Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Yara Galvão Gobato

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • heteroestruturas e dispositivos semicondutores baseados em materiais bidimensionais (2d)
  • Neste projeto, pretendemos investigar as propriedades ópticas, magneto-óticas e de magneto-transporte de heteroestruturas/dispositivos baseados em materiais semicondutores bidimensionais (2D) tais como metais de transição do grupo VI dicalcogenados (TMDs) do tipo MX2 (M = Mo,W, Re e X= S,Se ou Te). Em particular, pretendemos investigar de forma sistemática propriedades de Física Fundamental usando as técnicas de transporte com luz circularmente polarizada, espectroscopia Raman, fotoluminescência (PL) e magneto-fotoluminescência resolvida em polarização em altos campos magnéticos e com aplicação de gate elétrico. Estamos interessados em estudar efeitos de quebra de degenerescência de “valleys” devido ao campo magnético, efeitos excitônicos, efeitos de orientações de planos cristalinos nas heteroestruturas e de anisotropia nesses sistemas.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Yeda Swirski de Souza

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • avaliação e desenvolvimento de micro fundamentos para o empreendedorismo internacional
  • A economia do conhecimento e criativa têm sido consideradas como contextos favoráveis para novos empreendimentos potencialmente capazes de atender a necessidades locais e, também, a um mercado global. A peculiaridade desses setores está no alcance mundial de suas atividades, favorecida pelas tecnologias de informação e comunicação (Nieto e Fernandez, 2006), pela mobilidade de seus talentos e intangibilidade de seus recursos (Saxenian, 2005) e pela possibilidade da atuação em cadeias globais (Lewin, Massini e Peeters, 2009). A combinação de pessoas talentosas e o acesso a tecnologias de informação e comunicação parecem ser os recursos essenciais necessários para empresas baseadas em conhecimento e inovação se desenvolverem e conquistarem mercados internacionais. No entanto, o que não está claro é, até que ponto, aquelas empresas que iniciam suas atividades em um hub de conhecimento e criação local, tornam-se capazes de operar internacionalmente, mesmo contando com as capacidades técnicas e gerenciais requeridas para lançar produtos e serviços inovadores e potencialmente competitivos. Os estudos sobre internacionalização já apontaram que modelos explicativos para empresas que operam em indústrias tradicionais não se aplicam a empresas baseadas no conhecimento e inovação que se internacionalizam rapidamente (Oviatt; McDougall, 1994, 2005), bem como a necessidade de desenvolvimento teórico e estudos empíricos para o entendimento desse fenômeno no campo dos estudos da internacionalização, do empreendedorismo e da gestão estratégica (Zahra, 2005). Empresas designadas como born global firms, novos empreendimentos internacionais ou startups globais internacionalizam-se com base na inovação, no conhecimento e nas capacidades, buscando posicionar-se no mercado externo no início de sua evolução, apesar de possuírem escassos recursos tangíveis, financeiros e humanos, o que caracterizam a maioria dos novos negócios (Knight & Cavusgil, 2004). Esta proposta toma como fundamento teórico os desenvolvimentos do conceito de capacidades dinâmicas e de seus micro fundamentos. Alinha-se na intenção de preencher lacuna na explicação sobre a combinação de capacidades e as relações entre tipos particulares de conhecimento organizacional, rotinas organizacionais e desempenho em empreendimentos internacionais. Pretende-se, assim, tornar mais claro como elementos em nível de micro fundamentos influem na orientação internacional de empresas baseadas em conhecimento e inovação. Micro fundamentos correspondem a dimensões cognitivas e comportamentais da ação organizacional. São subjacentes às ações em nível individual e em grupo que moldam a estratégia, a organização e, de forma mais ampla, as capacidades dinâmicas (Gavetti, 2005; Eisenhardt, Furr & Bingham, 2010) Assume-se como pressuposto que operar internacionalmente depende de mentalidade gerencial e direcionamento estratégico que fundamentam a apreensão de oportunidades internacionais e o consequente desenvolvimento de estratégia, rotinas e processos. Nessa perspectiva, capacidades dinâmicas (Teece, Pisano & Shuen, 1997; Zollo & Winter, 2002) e uma mentalidade de empreendedorismo internacional (Ireland et. al. , 2001) são necessárias para uma empresa apreender oportunidades, mobilizar recursos e explorar essas oportunidades, mesmo sob condições altamente incertas. Assume-se também que é preciso investigar micro fundamentos para uma análise de capacidades dinâmicas relacionadas com a mentalidade gerencial. A questão central nesse estudo é: Como micro fundamentos subjacentes a ações em nível individual e de grupo favorecem ou limitam o empreendedorismo internacional de empresas baseadas em conhecimento e inovação? Nessa perspectiva, este estudo tem como objetivo geral analisar como os micro fundamentos subjacentes a ações em nível individual e de grupo, atinentes a processos e rotinas organizacionais influem no empreendedorismo internacional. Na perspectiva da contribuição para a teoria, esta pesquisa pretende preencher lacuna no entendimento no processo decisório de atores chave no processo de internacionalização de empresas baseadas em conhecimento e inovação. A investigação sobre micro fundamentos tem sido já explicativa para fundamentar o desenvolvimento de capacidades dinâmicas no escopo dos estudos sobre estratégia. Este estudo pretende estender evidências sobre micro fundamentos para os estudos sobre empreendedorismo internacional. Em uma perspectiva de suas aplicações, o interesse por essa linha de investigação justifica-se pelo crescimento e relevância de empresas baseadas em conhecimento e inovação internacionalmente e, em particular, no Brasil. Diferentes abordagens metodológicas e procedimentos estão previstos para o desenvolvimento desta proposta de pesquisa em suas diferentes etapas. A abordagem de pesquisa nesta etapa será qualitativa e inspirada em estudos da cognição. Em uma segunda etapa, os resultados alcançados na primeira etapa subsidiarão a construção de um questionário para a coletas de dados sobre atitudes e representações sociais sobre capacidades para o empreendedorismo internacional em startups brasileiras. Já, a terceira etapa, em uma abordagem de pesquisa-ação prevê o estabelecimento de metodologia para o desenvolvimento de gestores de startups com foco em aspectos cognitivo-comportamentais favoráveis a internacionalização.
  • Universidade do Vale do Rio dos Sinos - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022