Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Suzanne Érica Nóbrega Correia

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • desenvolvimento de negócios sociais no contexto brasileiro: possibilidades e riscos
  • Em resposta aos desafios sociais e ambientais atuais, incluindo a desigualdade social e o esgotamento dos recursos naturais, o fenômeno do empreendimento social, como uma categoria distinta de organização, tem atraído a atenção de formuladores de políticas, profissionais e acadêmicos (Doherty et al., 2014). Nos negócios sociais, a missão social é tão importante quanto a viabilidade financeira (Alter, 2007; Wood & Khan, 2016), necessitando de empreendedores com um compromisso pessoal com uma causa (Grassl, 2012). Assim, devem ser guiados por uma missão social; gerar externalidades positivas (transbordamentos) para a sociedade; reconhecer a centralidade da função empreendedora; e alcançar a competitividade nos mercados através de planejamento e gestão eficazes (Alter, 2007; Bocken, Fil & Prabhu, 2016). São considerados um exemplo de organizações híbridas que abordam uma necessidade social ao gerar lucros tipicamente reinvestidos nos negócios em si. Para Yunus (2007), existem dois tipos de negócios sociais: empresas cujos gestores focalizam mais em promover benefícios sociais do que em maximizar os lucros; e empresas que se centram em maximizar os lucros, mas são geridas por pessoas da camada mais pobre da sociedade. De acordo com Yunus, Moingeon e Lehmann-Ortega (2010), os negócios sociais buscam compensar os custos de suas operações e têm direito de recuperar seus investimentos iniciais, porém focalizando no resultado social, e não no resultado financeiro, com o potencial de agir como agente de mudança no mundo. Portocarrero e Delgado (2010) analisaram o impacto gerado por 33 casos de negócios sociais na região ibero-americana, com o objetivo de identificar os principais efeitos da situação de pobreza impostos às pessoas de baixa-renda e, a partir disso, destacaram quatro dimensões analíticas que podem ser verificados ao refletir sobre o valor social proposto pelos negócios sociais: o aumento de renda; o acesso a produtos e serviços que atendem necessidades outrora não atendidas; a construção de cidadania; e o desenvolvimento de capital social. O aumento da renda deve ser entendido além do simples aumento econômico de renda, mas como uma primeira etapa na ampliação das suas oportunidades de vida. Os negócios sociais proporcionam aumento de renda através da obtenção de emprego estável ou autoemprego; integração das pessoas nas cadeias produtivas como fornecedores de produtos e serviços; e desenvolvimento empreendedor Além do aumento da renda, a ampliação das possibilidades de escolha dos indivíduos de baixa-renda também pode ser alcançada através da redução de barreiras que permitem às pessoas a consumirem produtos e serviços que atendem suas necessidades. Estas barreiras geralmente estão associadas a preços altos, dificuldades de distribuição e a impossibilidade de assumir os custos não monetários associados à má qualidade dos serviços públicos. Iniciativas de mercado atuam neste sentido oferecendo produtos e serviços a preços mais baixos ou desenvolvendo soluções que preenchem as lacunas de infraestrutura pública. Nos mercados de baixa-renda é comum verificar uma grande assimetria de informação, poder e influência que impedem ou dificultam o exercício do conjunto de direitos e deveres no qual o indivíduo está sujeito em relação à sociedade em que vive. Essa assimetria também aumenta a vulnerabilidade das pessoas, deixando-as expostas ao subemprego e a intermediações inescrupulosas que mal pagam o produto de seu trabalho. Negócios que trabalham com a inclusão de pessoas para o desenvolvimento de uma iniciativa econômica fortalecem as relações sociais entre as pessoas que participam desses grupos, desenvolvendo o seu capital social. Quando uma relação de grupo é fortalecida em uma comunidade, cria-se laços de cooperação e da confiança mútua, geram força social para que conquistas de direitos básicos e outros recursos sejam alcançados. Corroborando, Alter (2007) coloca como desafio a combinação da geração de valor social com viabilidade financeira, capacidade organizacional, capacidade de liderança e uma cultura orientada para os negócios, definindo assim, como fatores facilitadores e de riscos para o desenvolvimento de negócios sociais. Propõe, ainda, que os negócios sociais podem ser classificados de acordo com sua orientação em relação à missão e seus motivos e em função da integração entre as atividades de negócio e os programas sociais. O desenvolvimento de negócios sociais parece ser possivelmente aplicado ao contexto brasileiro. Em primeiro lugar, há inúmeros desafios sociais, tais como: baixa renda per capita e sua alta concentração nas camadas mais ricas da população; alto déficit habitacional; os problemas de gestão e da baixa qualidade de ensino na educação pública; baixa qualidade da saúde pública (Jappe, 2013; Duarte & Teodósio, 2016). Dentro desse contexto, este projeto tem como objetivo analisar os fatores facilitadores e os riscos no desenvolvimento dos negócios sociais no contexto brasileiro. A fim de atender os objetivos propostos, em termos metodológicos, a pesquisa tem caráter exploratório, quantitativo e de análise descritivo-interpretativista. Para tanto, será realizado um estudo bibliográfico sobre negócios sociais com o propósito de definir, inicialmente, os fatores facilitadores e os riscos para o desenvolvimento de negócios sociais e, posteriormente, um survey, tendo como unidade de análise, os negócios sociais mapeados pelo PIPE Social, nos quais serão abordados empreendedores e membros de suas equipes. Ao final, receberá tratamento dos dados estatísticos. Entende-se que a pesquisa desenvolvida neste projeto assume significativa relevância ao discorrer por um tema atual, apontando-se também, a necessidade de se avançar em pesquisas sobre iniciativas no contexto brasileiro, principalmente por existirem vários exemplos que criam alternativas que melhorem as condições da sociedade.
  • Universidade Federal de Campina Grande - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzete Venturelli

Lingüística, Letras e Artes

Artes
  • laboratório de pesquisa em arte computacional (midialab/unb)
  • Historicamente, o Laboratório de pesquisa em arte computacional – Midialab, da Universidade de Brasília foi fundado em 1989 e está desde então sob minha coordenação. Conta, desde o início, com a participação professores, funcionários, bolsistas de Iniciação Científica, estagiários e estudantes da graduação e pós-graduação, de diferentes áreas do conhecimento, interessados em temas como arte e tecnologia, visual-musica, animação, videoarte, cinema arte, arte computacional, webarte, dispositivos não convencionais de interação, ciberintervenções urbanas, realidade aumentada urbana (RUA), interface humano-computador, entre outros. A produção do MídiaLab Laboratório de pesquisa em arte computacional está inserida na complexidade da produção artística e tecnológica computacionais multimídia. Integram o trabalho colaborativo com outras áreas de conhecimento, como da tecnologia e da ciência da computação, assim como da saúde e do esporte. Participam das produções realizadas anualmente alunos da graduação e pós-graduação, assim como interessados da comunidade em geral, por meio de cursos e oficinas de criação presenciais e a distância. Os projetos já receberam prêmios nacionais e internacionais, tais como Rumos Arte Cibernética-2009: Tijolo Esperto e IdAnce: pista de dança interativa (projetos de Iniciação Científica da UnB), elaborados no âmbito da Iniciação Científica, Funarte: conexão artes visuais, Edital Universal do CNPq, Festival Latino-Americano e Africano de Arte e Cultura e XPTA.LAB do Ministério da Cultura: projeto rede social wikinarua.com. Por via da sua estreita ligação ao Ensino Superior o MidiaLab possui competências num vasto leque de áreas das tecnologias da Informação e Comunicações. A produção integrou desde seu início o trabalho colaborativo com outras áreas de conhecimento, como algumas áreas da tecnologia e a ciência da computação, mais presente no processo. Até hoje participam das produções realizadas anualmente alunos da graduação e pós-graduação, assim como interessados da comunidade em geral, por meio de cursos e oficinas de criação presenciais e a distância. Atualmente os produtos são elaborados para os meios de comunicação informacionais atuais como a TV digital, a rede internet, dispositivos móveis como celulares e espaços de apresentação como galerias, teatros e também espaços abertos no Brasil e no exterior. Na Universidade de Brasília, minhas atividades na pesquisa estão relacionadas com o espaço criativo e de pesquisa do Laboratório, com o objetivo de aprofundar estudos teóricos e práticas artísticas relacionando a arte, a ciência e a tecnologia de modo transdisciplinar. Nesse espaço de pesquisa artística, já formamos mais de 50 bolsistas de iniciação científica, 11 pesquisas de doutorado concluídas e 29 de mestrado, como orientadora principal. O Midialab também contribui enormemente com as demais linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Arte, recebendo inclusive estudantes de outros países co âmbito do programa, ou como alunos especiais como o caso da parceria com a École supérieure d'art d'Aix-en-Provence -França.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Svetlana Ruseishvili

Ciências Sociais Aplicadas

Demografia
  • imigração russa no estado de são paulo na primeira metade do século xx: uma reconstrução histórica através dos registros dos eventos vitais
  • Apesar de haver uma grande variedade de pesquisas históricas e sociológicas sobre diversos grupos de imigrantes em São Paulo, ainda existem comunidades que “permaneceram ignoradas pelas ciências sociais”, como aponta Giralda Seyferth (2004, p.32). Enquanto as principais características de imigrantes italianos, portugueses, espanhóis, sírio-libaneses, judeus e muitos outros, já são contempladas pela vasta produção académica, a própria existência de uma imigração russa no Brasil, que, no entanto, tem quase um século de história, é praticamente desconhecida. Efetivamente, a comunidade russa em São Paulo nunca foi um grupo visível pelos diversos motivos, tanto endógenos (o contexto histórico, político e social dessa imigração, sendo resultado dos desdobramentos da Revolução bolchevique de 1917), quanto exógenos (políticas restritivas do Estado Novo, discursos anti-comunistas, etc.). Além disso, a produção do conhecimento sobre esse grupo de migrantes é dificultada pelos fatores de ordem metodológica. De um lado, os registros de entrada e os livros de bordo, sendo fontes de dados prioritários, são marcados pela grande imprecisão quanto à origem e procedência desses migrantes. Por outro lado, as fontes de dados alternativos, contidos nos acervos particulares, são produzidos em idioma russo, o que praticamente impossibilita o acesso dos pesquisadores brasileiros. Dessa maneira, o presente projeto de pesquisa tem por objetivo preencher lacunas no conhecimento sobre grupos de imigrantes russos no Estado de São Paulo na primeira metade do século XX, dando continuidade para a pesquisa “Ser russo em São Paulo: os imigrantes russos e a (re)formulação de identidade após a Revolução bolchevique de 1917”, realizada com apoio do CNPq (Ruseishvili, 2016). Para isso, são priorizadas as fontes de dados alternativos, a maioria dos quais é redigida em idioma russo e contida nos acervos particulares – registros paroquiais de óbitos, batismos e matrimónios. Assim, a pesquisa buscará a: i) realizar inventário, sistematização e digitalização dos registros paroquiais das igrejas russas em São Paulo; ii) criar um Banco de dados produzidos a partir dessas fontes e iii) por meio de sua análise ancorada nos métodos da demografia histórica, complementada pelos dados trazidos de outras fontes, realizar uma reconstrução histórica das características sócio-demográficas e de mobilidade espacial dos imigrantes russos no Estado de São Paulo na primeira metade do século XX.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sydia Rosana de Araujo Oliveira

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • obesidade infantil: avaliação sobre a implementação de intervenções complexas
  • A prevalência da obesidade infantil representa um desafio global urgente. A Comissão da Organização Mundial de Saúde (OMS) para acabar com a obesidade infantil propõe a implementação de um pacote integrado de recomendações ao longo da vida para fornecer serviços de prevenção e controle; no entanto, poucos estudos têm se debruçado para compreender como as intervenções são implementadas e mantidas ao longo do tempo. No Brasil, nasce a academia da saúde com o objetivo de garantir comunidades mais saudáveis, integrando ações de saúde pública na Atenção Primária dentro dos espaços onde as pessoas vivem, trabalham, estudam e se divertem. Este tipo de intervenção se mostra efetiva quando se pretende abordar agravos multicausais como é o caso da obesidade, principalmente a que incide em crianças e jovens. A obesidade infantil está presente nas diferentes faixas econômicas no Brasil. Pesquisas mostram este problema crescendo em escala nacional, no entanto, em estados mais pobres como os da região nordeste, estes são mais escassos e geralmente são feitos com populações muito específicas ou com escolares. Mais escassos ainda, são os trabalhos que enfatizem o processo de implementação de políticas de controle da obesidade infantil. O objetivo desta pesquisa será avaliar o processo de implementação do controle da obesidade infantil, a partir da investigação de uma intervenção local. Trata-se de uma pesquisa avaliativa, que utilizará de modelo lógico da intervenção, cinco dimensões da avaliação: alcance, eficácia/efetividade, adoção, implementação e manutenção, além dos fatores contextuais da implementação. Os dados serão produzidos a partir de pesquisa documental, base de dados da intervenção e entrevistas semiestruturadas e em profundidade com os envolvidos. A análise temática das respostas qualitativas das entrevistas será realizada e triangulada com os dados quantitativos. Integrará o estudo o Programa Bom dia, intervenção realizada pelo Programa Academia da Cidade, em Recife.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sylvia do Carmo Castro Franceschini

Ciências da Saúde

Medicina
  • estado nutricional de iodo, sódio e potássio no grupo materno-infantil brasileiro: um estudo multicêntrico
  • Introdução: Durante os períodos de gestação e lactação, alterações fisiológicas importantes impõem um aumento nas demandas dietéticas materna ameaçando o equilíbrio metabólico do iodo.Estudos recentes têm evidenciado que a excreção mediana de iodo urinário em escolares, atualmente recomendada como indicador da nutrição de iodo na população, pode não ser representativa de segmentos populacionais específicos como gestantes e mulheres em lactação. Neste sentido fica evidente a necessidade de estudos direcionados especificamente a estes grupos que visem não apenas a identificação de prevalências da deficiência iódica mas também a compreensão dos determinantes associados à sua distribuição. Objetivo: Avaliar os fatores associados ao estado nutricional de iodo, sódio e potássio em gestantes, nutrizes e lactentes em diferentes regiões brasileiras. Metodologia: Trata-se de um estudo epidemiológico, observacional, de base populacional e recorte transversal realizado em 13 centros com representatividade em cada macrorregião brasileira. Serão estudas por meio de recortes transversais 5430 gestantes em diferentes idades gestacionais e 4911 nutrizes e seus lactentes entre 15 e 60 dias após o parto selecionados por amostragem estratificada em dois estágios. Serão convidadas a participar do estudo as gestantes e nutrizes residentes na zona urbana dos municípios amostrados e usuárias da rede pública de saúde. O levantamento das informações sociais, econômicas, demográfica e de saúde será realizado mediante aplicação de um questionário semi estruturado. Os dados de consumo alimentar serão obtidos por meio de aplicação de um Questionário de Frequência e Consumo Alimentar (QFCA). A análise do conteúdo urinário de iodo, sódio e potássio será realizada pelo método ICP-MS utilizando-se um espectrômetro de massa no Laboratório de Análises Clínicas e Toxicológicas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto. Serão consideradas deficientes as gestantes que apresentarem iodúria < 150 µg/L e nutrizes e lactentes com iodúria < 100 µg/L. As análises do teor de iodo no leite materno e alimentos regionais será realizada por espectrofotometria utilizando-se o método proposto por Sveikina e modificado por Moxon e Dixon (1980) no Laboratório de Análises de Alimentos do Departamento de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal de Viçosa. O teor de iodo no sal de consumo domiciliar será obtido por titulação, sendo consideradas adequadas as amostras que apresentarem níveis de iodo entre 15 e 45 mg/kg de sal. As análises ocorrerão no Laboratório de Tecnologia e Biomassa do Cerrado. Para análise estatística inicialmente será apresentada uma análise descritiva com frequências absoluta e relativa, medidas de tendência central e dispersão. Visando a identificação dos fatores de risco associados à deficiencia iódica entre gestantes, nutrizes e lactentes será realizada uma análise univariada (testes t de student, Mann Whitney e qui quadrado) seguida de análise multivariada na qual será aplicado um modelo hierarquizado por meio de regressão de Poisson. O teste adotado será o qui-quadrado de Wald e a medida de risco avaliada a razão de prevalência, com intervalo de confiança de 95%. A avaliação da influência dos condicionantes maternos como iodúria materna durante lactação e teor de iodo no leite sobre a concentração de iodo urinário dos lactentes será realizada por meio de Regressão Linear. O teste aplicado será o teste t a um nível de significância de 0,05 e a magnitude do efeito de cada variável expositiva sobre a iodúria dos lactentes mensurada pelos coeficientes beta padronizados e seus respectivos intervalos de confiança de 95%. O mesmo procedimento analítico será adotado para verificação dos fatores correlacionados aos níveis urinários de sódio e potássio entre gestantes, nutrizes e lactentes. A qualidade do ajuste do modelo explicativo final será analisada pelo R quadrado ajustado e análise de variância aplicando-se o teste F a um nível de significância de 0,05. O presente estudo será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Viçosa (UFV – MG) para apreciação do cumprimento dos princípios éticos na condução de pesquisas envolvendo seres humanos conforme a Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012 do Conselho Nacional de Saúde.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 24/11/2017-30/04/2021