Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Joaquim Albenisio Gomes da Silveira

Ciências Agrárias

Agronomia
  • variabilidade espaço-temporal de respostas fisiológicas e aclimatação em plantas de arroz sob salinidade.
  • Os mecanismos responsáveis pela aclimatação das plantas aos estímulos externos ainda permanecem pouco conhecidos, o que limita a manipulação desses processos para a obtenção de fenótipos com maior resiliência a estresses ambientais. Parte dessa limitação se deve ao fato de que tais respostas ocorrem em diferentes escalas de tempo e com diferentes sensibilidades locais nos diversos módulos que formam as plantas (ex. folhas em diferentes posições espaciais e com diferentes idades fisiológicas). Isso se deve ao fato de que geralmente estudos dessa natureza são desenvolvidos em plantas modelo sob condições controladas e raramente envolvem uma perspectiva integradora multi-escalar e sua variabilidade temporal. Neste contexto, o foco do presente estudo é desenvolver uma abordagem integrativa das relações entre a planta e seu ambiente, utilizando como modelo de estudo plantas de arroz submetidas a condições de salinidade, que é um forte limitador da produção agrícola em áreas de várzea. A partir de experimentos delineados baseados em perguntas específicas, pretende-se testar a hipótese principal de que a variabilidade espaço-temporal das respostas à salinidade possui uma estreita relação com a capacidade de aclimatação de plantas de arroz às condições adversas. Pretende-se demonstrar que uma alta variabilidade espaço-temporal confere maior resiliência às plantas, especialmente sob condições de estresse recorrente e/ou diferentes níveis de controle ambiental, quando efeitos da memória da planta podem emergir na forma de uma nova propriedade ou característica fisiológica. As análises serão realizadas em diferentes órgãos da planta (dimensão espacial) avaliando desde alterações epigenéticas, expressão de genes do ritmo circadiano , atividade de enzimas antioxidantes, dinâmica das trocas gasosas, crescimento e do acúmulo de proteínas e metabólitos. As avaliações serão realizadas com frequência de amostragem (dimensão temporal) ao longo da evolução das respostas à salinidade.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Joaquim de Araújo Nóbrega

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • preparo de amostras inorgânicas usando radiação micro-ondas e investigações sobre padrões internos em plasmas
  • Este projeto de pesquisa abordará duas linhas principais de investigação: (1) desenvolvimento de procedimentos de preparo de amostras inorgânicas assistidos por radiação micro-ondas e (2) medidas de emissão (linhas atômicas e iônicas) em plasmas acoplados indutivamente. A primeira linha de pesquisa focará a contínua redução do uso de reagentes agressivos para o preparo de amostras inorgânicas. Nesse sentido serão investigados procedimentos assistidos por radiação micro-ondas em forno de alta pressão e temperatura (199 bar e 300 oC) e forno mufla com aquecimento rápido. No caso de procedimentos de fusão, a aplicabilidade de processos de síntese mecanoquímica serão investigados. As soluções geradas em ambos os procedimentos deverão ser compatíveis com determinações de elementos por espectrometria de emissão óptica plasma acoplado indutivamente (ICP OES) e com plasma de micro-ondas (MIP OES). Além do uso desses métodos instrumentais para análises elementares, aspectos relacionados com a escolha e o desempenho de padrões internos e estratégias especiais de calibração serão sistematicamente investigados. Assim, o objetivo geral desta proposta é o desenvolvimento de procedimentos de análise química com capacidade de determinação de elementos traço de forma multielementar combinando-se conceitos modernos em preparo de amostras e tratamento de dados analíticos. Busca-se gerar uma melhor compreensão de processos de preparo de amostras por via úmida, via seca e fusão sob altas temperaturas e sobre estratégias para aperfeiçoamento de exatidão de medições analíticas efetuadas usando plasmas.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Joaquim Miguel Maia

Engenharias

Engenharia Biomédica
  • avaliação e desenvolvimento de novas técnicas para processamento de sinais e geração de imagens de ultrassom em plataformas abertas de pesquisa
  • Este projeto tem por objetivo o estudo e desenvolvimento de novas técnicas de processamento digital de sinais para geração de imagens de ultrassom em tempo real que permitam o aumento da taxa de quadros por segundo e a otimização na qualidade da imagem. As técnicas a serem avaliadas envolvem o uso de ondas planas (plane wave) e esparsidade na excitação dos elementos transdutores, de forma a permitir a geração de imagens nos modos B, Doppler e de Elastografia. O trabalho será desenvolvido utilizando-se uma plataforma de pesquisa Verasonics Vantage® 128, um equipamento Siemens Acuson X300 e um Ultrasonix Sonix MDP com interface para pesquisa e pacote para elastografia, de forma a auxiliar no desenvolvimento e testes das rotinas desenvolvidas e no estudo de novas técnicas de imageamento ultrarrápido baseado em plane wave. Além dos equipamentos comerciais, serão utilizados os dados da plataforma de pesquisa de arquitetura aberta ULTRA-ORS, que foi implementada no Laboratório de Ultrassom da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), e também os dados de uma nova plataforma que vem sendo desenvolvida em colaboração com outros grupos do Brasil e que receberá uma atualização de hardware pela equipe da UTFPR durante a vigência deste projeto. Os testes para validação dos algoritmos desenvolvidos serão realizados utilizando-se objetos de testes (phantoms) de uso geral, de contraste e detalhes, e de elastografia. A avaliação dos resultados será feita através da comparação com imagens reconstruídas por técnicas tradicionais e parâmetros de resolução e contraste. Espera-se como resultados principais do trabalho a obtenção de novos algoritmos de processamento/geração de imagens que possam ser utilizados futuramente para auxiliar no desenvolvimento de um equipamento nacional de ultrassom para auxílio ao diagnóstico por imagens, além da formação e capacitação de recursos humanos na área de Engenharia Biomédica, com especialização na área de ultrassom em medicina.
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Joaquim Tavares da Conceição

Ciências Humanas

Educação
  • identidade e responsabilidade histórica. organização e preservação de documentos no centro de pesquisa documentação e memória do colégio de aplicação - ufs (cemdap)
  • O projeto busca ampliar os processos de produção e a organização e preservação da massa documental histórica sob a custódia no Centro de Pesquisa, Documentação e Memória, do Colégio de Aplicação-UFS (Cemdap), e produzir compreensões históricas do Colégio e/ou de seus agentes educativos e da Universidade. A proposta é aderente ao eixo temático da área da História da Educação denominado Patrimônio Educativo, Arquivos e Acervos. Deficiências nos processos e práticas de guarda têm gerado dificuldades para a preservação do acervo documental para o acesso à documentação e, por conseguinte, a produção de fontes. Diante disso, o projeto deverá discutir aspectos relacionados com os processos e práticas de guarda, seleção e preservação do acervo escolar; manejo de fontes; funções e finalidades de centros de memória, história oral e patrimônio histórico educativo. Defende-se a hipótese de que a massa documental custodiada no Cemdap reveste-se de importância pela sua natureza de patrimônio educativo e pela perspectiva de responder a questões em torno de configurações e funções de colégios de aplicação de universidades federais. A existência de uma massa documental custodiada no Cemdap; o resultado exitoso de projetos e produções anteriores; o envolvimento de uma equipe e grupos de pesquisas envolvidos e a colaboração do Centro de Memória-Unicamp (CMU) são indicativos da viabilidade da proposta. O estudo utilizará a pesquisa documental, técnicas de manejo de arquivos e procedimentos da história oral (produção de documentação audiovisual), além de reflexões a respeito de tratamento e preservação documental, memória e patrimônio educativo. O projeto apresenta três eixos de desenvolvimento e interligações: organização e tratamento do conjunto de documentos históricos produzidos e/ou acumulados pelo Colégio de Aplicação; a produção de documentação audiovisual e o estudo histórico da entidade produtora da massa documental.
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 23/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Jochen Schongart

Ciências Biológicas

Ecologia
  • sítios demonstrativos de ecossistemas de áreas úmidas oligotróficas pristinos e impactados na amazônia central: encontrando tendências e preenchendo lacunas
  • A integridade da vasta região Amazônica está intrinsicamente relacionada ao equilíbrio de interações biosfera-atmosfera e de ciclos hidrológicos e biogeoquímicos, que exercem influência também sobre outras regiões do Brasil e do Planeta. Além disso, a Amazônia hospeda uma mega biodiversidade que fornece múltiplos serviços ecossistêmicos essenciais para a região, e para a manutenção da qualidade de vida humana de seus habitantes. Entretanto, a região vem sofrendo um conjunto de distúrbios sem precedentes, como resultado das mudanças do clima e das formas de uso da terra, bem como pelas sinergias entre esses vetores de mudanças. A severa degradação ambiental vem sendo intensamente discutida para as florestas de terra-firme, porém, esta discussão ainda necessita ser aprofundada para as diferentes áreas úmidas (AUs) da região que cobrem mais de 30% na Amazônia, e onde muitos empreendimentos impactantes vêm sendo implantados. As AUs são elementos-chave na paisagem amazônica, pois abrigam enorme biodiversidade parcialmente endêmica, e são importantes motores para processos de diversificação e especiação. Além disso, fornecem serviços ecossistêmicos fundamentais para a sociedade, como armazenamento e purificação da água, abastecimento das águas subterrâneas, regulação do clima, manutenção dos ciclos biogeoquímicos e de nutrientes, fornecendo recursos naturais para grandes centros urbanos e para a subsistência das populações tradicionais e indígenas, contribuindo para sua salvaguarda cultural. Desde 2013, o PELD-MAUA se dedica ao estudo integrado de dois dos principais ecossistemas de áreas úmidas (AUs) oligotróficas florestadas na Amazônia Central: a) os igapós ao longo dos rios de água-preta, que cobrem mais de 140.000 km² da região, ocorrem sobre solos pobres, e sofrem pulsos de inundação regulares e previsíveis por águas de elevada acidez, provenientes das formações cratônicas do Escudo da Guiana, e b) as campinaranas, que ocorrem de forma fragmentada em um total de mais de 330.000 km² da região, e se caracterizam por solos ácidos e arenosos, fortemente lixiviados, de baixíssima fertilidade, que podem sofrer alagamento na estação chuvosa, mas são expostos a déficit hídrico na estação seca, pela baixa capacidade de armazenamento de água dos solos. Mudanças climáticas se tornaram uma realidade para a Bacia Amazônica nas últimas décadas, principalmente pela manifestação de aumentos de temperatura e pela intensificação dos regimes pluviométricos e ciclos hidrológicos, resultando no aumento significativo de cheias e secas em sua região central. Para as próximas duas décadas, além do aumento da temperatura, secas severas associadas ao fenômeno El Niño podem ser esperadas para a Amazônia, afetando diretamente extensas áreas de igapós e campinaranas, ambientes com alta vulnerabilidade às secas e incêndios. A capacidade das espécies arbóreas de sobreviver a estas condições extremas depende de suas adaptações e traços funcionais relacionados ao ajuste a estes fatores. Assim, conhecer essas adaptações é essencial frente às mudanças climáticas previstas. Principalmente as florestas de igapó são vulneráveis ao fogo devido ao microclima seco, grande estoque de serapilheira e tapete de raízes finas na superfície do solo, formando uma enorme camada combustível. A lenta sucessão secundária mantém as cicatrizes de queimadas colonizadas por uma vegetação aberta, exposta a fogos recorrentes devido às fontes de ignição abundantes. Outra ameaça às AUs é o planejamento e instalação de mais de 400 usinas hidrelétricas (>1 MW) na Bacia Amazônica. Muitos estudos com foco nas áreas das barragens e reservatórios apontam graves impactos socioambientais das hidrelétricas. Porém, os impactos nos igapós a jusante das barragens são grandemente negligenciados. O PELD-MAUA vem preencher esta lacuna, diferenciando este projeto de outras abordagens. Uma primeira síntese de distúrbios ao longo de 35 anos da hidrelétrica de Balbina já permite a formulação de recomendações concretas para políticas públicas em relação à operação e avaliação de impacto ambiental (EIA/RIMA) desses empreendimentos. Os futuros cenários resultantes da sinergia entre os impactos induzidos por mudanças do clima (aumento das temperaturas e intensificação dos ciclos hidrológicos) e uso de terra (incêndios, barragens hidrelétricas) podem resultar em distúrbios severos que ameaçam a integridade funcional das AUs amazônicas. A degradação ambiental progressiva pode aproximar as AUs oligotróficas ao ponto de não retorno, devido à sua alta vulnerabilidade, baixa resiliência e lenta dinâmica regenerativa. Esse ponto de não retorno já foi estimado para as florestas de terra-firme, porém, para os sistemas de AUs amazônicas ainda não existe essa abordagem. Frente aos cenários previstos de mudanças do clima e de intensificação do uso de terra, a Fase III do PELD-MAUA visa elucidar os impactos destes vetores nas campinaranas e igapós por meio de uma abordagem transdisciplinar, combinando monitoramento (parcelas permanentes), estudos em campo, experimentos (microcosmo, casa de vegetação) e análises retrospectivas (sensoriamento remoto, dendroecologia), desde o nível da população, interações da biota (árvores, herbáceas, epífitas, fungos, peixes) até o da paisagem. Serão assim criados sítios demonstrativos que, embasados em um conhecimento científico robusto, permitam apontar os impactos oriundos de mudanças climáticas e uso da terra nestas AUs, e disseminá-los para um público abrangente com estratégias de ampla divulgação, por meio de diversas plataformas de mídia. Além disso, o projeto vai consolidar sítios que permitam expandir estudos para outras AUs oligotróficas e validar modelos, fornecendo um conhecimento científico integrado sobre a biodiversidade, as inter-relações de componentes chaves da biota, sobre processos e serviços ecossistêmicos e funcionamento integral das AUs oligotróficas, integrando também aspectos socioambientais e políticas públicas.
  • Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - AM - Brasil
  • 07/12/2020-31/12/2024
Foto de perfil

Joel Christopher Creed

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • um mapa de habitat e serviços ecossistêmicos das gramas marinhas do brasil
  • As gramas marinhas formam extensas pradarias ou bancos submersos vegetados ao longo de quase toda a costa do Brasil, em lagunas, estuários, baías e entorno de recifes de corais. Estes ecossistemas fornecem importantes serviços ecossistêmicos como oxigenação e depuração da água, habitat, proteção da costa, recursos pesqueiros, sequestro de carbono atmosférico e mitigação das mudanças climáticas. Apesar de sua importância, o conhecimento sobre estes sistemas no Brasil é insuficiente e áreas provavelmente subestimadas. As lacunas sobre sua distribuição, abundância, extensão e biodiversidade representam um “gargalo” científico para o desenvolvimento de planos de conservação, aos níveis, regional, nacional e global. Neste sentido, o mapeamento detalhado do habitat e seus serviços são essenciais para previsões sobre mudança do clima, modelos de distribuição de espécies, avaliações de conectividade e cálculos de taxas de sequestro de carbono. O objetivo deste projeto é a compilação e a integração das informações espalhados nos diversos bancos de dados e instituições do país sobre os ecossistemas de gramas marinhas no Brasil de modo a criar um mapa atual. Para isso, as informações mantidas pelos laboratórios da UERJ e FURG, que estudam estes sistemas desde a década de 80, serão atualizadas através de buscas online e de consultas com pesquisadores, compondo uma base de dados georreferenciada. Os dados compilados serão corroborados, complementados por levantamentos de campo e analisados para descrever padrões na sua conectividade e serviços. Os registros serão publicados e incluídos em um portal bilingue (POR-ING), voltado para o público geral e a comunidade científica e com acesso gratuito. Parte do portal será dedicado à ciência cidadã, onde o público poderá postar registros fotográficos. Os resultados do projeto colocarão o ecossistema de pradarias brasileiras em evidência, com impactos nacionais e internacionais para a ciência, conservação e economia azul.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Joel Thiago Klein

Ciências Humanas

Filosofia
  • conceitos e perspectivas da liberdade
  • A liberdade foi um dos conceitos centrais sobre o qual a ciência e a sociedade moderna se desenvolveram. A partir da sua ampliação e diversificação desenvolveu-se o pluralismo social, religioso, o avanço científico, o estado de direito e os direitos individuais. As diversas esferas nas quais a liberdade precisa se estruturar geram inevitáveis conflitos, que se não forem claramente compreendidos, delimitados e regulados, podem colapsar sob seu próprio fundamento. Nesse sentido, surgem pleitos de uma liberdade para não ser vacinado, para desinformar, para impor legalmente posições religiosas, para ensinar criacionismo em escolas, para comprar armas ou desmatar, todos esses são exemplos de situações que nossa sociedade enfrenta e serão absolutamente decisivos para definir o futuro da democracia, da sociedade e da ciência, ou sua ausência. Esse projeto pretende apresentar um mapeamento dos diversos conceitos e perspectivas que a liberdade assumiu desde a filosofia moderna, nas tradições do republicanismo, do liberalismo e do conservadorismo, tendo em vista também diversas esferas, como o âmbito social, religioso, acadêmico, estético, jurídico, político e intergeracional. Pretende-se avaliar como a liberdade interage com a igualdade política e social e como ela opera como um valor capaz de mobilizar a ação política. Utilizando uma metodologia de reconstrução e contextualização histórica e de análise conceitual a partir de problemas, nossa hipótese é a de que apesar de haver uma grande divergência quanto às definições e limites da liberdade, é possível encontrar um denominador comum no que se pode chamar de liberdade dos modernos, a qual está na base tanto das concepções republicanas, liberais quanto conservadoras e que elas excluem a versão ideológica e sem compromisso teórico que vem sendo utilizada para minar os fundamentos do estado de direito, da democracia, da liberdade acadêmico-científica e do pluralismo.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 14/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Joelson Gonçalves de Carvalho

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • terra, agroecologia e universidade: articulando saberes, trocando experiências e construindo conhecimentos
  • Esse projeto tem como objetivo a criação e consolidação de um Núcleo de Estudo em Agroecologia e Produção Orgânica (NEA) no campus de São Carlos da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a fim de fortalecer as alianças entre a comunidade universitária e as comunidades rurais da agricultura familiar no estado de São Paulo. Temos por foco, especialmente, o desenvolvimento de trabalhos de extensão rural baseados em princípios agroecológicos e metodologias participativas em assentamentos da Reforma Agrária e junto aos povos e comunidades tradicionais do território. Assim, tem por principais objetivos: 1) ampliar, divulgar e fortalecer o debate e reconhecimento de um modelo de desenvolvimento rural baseado na transição agroecológica e na agricultura familiar na comunidade universitária; 2) promover metodologias participativas de pesquisa e extensão na formação de estudantes e docentes; 3) promover e consolidar a transição agroecológica nas comunidades rurais do território por meio da constituição de parcerias, baseadas na articulação entre instituições públicas e privadas parceiras do projeto, três grupos de referências e demais sujeitos sociais envolvidos nas ações propostas; 4) fortalecer as atividades produtivas, o cooperativismo, o acesso a mercados e políticas públicas junto aos grupos de agricultores familiares do território; 5) valorizar as identidades de agricultores familiares assentados da reforma agrária e povos e comunidades tradicionais junto à comunidade da UFSCar, populações dos municípios do território e governos municipais e estadual. O público-alvo deste projeto são os agricultores familiares, assentados da reforma agrária e comunidades tradicionais, visto que o objetivo final de todas as atividades relacionadas a esse projeto é o diálogo, construção e socialização de saberes que apoiem a consolidação de sistemas de produção de base ecológica voltados para esse público. Pretende-se criar 3 grupos de referência, a partir do trabalho com três assentamentos rurais no estado de São Paulo, todos na modalidade de Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS), a saber: o PDS Mário Lago, em Ribeirão Preto; o PDS Sepé Tiaraju, localizado na divisa dos municípios de Serrana e Serra Azul e, por fim, o PDS Santa Helena, no município de São Carlos. Dentre os objetivos específicos, cabe destacar: 1) Estabelecer a UFSCar como um centro de referência multidisciplinar em construção e socialização de saberes agroecológicos, dentro de uma perspectiva de horizontalização dos processos dialógicos de ensino, pesquisa e extensão; 2) Consolidar uma rede de docentes, técnicos, estudantes e parceiros engajados em promover o debate sobre a Agroecologia, transição agroecológica e sistemas de produção orgânicos, bem como questões ambientais e agricultura convencional em fóruns internos e externos à Universidade; 3) Empoderar os grupos de pesquisa, ensino e extensão envolvidos no projeto, bem como os parceiros, com ferramentas de pesquisa participativa, pesquisa-ação e observação participante, de modo a nortear, subsidiar e fortalecer os projetos desenvolvidos pela comunidade universitária em territórios complexos como os dos assentamentos rurais, comunidades tradicionais, entre outros; 4) Implantar três grupos de referência, em suas respectivas áreas, destinados a sediar projetos pedagógicos de ensino, pesquisa e extensão que tematizem Agroecologia, transição agroecológica e sistemas de produção orgânicos; 5) Apoiar os diferentes movimentos sociais do campo e coletivos de agricultores em suas demandas em relação à Agroecologia, a exemplo do incentivo de feiras livres, beneficiamento mínimo, comercialização de cestas agroecológicas, cooperativismos, acesso a políticas públicas e etc. Do ponto de vista dos resultados esperados e das metas, a equipe do projeto se propõe a: Promover a troca de experiências entre agricultores familiares, assentados da reforma agrária e comunidades tradicionais, pesquisadores e extensionistas que atuem dentro dos princípios da Agroecologia, nos territórios circundantes dos quatro campi da UFSCar, com o apoio de outros NEAs e CVTs já constituídos e a constituir; Fortalecer os grupos locais de compra direta de produtos orgânicos e em transição provindos da agricultura familiar, assentados da reforma agrária e comunidades tradicionais envolvidos no projeto, priorizando-se os grupos de referência elencados; Apoiar a organização e formalização de organizações de Controle Social para a garantia da qualidade orgânica, sendo estes Organizações de Controle Social (OCSs) ou Sistemas Participativos de Garantia (SPGs); Realizar um seminário final de avaliação e repasses de resultados do projeto, que possa ser gravado e que também possa servir de memória para nortear ações futuras; Sistematizar experiências já existentes de transição agroecológica nos grupos de referência elencados no projeto, envolvendo sistemas de produção de base ecológica e sistemas agroflorestais, contribuindo assim para a construção do conhecimento agroecológico e Sistematizar, a partir das trocas de saberes e relações dialógicas com os sujeitos sociais envolvidos no projeto, uma “agenda social de pesquisa”, que, oriunda como se pretende, terá capilaridade social e materialidade nos problemas concretos urgentes e emergentes socialmente, agenda essa que será levada aos discentes e docentes da Universidade, interessados e comprometidos com a temática. O projeto proposto, orientado pelas mesmas preocupações da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Pnapo), volta a suas ações e objetivos para atuar junto às organizações sociais do campo, comunidades tradicionais, assentamentos rurais e agricultores familiares em geral, com o intuito de fortalecer a Agroecologia, a transição agroecológica e os sistemas de produção orgânicos na região de Ribeirão Preto e São Carlos.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 01/08/2017-31/10/2022
Foto de perfil

John Elton de Brito Leite Cunha

Engenharias

Engenharia Civil
  • nova geração de modelos para estimativas de evapotranspiração para o semiárido brasileiro
  • O Sensoriamento Remoto (SR) é o modo mais eficiente de monitorar a superfície terrestre e de obter estimativas regionais de evapotranspiração (ET). Contudo, as observações de satélite não têm uma assinatura específica que possa ser diretamente atribuída à ET. A ET tem sido obtida por combinação das observações de satélite nas várias bandas do espectro eletromagnético com valores de variáveis climáticas medidas ao nível da superfície. Os métodos utilizados para calcular a ET a partir dos produtos de SR vão desde modelos físicos a empíricos. Em aplicações de grande escala, os métodos de base física surgem como os preferidos, mas muitas vezes estes modelos dependem de simplificações excessivas das resistências aerodinâmicas ou dependência de parâmetros locais. Essas soluções pragmáticas são necessárias, mas limitam a sua performance. Por outro lado, abordagens empíricas, como Machine Learning (ML), são muito úteis para mapear entradas e saídas, sendo capazes identificar os parâmetros relevantes e que não podem ser ignorados no processo de modelagem. As mensurações realizadas pelos sensores de superfície para ground truth são sensíveis aos ventos no instante de medição, tendo sua resposta representada por uma área de contribuição (footprint). Contudo, o problema em estimar ET em grande escala usando técnicas de ML é a incompatibilidade de escala de observação de cada sensor. A calibração/validação de modelos híbridos (físicos com ML) só pode ser alcançada com a compatibilização das escalas espaciais de observações botânica, sensores remoto e superfície. Técnicas de hibridização serão aplicadas para reamostragem e agregação dos modelos de ET avaliados. A configuração do modelo híbrido mais eficiente será submetida ao processamento em computação em nuvem para construção de bases de dados de ET em escala regional. Esta nova base de dados elevará o uso das informações de ET para gestão dos recursos hídricos e avaliação dos impactos ambientais no Semiárido brasileiro.
  • Universidade Federal de Campina Grande - PB - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

John Fredy Franco Baquero

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • desenvolvimento de métodos de otimização para o planejamento de sistemas de distribuição com recursos energéticos distribuídos no contexto de mercados locais de eletricidade
  • Recursos energéticos distribuídos (REDs) como veículos elétricos, geração distribuída renovável e sistemas de armazenamento de energia devem ser adequadamente integrados no futuro sistema de distribuição de energia elétrica (SDEE), de forma a trazer benefícios econômicos e ambientais para a sociedade. Portanto, o planejamento da expansão e da operação do SDEE deve facilitar essa integração ao tempo que levem em conta o desafio das incertezas dos REDs. Recentemente, o conceito de mercados locais de eletricidade (MLEs) tem sido discutido para aproveitar os REDs e promover a participação de todos os agentes no SDEE, sendo indispensável sua consideração no planejamento. Assim, novos conceitos e métodos para auxiliar o planejador do SDEE são necessários para enfrentar os desafios de integrar REDs no contexto de MLEs. Essas ferramentas de apoio na tomada de decisão do planejamento devem evitar investimentos excessivos na expansão da rede e manter a qualidade do serviço para uma alta penetração de REDs, visando aproveitá-los adequadamente. Este projeto de pesquisa visa o desenvolvimento de métodos de otimização para o planejamento do futuro SDEEE no contexto de MLEs, em que os REDs podem fazer ofertas de capacidade de potência e programas de gestão pelo lado da demanda são incluídos. Os métodos de otimização devem estar baseados em Programação Estocástica e Programação Robusta, para que as soluções de planejamento da expansão e da operação sejam adequadas perante as incertezas de curto e de longo prazo (intermitência de geração renovável, demanda dos usuários e nível futuro de penetração de REDs). Os métodos serão avaliados usando sistemas teste da literatura, permitindo quantificar a contribuição no aumento na integração de REDs, a redução no custo da energia para os usuários finais, a mitigação de impactos ambientais e a melhora na qualidade do serviço.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

John William MacQuarrie

Ciências Exatas e da Terra

Matemática
  • desenvolvimento e utilização de ferramentas computacionais na teoria dos grupos e as suas representações.
  • Seguindo a numeração sugerida: 1. Grupos e as suas representações, que exercem um papel fundamental dentro da área da álgebra, possuem descrições compactas e portanto são adequados de serem estudados por meios computacionais. O projeto ampliará o conhecimento de tais estruturas algébricas, desenvolvendo e utilizando ferramentas computacionais. 2. O projeto terá três focos: desenvolver algoritmos práticos para o problema de isomorfismo explícito de grupos clássicos; desenvolver algoritmos para construir reticulados p-ádicos para um p-grupo abeliano; desenvolver técnicas para estudar fatorações de grupos de comprimento minimal e atacar a conjectura de Babai sobre o grafo de Cayley dos grupos clássicos. 3. Desenvolver algoritmos para serem implementados nos sistemas computacionais GAP e Magma, integrar tais ferramentas nos sistemas e utilizar elas para atacar conjecturas importantes e famosas de álgebra -- os programas resolverão o problema de isomorfismo para dados grupos clássicos; calcularão reticulados p-ádicos para p-grupos abelianos finitos; estudarão fatorações de comprimento minimal de um grupo como produto de subgrupos. A importância do projeto vem da importância das conjecturas para ser atacadas, e da utilidade geral das ferramentas propostas dentro da comunidade internacional de álgebra. 4. A hipótese principal do projeto é que ferramentas computacionais são fundamentais para estudar problemas teóricos de álgebra. 5. Os três membros da equipe já utilizaram sistemas computacionais para chegar em conclusões teóricas, um deles com algoritmos já implementados nos sistemas GAP e Magma. As ferramentas propostas são altamente computáveis e a equipe já tem ideias concretas de como implementá-las. 6. Metodologias: em grupos clássicos, baseada na computação do centralizador de uma involução aleatória; em reticulados, baseada numa correspondência com módulos sobre corpos finitos; em fatorações de grupos, baseada em computações com o gráfo de Cayley.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Joice Melo Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Demografia
  • as famílias brasileiras e o bem-estar de crianças e adolescentes: uma abordagem sociodemográfica sobre diversidade e desigualdades
  • Por segunda transição demográfica entende-se uma nova etapa da história das populações humanas caracterizada pelo declínio das taxas de nupcialidade, aumento da prevalência de uniões consensuais, de divórcios e de nascimentos fora do casamento, bem como uma fecundidade abaixo do nível de reposição populacional (<2,1 filhos por mulher). A maioria dos estudos realizados no Brasil adotam uma perspectiva adultocêntrica dessas transformações. O que está acorrendo com os níveis de bem-estar de crianças e adolescentes à medida que se identificam traços de uma segunda transição demográfica no Brasil? A abordagem adotada visa documentar níveis de bem-estar de crianças e adolescentes inseridos nas diversas configurações familiares. Serão considerados como dimensões de análise: a erradicação do trabalho entre menores de 14 anos; autopercepção sobre estados depressivos e emocionais; frequência escolar e continuidade dos estudos em nível apropriado para a idade; iniciação sexual, entrada em união e início da trajetória reprodutiva ainda durante a menoridade; e os cuidados recebidos. A principal hipótese é de que os arranjos familiares que emergem na segunda transição demográfica impactam de forma distinta crianças e adolescentes procedentes grupos étnicos, estratos socioeconômicos e áreas geográficas diferentes. Por conseguinte, na ausência de políticas sociais, as disparidades entre crianças e adolescentes na base e no topo da pirâmide social devem se intensificar tal como já documentado para os Estados Unidos. A metodologia pauta-se em análises descritivas e multivariadas explorando as fontes de dados disponíveis: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (2012-presente); Pesquisa Nacional de Saúde (2013 e 2019); Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (2015 e 2019); censos demográficos, entre outras. As análises considerarão diferenciais segundo sexo, raça/cor, grande região, faixa de renda domiciliar per capita e composição do domicílio de residência.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 13/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Joice Nunes Ferreira

Ciências Biológicas

Ecologia
  • peld-ras: monitoramento de longo-prazo da biodiversidade e funcionamento ecológico das florestas antropizadas do leste da amazônia
  • Contexto amplo: As florestas amazônicas são amplamente reconhecidas como um refúgio de biodiversidade e uma fonte vital de recursos naturais para toda a humanidade. Nos últimos anos, essas florestas têm sido ameaçadas por um número de fatores: desmatamento, degradação florestal (ex: exploração madeireira), aumento da temperatura, diminuição na precipitação e um aumento na frequência e intensidade de secas extremas e incêndios florestais. As mudanças climáticas também influenciam as populações tradicionais da Amazônia, cujos modos de vida dependem dos recursos naturais e do uso do fogo para sua subsistência. As interações entre distúrbios antrópicos em escala local combinados com mudanças climáticas graduais e extremas não somente ameaçam a biodiversidade e as florestas amazônicas, mas também os benefícios que trazem para a humanidade. O que já foi feito no PELD-RAS (fase-1): Nos últimos quatro anos, nós [a] geramos avanços na compreensão dos impactos da degradação florestal, publicando estudos nas melhores revistas científicas e ecológicas do mundo (e.g. Nature, Science, Global Change Biology); [b] expandimos nossa rede de colaborações ao fazer parcerias com outros grupos de pesquisa na Amazônia (incluindo PELD-POPA e PELD-TANG); [c] ajudamos no treinamento da próxima geração de pesquisadores da Amazônia, com estudantes interagindo com grupos de pesquisa multidisciplinares, internacionais e publicando em revistas (e.g. Ecology e Biotropica); [d] nvestimos com sucesso na divulgação dos resultasdos das pesquisas para o público em geral, tanto no Brasil quanto internacionalmente, e [e] influenciamos a tomada de decisões local, regional e nacional – por ex. influenciando diretamente o plano do estado do Pará para se tornar neutro nas emissões de carbono até 2035. Nossos objetivos na próxima fase: Nos próximos quatro anos, o PELD-RAS terá como objetivos (O) [O1] melhorar o entendimento da resiliência climática a longo prazo da biodiversidade e do funcionamento das florestas amazônicas, e [O2] auxiliar no desenvolvimento de estratégias – que sejam ecologicamente desejáveis e socialmente justas – para melhorar [i] a conservação da biodiversidade, [ii] a mitigação climática e [iii] os meios de subsistência das populações tradicionais que moram na região. Especificamente, nós iremos [a] monitorar as consequências a longo-prazo dos distúrbios antrópicos e climáticos nas florestas para a biodiversidade e processos ecológicos nas florestas da Amazônia em três regiões do leste da Amazônia no leste do Pará, cada uma correspondendo a um centro de endemismo diferente (CE): Santarém (Oeste do Pará; CE-Tapajós), Bragança (Nordeste do Pará, CE-Belém) e Marabá / Parauapebas (Sudeste do Pará; CE-Xingu). Este objetivo também avaliará quais fatores (por exemplo, intensidade da perturbação, perturbação anterior, contexto da paisagem) influenciam as trajetórias de recuperação pós-perturbação. Além disso, vamos [b] integrar o conhecimento científico com o conhecimento ecológico tradicional e as perspectivas de atores locais e regionais, a fim de promover o manejo sustentável e a resiliência climática de longo prazo das florestas na Amazônia. Isso será alcançado por meio do [c] fortalecimento de trabalhos de extensão e divulgação científica para a sociedade em geral; [d] usando abordagens inter- e intra-disciplinares para informar práticas de manejo mais sustentáveis aos fazendeiros, populações tradicionais, gestores florestais e assentados de reforma agrária; [e] capacitação de técnicos e cientistas brasileiros; e [f] contínuo engajamento para informar, com evidências científicas, as políticas ambientais no estado do Pará e no Brasil.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 20/12/2020-31/12/2024
Foto de perfil

Jonas Otaviano Praça de Souza

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • mudanças hidrológicas e modificações na dinâmica hidrogeomorfológica de rios intermitentes
  • O presente projeto de pesquisa visa aprofundar as discussões sobre como os impactos causados por grandes obras hídricas afetam a dinâmica hidrogeomorfológica de rios intermitentes no semiárido brasileiro. Observa-se, que intervenções como barramentos e projetos de transferência de água bruta – transposição entre bacias como o Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional (PISF), Cinturão das Águas do Ceará (CAC) – e barramentos afetam o regime e a conectividade hidrológica. Consequentemente, modificam a conectividade de sedimentos afetando a dinâmica hidrogeomorfológica dos rios intermitentes, visto que a morfologia desses é resultante de uma dinâmica hidrológica baseada em pulsos de vazão e longos períodos de seca. Dessa forma, a análise das modificações hidrológicas é a base para o entendimento das respostas hidrogeomorfológicas, comportamento e evolução desses canais. Ressalta-se que há diferentes cenários de mudanças hidrológicos, tais como: regularização da vazão com a diminuição dos períodos sem vazão, perenização e diminuição dos períodos sem vazão, diminuição das vazões e controle de cheias. Assim, é necessário entender as correlações entre impacto antrópico e mudanças hidrogeomorfológicas dessas intervenções, e assim identificar quais respostas irão ocorrer, informações estas que deveriam subsidiar os projetos de intervenção e gestão ambiental dessas áreas. Para realizar a análise serão escolhidos trechos em rios intermitentes da Paraíba e Ceará impactados por grandes infraestruturas hídricas (PB/CE), tais como o PISF, o projeto CAC e pela barragem do Castanhão. Será realizada a análise da dinâmica pregressa dos trechos a partir de sensoriamento remoto e dados climáticos e fluviométricos. Assim, eles serão caracterizados e monitorados a partir de análises e mapeamentos hidrogeomorfológicos, sensoriamento remoto, aerofotogrametria e dados climáticos e fluviométricos.
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jonas Rafael Becker Arenhart

Ciências Humanas

Filosofia
  • mecânica quântica e realidade: como obter uma imagem da realidade a partir da mecânica quântica
  • A mecânica quântica (MQ) nos traz importantes lições sobre a natureza da realidade. Todavia, a teoria sozinha não indica, de forma unívoca, como a realidade é; precisamos de ferramentas interpretativas para alcançar uma imagem da realidade de acordo com a teoria. Compreender as implicações da MQ para nossa imagem da realidade exige que se adote uma interpretação da teoria, que nos indica como deve ser o mundo se a teoria for verdadeira. Essas interpretações costumam invocar entidades como consciência, mundos possíveis, partículas com trajetórias ocultas, entre outras. Para que a imagem seja clara, alguns filósofos sugerem que essa descrição deve ser complementada com metafísica, a disciplina filosófica que tradicionalmente investiga a natureza de entidades como consciência, mundos possíveis, individualidade de partículas, entre outras. Ou seja, além da interpretação, se sugere que adicionemos uma camada de metafísica. Nesse projeto, investigaremos as possibilidades de sucesso em se conectar metafísica e MQ para se obter tal imagem da realidade. As dificuldades com essa conexão são enormes: a MQ, sozinha, não nos fala nada sobre a metafísica apropriada. A metafísica, se desvinculada da MQ, perde toda a chance de um contato com a realidade mediado pela MQ; de qualquer modo, ficamos sem uma imagem clara da realidade. Investigaremos mais especificamente a proposta de que a MQ, mesmo que não nos indique uma única teoria metafísica correta, dentre a variedade de teorias metafísicas disponíveis, pode nos sugerir que algumas delas estão equivocadas. De fato, a MQ coloca restrições severas a qualquer candidata a metafísica da realidade descrita pela teoria, e isso, vamos sugerir, pode restringir o número de opções disponíveis, por razões científicas. Buscaremos expor essas incompatibilidades que possuem origem na própria MQ. Teorias metafísicas tradicionais podem deixar de ser candidatas legítimas em algumas interpretações da MQ, sugerindo um cenário mais restrito das opções
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jordana Grazziela Alves Coelho dos Reis

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • prospecção de novas moléculas com atividade antiviral e anti-inflamatória para o tratamento da covid-19
  • O mundo vive a quase dois anos uma pandemia sem precedentes associada a um novo Coronavirus, capaz de gerar doença letal, a COVID-19, representando desta forma ameaça constante a sociedade. Em contraste, permanecem escassas as alternativas terapêuticas para inibir a replicação viral e o processo inflamatório gerado por ele. Desta forma, a presente proposta se baseia na avaliação da atividade antiviral e anti-inflamatória de novos compostos para tratamento da COVID-19. Para tal, serão testados compostos modificados do Aminoadamantano, fármaco já utilizado no mercado como Amantadina para o tratamento de doenças degenerativas do sistema nervoso central e indicado para reposicionamento para o tratamento da COVID-19. Foi especulado que apesar de Amantadina ser um potencial antiviral in vitro, sua elevada IC50 seria impeditivo de seu uso como antiviral. Assim, no intuito de contribuir e melhorar a atividade da Amantadina, nosso grupo realizou modificações na molécula guiadas por análise in silico. Após síntese, realizamos experimentos in vitro em laboratório de nível de biossegurança 3 e verificamos que os novos derivados da Amantadina apresentam baixa citotoxicidade celular e têm potencial para inibir o SARS-CoV-2 em proporções 100 vezes maiores que a Amantadina. Desta forma, propomos realizar ensaios para avaliar atividade antiviral e anti-inflamatória dos novos derivados do Aminoadamantano in vitro e in vivo em modelos experimentais humanizados adaptados para SARS-CoV-2. Propomos também estudar os mecanismos de inibição da biossíntese viral por meio de avaliação de expressão de genes antivirais, avaliação da atividade enzimática de proteases como a catepsina L importantes para o vírus, bem como por estudo de docking molecular e por microscopia de transmissão. Acreditamos que esta proposta irá contribuir com alternativas terapêuticas para o enfrentamento da pandemia de COVID-19, que representa o maior desafio vivido pela humanidade no início do século XXI.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Jorge Alberto Soares Tenório

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • recuperação de tântalo e nióbio a partir de fontes secundárias
  • A busca por uma sociedade mais sustentável com o uso de fontes renováveis de energia fez com que a oferta de alguns materiais não atender a futura demanda. Dentre estes metais, o tântalo e o nióbio tem chamado a atenção devido as suas aplicações tecnologias da informação e comunicação (ICTs), baterias, produção de energia eólica, drones e aviões para usos militares, setor aeroespacial, ligas metálicas mais leves e impressoras 3D. Hoje, os maiores produtores de tântalo são China e países da África, e no caso do nióbio é o Brasil. Com o crescimento populacional e a globalização contribuem para o aumento da geração de resíduos sólido. Aliado a isso, os acidentes de Mariana (2015) e Brumadinho (2018) deram um sinal de alerta para os resíduos de mineração. Assim, o uso de resíduos de mineração como fontes secundárias de tântalo e nióbio poderão atender a demanda por estes metais e ainda usar resíduos como fontes secundárias. Desta forma, o presente tem por objetivo o estudo de resíduos de mineração como fontes secundárias de tântalo e nióbio. Os materiais serão caracterizados para determinar a composição química, mineralógica e física. Técnicas de lixiviação serão estudadas para solubilizar os metais, tais como lixiviação direta, fusão alcalina e sulfatação seguidas por lixiviação. Técnicas de purificação e separação serão estudadas para obter óxidos puros de tântalo e nióbio. A análise de viabilidade técnica será realizada por software de simulação de processo. Como há pouca ou quase inexistente literatura sobre o assunto, haverá desenvolvimento tanto teórico quanto prático a partir deste projeto. O projeto deverá atender os Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, de acordo com a análise final do projeto.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 24/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jorge Barbosa Soares

Engenharias

Engenharia Civil
  • uso de ciência de dados/inteligência artificial para o entendimento do efeito da umidade na evolução dos defeitos dos pavimentos asfálticos
  • A perda de adesividade agregado-ligante e a umidade são descritas na literatura como fatores de influência na vida útil dos pavimentos asfálticos. Porém, os mecanismos de deterioração devido à perda da adesividade e à umidade ainda são pouco explorados quanto à vida de fadiga e à deformação permanente de misturas asfálticas, bem como para o caso dos revestimentos do tipo tratamento superficial. Isso é um obstáculo técnico-científico para a infraestrutura rodoviária e dificulta a otimização de materiais desde a nanoescala (modificadores de ligantes e de superfície de agregados) até a macroescala – rodovias. Embora métodos de dimensionamento mecanístico-empíricos, como o novo método de dimensionamento nacional (MeDiNa), tragam a robustez da mecânica dos pavimentos em relação ao método empírico em vigor no Brasil, eles ainda precisarão de muitos dados de campo nos próximos anos. Esses dados (temperatura, tráfego, pluviometria e defeitos) são gerados em grande volume, e se faz necessário o uso da ciência de dados para extrair informações importantes e gerenciáveis. Nos próximos anos, as funções de transferência campo-laboratório deverão inserir temperatura e pluviometria em análises, o que por um lado trará um novo entendimento da deterioração dos pavimentos e por outro a necessidade de usar ferramentas computacionais robustas para analisar o grande volume de dados. Novas metodologias de detecção de defeitos serão ferramentas de impacto positivo no dimensionamento dos pavimentos de alto e baixo volume de tráfego. Nesse sentido, o objetivo geral deste projeto é investigar os efeitos da adesividade agregado-ligante e da umidade no dimensionamento de pavimentos asfálticos com o uso de ciência de dados. Espera-se atingir resultados técnico-científicos e auxiliar na formação de recursos humanos, tanto na graduação em Engenharia Civil, quanto na Pós-Graduação em Eng. de Transportes da UFC e dos demais programas parceiros, na UFC e nas universidades colaboradoras.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Jorge Elias Kalil Filho

Ciências Biológicas

Imunologia
  • inct de investigação em imunologia
  • O Instituto de Investigação em Imunologia(iii), inicialmente criado como um Instituto do Milênio em 2001, atua em doenças Infecciosas, HIV/AIDS, alergias, doenças autoimunes, transplantes e imunodeficiências primárias. Estas enfermidades, com forte componente imunológico, constituem problemas de saúde que afetam milhões de pessoas em nosso País e no mundo. Além da relevância sócio-econômica, estas doenças são também modelos biológicos importantes, pois permitem avançar no conhecimento de mecanismos fisiopatológicos, possibilitando o desenvolvimento de estratégias terapêuticas orientadas pela fisiopatologia. A Imunologia foi pioneira no desenvolvimento e uso de biofármacos. A expansão do arsenal de anticorpos monoclonais e proteínas recombinantes comercializados requer compreensão das causas e mecanismos das doenças-alvo, para o desenvolvimento de terapias inovadoras. Acreditamos que uma abordagem global e integrada que inclua ferramentas clínicas, moleculares, informáticas, de biologia de sistemas e epidemiológicas seja necessária para encontrar novas soluções para essas questões. Precisamos de conhecimento integrado e mais abrangente para inovar no desenvolvimento de novas vacinas, nas imunoterapias para rejeição dos transplantes, nas doenças infecciosas e suas sequelas, nas doenças autoimunes, e nas alergias e imunodeficiências. O iii propõe desenvolver pesquisa de tradução visando testar, em seres humanos, as estratégias inovadoras desenvolvidas na experimentação. Nas três etapas anteriores do iii, formamos recursos humanos e criamos instalações para o desenvolvimento de rotas tecnológicas. Isto nos permitiu caminhar do reconhecimento da doença para a descoberta de mecanismos patogênicos, passando para o desenho de biofármacos baseados nestes mecanismos e chegar a testes em modelos animais, criando um portfólio de novos imunobiológicos. Durante a terceira fase do iii, formamos 42 mestres, 82 doutores e 21 pós-doutores, gerando 468 publicações, aprimoramos nosso portfólio de produtos em desenvolvimento, obtivemos patentes e financiamentos para os ensaios clínicos que estão por iniciar. Continuaremos a pesquisa de tradução nas diversas áreas temáticas, com foco especial na produção e testes clínicos dos produtos de nosso portfólio. Em autoimunidade, vamos avançar o projeto da vacina candidata contra o S. pyogenes e a febre reumática, realizando os primeiros estudos clínicos fase I/IIa com o nosso já patenteado produto, além de avaliar seu papel terapêutico. Também testaremos imunomoduladores (probióticos naturais ou recombinantes) na doença inflamatória intestinal. Tais probióticos também serão testados no transplante e em doenças infecciosas como a leishmaniose, transplante e o HIV/AIDS. Planejamos vários estudos sobre a patogênese da infecção pelo HIV e a AIDS, e meios de auxiliar no tratamento, com estratégias que atuem no sistema imune. Concluiremos os ensaios pré-clínicos em primatas, qualificando-nos, assim, para realizar o primeiro estudo clínico fase I com a nossa vacina profilática candidata contra o HIV, também já patenteada. Essas duas vacinas – contra o S. Pyogenes e contra o HIV – foram totalmente concebidas por pesquisadores brasileiros do iii. Continuaremos os estudos de imunologia celular e molecular da patogenia das imunodeficiências primárias. Testaremos novas abordagens para prevenção/tratamento da leishmaniose tegumentar e visceral e, na Dengue, realizaremos uma inovadora varredura de anticorpos neutralizantes, com implicações para o conhecimento da patogenia e tratamento da doença, incluindo teste de terapia genética com tais anticorpos. Investigaremos potenciais mecanismos da tolerância operacional no transplante humano; Estudaremos a atividade imunorreguladora do anticorpo anti-CD3 humanizado, e iniciaremos estudos sobre as células T reguladoras humanas, visando uso em terapia celular, além do anticorpo monoclonal humano anti-toxóide tetânico, para uso em terapia. Nas alergias, estudaremos novos alérgenos de importância no Brasil, buscando também novas mutações associadas à alergia, a interferência do parasitismo por A. lumbricoides na asma, e avaliação de reatividade cruzada entre alérgenos. Aliado à pesquisa de tradução, continuaremos a investir na formação de estudantes, compartilhando saberes e na capacitação para o trabalho em rede. Para potencializar o trabalho em rede e o treinamento de pessoal, desenvolvemos plataformas - Proteômica, Epidemiologia e Ensaios Clínicos, Produção de Imunobiológicos, Bioinformática, Qualidade e Ensino e Interação com a Sociedade - que possibilitam o funcionamento matricial com as diferentes áreas temáticas. Nesta nova fase do iii, incluímos três eixos conceituais à sua estrutura matricial - imunorregulação, microbiomas e biologia de sistemas. Esses potencializarão a integração transversal entre as diferentes áreas temáticas, estimulando colaborações, dentro de uma visão mais integrada dos processos patológicos e fisiológicos. Visando somar forças para resolver gargalos ainda em aberto, incorporamos no iii jovens cientistas, ex-alunos do iii. Acreditamos que a Ciência pode ter um papel importante também na educação básica e na construção de cidadania mais ativa. O iii inclui na sua missão desenvolver projetos educacionais relacionados à ciência, imunologia e saúde com professores e estudantes da rede pública, assim como com a população de áreas endêmicas para as doenças em que trabalhamos, estimulando a curiosidade e despertando a vocação pela ciência. Ademais, o iii se atua na comunicação/difusão do conhecimento científico junto à sociedade, contribuindo para a aproximação da sociedade do mundo da ciência. Na configuração atual, o iii compõe uma rica combinação de indivíduos capaz levar os produtos criados pelo instituto para aplicação clínica, gerar novos conhecimentos, novos produtos e contribuir para as políticas públicas, em sintonia com a sua missão de elevar a imunologia brasileira a padrões internacionais.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 23/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Jorge Elias Kalil Filho

Ciências Biológicas

Imunologia
  • estudo clínico de fase i / ii escalonado, randomizado, duplo-cego e placebo controlado para avaliar a tolerabilidade, segurança e imunogenicidade da vacina brasileira anti covid-19 em adultos saudáveis.
  • Vacinas intranasais com vírus influenza não replicante, e de nanoparticulas expressando a proteína RBD e peptídeos antigênicos do SARS-CoV2 em dose única desencadearão resposta imune sistêmica e de mucosa, mediada tanto por linfócitos T quanto anticorpos neutralizantes. Esta resposta será potencializada com boost heterólogo.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 02/11/2020-02/11/2022