Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Tania Cristina França da Silva

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • o uso da rede social como ferramenta de monitoramento e avaliação das ações de educação na saúde
  • A questão central do estudo é explorar o uso das redes sociais como ferramenta para o monitoramento e avaliação das ações de Educação Permanente em Saúde (EPS) no Brasil. Os desafios e dificuldades que permeiam os processos de implantação, monitoramento e avaliação da EPS, são muitos e merecem estudos mais aprofundados. Além disso, a EPS como uma proposta educativa produtora de sentidos e práticas a partir do que os trabalhadores de saúde fazem em seu cotidiano de trabalho, tem buscado a produção de evidências sobre práticas educativas inovadoras em saúde para subsidiar o avanço das políticas de gestão do trabalho e educação na saúde. A justificativa deste estudo apoia-se em três argumentos: (1)nas “Diretrizes de Política para a Aprendizagem móvel”, divulgada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) em 2014, que incentiva o uso das tecnologias móveis isoladamente ou em combinação com outras tecnologias de informação e comunicação, afim de permitir a aprendizagem em qualquer hora e em qualquer lugar. Visando auxiliar os gestores de políticas públicas a entender melhor o que é aprendizagem e tecnologia móvel, seus benefícios para fazer avançar em direção à Educação para Todos; (2) a importância das tecnologias digitais para uma aprendizagem ativa e inovadora relacionada a transformação que o mundo digital tem trazido para a educação. A maior parte das instituições educacionais está preocupada em fazer mudanças para sair dos modelos conteudistas e incorporar as tecnologias digitais que trazem uma educação mais flexível, híbrida, digital, ativa e diversificada. A aprendizagem ativa ajuda os alunos a desenvolverem competências cognitivas e socioemocionais por meio de estratégias de ensino individuais e compartilhadas em grupo; (3) o desenvolvimento de recursos humanos qualificados para atender às necessidades de saúde da população. Nesse sentido, a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e da Organização Mundial de Saúde (OMS) OPAS defendem a utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) para apoiar a aprendizagem on-line por meios virtuais como maneira de promover o desenvolvimento de competências técnicas, programáticas, gerenciais e administrativas. Objetivo central: Analisar o uso das redes sociais como ferramenta de monitoramento e avaliação das ações de educação permanente em saúde nas Regiões do Brasil. Desenvolvimento: Trata-se de um estudo exploratório, de abordagem quali-quantitativa, com a proposta de triangulação de métodos apoiados na Etnografia Virtual. Os participantes da pesquisa são gestores das Escolas Técnicas do SUS (ETSUS) e dos órgãos das instâncias gestoras (municipal, estadual ou federal) responsáveis pela EPS nas cinco Regiões do Brasil. O caminho trilhado para compreensão do objeto de estudo será executado em quatro fases: (1) levantamento bibliográfico e revisão de literatura relacionada ao tema da pesquisa; (2) questionário on-line nas ETS e órgãos das instâncias gestoras com o objetivo de coletar informações para um diagnóstico situacional; (3) observação participante dos grupos de discussão on-line mediados pelo aplicativo WhatsApp Mensenger®, em ETSUS e instâncias gestoras, selecionando uma por Região do Brasil. (4) A análise e interpretação de dados será por Análise de Conteúdo realizada por meio de software para análise de dados qualitativos em ambientes digitais. Resultados Esperados: pretende-se contribuir no sentido de explorar as possibilidades das tecnologias digitais colaborando para o desenvolvimento das ações de EPS, com ênfase no monitoramento e avaliação, com estratégias criativas e inovadoras. Do ponto de vista técnico-científico pretende-se publicar os resultados em forma de artigos submetidos a periódicos científicos e ainda divulgá-los no website da Estação de Trabalho da Rede de Observatório de Recursos Humanos do Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de janeiro (ObservaRH/IMS/UERJ).Do ponto de vista tecnológico e inovação propor-se-á o desenvolvimento de um aplicativo para uso em dispositivos móveis (celulares e tablets) para o monitoramento e avaliação das ações de EPS. A proposta inovadora é de disseminar informações de forma sistemática e contínua para o monitoramento e avaliação das ações de EPS desenvolvidas pelas escolas técnicas do SUS, e pelos órgãos administrativos responsáveis pela EPS, vinculados as Secretarias Estaduais de Saúde no SUS.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tania Goldbach

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • clube de ciências: projeto irradiador de múltiplas atividades em escolas públicas (foco na temática meio ambiente/sustentabilidade com base na filosofia da agenda 2030 -onu)
  • Vide projeto anexo
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 12/08/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tânia Guimarães Ribeiro

Ciências Humanas

Sociologia
  • território, participação e conservação ambiental
  • O projeto de pesquisa tem como principal objetivo Analisar as dinâmicas sociais decorrentes dos processos de gestão dos territórios definidos como unidades de conservação, enfatiza-se o processo de participação social em duas reservas extrativistas – uma delas marinha – no Estado do Pará, Amazônia Brasileira. A análise do processo de distribuição das políticas públicas considerando seus reflexos na mobilização social dos atores chaves – as populações tradicionais – e o seu potencial para a superação de entraves socioeconômicos e de questões socioambientais será central na pesquisa. Esta proposta estrutura-se a partir dos seguintes questões: como se constroem os acordos, as alianças, os processos comunicativos e de deliberação relativos à apropriação e aos usos e dos principais recursos naturais na Resex nos espaços dos CDs? Quais os impactos da implementação dos acordos de uso pelo ICMBio nas comunidades da RESEX, considerando-se a especificidade das atividades econômicas no território e que podem afetar as regras locais já definidas? Como se dá o funcionamento da participação (modos, regras, acordos) entre os representantes das comunidades e elas mesmas, considerando-se a formas de associação e a produção do associativismo? Quais os impactos das políticas públicas na diminuição da pobreza, na perspectiva dos usuários e moradores dessas unidades de conservação? De que forma os empreendimentos solidários – como as cooperativas locais – podem atuar para estimular a participação criativa e fomentar a sustentabilidade socioeconômica e ambiental? Foram escolhidos como focos privilegiados da pesquisa de campo:as reuniões do Conselho Deliberativo e as Associações-Mães da Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu, em Bragança e da Reserva Extrativista de São João da Ponta, em São João da Ponta, ambas localizadas no nordeste do Pará, na Amazônia Brasileira; as sedes dos governos locais; comunidades extrativistas das RESEX; as instituições guardiãs e elaboradoras de documentação sobre as políticas de Desenvolvimento e Reservas Extrativistas, na cidade de Belém. As associações cooperativas nos municípios de Bragança e São João da Ponta. As atividades da pesquisa foram previstas para serem desenvolvidas ao longo de 30 meses. A metodologia adotada será predominantemente qualitativa, adotando-se as entrevistas semi-estruturadas que permitem aos pesquisados que descubram a possibilidade de atribuir causas sociais às situações que vivenciam (BOURDIEU, 2003), conhecendo suas origens, a partir das perspectivas sobre o papel que vêm desempenhando nas tomadas de decisão de problemas coletivos da Unidade de Conservação. No entanto, está prevista a aplicação, segundo disponibilidade dos recursos financeiros, de um levantamento quantitativo – survey - nas duas resex, buscando caracterizar o potencial de superação de entraves socioeconômicos e ambientais em decorrência da distribuição dos direitos sociais oriundos das políticas públicas. À priori, foram delimitadas duas comunidades-pólos, um em cada Reserva, o Pólo Cidade, na Resex Caeté-Taperaçu e o Pólo Cidade na Resex de São João da Ponta. Nas duas experiências selecionadas, estão em pauta questões caras à Amazônia, que ganham novos contornos, tais como: o acesso à terra, a apropriação dos recursos naturais, o desenvolvimento endógeno e sustentável, a inclusão dos diferenciados interesses das populações locais marginalizadas – como as populações tradicionais -, a presença do Estado na região, a cidadania, a participação em suas diferentes acepções, conforme vê-se em diversos estudos (MANESCHY, RIBEIRO ET AL, 2017; AQUINO, 2003; CASTRO e PINTON, 1997; BECKER, 2007; CASTRO, HURTIENNE, SIMONIAN, 2007). Portanto, nos dois casos privilegiados deverá se considerar as construções sociais específicas que influenciam sobre a participação, tanto nas redes de relações que se erigem no interior da Resex, quanto àquelas que se constroem com o território do qual fazem parte. Portanto, vai se destacar aqui a atuação das populações tradicionais na construção e manutenção de seus direitos dentro do modelo de gestão participativa pela institucionalização das Reservas em tela. Cabe notar que o olhar sociológico sobre as políticas públicas produz contribuição relevante para esse campo interdisciplinar de conhecimento. Em ampla produção ao longo dos anos, e sobre diferentes contextos sociais, a literatura sociológica tem nos revelado a importância dos diferentes grupos sociais na construção das políticas públicas, notadamente na relação sociedade civil e Estado. Esse conhecimento tem influenciado tanto a construção e formulação de políticas (políticas de cotas; reconhecimento de territórios), como na análise de seus impactos na sociedade (CORTES &LIMA, 2012). Nessa direção, essa perspectiva analítica também se mostra fundamental para discutirmos a pertinência da desigualdade social na realidade brasileira, em particular na região norte, e entre as populações rurais, como as extrativistas. Pois, a essas populações se voltam novos modelos de desenvolvimento (sustentáveis) e de políticas públicas e sociais que visam à distribuição mais equitativa de renda, dos bens e recursos sociais, que podem ampliar as oportunidades para um maior número de indivíduos (SCALON, 2011, p. 64).
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tania Margarida Lima Costa

Outra

Divulgação Científica
  • “inteligência artificial presente no seu dia a dia”, na semana nacional de ciência e tecnologia (snct) 2020
  • O Projeto “Inteligência artificial presente no seu dia a dia”, evento vinculado à SNCT 2020, proposto pelo Museu Itinerante Ponto UFMG à nível estadual, Linha A – Eventos de Abrangência Estadual ou Distrital, poderá ser realizado de duas maneiras dependendo da situação da Pandemia, virtualmente e/ou presencialmente. Pretendemos fazer desta experiência, ao realizar um evento cientifico, provavelmente com ênfase no modelo virtual, uma oportunidade para refletir sobre como a virtualização de atividades e ações antes propostas para serem presenciais, contribuíram para a comunicação e a divulgação cientifica da temática para o público da Educação Básica. O distanciamento social,provocou uma nova realidade temporária (devido ao COVID-19), os alunos da educação básica estão separados de suas comunidades escolares. Entendemos, que em momentos como esse, precisamos conectar as pessoas principalmente os alunos da educação básica, promovendo situações de aprendizagem que possa ser realizada em outros ambientes além do escolar. Ao propormos a criação de situações virtuais, pretendemos contribuir com a continuidade de aprendizagem e a continuidade de ações para estimular a curiosidade científica, o raciocínio científico e a inovação. Atualmente, dispomos de tecnologia que enriquece os ambientes virtuais e facilita a contextualização dos conceitos e a comunicação amplamente interativa. Neste contexto, a virtualização de algumas atividades museais do Museu Ponto e a criação de outras possibilidades, de interação e contato com o conhecimento científico, estão sendo concebidas para que mesmo sem a interação presencial do público com o museu este continue a ser um espaço de comunicação, de negociação, de sentido e de aprendizagem lúdica, para o público escolar. As atividades a serem realizadas no projeto englobam: realização de exposição presencial do Museu Ponto (a realização desta atividade está condicionada a possibilidade de flexibilização do isolamento social, caso esta aconteça serão tomadas de proteção sanitária para todos os envolvidos); realização de exposição virtual/ passeio científico virtual no Museu Itinerante Ponto UFMG; realização de um Café Científico Virtual e uma live sobre a temática da SNCT (atividade feita por meio de plataforma que permitam a transmissão da palestra e a interação com o público por meio de perguntas que serão respondidas pelos participantes); Realização de atividade lúdicas que promovam a interação dos participantes com a temática da semana por meio da realização de enquetes via redes sociais, envio de vídeos produzidos pelos estudantes; realização de jogos de perguntas e respostas; produção de vídeos pelos alunos da Educação Básica e disponibilização nas redes sociais durante a semana com o titulo: “Onde você vê a presença da Inteligência Artificial no seu dia a dia”?
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 22/10/2020-30/04/2021