Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Amelia Teresinha Henriques

Ciências da Saúde

Farmácia
  • isolamento direcionado de alcaloides indólicos de psychotria nemorosa: aspectos toxicológicos em zebrafish e potencial farmacológico em doenças neurodegenerativas
  • Alcaloides indólicos são metabólitos secundários já descritos na literatura devido ao seu potencial farmacológico no tratamento de diversas patologias. Espécies da tribo Palicoureeae (Rubiaceae) são reconhecidas por biossintetizarem esta classe de metabólitos, o que despertou o interesse de diferentes grupos de pesquisa a estudarem seus aspectos químicos e biológicos. O grupo proponente já trabalha com espécies do gênero Psychotria do sul do Brasil há vários anos, principalmente na investigação da potencial aplicação de alcaloides indólicos destas espécies no tratamento de doenças associadas ao envelhecimento, como a Doença de Parkinson (DP) e a Doença de Alzheimer (DA). Já foi demonstrado que estes alcaloides são capazes de interagir com alvos enzimáticos relacionados a doenças neurogenerativas, com destaque para as enzimas acetilcolinesterase (AChE), butirilcolinesterase (BChE), catecol-O-metil-transferase (COMT) e monoamina oxidases A e B (MAO-A e MAO-B). Considerando que estudos recentes têm proposto o emprego de substâncias multifuncionais para o tratamento de DP e DA, caracterizadas por atuarem sobre múltiplos alvos enzimáticos e neuronais, a busca de compostos com este potencial parece muito promissora. Recentemente, nosso grupo de pesquisa demonstrou que a fração de alcaloide obtida das folhas de Psychotria nemorosa foi capaz de inibir significativamente a atividade da BChE e da MAO-A e, com o auxílio de técnicas quimiométricas, quatro compostos multifuncionais foram indicados. Neste sentido, o presente projeto tem como foco principal o isolamento e elucidação estrutural destes alcaloides preditos como ativos e a sua validação farmacológica. Adicionalmente, considerando que alcaloides obtidos de Psychotria já demonstraram potencial toxicidade, o presente projeto prospecta determinar eventuais efeitos tóxicos em modelo de embrião de zebrafish, contribuindo para a estimativa de segurança. Os aspectos abordados por este projeto surgem como uma possibilidade para a busca de novas entidades químicas bioativas, candidatas potenciais a protótipos para o desenvolvimento de novos fármacos.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Amilcar Tanuri

Ciências Biológicas

Genética
  • desvendando as bases moleculares da infecção pelo vírus zika utilizando a metodologia de crispr/cas9 em larga escala.
  • Na última década, novas abordagens de manipulação genética permitiram avanços consideráveis no estudo e impacto na célula, do knockout gênico específico, na inserção de transgenes, bem como na modulação da expressão gênica, em uma grande variedade de tipos celulares e organismos. Esta tecnologia, referida como “edição de genomas”, é baseada na presença de enzimas geneticamente modificadas associadas a domínios de ligação específica ao DNA. Dentre estas metodologias, destacam-se as ZFNs (do inglês, Zinc Finger Nucleases), as TALENs (do inglês, Transcription Activator-Like Effector Nucleases) e mais recentemente os CRISPR (do inglês, Clustered regularly interspaced short palindromic repeats). As três ferramentas supracitadas induzem modificações gênicas específicas e direcionadas, uma vez que agem promovendo quebras na dupla fita de DNA, por meio de suas nucleanes. Após o corte na região genômica alvo, o reparo celular propenso a erro por non-homologous join (NHJ) religa o DNA de forma alterada, ocasionando deleções ou inserções de nucleotídeos no local da quebra, responsáveis por alterar a fase de leitura, cessando a produção da proteína em questão. Apesar de ZFNs, TALENs e CRISPR possuírem o mesmo objetivo final, as características bioquímicas dos CRISPRs tornaram sua utilização mais vantajosa que a utilização de ZFNs e TALENs. A principal diferença entre as três estratégias consiste no modelo de reconhecimento do DNA e por sua vez na forma e eficiência da montagem destes domínios. No caso dos ZFNs, o reconhecimento da sequência alvo no DNA é realizado por meio dos “dedos”, da estrutura dedo de zinco, que são motivos de aproximadamente 30 aminoácidos que reconhecem trincas de nucleotídeos no DNA, com variados graus de seletividade. Este fato, aliado a não existência de motivos “dedos de zinco” para o reconhecimento de todas as trincas de nucleotídeos existentes no genoma, tornam sua utilização menos flexível e propensa a efeitos off targets. O reconhecimento da sequência alvo no DNA pelas TALENs ocorre por meio das RVDs (do inglês, repeat-variable di-residue), onde cada di-resíduo de aminoácido reconhece um único nucleotídeo específico da sequência de DNA, garantindo a especificidade do corte no gene alvo e a minimização de efeitos off targets. Contudo, por possuir grandes regiões de sequências repetitivas, existe dificuldade na confirmação da montagem dos módulos, no vetor final de expressão por sequenciamento de Sanger. Na metodologia CRISPR é utilizado um pequeno RNA guia – sgRNA (do inglês – small guide RNA) de aproximadamente 20 nucleotídeos, como forma de guiar a enzima Cas9 até o sítio alvo no DNA. Este tamanho compacto do modulo de ligação ao DNA associado a uma baixa atividade de off-target, levou a esta técnica ser a mais utilizada atualmente para induzir perturbações gênicas, nos mais diferentes modelos. Um modelo no qual as referidas técnicas têm se mostrado relevantes, é a determinação de fatores celulares para a infecção e manutenção do ciclo replicativo dos vírus, dentre estes pode-se citar o vírus da dengue (DENV), o vírus da hepatite C (HCV) e mais recentemente o vírus Zika (ZIKV). O ZIKV, responsável pela epidemia que assolou boa parte do mundo entre 2015 e 2016, principalmente nas regiões de clima tropical, foi bastante relevante no Brasil, com 216.207 casos suspeitos de infecção pelo ZIKV e 8 óbitos confirmados no ano de 2016. Este vírus pertence à família Flaviviridae e ao gênero Flavivirus. Neste gênero, encontram-se o DENV, WNV e o vírus da encefalite japonesa (JEV), além de outros. Na família Flaviviridae, o vírus da hepatite C (HCV) que pertence ao genêro Hepacivirus é o mais estudado. Devido ao certo grau de homologia do ZIKV com os vírus desta família, muitas das informações sobre estes vírus, auxiliam nas descobertas em relação ao ZIKV, que são correlacionadas e/ou comparadas com estes vírus. Porém, estudos mais específicos precisam ser conduzidos a fim de melhor compreender a relação entre as proteínas celulares e as do ZIKV. Nosso grupo possui expertise no trabalho com estas metodologias de alterações gênicas, principalmente com os TALENs, com duas construções que têm como alvo o gene CCR5 (TALEN-CCR5), co-receptor principal utilizado pelo HIV para infectar as células do sistema imune e, também com os CRISPRs, atualmente possuindo todas as ferramentas para sua construção. Possuímos também, vasta experiência na manipulação de Zika vírus, com alguns trabalhos publicados de grande relevância para a área. Sendo assim, o objetivo principal deste projeto é identificar genes celulares relevantes para a sustetibilidade de celulas hepáticas e neurais à infecção pelo ZIKV. Utilizaremos a metodologia de biblioteca de CRISPR/Cas9 para induzir perturbações gênicas de maneira global, nas células hepáticas e neurais. Selecionaremos estas células com ZIKV e as que resistirem à infecção serão analisadas por sequenciamento de nova geração, a fim de identificar o gene deletado. As bibliotecas de CRISPR são bibliotecas de sgRNAs, as quais contém plasmídeos codificando sgRNAs para quase todos os genes celulares, têm sido utilizados para se identificar genes importantes para determinada atividade biológica em ensaios de larga escala, inclusive em infecções virais. Trabalhos com DENV, HCV e WNV já foram realizados e diversas novas relações das proteínas virais com as proteínas celulares foram descritas baseadas neste tipo de identificação, portanto a utilização da metodologia de bibliotecas de CRISPR apresenta um grande potencial para desvendar novas interações entre os vírus e suas células alvo. Esperamos que esta abordagem permita evoluir no conhecimento das interações entre os ZIKV e suas células alvo e pavimente o caminho para a descoberta de novos alvos para fármacos, minimizando os problemas de saúde nos indivíduos infectados por este vírus.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Amilton Vieira

Ciências da Saúde

Educação Física
  • avaliação do desempenho neuromuscular de atletas de lutas: perfil de força-velocidade
  • Introdução: A avaliação do desempenho neuromuscular compõe uma parte fundamental do programa de treinamento. Idealmente o resultado da avaliação proporcionará a fundamentação necessária para a tomada de decisão acerca dos principais componentes que deverão compor um programa de treinamento. A avaliação do Perfil Força-Velocidade (PFV) vem ganhando destaque por identificar a relação ideal (PFV ótimo) e um possível desequilíbrio entre força e velocidade (DFV) durante movimentos balísticos. O PFV ótimo representa o equilíbrio ideal entre força e velocidade na realização de movimentos balísticos e como consequência maximiza o desempenho atlético. O DFV representa a magnitude e direção do desequilíbrio entre força e velocidade e a sua identificação permite a prescrição individualizada do programa de treinamento a fim de corrigir o desequilíbrio e assim maximizar o desempenho. A obtenção de variáveis mecânicas tradicionalmente requer equipamentos laboratoriais de alto custo, os quais ainda raramente são portáteis. Neste sentido, equipamentos alternativos, de menor custo e portáteis, têm sido desenvolvidos para avaliar o desempenho neuromuscular, como aplicativos para smartphones. Contudo, ao nosso conhecimento não existe um aplicativo válido que permita avaliar o PFV disponível para o sistema operacional Android. Objetivos: testar a hipótese de que um programa de treinamento individualizado baseado no PFV seja mais efetivo que um programa de treinamento tradicional em melhorar o desempenho do salto vertical em atletas de lutas; e investigar a validade e reprodutibilidade intra-avaliador de um aplicativo para smartphones Android em mensurar a altura do salto vertical e o PFV. Materiais e Métodos: 50 praticantes de modalidades de lutas, com idade entre 18 e 35 anos, com 2 anos de experiência específica e ininterrupta na modalidade serão convidados a participar do estudo. Os participantes serão alocados nos diferentes grupos experimentais (treino de força, potência, velocidade ou tradicional) conforme o PFV, o qual será determinado por um teste de saltos com cargas múltiplas. O desempenho do salto vertical, realizado sobre uma plataforma de força, será comparado antes e após 16 sessões de exercícios, individualmente prescritos para otimizar o PFV. Os saltos serão filmados e posteriormente analisados com um aplicativo de smartphone desenvolvido para analisar o desempenho do salto vertical. Será realizada a análise descritiva de todas as variáveis do estudo, aplicando medidas de tendência central e dispersão. A estatística inferencial será utilizada para as comparações entre os atletas de diferentes níveis e modalidades. Para investigar a validade do aplicativo de smartphone serão utilizados o método de Bland & Altman, o produto momento de Pearson e o erro típico de estimativa. Para análise da reprodutibilidade das medidas serão utilizados o coeficiente de correlação intraclasse e o erro típico da medida.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Acacia Pinheiro Caruso Neves

Ciências Biológicas

Biofísica
  • papel de cininas e angiotensinas na inflamação crônica e disfunção vascular durante a malária grave
  • A malária causada pelo Plasmodium falciparum é considerada a forma mais severa e fatal da doença em humanos, induzindo mais de meio milhão de mortes por ano. Os sintomas clínicos que caracterizam a doença grave incluem: elevada carga parasitária (>5%), hipoglicemia, convulsões, vômitos repetidos, anemia, insuficiência renal aguda, disfunção hepática, edema pulmonar, hemoglobinúria, distúrbios hemorrágicos e de coagulação e malária cerebral (MC). A MC é uma síndrome neurológica complexa e representa um grande problema de saúde pública. A doença renal associada a malária também tem sido considerada fator de morte em pacientes infectados. Os mecanismos de patogênese da doença grave ainda não estão estabelecidos, mas é bem aceito que depende tanto do parasito como de fatores do hospedeiro, neste caso, incluindo o sequestramento de eritrócitos infectados na microvasculatura, resposta imune do hospedeiro, disfunção endotelial e formação de edema. O modelo murino de malária P. berghei ANKA será utilizado para avaliar os efeitos dos componentes dos sistemas Renina-Angiotensina (SRA) e calicreína-cinina (SCC), no estabelecimento da malária grave, com enfoque nas propriedades inflamatórias, na disfunção endotelial e na evolução da resposta imune do hospedeiro. A compreensão dos mecanismos moleculares envolvidos nestas interações parasita/hospedeiro irá facilitar a determinação de elementos chaves para uma possível intervenção terapêutica. Além disso, os resultados aqui obtidos poderão ser extrapolados no contexto de outras doenças parasitárias.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022