Usando a metodologia de CRISPR/CAS, determinaremos o papel das RBPs na biologia do T.cruzi e a alteração nos respectivos complexos mRNP.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023