Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Saulo Fernandes de Andrade

Ciências da Saúde

Farmácia
  • síntese assimétrica de inibidores de cruzaína e rodesaína: potenciais agentes para tratamento de tripanossomíases.
  • As doenças de Chagas e do sono africana são doenças tropicais causadas pelos agentes etiológicos T. cruzi e T. brucei que acometem, principalmente, regiões economicamente menos favorecidas, sendo um dos principais problemas de saúde pública nestes locais. Logo, devido ao menor poder aquisitivo da população exposta, as empresas farmacêuticas não estão interessadas no desenvolvimento de novos fármacos para tratamento dessas enfermidades. Além disso, os medicamentos atualmente disponíveis no mercado apresentam problemas quanto a sua eficácia, toxicidade e resistência; sendo assim a descoberta de novos fármacos mais eficientes e seletivos é de extrema importância. Alguns alvos terapêuticos para o desenvolvimento de novos fármacos anti-tripanossomatídeos já foram validados. Entre eles se destaca a classe das cisteíno-proteases que são enzimas importantes para a nutrição dos parasitos, evasão da resposta imune do hospedeiro, infecção de células e diferenciação dos parasitos. As enzimas cruzaína e rodesaína são as principais cisteíno-protease de T. cruzi e T. brucei, respectivamente. Já foi demonstrado que inibidores destas enzimas apresentam citotoxicidade relevante contra os parasitas. Outro fato interessante é que essas enzimas apresentam estruturas primárias semelhantes, principalmente, nos resíduos de aminoácidos que constituem o sítio ativo. Deste modo, pode-se planejar inibidores simultâneos das duas enzimas apresentando potencial para tratamento das doenças de Chagas e do sono africana. Alguns inibidores de cruzaína e rodesaína já foram identificados. Contudo, a maioria desses contém centros eletrofílicos reativos se apresentando como inibidores covalentes. Isso pode ser um grande inconveniente, uma vez que outras biomoléculas contendo grupos nucleofílicos como por exemplo, o DNA, podem reagir inespecificamente com esses inibidores resultando em toxicidade inesperada. Ehmke e colaboradores demonstraram que a classe das arilnitrilas, por exemplo, inibidoras covalentes de rodesaína, foram tóxicas para células normais. Durante um estudo de High Throughput Screening realizado pela colaboradora desta proposta, com uma biblioteca de quase 200 mil substâncias, identificou-se um composto difurânico peptídeo-mimético que se apresenta como um bom protótipo, uma vez que atende todos os requisitos da regra de cinco de Lipinski e possui Ki na ordem de micromolar próximo ao nanomolar (Ki = 6 micromolar) para a cruzaína sendo um inibidor não-covalente competitivo. Esta substância apresenta dois estereocentros, e, portanto, 4 estereoisômeros possíveis. Contudo, está disponível comercialmente apenas como uma mistura de estereoisômeros sem proporção definida. Considerando que a atividade dos diferentes estereiosômeros comumente é bastante variável, é provável que o estereoisômero mais potente entre os quatro possíveis seja bem mais ativo que a mistura que já apresentou uma atividade bastante relevante. Logo, propõe-se neste projeto a síntese dos 4 estereoisômeros do protótipo e identificação do isômero mais potente. Em seguida, o isômero mais potente será utilizado como protótipo para planejamento de análogos que serão classificados por estudos de ancoragem molecular com auxílio do computador. Os compostos priorizados pela ancoragem molecular serão sintetizados e avaliados contra as enzimas cruzaína e rodesaína, e os mais potentes serão avaliados nos parasitas e em células normais a fim de se identificar inibidores com maior afinidade por essas enzimas com potência relevante contra os parasitas e baixa toxicidade sendo potenciais agentes anti-tripanossomatídeos.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Saulo Luis Capim

Ciências Humanas

História
  • 15ª feira dos municípios e 5ª mostra de iniciação científica da bahia (femmic)
  • A 15ª Feira dos Municípios e 5ª Mostra de Iniciação Científica (FEMMIC) é um evento cujo objetivo é reunir projetos de Iniciação Científica Jr, tendo como foco principal a apresentação de projetos de autoria de estudantes oriundos do estado da Bahia. Trata-se de uma iniciativa para congregar professores e alunos interessados na pesquisa como princípio educativo no âmbito da educação básica e técnica. A FEMMIC é a união de um evento tradicional – a Feira dos Municípios –, com um evento mais recente surgido em 2010, a Mostra Científica. A Feira dos Municípios ocorre no Instituto Federal Baiano (na época Escola Agrotécnica Federal de Catu) desde a década de 1980 e congrega estudantes, professores, agricultores, empresários de diversas cidades da Bahia com o intuito de expor o que os municípios têm mais representativo em seus aspectos econômico, cultural, artístico, etc. No ano de 2010, com o surgimento dos Institutos Federais, foi criada a Mostra Científica com o intuito de socializar a comunidade com os projetos desenvolvidos pelos estudantes da educação básica no âmbito estadual. Com a adesão de amplos segmentos da educação dos municípios baianos, o evento passou a ser realizado bienalmente, após a realização das feiras municipais/locais. Em 2010, o evento teve a sua primeira edição com a participação de projetos das 10 unidades do IF Baiano, além de instituições convidadas do IFBAIANO e da Rede Estadual do Estado da Bahia. Foram 125 trabalhos aprovados e a visitação da comunidade chegou a 2500 pessoas. A FEMMIC contou ainda com diversos minicursos, palestras, comunicações orais e o Fórum de Educação Científica do Município de Catu. No ano seguinte, em 2012, o evento passou a ser bienal e congregou 540 estudantes pesquisadores que apresentaram aproximadamente 230 Projetos nas mais variadas áreas do conhecimento. O evento contou a partir desse ano com representante de todos os territórios de identidade do estado da Bahia o que foi possível, graças à parceria e ao apoio do Instituto Federal Baiano com o Instituto Federal da Bahia e a rede estadual de educação, por intermédio do Instituto Anísio Teixeira e o fomento do CNPq. Em 2014, também com o auxílio do CNPq, a FEMMIC contou com a inscrição de mais de 290 projetos de pesquisa oriundos de diversas localidades da Bahia. Foram aprovados pelo Comitê Científico cerca de 230 trabalhos das mais variadas áreas do conhecimento e estes foram apresentados entre os dias 26 a 28 de setembro de 2014, na forma de pôster no Ginásio Poliesportivo do campus (ver lista completa por estado em www.ifbaiano.edu.br/femmic). A FEMMIC propiciou ainda algumas outras atividades com as seguintes repercussões: 30 minicursos propostos por profissionais de Universidades Federais e Estaduais de ensino que contou com a participação 800 pessoas da comunidade inscritas; Mostra de Conhecimentos com a participação de cerca de 25 entidades como o Museu Geológico da Bahia, Projetos Ciência, Arte e Magia e Rede Zoo da Universidade Federal da Bahia, Museu de Zoologia da UNIVASF, Demonstrações do Corpo de Bombeiros, 30 stands do Projeto de Extensão Ciência Itinerante (www.ifbaiano.edu.br/itinerante), 10 Empresas Privadas, contando com o público flutuante estimado em mais de 6000 pessoas que visitaram a Mostra nos três dias do evento; Fórum de professores da educação básica, que contou com cerca de 50 professores; 05 Palestras e Conferências; Apresentações Culturais e Lançamentos de livros de autorias de professores da região. Nesse contexto, a presente proposta passa a constituir a política de promoção da pesquisa como princípio educativo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - Campus Catu, no estado da Bahia. Dentre as principais atividades desenvolvidas na FEMMIC estão: Mostra de Iniciação Científica: Na Modalidade Pôster serão selecionados até 150 projetos de autoria de estudantes da educação básica e técnica que deverão ser expostos nos stands instalados no Ginásio Poliesportivo do IF Baiano campus Catu. Na modalidade Comunicações Orais, serão selecionados os 30 melhores trabalhos de diversas áreas do conhecimento. Os estudantes-autores terão 20 minutos para a exposição nas salas do pavilhão central de aulas do IF Baiano com transmissão on-line por área do conhecimento e posterior interação com os participantes-ouvintes. Minicursos para professores que serão oferecidos nas modalidades presenciais ou não, com transmissão on-line. As temáticas serão direcionadas ao desenvolvimento de pesquisa na educação básica, técnica e tecnológica para o ensino de ciências de forma lúdica e minicursos para estudantes que serão oferecidos nas modalidades presenciais ou não, com transmissão on-line nas diversas áreas do conhecimento. Estes terão a finalidade de discutir o desenvolvimento de projetos e as práticas de pesquisa no âmbito da Iniciação Científica Júnior, dentre outras atividades.Desta forma, a FEMMIC é um dos poucos eventos que consegue ter uma abrangência em praticamente todo o território baiano e sua realização tem estimulado a criação de clubes de ciências e mostras científicas locais e escolares. Através do Curso de Especialização em Educação Científica e Popularização das Ciências, do IF Baiano, a equipe FEMMIC tem orientado projetos de intervenção no sentido de criar clubes de ciências como o Departamento de Pesquisa do Centro Territorial de Educação Básica e Profissional da Cidade de Alagoinhas (DEPE). Os projetos que se destacam nessas feiras terão a oportunidade de serem apresentados na FEMMIC 2021 proporcionando o intercâmbio de conhecimentos entres as práticas científicas do estado. Além disso, cabe ainda destacar a visibilidade de estudantes com riquíssimos trabalhos científicos, que encontram nas feiras espaço para disseminar suas atividades científicas. De fato, vários estudantes que apresentam trabalhos na FEMMIC tem sido destaque na mídia por suas premiações estaduais, nacionais internacionais.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - BA - Brasil
  • 31/12/2020-31/12/2022