Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Roberto César Pereira Lima Júnior

Ciências Biológicas

Farmacologia
  • estudo da associação entre a obesidade e os mecanismos de resistência em pacientes com carcinoma mamário não-responsivo à terapia neoadjuvante
  • A obesidade representa um problema de saúde no mundo. Estima-se que 20% da população brasileira é obesa, carreando fatores de agravo a outras morbidades. Apesar de o binômio obesidade/câncer ser bastante estudado, os mecanismos pelos quais a obesidade incrementa a morbimortalidade por câncer ainda não são totalmente entendidos. O câncer de mama é o mais frequente em mulheres no mundo, no Brasil e no Ceará. Contudo, a heterogeneidade deste câncer resulta em diferentes cenários clínicos e terapêuticos. A quimioterapia neoadjuvante (QTneo) permite cirurgias mais conservadoras da mama. Contudo, a ausência de resposta está relacionada com menor tempo de recorrência e maior positividade de linfonodos axilares para metástase. Em um estudo piloto de nosso grupo, observou-se que tumores triplo-negativos e luminais B predominaram no grupo de tumores não-responsivos à QTneo. É nesse contexto em que a obesidade pode ser um fator decisivo, visto que adipocitocinas e outros mediadores associados à reprogramação metabólica desses pacientes podem explicar a falha ao tratamento oncológico. Muitos desses mediadores inflamatórios ativam mecanismos de sobrevivência celular tumoral. Uma dessas vias depende de fosfatidil-inositol-3-quinase (PI3K) de classe I, que podem contribuir para a resistência tumoral. Um dos mecanismos de ativação dessa via envolvem receptores toll-like tipo (TLR)-4 e -9. De fato, há relatos de que o dano celular causado pela doxorrubicina, libera DNA mitocondrial, um ligante do TLR9, além de o paclitaxel ser um agonista de TLR4. Ambos os quimioterápicos compõem o protocolo padrão de QTneo do câncer de mama. Assim, o presente estudo objetiva avaliar de forma translacional a importância via TLR/PI3K/Akt na resistência à QTneo do câncer de mama em contexto de obesidade. Com isso, buscamos identificar marcadores preditivos de falhas ao tratamento ou lançar luz ao potencial bloqueio da via do PI3K na quimioterapia inicial reduzindo a morbimortalidade por câncer.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Roberto Cid Fernandes Junior

Ciências Exatas e da Terra

Astronomia
  • ifsul: galáxias em 3d
  • Galáxias são peças fundamentais em nosso entendimento do Universo. Entender e mapear os processos físicos responsáveis por sua formação e evolução está entre os grandes desafios da astrofísica moderna. Para atacar esta problemática de forma observacional são necessários dados e ferramentas avançadas. A técnica ideal para este tipo de estudo é a espectroscopia de campo integral (IFS). Essa poderosa combinação das duas principais técnicas observacionais em astronomia, imageamento e espectroscopia, permite mapear a estrutura de emissão e cinemática do gás e das estrelas em galáxias. Para extrair informação física dos cubos de dados (lambda, x, y) observados são necessários métodos avançados de síntese espectral, análise cinemática, processamento de imagens, etc. A equipe do IFSul congrega especialistas com consolidada reputação e liderança internacional e também jovens pesquisadores com experiência tanto na aquisição de dados IFS como no desenvolvimento e aplicação de ferramentas de análise sofisticadas e inovadoras. Esta solicitação visa (1) angariar recursos para atualizar os recursos computacionais disponíveis nas 5 instituições participantes e, principalmente, (2) fomentar a interação entre esses grupos e explorar suas expertises complementares, as quais permitem abordar um variado leque de questões astrofísicas atuais. Em particular, investigaremos duas das principais questões ainda em aberto acerca da evolução de galáxias: Qual é o histórico de formação estelar em galáxias massivas e quais processos o moldam? Quais processos podem cessar a formação estelar de uma galáxia, transformando-a em quiescente? Serão utilizados tanto dados de IFS de grandes levantamentos de dados (para estudos de natureza estatística) como dados obtidos pela própria equipe com telescópios de grande porte como o Gemini (para estudos detalhados de objetos individuais). A experiência coletiva da equipe será instrumental para abordar esses e outros problemas de fronteira da astrofísica.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 07/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Roberto de Souza Santos

Ciências Humanas

Geografia
  • feiras de ciências e mostra científica em porto nacional-to: desenvolvimento regional e local
  • O projeto pretende trabalhar a temática desenvolvimento regional, a partir de dois tópicos: desenvolvimento regional e local e, território e cidadania no município de Porto Nacional-TO. Atualmente, o conhecimento constitui uma ferramenta importante para o aprimoramento das condições sociais da humanidade. A ciência e a tecnologia tornaram-se vetores fundamentais para o desenvolvimento social do mundo atual. É a partir desta ferramenta que o projeto Feiras De Ciências E Mostra Científica Em Porto Nacional-TO: Desenvolvimento Regional e Local, pretende contribuir para o desenvolvimento local e regional em Porto Nacional. A ideia é fomentar a iniciativa para a pesquisa científica interdisciplinar através da criação de uma feira de ciência e mostra científica onde os alunos de ensino fundamental, médio possam ter um espaço que os permitam expor suas ideias, curiosidades, seus talentos, sua vocação profissional. Um espaço onde a iniciação científica passa ser valorizada pela sociedade. Este projeto tem sua relevância pelo fato de desencadear uma iniciativa em sintonia com o desenvolvimento social e humano em Porto Nacional-TO, local em que a escolarização e o acesso à iniciação científica, são fatos não corriqueiros na sociedade local. Nossa hipótese é de que há uma necessidade de aguçar a vocação e motivação dos alunos das escolas públicas de Porto Nacional, pelo trabalho de iniciação científica. Acreditamos que nossa proposta de trabalho colocada em execução, contribuirá para mitigar essa situação. O trabalho de iniciação cientifica na rede pública de ensino público na região do Tocantins, ainda é um desafio. Precisamos superar estas expectativas. Para viabilizar a proposta, será colocado em prática um plano exequível das atividades prevista no projeto. Espera-se que ao final da realização da feira de ciências, seja possível contribuir para o trabalho de iniciação científica júnior, na rede pública de ensino em Porto Nacional-TO.
  • Universidade Federal do Tocantins - TO - Brasil
  • 08/12/2021-31/12/2023
Foto de perfil

Roberto Dias Lins Neto

Ciências Biológicas

Biofísica
  • desenvolvimento racional de proteínas imunorreativas para o combate e detecção de infecções pelos vírus zika e chikungunya
  • Nos últimos 5 anos temos desenvolvido antígenos baseados no desenho racional de quimeras a partir de uma estratégia teórico-experimental inédita no país. Daremos continuidade a esta linha de pesquisa, a qual utiliza conjuntamente ferramentas de bioinformática, métodos de novo design, dinâmica molecular, biologia molecular (clonagem, expressão e purificação), caracterização biofísica (dicroísmo circular, termoforese em micro-escala) e ensaios imunológicos. O objetivo principal desse projeto consiste na engenharia e caracterização das bases moleculares de proteínas imunorreativas contra os vírus Zika e Chikungunya, com o proposito de auxiliar no desenvolvimento de diagnosticos e vacinas contra esses vírus. Em conjunto, espera-se que esses resultados tragam uma contribuição importante na orientação de políticas públicas de prevenção aos vírus Zika e Chikungunya, bem como a alocação de recursos para um combate mais direcionado das epidemias. Esta proposta suporta ainda o plano de trabalho da bolsa de produtividade em pesquisa recentemente aprovada junto ao CNPq.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PE - Brasil
  • 15/05/2019-31/05/2023
Foto de perfil

Roberto dos Santos Bartholo Junior

Ciências Sociais Aplicadas

Turismo
  • digital twin em turismo e patrimônio: as fortalezas de são joão e santa cruz na entrada da baía da guanabara
  • O projeto desenvolve um digital twin (gêmeo digital) da entrada da Baía de Guanabara com foco em duas fortificações que integram o “Conjunto de fortificações do Brasil” da lista indicativa a patrimônio mundial apresentada à UNESCO: São João, sítio histórico de fundação da cidade do Rio de Janeiro, e Santa Cruz, em Niterói. O digital twin potencializa um turismo de experiência apoiado em visitações imersivas e contribui para novos modelos de gestão do hiper patrimônio e práticas turísticas. O projeto usa a ferramenta digital twin criando um framework de baixo custo para a reconstrução 3D do conjunto da entrada da Baía de Guanabara com foco nas duas fortificações. Esta ferramenta é de uso cada vez mais significativo na indústria 4.0, embora ainda incipiente em aplicações ao patrimônio e turismo. O mapeamento da literatura evidencia, no entanto, que este campo específico é fecundo (Gabellone, 2020; Dezen-Kempter et al., 2020; Jouan & Hallot, 2019). Desta forma, a presente proposta é uma contribuição em três aspectos: teórico (lacuna na literatura), metodológico (desenvolvimento de método próprio) e prático (desenvolvimento e testagem de um projeto piloto de digital twin). A metodologia desdobra-se em cinco fases. A primeira é o inventário dos sítios. A segunda é a sua digitalização. A terceira é a convergência entre inventário e digitalização. A quarta é o desenvolvimento e testagem de um projeto piloto. A quinta é a formulação de subsídios para a interpretação patrimonial apoiada nos guidelines da UNESCO. O hiper patrimônio se torna assim vetor de uma nova abordagem relacional do patrimônio, estimulando a valorização e conservação do bem e práticas turísticas sustentáveis. Por fim, acreditamos ainda que o projeto pode contribuir para a candidatura a patrimônio mundial pleiteada à UNESCO dos sítios históricos em questão.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Roberto Esser dos Reis

Outra

Defesa
  • inct ciências forenses
  • As Ciências Forenses são constituídas de um conjunto de áreas aplicadas à solução de questões de interesse do sistema legal e judicial, relacionadas com a ocorrência de crimes e com a sua resolução. Podem ser definidas como as ciências naturais e matemáticas aplicadas à análise de vestígios a fim de responder às demandas judiciais. Por meio das Ciências Forenses, Peritos Oficiais e Peritos Assistentes Técnicos executam uma atividade técnico-científica denominada Perícia Criminal, prevista no Código de Processo Penal, indispensável para elucidação de crimes quando houver vestígios materiais. No âmbito da Justiça e da Segurança Pública a prova material, isenta de subjetividade, exerce um papel de fundamental relevância. A ciência é uma questão de fato, não de opinião. Avanços na metodologia científica devem ser direcionados no sentido de evitar a interpretação tendenciosa, uma vez que o objetivo primeiro da análise pericial deve ser a elucidação da verdade real, ainda que, em tese, inatingível. O domínio dos aspectos técnicos relacionados à produção, análise e interpretação da prova material é de extrema importância para os profissionais envolvidos em todas as etapas da Justiça e da Segurança Pública. Desenvolver pesquisa em Ciências Forenses com base na realidade brasileira consiste em adquirir conhecimento sobre as particularidades da criminalidade nacional. Este procedimento pode ser mais eficiente do que continuar a adquirir tecnologias estrangeiras para combater crimes nacionais. A interdisciplinaridade desta proposta é comprovada pelo uso de conhecimentos científicos, criminalísticos, estatísticos e judiciais para a resolução de problemas periciais. As áreas temáticas das linhas de pesquisa apresentam-se de modo integrado e interligado e didaticamente podem ser classificadas em: Química e Toxicologia Forense, Perícia Ambiental, Genética Forense, Informática Forense e Ciências Criminais. O projeto em questão situa-se na área das Ciências Forenses, Segurança Pública, Justiça, Execução de Perícias Criminais, Repressão ao Tráfico de Drogas (crack, cocaína, maconha, drogas sintéticas), análises toxicológicas em cabelo e pelos humanos, combate à falsificação de medicamentos, acreditação de laboratórios, balística forense, documentoscopia, combate ao contrabando e utilização irregular de pesticidas, rastreabilidade da maconha apreendida em território brasileiro, desenvolvimento de metodologias para Engenharia Legal e Perícia Ambiental, Genética Forense (uso de técnicas de última geração; estabelecimento do biobanco DNA Brasil Pró-Forenses; proposta de criação e regulamentação de rotina para análise por barcode), Informática Forense (aplicacação de tecnologias semânticas na investigação de crimes cibernéticos), Ciências Criminais (uso de estatística para avaliar alcance e relevância de laudos na investigação criminal e sentença judicial, caracterização da prova pericial no contexto da persecução penal). A Instituição Sede (PUCRS/Núcleo de Pesquisa em Evidências Forenses), a Unidade de Perícia Oficial Associada (Setor Técnico Científico da Superintendência de Policia Federal no Rio Grande do Sul, SETEC/SR/DPF/RS) e as demais instituições colaboradoras, dispõem de recursos e infraestrutura que possibilitam a produção de pesquisa científica e formação de recursos humanos. Além disto, tais associados têm outros financiamentos que permitem o aporte de recursos adicionais como bolsas, aquisição de insumos necessários para estas pesquisas e mesmo a sua caracterização interdisciplinar. Têm-se o envolvimento de 19 Programas de Pós-graduação, de quatro regiões do país – Sul, Sudeste, Centro-oeste e Norte. Isto apoiará a formação de recursos humanos de alto nível em áreas tecnológicas com notória carência no país. Os únicos cursos de graduação reconhecidos pelo MEC na área forense integram essa proposta: Bacharelados em Química, Habilitação Química Forense, da USP/Ribeirão Preto/SP e da UFPel/Pelotas/RS. Pretende-se implementar o curso de Mestrado em Ciências Forenses (stricto sensu) vinculado ao PPG do Núcleo de Pesquisa em Evidências Forenses. Trata-se de incremento sequencial ao curso de Especialização em Ciências Forenses (lato sensu), já existente. Também se espera criar primeira instituição de pesquisa forense interdisciplinar no Brasil. Entre outras contribuições, podem ser listadas: busca pela rapidez na resposta de execução de Perícias Criminais; o fortalecimento da prova material; o desenvolvimento de métodos de combate aos novos crimes (fraudes complexas, pedofilia, venda de medicamentos falsificados pela web, novas drogas de abuso – “designer drugs”) com base na realidade brasileira. Além disso, o uso de ferramentas já existentes, como o Sistema Criminalística (SisCrim) para a disseminação dos resultados das pesquisas com alcance nacional, fará com que o país assuma sua posição de líder regional na América Latina nesta área das ciências. As linhas de pesquisa deste projeto foram idealizadas a partir da associação de instituições de pesquisa acadêmicas e o SETEC/SR/DPF/RS. Além de publicação científica e educação em ciência, serão produzidos programas educativos para divulgação de problemas e ações desenvolvidas acerca dos temas em estudo e a realização de palestras abertas para a comunidade sob o título de “Ciências Forenses: a ciência desvendando crimes”. Estão previstas atividades como a criação de disciplinas em cursos de pós-graduação; oferecimento de disciplinas com professores convidados nacionais; oferecimento de workshops com professores internacionais; realização do encontro anual do INCT Ciências Forenses, organização de uma Jornada Nacional de Ciências Forenses, entre outros. Do ponto de vista internacional, instituições de pesquisa forense são realidade em países nos quais os saberes científicos encontram-se consolidados. A criação INCT Ciências Forenses fará com que o Brasil assuma sua posição de líder regional na América Latina nesta área das ciências.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 28/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Roberto Giugliani

Ciências Biológicas

Genética
  • edição gênica por via nasal na mucopolissacaridose i: estudo se segurança e eficácia em modelo canino e em primata não-humano com vistas a um ensaio clínico
  • A Mucopolissacaridose tipo I (MPS I) é uma doença autossômica recessiva causada por mutações no gene IDUA. Os tratamentos disponíveis, como a reposição enzimática, são muito caros (custo de até 1 milhão de reais por ano por paciente), têm que ser administrados por via intravenosa pela vida toda do paciente, e não melhoram aspectos importantes da doença, como a deficiência intelectual, pois a enzima não atinge o cérebro. Tendo isso em conta, nosso grupo desenvolveu um vetor não viral (lipossomo) contendo, adsorvido na sua estrutura, plasmídeos com as sequências de DNA necessárias para a codificação da proteína Cas9 (nuclease que quebra o DNA) e o gene da IDUA, que, então, é inserido num ponto seguro do genoma, fazendo com que as células antes deficientes em IDUA, agora possam produzi-la. Este lipossomo possui propriedades mucoadesivas, de forma que pode ser administrado por via nasal (por inalação, de forma similar a um descongenstinante nasal) e permite que estes vetores cheguem diretamente ao cérebro (via bulbo olfatório e nervo trigeminal) e a órgãos como pulmão e coração, levando à produção da enzima em múltiplos órgãos, inclusive no sistema nervoso central. Estudos preliminares do grupo demonstraram a eficácia do sistema na edição de genes em fibroblastos humanos com MPS I, bem como em modelos murinos de MPS I, que mimetizam a doença humana. Este potencial terapêutico, no entanto, deve ser explorado em animais maiores antes de que um ensaio clínico seja iniciado. Desta forma, o objetivo deste trabalho é verificar o benefício terapêutico desta formulação em cães com MPS I, bem como em primatas não-humanos. Estudos de biodistribuição, escalonamento de dose, segurança e eficácia serão realizados nestes modelos animais, para que, ao final, em se comprovando a eficácia e segurança do produto, estudos clínicos possam ser iniciados.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 07/12/2020-31/12/2023
Foto de perfil

Roberto Giugliani

Ciências Biológicas

Genética
  • ampliação de triagem neonatal no brasil: contribuição para a definição das doenças e métodos para a fase 3 (doenças lisossômicas) com base em evidências científicas
  • As doenças lisossômicas de depósito (DLDs) são condições raras multissistêmicas e progressivas causadas por deficiência ou mau funcionamento de proteínas lisossomais (enzimáticas ou não-enzimáticas) . Muitas dessas doenças são tratáveis, mas são na maioria dos casos diagnosticadas apenas quando os pacientes já apresentam manifestações irreversíveis. Uma variedade de testes laboratoriais têm sido utilizados para detectar essas doenças em programas de triagem neonatal, não havendo ainda consenso sobre quais as condições que mais se beneficiariam dessa identificação precoce e sobre quais as melhores alternativas para essa triagem, se através da dosagem de enzimas ou de biomarcadores, e também se questiona sobre qual abordagem inicial utilizar, se testes bioquímicos ou análises genômicas. O presente projeto tem por objetivo avaliar e comparar as diferentes estratégias para a triagem neonatal de doenças lisossômicas tratáveis no Brasil, estimar os custos relacionados a esse programa e produzir recomendações para a implementação dessa triagem com base em evidências científicas. Essas questões são cruciais face à sanção da lei 14.154, em maio de 2021, que incluiu as doenças lisossômicas na fase 3 da ampliação do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), a ser implementada num futuro próximo no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Roberto Giugliani

Ciências Biológicas

Genética
  • instituto nacional de ciência e tecnologia de genética médica populacional - inagemp
  • Podemos afirmar que as doenças genéticas raras vêm assumindo relevância crescente, que transcende sua baixa prevalência individual, a partir de duas constatações: 1) como incluem um número muito grande de condições (entre 6 a 8 mil doenças), acabam afetando uma parcela significativa da população, o que tem exigido uma atenção cada vez maior do governo, traduzida em políticas públicas adotadas ou por adotar; 2) como 80 % delas decorrem de uma falha no mecanismo genético que controla nosso desenvolvimento e/ou funcionamento, representam um oportunidade única para o entendimento dos mecanismos biológicos normais e, consequentemente, para o desenvolvimento de novos métodos de diagnóstico e/ou tratamento (inclusive para doenças não raras), o que tem atraído a atenção de investigadores e de empresas. Onde as doenças genética raras podem ser melhor estudadas é nas populações isoladas, nas quais sua frequência relativa é maior do que na população em geral. O marco teórico e a metodologia de ação estabelecidos pelo INaGeMP, inovadores em termos globais, serviram de referência para o desenvolvimento de uma nova disciplina, a Genética Médica Populacional (GeMePo), situada na interface entre a Genética Médica, Populacional, Epidemiológica e Comunitária. Ao longo do período 2008-2014 o INaGeMP consolidou-se no cenário nacional e internacional através de ações de investigação de doenças genéticas raras em isolados populacionais em todas as regiões do Brasil. Além de trazer benefícios diretos às comunidades atingidas, essas ações contribuíram para a formação de recursos humanos em vários níveis, resultaram em inúmeras publicações, divulgaram a GeMePo para profissionais e estudantes da área da saúde, e atraíram o interesse de empresas, de organizações não-governamentais e do próprio governo, com repercussão importante na mídia, destacando-se uma recente reportagem no The Lancet (http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(14)61425-2/fulltext). Para atingir seus objetivos, o INaGeMP estruturou uma rede com pesquisadores de referência na área, com 14 instituições participantes, cobrindo todas as regiões do país. Isso inclui a instituição-sede (HCPA), 5 instituições associadas (UFRJ, FIOCRUZ, UFRGS, UFPA e CEMIC-Argentina), 18 laboratórios associados e investigadores parceiros em diversos países. As decisões estratégicas continuarão a ser tomadas pelo Comitê Gestor, formado pelo Coordenador, Vice e por 3 representantes de instituições associadas, o qual manterá no período 2015-2020 suas reuniões mensais presenciais, de fundamental importância para a supervisão de um projeto desta dimensão. O INaGeMP conta com uma sólida estrutura operacional, coordenada desde sua Instituição-Sede, onde tem uma área física própria com plenas condições de trabalho para o coordenador e sua equipe de funcionários da UFRGS e do HCPA integralmente dedicados ao INCT. Parte fundamental da sua estrutura do INaGeMP são os “serviços de apoio multiusuário” (core facilities). Quatro deles foram implementados no período 2008-2014 e serão consolidados e ampliados nesta nova etapa: Apoio Metodológico/Bioinformática, Detecção de Mutações em Larga Escala, Georeferenciamento e Genética Bioquímica/Citogenômica. Dois novos serão criados, incluindo o de Sequenciamento de Nova Geração e o BioBanco Brasil de Doenças Raras. Este conjunto de 6 serviços de apoio, cada um operando em uma das 6 instituições proponentes (sede + associadas), estará à disposição dos investigadores do INaGeMP de modo a atender do modo racional e custo-eficiente as necessidades dos projetos desenvolvidos nas comunidades. Ao longo da segunda metade do período 2008-2014, a metodologia “Rumor” utilizada pelo “Censo Nacional de Isolados (CeNIso)”, uma das principais iniciativas do INaGeMP, identificou suspeitas de doenças genéticas com prevalência supostamente aumentada em mais de 200 populações no país, suspeitas que serão validadas e investigadas ao longo do período 2015-2020. Com a finalidade de otimizar o beneficio para a área da saúde das inúmeras redes relacionadas com genética médica em operação no Brasil e em outros países sul-americanos, o INaGeMP se propõe ser o centro coordenador de uma “Rede de Redes”, utilizando sua experiência e seu conhecimento na área, e incorporando o importante programa ECLAMC a esta iniciativa, o que será também um instrumento de internacionalização do INCT. Um programa de formação e divulgação será desenvolvido em paralelo, tendo com um dos principais eixos cursos a distância e suporte remoto a agentes comunitários e teleconsultores sobre genética na saúde. Também desenvolveremos aplicativos para celular e tablets para facilitar o registro e documentação das condições genéticas investigadas em qualquer lugar do Brasil, e expandiremos o alcance do “Atlas” de defeitos congênitos para dar apoio online e multilingual aos investigadores. O trabalho desenvolvido vem despertando a atenção de empresas inovadoras cujo foco é o desenvolvimento de novas metodologias de diagnóstico e/ou tratamento para doenças raras, e muitas delas já declararam interesse em estabelecer parceria com o INaGeMP. Mas é para o governo que deverão ser transferidos muitos dos resultados do projeto, para apoiar a consolidação das políticas públicas importantes para a área (doenças raras, triagem neonatal, registro de malformações, entre outras). A expansão das atividades do INaGeMP para a América Latina e para a África foi contemplada no novo projeto, não só através do estudo de focos de doenças genéticas nessas regiões, mas também pelo projeto toolkit para avaliação de necessidades em saúde na área de defeitos congênitos. Concluindo, a CONSOLIDAÇÃO e AMPLIAÇÃO das ações do INaGeMP, a DIFUSÃO dos conhecimento na área, a INTERNACIONALIZAÇÃO da sua base territorial, a formação da REDES DE REDES, deverá produzir resultados a serem TRANSFERIDOS para a sociedade, incluindo as comunidades atingidas, empresas inovadoras e as diversas esferas do governo.
  • Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS - Brasil
  • 29/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Roberto Gonzalez Duarte

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • coevolução entre regulamentação ambiental e desenvolvimento científico-tecnológico nas ciências agrárias: transição para a sustentabilidade
  • A crescente relevância do setor agrícola na economia brasileira deveu-se em grande parte aos avanços científico-tecnológicos realizados, sobretudo nas instituições públicas de pesquisa e universidades. Se pesquisas passadas contribuíram para o incremento da produtividade, o desafio futuro para as ciências agrárias é assegurar a sustentabilidade dos sistemas agrícolas. O enfrentamento e o resultado desse desafio dependem das interações entre os agentes de diferentes esferas - setor agrícola, ambiente normativo-institucional, ciência e tecnologia e social - que compõem um sistema sociotécnico, definido como um conjunto de elementos técnicos e sociais visando à realização de de funções sociais. Geels (2020) propõe a perspectiva multinível, que leva em conta tanto as mudanças radicais (nichos tecnológicos) quanto os regimes sociotécnicos, que representam a estrutura institucional tangível, e as influências dos contextos mais amplos (landscape). A perspectiva coevolutiva, por sua vez, propõe que organizações, populações e ambientes sejam entendidos como resultado da interação entre intencionalidade gerencial, influências institucionais e fenômenos ambientais. Diante dos crescentes impactos ambientais do setor, das demandas por modelos mais sustentáveis e da emergência de agentes privados na pesquisa científico-tecnológica, este projeto propõe a pergunta - como as regulamentações ambientais e os avanços científico-tecnológicos (público e privado) nas ciências agrárias coevoluem ao longo da transição sociotécnica para a sustentabilidade?. São três os objetivos: analisar (i) como os diferentes atores do sistema sociotécnico se influenciam mutuamente e coevoluem ao longo do tempo; (ii) como essa influência determina o processo e o resultados de inovação científica e tecnológica para a sustentabilidade nas ciências agrárias; e (iii) o papel dos agentes públicos e privados nesse processo. A pesquisa, longitudinal, baseia-se em dados secundários, utilizando-se o NVivo.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Roberto Kant de Lima

Ciências Humanas

Antropologia
  • instituto de estudos comparados em administração institucional de conflitos
  • O presente projeto, apresentado no tema Segurança Pública, do Programa Institutos de Ciência e Tecnologia/CNPq, é resultado da articulação de uma rede nacional e internacional de instituições de ensino, pesquisa e extensão, reunidos há 06 anos no Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia/ Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional de Conflitos (INCT/InEAC), aprovado em abril de 2009. A presente proposta busca consolidar, inovar e ampliar a experiência anterior, com a incorporação de novos parceiros nacionais e internacionais e através de novas formas de atuação. Consolidar, porque o trabalho desenvolvido e bancado pela formação do INCT/InEAC tem permitido iniciar um programa de pesquisa, ensino e extensão através da interlocução, inédita no Brasil, entre as ciências sociais e as ciências sociais aplicadas, especialmente entre a Antropologia e o Direito, que tem resultado em ações inovadoras: de um lado, na formação de profissionais do Direito com experiência na formulação e realização de pesquisas empíricas (e não dogmáticas) e, de outro lado, no desenvolvimento de projetos que não tomam o Direito como um objeto exterior, mas como um parceiro na produção conjunta de conhecimento. A maior conquista inovadora desta estratégia, na prática, baseada na longa (desde 2000) experiência do grupo, parcialmente frustrada, de formar quadros da segurança pública em cursos de especialização, foi propiciar o acionamento desse denso patrimônio acadêmico, catapultado pela aprovação do InEAC, para vencer as ferozes resistências expressas em debate nacional no final de 2008, dentro e fora da Universidade, para a criação bem sucedida de dois cursos superiores, um de graduação presencial nível bacharelado em Segurança Pública e um de tecnólogo em Segurança Pública a distância, ambos na Faculdade de Direito/UFF, que então passou a ter três cursos e um Departamento de Segurança Pública, fato inédito no Brasil. Os resultados dessa conquista começam a ser percebidos não só na alta procura pelos cursos, mas também pelo ambiente de discussão criado por eles, onde se vinculam estudantes provenientes diretamente do ensino médio, profissionais da segurança pública, da defesa, do direito e de outras áreas. O diálogo nas salas de aula e outros espaços de socialização entre essas diversas perspectivas está possibilitando desconstruir os paradigmas dogmático e repressivo fortemente consolidados como doutrinas no campo da segurança pública no Brasil. Experiências de formação desse tipo precisam de um tempo de consolidação e fortalecimento institucional e subjetivo de todos os atores envolvidos, que será promovido pelas ações propostas pelo novo INCT. Isso, por um lado, porque foi demonstrado que o campo da segurança pública, no Brasil, carece de uma formação universitária institucional a partir do enfoque das Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas. Essa formação objetiva a reprodução de valores e experiências introduzidas nas sociedades ocidentais a partir dos movimentos de instauração dos Estados Democráticos de Direito e de seus principais efeitos no campo das relações entre o Estado e os cidadãos. Essa reprodução, nas instituições de segurança pública, só poderá se dar no longo prazo, como efeito da internalização de normas e valores diferenciados daqueles dominantes historicamente no Brasil. Esse novo INCT também inova o anterior porque o escopo da atuação do Instituto se expande para além da análise dos processos de administração institucional de conflitos, para as formas não institucionais e, especialmente, para os processos de demanda de direitos e por reconhecimento por parte de diversos atores. Essas duas vias incorporarão aqui novos campos e novas perspectivas teóricas e metodológicas. Assim, a inovação se dará no campo da pesquisa e de sua articulação com as ações propostas na área da transferência do conhecimento. No primeiro caso, trata-se de ações fortemente ancoradas nas tecnologias de formação, capacitação e interlocução com operadores dos sistemas de Segurança Pública, de Justiça e de outras burocracias estatais, gerando espaços de desconstrução e construção de matrizes e práticas institucionais e corporativas arraigadas nas formas de fazer o Estado no Brasil. No segundo caso, as ações serão inovadoras no sentido da construção de tecnologias sociais que promovam, não a aplicação unilateral do conhecimento, mas a construção conjunta de formas de intervenção na esfera e no espaço públicos que considerem os diferentes pontos de vista e reivindicações das pessoas envolvidas nos conflitos tratados pelas agências públicas. Por último, esse novo projeto amplia o anterior no sentido de incorporar não só novos campos empíricos de pesquisa e transferência do conhecimento no país, agregando maior consistência aos resultados obtidos, mas também de expandir a atuação internacional do Instituto. Nessa linha, as estratégias nesse campo serão tendentes à internacionalização de nossos pesquisadores e não só da produção por eles elaborada, como a publicação em revistas estrangeiras e participação em eventos acadêmicos internacionais. O foco da internacionalização do presente projeto é vencer os obstáculos impostos pela exclusão de nossa área do Programa Ciência Sem Fronteiras, para promover o intercâmbio institucional e fluido entre pesquisadores, estudantes e professores dos países envolvidos, com vistas à troca de experiências de pesquisa, de ambientes acadêmicos mas, principalmente, para criar oportunidades para realização de pesquisas de campo em outros países, com a finalidade de produzir resultados que possam ser contrastados àqueles aqui obtidos. Assim, destaca-se que esse projeto se funda em uma perspectiva comparada e multidisciplinar de análise, pioneira no Brasil em relação à interlocução entre o Direito e as Ciências Sociais, no entendimento da Segurança Pública como um campo de disputas e consensos que vai além da criminalidade e da intervenção repressiva.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 28/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Roberto Leiser Baronas

Lingüística, Letras e Artes

Lingüística
  • laboratório de estudos epistemológicos e discursividades multimodais (leedim)
  • Este projeto de pesquisa envolve pesquisadores em diferentes estágios de formação e ligados institucionalmente a distintas instituições de ensino, pesquisa e extensão brasileiras (UFSCar; UFMS; UFG; UESB; UNEMAT; IFPB; IFSuldeMinas), situadas em três regiões do Brasil. Todos estão articulados junto ao Laboratório de Estudos Epistemológicos e de Discursividades Multimodais – LEEDiM. Nesse sentido, essa articulação objetiva dar conta de três grandes Programas de Pesquisa: No primeiro, são discutidos os deslocamentos epistemológicos e teórico-metodológicos na Análise do Discurso (doravante AD); na sequência, são verificados como esses deslocamentos podem ser testados em diferentes arquivos discursivos, por último, faz-se uma descrição da história dos conceitos da AD em diferentes espaços geográficos, notadamente Brasil e França. No segundo, busca-se tratar de temáticas atuais da AD: discurso digital, depois, busca-se compreender o modo como os diferentes mídiuns (jornais, revistas, blogs, sites, redes sociais) constroem uma história de campanhas presidenciais brasileiras, distinta da oficial. Por último, busca-se integrar a Linguística Popular aos estudos linguístico-discursivos. O projeto está articulado de maneira que os 12 pesquisadores que o compõem estão divididos com base no seu percurso de pesquisa, a partir dos três programas que constituem a proposta. Cada pesquisador com base na sua expertise definirá em conjunto com os demais pesquisadores do Programa, no qual está inserido, a partir da delimitação de um arquivo de pesquisa, quais as perguntas de pesquisa mais pertinentes e quais as ferramentas teórico-metodológicas mais adequadas para o tratamento do fenômeno linguístico-discursivo a ser estudado. Todas as discussões para a definição das perguntas, arquivos e ferramentas teórico-metodológicas serão realizadas por meio de metodologia remota.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 07/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Roberto Lent

Ciências da Saúde

Medicina
  • instituto nacional de neurociência translacional
  • O presente projeto visa a renovação do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Neurociência Translacional (INNT), financiado desde 2009 pelo CNPq em conjunto com a FAPESP, e que ora atualiza e reapresenta seu formato, composição, objetivos e metas. Os destaques da atuação do INNT nos últimos anos podem ser encontrados nos Relatórios apresentados ao CNPq no período. Além de volumosa produção científica ao longo do quinquênio que ora se encerra, trabalhos da equipe do INNT têm sido publicados nos mais prestigiosos periódicos internacionais, incluindo, dentre outros, Science, Nature Med., PNAS, J. Clin. Invest., Molec. Psychiat., Brain e J. Neurosci. Na presente proposta, o INNT propõe o rodízio de sua Coordenação, com a transferência da instituição-sede para o Rio de Janeiro, a renovação de seu Comitê Gestor, a agregação de novos Pesquisadores e laboratórios associados de diferentes Instituições e estados do país, e a atualização de seus projetos, linhas de pesquisa e objetivos estratégicos no que diz respeito às propostas científicas, formação de recursos humanos altamente qualificados, inovação e interações com a Sociedade. A concepção translacional de nossa proposta de trabalho tem um caráter bidirecional, isto é, move-se “da bancada à beira do leito” (pesquisa translacional direta), e no sentido inverso (pesquisa translacional reversa), em 4 eixos temáticos principais e complementares de pesquisa. Nesse sentido, abordamos tópicos básicos relacionados ao Desenvolvimento e à Plasticidade do Sistema Nervoso (subprojeto 1) e aos distúrbios do curso normal desses processos que, por sua vez, originam uma Neuropatologia Celular e Molecular (subprojeto 2), possibilitando, assim, a investigação das Bases para a Compreensão das Doenças Neuropsiquiátricas (subprojeto 3) e, consequentemente, abrindo caminho para a elaboração de Novas Propostas para a Clínica de Doenças Neuropsiquiátricas (subprojeto 4). O INNT se organiza como uma matriz de 24 laboratórios associados, todos chefiados por Pesquisadores do CNPq (7 pesquisadores nível 1A, 9 nos níveis 1B-D e 7 pesquisadores nível 2A), envolvidos em projetos em colaboração desde o período anterior de financiamento do INNT e, em vários casos, antes disso. Esses laboratórios estão situados em 11 Universidades e 2 Institutos de pesquisa médica, em 6 estados do país e 10 cidades. O Comitê Gestor é composto por 10 pesquisadores de nível 1 do CNPq, sendo Coordenador o Prof. Roberto Lent, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Vice-Coordenador o Prof. Sergio T. Ferreira, do Instituto de Bioquímica Médica da mesma universidade. Durante o período anterior, a integração foi propiciada por reuniões presenciais anuais no Rio de Janeiro, com a presença de todos os líderes de grupo e também de pesquisadores, posdocs e estudantes de cada grupo. No próximo período, manteremos a periodicidade anual das reuniões presenciais, ao mesmo tempo em que incrementaremos a interação através da mobilidade dos alunos de pós-graduação através do Programa de Pós-Graduação em Neurociência Translacional (PGNET, subprojeto 5), um curso multi-institucional já aprovado pela CAPES. O PGNET configura-se como uma proposição original para os INCTs e, além de possibilitar a maior interatividade entre os grupos através da co-orientação dos alunos por pesquisadores de diferentes Instituições, propiciará uma forte e institucionalizada atividade formadora de recursos humanos, por parte do INNT. Suas atividades poderão se iniciar imediatamente, com a aprovação da renovação do INNT, tendo em vista que já foi aprovada pela CAPES. Finalmente, o INNT organizará a intensa atividade de divulgação científica já desenvolvida por alguns de seus pesquisadores e estimulará o engajamento de novos pesquisadores nessas iniciativas, na forma de um programa de popularização da Neurociência (PopNeuro, subprojeto 6). O Subprojeto 1 versa sobre Desenvolvimento e Plasticidade do Sistema Nervoso, e tem como objetivo obter conhecimento básico acerca dos determinantes moleculares e celulares da formação embrionária e pós-natal do Sistema Nervoso, de sua capacidade de interagir com o meio ambiente (neuroplasticidade), e de distúrbios no desenvolvimento e ou plasticidade do SN, elementos essenciais para bem embasar o estudo das doenças neurológicas/neuropsiquiátricas e seu enfrentamento. O Subprojeto 2 aborda a Neuropatologia Celular e Molecular. Neste segundo conjunto de linhas de pesquisa, o INNT enfrenta mais diretamente as bases neuropatológicas celulares e moleculares das doenças neuropsiquiátricas, incluindo o câncer do sistema nervoso. Essa abordagem é necessária para um conhecimento mais completo da gênese dessas doenças, de modo a embasar as alternativas terapêuticas que se coloquem. O Subprojeto 3 visa o estudo das Bases para a Compreensão das Doenças Neuropsiquiátricas, avançando mais diretamente a uma abordagem de doenças crônicas de grande prevalência no Brasil e no mundo. Nesse subprojeto, o INNT pretende enfrentar os mecanismos da doença de Alzheimer, notadamente quanto à sua associação à inibição da sinalização neuronal por insulina, patologia relacionada ao diabetes e à obesidade mórbida. A doença de Parkinson será também estudada, em sua forma comórbida com depressão, e finalmente, a epilepsia do lobo temporal mesial, visando a identificar seus determinantes etiopatogênicos. O subprojeto 4 (Novas Propostas para a Clínica de Doenças Neuropsiquiátricas), aproxima-se do diagnóstico e das terapias, seja prospectando drogas com possibilidades terapêuticas para as epilepsias, alternativas para a compreensão e o tratamento de transtornos psiquiátricos complexos como a esquizofrenia, com base na reprogramação de células-tronco de pluripotência induzida, as bases neurais da emocionalidade e comportamento social humano, com implicações para o entendimento das sociopatias e, por fim, o desenvolvimento de biomarcadores para o diagnóstico precoce de demências.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 26/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Roberto Mendonca Faria

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • instituto nacional de ciência e tecnologia em eletrônica orgânica - ineo
  • O projeto do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Eletrônica Orgânica (INEO) propõe formar uma rede que reúne pesquisadores com o objetivo de desenvolver ciência e tecnologia em Eletrônica Orgânica e em sistemas relacionados. O INEO proposto compreende mais de 40 grupos de pesquisa em diferentes áreas da física, química e engenharia, resultando em uma rede capaz de enfrentar os desafios multidisciplinares da área de Eletrônica Orgânica e sistemas híbridos orgânicos-inorgânicos. Os principais objetivos do INEO estão listados abaixo neste formulário. Na pesquisa, a proposta divide-se em dois Ramos. O Ramo A é composto por projetos que envolvem materiais sintéticos orgânicos e filmes finos nanoestruturados. Os projetos relacionados visam estudos estruturais e morfológicos de filmes finos, estudos de fenômenos de transporte elétrico e de interfaces, propriedades ópticas dos materiais semicondutores orgânicos e híbridos, fabricação e caracterização de dispositivos eletrônicos e optoeletrônicos, bem como de tecnologias de eletrônica impressa. O Ramo B trata de propriedades físico-químicas de moléculas biologicamente relevantes e o impacto sobre suas ações fisiológicas. O conhecimento básico do comportamento dos sistemas biomoleculares impulsionam o desenvolvimento de biossensores, dispositivos bioeletrônicos, sistemas de distribuição e controle de drogas e aplicações em engenharia de tecidos. O Ramo C descreve as atividades de disseminação de conhecimento propostas dentro do INEO, as quais serão executadas por três subprojetos principais: (i) "CiênciaWeb", (ii) Viajando com o ônibus do conhecimento, e (iii) Programa Futuro Cientista. Finalmente, as atividades do Ramo D descrevem propostas em colaboração com empresas e setores públicos, o apoio dado pela Universidade e suas agências de inovação e projetos relacionados à prospecção de oportunidades de aplicações industriais. Vide projeto anexo.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 23/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Roberto Pessoa de Queiroz Falcao

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • mapeamento de atividades empreendedoras de negócios imigrantes brasileiros: um estudo comparativo
  • O empreendedorismo de imigrantes vem sendo identificado como importante fator de promoção da mobilidade econômica e diminuição da pobreza entre as comunidades estrangeiras (ver Achidi Ndofor & Priem, 2011 e Aliaga-Isla & Rialp, 2013). O programa de pós-graduação em Administração da Unigranrio, em parceria com o departamento de Empreendedorismo da UFF conduz, desde 2012, pesquisas com brasileiros que vivem no exterior, tendo realizado estudos nos EUA, Portugal, Alemanha, Estônia, França, Suíça e Austrália, mapeando as comunidades de imigrantes brasileiros nesses países e suas atividades empreendedoras. Destaca-se o fato dessa pesquisa já ter rendido mais de 30 publicações acadêmicas, como artigos de discutem de forma teórico-empírica as implicações do empreendedorismo imigrante brasileiro e suas nuances ao se comparar com outros grupos de imigrantes mais estudados, como asiáticos e latino-americanos. O pesquisador proponente, envolvido no grupo de pesquisa de empreendedorismo de imigrantes (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8453040903354811), ressalta a notoriedade que o fenômeno tem levantado, tanto em sua expressão teórica e quanto numérica. Portanto, entender as características de comunidades brasileiras no exterior e suas atividades empreendedoras pode gerar modelos teóricos explicativos da diáspora brasileira. Nesse sentido, serão utilizadas teorias que levam em conta os tipos de capital (econômico, humano e capital social e da inserção mista, bem como os graus de identificação social com a sua comunidade étnica e seus efeitos. Portanto, serão conduzidos estudos de múltiplos casos com os empreendedores estabelecidos na Escandinávia e Canadá.
  • Universidade do Grande Rio - RJ - Brasil
  • 09/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Roberto Pontarolo

Ciências da Saúde

Farmácia
  • segurança, eficácia e efetividade do medicamento brentuximabe vedotina no tratamento de linfoma de hodgkin cd30+ refratário ou recidivado após transplante autólogo de células-tronco e estimativa de impacto orçamentário sob perspectiva do sistema único de
  • Linfoma de Hodgkin clássico (LHc – CD30+) é um câncer raro que acomete linfócitos. Apesar de manifestar-se em qualquer faixa etária, apresenta maior prevalência em jovens adultos do sexo masculino. No Brasil, em 2020, foram estimados 2.650 novos casos. As estratégias terapêuticas atuais conferem altas probabilidades de cura (>80%), porém, cerca de 20% dos pacientes são primariamente refratários. Além disso, 20-40% recidivam após quimioterapia de primeira linha, sendo submetidos à quimioterapia seguida de transplante autólogo de células-tronco hematopoéticas (TACTH). Pacientes inelegíveis ao transplante ou com falhas são submetidos à linhas sucessivas de quimioterapia associada ou não à radioterapia ou transplante alogênico de células-tronco. Em 2019, o medicamento brentuximabe vedotina (anticorpo-droga conjugado anti-CD30) foi incorporado no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) para o tratamento de adultos com LHc CD30+ refratário ou recidivado após TACTH. Entretanto, pouco se sabe sobre os impactos clínicos e econômicos desta incorporação e seus reflexos para qualidade de vida dos pacientes em longo prazo no país. Logo, o presente projeto objetiva avaliar o impacto orçamentário resultante da incorporação do brentuximabe e sintetizar as evidências sobre sua eficácia, efetividade, aderência, qualidade de vida e segurança. Para tanto, uma revisão sistemática, meta-análises, graduação de evidências (GRADE) e análise de impacto orçamentário em cinco anos seguindo as devidas recomendações nacionais e internacionais serão conduzidas. Na revisão sistemática, serão incluídos estudos primários intervencionais e observacionais comparando brentuximabe vs. outras terapias/placebo. Os desfechos de interesse incluem: sobrevida, taxa de remissão, qualidade de vida, descontinuação, eventos adversos sérios. Sempre que possível, análises de subgrupo (p. ex. população e tratamentos) serão realizadas (CMA, R/R Studio). Para a análise de impacto orçamentário, dados epidemiológicos, d
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 03/12/2021-31/12/2022
Foto de perfil

Roberto Ricardo Panepucci

Outra

Microeletrônica
  • desenvolvimento de filtros ópticos sintonizáveis baseados em silício com alto desempenho e energeticamente eficientes
  • Os filtros ópticos com resposta sintonizável são dispositivos de interesse comum para o Brasil, Índia e China, e importantes no futuro para desenvolvimentos conjuntos ou estabelecer produtos a serem produzidos em países parceiros. A fotônica em silício fornece uma plataforma muito atraente devido à compatibilidade de CMOS, de baixo custo e alta densidade de integração, podendo atingir desempenho comparável aos dispositivos ópticos bulk. Neste projeto será desenvolvido conjunto de filtros ópticos sintonizáveis baseados em ressoadores em silício com alto desempenho (rápida sintonia e tracking, características comparáveis a filtro ópticos bulk com extrema redução física, elevado contraste por canal,...), com polarização controlada e energeticamente eficientes (baixo consumo para reconfiguração, poucos fJ/bit,..), para aplicações em interconexões ópticas on-chip de alta capacidade, com inteligência e eficiência energética. A equipe do Brasil (CTI em conjunto com o ITA) conduzirá este trabalho de pesquisa e as equipes da China (Zhejiang University e South China Normal University) e da Índia (Indian Institute of Technology Roorkee) estarão apoiando as atividades. A forte interação entre os parceiros promoverá a cooperação científica e tecnológica entre o Brasil e os demais países integrantes do BRICS.
  • Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - SP - Brasil
  • 08/08/2019-31/08/2022
Foto de perfil

Roberto Rocha Coelho Pires

Ciências Humanas

Ciência Política
  • classes subordinadas e instituições públicas no brasil
  • No contexto internacional da rede LOCI, o projeto LOCI-Brasil consiste em pesquisa com membros de classes subordinadas em três contextos urbanos: a população em situação de rua no centro de São Paulo, a população em situação de rua no centro de Brasília e a população que habita um bairro vulnerável em João Pessoa. Ao se aproximar do modo como essas pessoas vivem, nosso objetivo é conhecer suas trajetórias de vida, com foco nas relações passadas e presentes com instituições públicas e considerando uma vasta gama de possibilidades: escola, serviços de saúde, centros de assistência social, polícia, autoridades de regulação urbana, entre outros. A estratégia de pesquisa nos permite acessar não somente narrativas sobre o passado, mas também observar atuais interações entre os sujeitos pesquisados e as instituições públicas, a partir de como elas pedem apoio ao poder público para resolver suas necessidades e demandas. Nosso objetivo, assim, é compreender como essas populações se relacionam com as instituições públicas e quais os papéis que essas instituições assumem em suas trajetórias de vida. Mais especificamente, buscamos contribuir com uma compreensão aprofundada das consequências de certos desenhos de políticas públicas, instrumentos de implementação e estratégias de processamento de pessoas para esses públicos. Procuramos compreender, assim, quais formas de provisão e operações de serviços estão relacionadas a experiência de acesso, inclusão e respeito aos direitos e formas de vidas dos membros de classes subordinadas e, ao mesmo tempo, quais características específicas levam-nas a experimentar exclusão, desrespeito, humilhação e falta de atenção a suas situações e necessidades. Baseado nesse conhecimento, ofereceremos sugestões aos formuladores de políticas públicas sobre como os serviços públicos podem ser reformados (e como a implementação pode ser mais bem organizada) para melhor atender esses públicos.
  • Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - DF - DF - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Roberto Schaeffer

Engenharias

Engenharia de Energia
  • modelagem integrada e proposição de indicadores para sustentabilidade regional e urbana no brasil
  • Mudanças nas variáveis climáticas, como temperatura, precipitação, velocidade do vento, dentre outras, estão associadas ao aumento na concentração de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera como consequência, principalmente, de atividades antropogênicas. Embora haja a possibilidade dessas mudanças serem benéficas em certas regiões, em outras elas podem trazer graves danos. Esses impactos positivos ou negativos podem repercutir em diferentes sistemas ambientais e socioeconômicos em áreas díspares como abastecimento de água, agricultura, energia, biodiversidade, zonas costeiras, podendo afetar a população e a sustentabilidade do planeta. O planejamento integrado tem grandes desafios, pois deve considerar medidas de mitigação de GEE levando em conta possíveis impactos da mudança do clima nos diferentes setores socioeconômicos e ambientais para, com isto, definir estratégias de adaptação, ao mesmo tempo mantendo o desenvolvimento do país. A exposição de sistemas de recursos hídricos, energéticos ou uso da terra aos impactos de mudanças climáticas depende não apenas de sua configuração, ou seja, do conjunto de recursos utilizados e opções tecnológicas adotadas, mas também da magnitude da variação dos elementos do clima. Além da vulnerabilidade de cada tipo de segurança individualmente, seja alimentar, hídrica ou energética, há ainda a possibilidade de efeitos transversais entre elas, principalmente diante de pressões socioeconômicas. Ou seja, impactos sobre uma esfera podem afetar indiretamente uma outra, gerando conflitos e aumento da vulnerabilidade nacional às mudanças climáticas. Um exemplo são os impactos em reservatórios de usinas hidrelétricas, que não afetam apenas a segurança energética, mas também a hídrica, do ponto de vista de que reservatórios podem servir a usos múltiplos e prover serviços não energéticos, como armazenamento e controle de cheias, afetando a disponibilidade hídrica para a população e outros setores da economia. Esses impactos cumulativos podem ter seus efeitos mais perversos sobre regiões e populações mais vulneráveis. Sendo assim, é importante também perceber, a nível regional ou urbano, as sinergias entre os diversos impactos projetados, que repercutem regionalmente e nacionalmente. A disponibilidade hídrica para abastecimento domiciliar é um dos aspectos de maior impacto social e regional, dada a vulnerabilidade de populações das periferias urbanas, constantemente sujeitas a interrupções de fornecimento e esquemas de racionamento. Eventos extremos, tanto em áreas urbanas como rurais, têm potencial para interromper a atividade econômica, causando danos econômicos temporários e de médio-longo prazo. Diante do exposto, faz-se importante o emprego de uma metodologia de modelagem integrada com o uso de Modelos de Avaliação Integrada (Integrated Assessment Models – IAMs, sigla em inglês), que possa identificar os impactos das mudanças climáticas e o grau de vulnerabilidade de setores econômicos e suas inter-relações em termos de sinergias e trade-offs. Assim, esse projeto objetiva avaliar, por meio de uma modelagem integrada soft-link, os impactos econômicos da variabilidade climática nos setores alimentar, energético e hídrico brasileiros. Resultados desta modelagem darão suporte à proposição de indicadores de impacto econômico na ferramenta AdaptaBrasil do MCTI . Tais indicadores em uma escala regional darão suporte aos tomadores de decisão em estratégias de sustentabilidade regional e urbana de forma integrada, visando garantir as seguranças alimentar, hídrica e energética, e tendo como cobenefício a redução de emissões de GEE. Para atingir o objetivo proposto, serão utilizados os IAMs COmputable Framework for Energy and the Environment (COFFEE), Total Economy Assessment Model (TEA), Brazilian Land Use and Energy Systems Model (BLUES), Economic Forecasting Equilibrium System (EFES), em um procedimento integrado de modelagem.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 26/02/2021-31/08/2022
Foto de perfil

Roberto Ventura Santos

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • transferência do sinal isotópico no sistema rocha-solo-água-flora-fauna: fluxo geoquímico e interações ambientais
  • A transferência de parâmetros químicos no sistema litosfera-pedosfera-hidrosfera-biosfera constitui uma importante ferramenta para se compreender as interações entre essas várias camadas do sistema terrestre. Por parâmetros químicos entende-se elementos químicos e razões entre isótopos de determinados elementos (e.g., B, Sr, Nd, Cu, Zn, Fe, Pb) que podem ser utilizados para se entender como os mesmos são assimilado e incorporados ao longo do ciclo geoquímico. Por meio da correlação isotópica entre os diferentes compartimentos, as razões obtidas podem ser utilizadas como indicadores robustos da origem geográfica tanto de materiais e alimentos, quanto de seres vivos, incluindo seres humanos. Esse tipos de abordagem é fundamental para o desenvolvimento de ferramentas que possibilitem estabelecer as conexões geoquímicas entre os compartimentos terrestres e, consequentemente, estratégias de geolocalização. Como exemplo, esse tipo de abordagem tem sido utilizada para determinar a origem geográfica de animais silvestres e madeira, bem como os processos migração e alimentação de populações modernas e pré-historicas. Tem sido utilizado ainda para estudos paleoambientais, como é o caso de fósseis cenozóicos da Amazônia, e para a avaliação da origem alimentos, como água mineral, vinho e outros. A presente proposta estudará as variações isotópicas de elementos químicos (e.g., B, Sr, Nd, Cu, Zn, Fe, Pb) no sistema rocha-solo-água-flora-fauna nas seguintes contextualizações: sistema lacustre da Lagoa Salgada, RJ, área do Lago Paranoá e córrego Cabeça de Veado, DF, e áreas com pau brasil no ES. Serão analisadas as composições isotópicas desses elementos em diferentes partes desses quatro compartimentos, procurando definir estratégias analíticas que melhor relacionem as interações entre os mesmos. O Laboratórios de Geocronologia e Geoquímica Isotópica da UnB dispõe de toda a infraestrutura para a pesquisa a ser desenvolvida.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 04/04/2022-30/04/2025