Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Suely Ferreira Deslandes

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • internet: espaço de disseminação e de enfrentamento de violências contra crianças e adolescentes.
  • A sociabilidade contemporânea foi radicalmente transformada a partir da internet, isto é, pela mediação por tecnologias de informação e de comunicação. As fronteiras online e do “mundo real” já não são claras e a socialidade digital tem grande influência na organização do cotidiano, comportamentos e práticas sociais. O uso das redes sociais digitais e suas plataformas de interação são amplamente disseminadas entre a população brasileira, especialmente entre crianças e jovens. Nesse contexto a violência se apresenta de forma significativa na sociabilidade virtual, podendo ser veiculada de forma anônima, sem fronteiras ou barreiras geográficas e muitas vezes sem possibilidade de identificar e responsabilizar seus autores. Verificam-se inúmeras formas de violências simbólicas praticadas nos espaços online, assim como práticas violentas perpetradas presencialmente a partir do incentivo e apologia veiculados pela internet. As consequências e danos à cidadania e à saúde física e mental de crianças e adolescentes que sofrem violências na internet são reais, duradouras e ultrapassam as fronteiras da tela. Contudo, a internet é também espaço de defesa de direitos e ativismo contra a violência e violação de direitos de crianças e adolescentes. Tanto organizações transnacionais, organizações governamentais e da sociedade civil usam as redes sociais para sensibilização, mobilização, advocacy e defesa dos direitos de crianças e adolescentes, bem como se dedicam à denúncia e à prevenção de violências e violações. O objetivo de nosso estudo é analisar como se configuram os argumentos discursivos disseminadas na internet, visando obter a adesão a práticas de violências contra crianças e adolescentes a serem perpetradas por pais ou responsáveis (educação através de castigos físicos e suspensão de seus direitos), autoperpetradas (“desafios” e/ou games com “desafios”) ou entre pares (violência digital no namoro). Buscaremos também analisar as experiências de ciberativismo que visam ao enfrentamento dessas formas de violências. Propomos ainda a produção de três vídeos, voltados para prevenção e debate sobre tais formas de violências a serem disseminados na internet. Trata-se de um estudo qualitativo em ambiência digital. A perspectiva de triangulação de métodos e técnicas orienta a metodologia. Adotaremos como métodos centrais para o exame dos conteúdos, argumentos e estratégias discursivas de promoção da violência online e das formas de ativismo para seu enfrentamento a Análise de Discurso Crítico (ADC) preconizada por Norman Fairclough (2001), complementada pela Análise de Argumentos proposta por Toulmin (2006).
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022