Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Suzana Maria Gico Lima Montenegro

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • estudo de atributos hidrológicos como suporte à gestão de recursos hídricos no estado de pernambuco
  • Atualmente, cerca de metade da população mundial vive em áreas que apresentam uma potencial escassez de água pelo menos uma vez ao ano, e essa quantidade de pessoas atingidas pela indisponibilidade hídrica poderá aumentar consideravelmente até 2050, com um total de até 5,7 bilhões de indivíduos sendo afetados. Nesse sentido, o setor de Ciência e Tecnologia mundial vem sendo instigado a fornecer subsídios para a análise de cenários de planejamento de setores como abastecimento, produção de energia, alimentos, desenvolvimento urbano e rural etc., considerando os efeitos que as mudanças climáticas poderiam causar, a curto e longo prazo, nos recursos naturais e os impactos sociais e econômicos resultantes desse processo. De acordo com o Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), em seu quinto e mais recente relatório, lançado em 2013, as regiões áridas e semiáridas são, particularmente, as mais expostas às mudanças climáticas e devem ser sensivelmente afetadas pela redução de disponibilidade dos recursos hídricos. Processos hidrológicos serão alterados e problemas como salinização da água subterrânea superficial, redução de vazão e consequentes prejuízos de geração de energia em bacias hidrográficas poderão ser comuns. Em consequência disso, a manutenção de projetos de irrigação e abastecimento da população poderão ser severamente afetados. Dentro desse contexto, deve-se considerar que, no Brasil, Pernambuco é o estado com maior limitação em quantidade de água por habitante. Além disso, cerca de 89% do estado encontra-se inserido no semiárido, onde as chuvas são escassas e irregulares. A precipitação no estado pode variar de 500 mm/ano no sertão a 2000 mm/ano no litoral. Contraditoriamente, é nas bacias litorâneas que 80% dos volumes aproveitáveis de água precipitada estão localizados, visto que no semiárido, características morfológicas não permitem a construção de grandes reservatórios. É importante destacar, ainda, que desde 2012 o Nordeste vem passando pela sua maior crise hídrica nos últimos 30 anos. Nesse período, a seca vem afetando severamente a região, com mais de 1.400 municípios impactados em diferentes graus. Diante disso, cresce a necessidade de compreender adequadamente os diversos fatores que regulam o balanço hídrico e interferem na disponibilidade hídrica e sua qualidade, como forma de adaptar ou implantar soluções permanentes de convivência com a seca. Nos últimos anos, em virtude da problemática relacionada ao uso e gerenciamento racional dos recursos hídricos, surgiu com maior força a necessidade de estudos focados na modelagem hidrológica, com a previsão de cenários futuros baseados nos impactos de modificações no uso e ocupação do solo e mudanças climáticas sobre a dinâmica de recursos hídricos ao longo do tempo na região. Aliado a isso, há poderosas ferramentas baseadas em geoprocessamento e sensoriamento remoto, que permitem a detecção e mapeamento de áreas mais vulneráveis, além de permitir, com maior precisão, estimar processos essenciais ao balanço de radiação, com impactos diretos nos recursos hídricos, como o albedo e evapotranspiração. Não se deve desconsiderar, no entanto, estudos em bacias experimentais e representativas, que fornecem a principal fonte de dados e ponto de partida para a modelagem e geoprocessamento. Nesse sentido, o monitoramento de variáveis hidrológicas, escoamento superficial e produção de sedimentos é essencial. Considerando a quantidade de processos que podem alterar, quantitativamente e qualitativamente, a disponibilidade dos recursos hídricos, especialmente em Pernambuco, situado em área de grande risco, fica claro que compreender a dinâmica desses processos e como eles alteram o ambiente é essencial na adoção de ações e políticas de mitigação e convivência com as secas como forma de evitar problemas de ordem social e econômica.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022