Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Tallita Cruz Lopes Tavares

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • o impacto de mudanças no uso da terra sobre a comunidade microbiana de solo de manguezal
  • Introdução. Os manguezais são ecossistemas muito importantes mundialmente devido a sua biodiversidade única e vários serviços ecossistêmicos prestados, como berçário, filtro ambiental, exportação de matéria orgânica para regiões costeiras e sumidouros de carbono. Muitas dessas funções são mediadas pela microbiota associada ao solo, responsável por processos importantes na ciclagem de nutrientes, na aquisição de nutrientes e proteção da vegetação, na regulação da dinâmica da matéria orgânica do solo, no armazenamento de carbono e potencial emissão de gases do efeito estufa. Muitos avanços já ocorreram no conhecimento dos componentes microbianos, porém ainda há muito para se descobrir. Começamos a conhecer a estrutura dessas comunidades, mas desconhecemos os processos que governam a dinâmica dessas comunidades dentro de uma matriz ambiental tão complexa como o solo de manguezal. Os estudos sobre a ecologia de manguezais brasileiros estão principalmente relacionados à diversidade microbiana encontrada em ambientes contaminados com petróleo ou após processos de remediação. Pouco se conhece sobre a diversidade microbiana associada aos conspícuos manguezais da região Norte e Nordeste do Brasil. Nosso grupo de pesquisa vem se dedicando ao estudo desses manguezais, tendo realizado o primeiro inventário de bactérias e arquéias do Ceará (Nordeste, Brasil), cobrindo 537 km de manguezais afetados por diferentes distúrbios. Estendemos o estudo a manguezais do Norte e Sul do Brasil com o objetivo de observar padrões na distribuição das comunidades microbianas associadas à rizosfera de Rhizophora mangle. Quando consideramos o cenário atual onde uma miríade de atividades antrópicas é realizada dentro dos manguezais ou têm efeitos indiretos sobre eles, entender os padrões de distribuição da microbiota associada ao solo de manguezal se torna uma tarefa muito complexa. As atividades antrópicas foram responsáveis por muitas modificações nos manguezais, como conversão de áreas de mangue para extração de sal marinho, construção de assentamentos humanos, fazendas de aquicultura e agricultura. Tais modificações são capazes de alterar serviços ecossistêmicos importantes do manguezal, processos ligados direta ou indiretamente à microbiota. Objetivo. O projeto tem por objetivo analisar como modificações no tipo de uso da terra em manguezais afetam a composição taxonômica e funcional de comunidades microbianas associadas ao solo. Para tanto se utilizará uma cronossequência de 60 anos em que ocorreram cinco tipos de modificações: conversão de manguezal em área de produção de sal marinho (salina); conversão de manguezal em área de carcinicultura, abandono de salinas e carcinicultura, recuperação de manguezais em antigas áreas de salina e carcinicultura, resultando em novas áreas de manguezal. Esse estudo buscará responder às seguintes perguntas-chave: (1) Como a composição taxonômica e funcional das comunidades microbianas de solo de manguezal são alteradas em resposta a diferentes tipos de uso da terra? (2) Como ocorre a sucessão das comunidades microbianas ao longo de mudanças na cobertura de manguezal relacionadas à conversão de uso (conversão para agricultura e carcinicultura e o eventual abandono destas atividades e recolonização por manguezais)? (3) É possível identificar indicadores microbianos taxonômicos e funcionais relacionados a mudanças climáticas e regime de uso da terra passíveis de serem utilizados em processos de regeneração ou biorremediação? Metodologia. Serão utilizados métodos independentes de cultivo, como sequenciamento de amplicons baseado no 16S e 18S rRNA. Os dados serão correlacionados com diferentes parâmetros ambientais para analisar que variáveis são responsáveis pelas diferenças observadas nas comunidades microbianas utilizando ferramentas de bioinformática e estatística multivariada. Seis áreas de estudo em diferentes estágios sucessionais originados de mudanças no uso dos manguezais (cronossequência) serão utilizadas. . Uma cronossequência constitui uma substituição de tempo por espaço, com o intuito de observar variações em um ecossistema introduzidas ao longo do tempo e, portanto, um conjunto de áreas que se encontram em diferentes estágios sucessionais. Resultados esperados. Os resultados deste projeto trarão contribuições valiosas considerando o papel essencial da microbiota associada ao solo no funcionamento do ecossistema de manguezal e a rapidez com que essas áreas são modificadas para múltiplos usos. Isso poderá subsidiar ações futuras visando a conservação, uso sustentável e manejo, assim como para propor estratégias de mitigação de impactos e recuperação de manguezais. Além disso, a implementação desta proposta será de extrema relevância para o fortalecimento desta linha de pesquisa no Estado do Ceará. As metas deste projeto são (1) dar continuidade a uma série de seis anos de estudos em um manguezal semiárido tropical; (2) sequenciar um total de 60 amostras contendo pools de DNA metagenômico das seis áreas de estudos coletadas em duas coletas (estação chuvosa e seca) no ano de 2019; (3) caracterizar as condições físicas e químicas do solo das áreas de estudo e avaliar se sua variabilidade está relacionada à composição das comunidades microbianas estudadas; (4) a partir da análise da composição taxonômica e funcional, indicar grupos taxonômicos ou vias metabólicas relacionadas a determinados tipos de uso do solo; (5) publicar quatro artigos científicos em revistas internacionais indexadas; (6) contribuir para o treinamento e formação de recursos humanos, no nível de graduação (Graduação em Oceanografia e Ciências Biológicas) e pós-graduação (Mestrado e Doutorado em Ciências Marinhas Tropicais).
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tamaris Gimenez Pinheiro

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • malacofauna de corpos d´água do território vale do guaribas, piauí: aspectos ecológicos e parasitológicos
  • Os moluscos constituem um grande e diversificado grupo de animais de enorme importância ecológica pois estão presentes em diferentes níveis das teias alimentares tanto em ecossistemas marinhos, de água doce e terrestres, além de possuírem importância médico-veterinária, pois algumas espécies são hospedeiros intermediários da esquistossomose e diversas outras helmintoses. Muitas destas doenças estão intimamente relacionadas a ambientes aquáticos que, devido aos seus múltiplos usos pelas populações humanas, podem se tornar pontos de transmissão dessas doenças. A esquistossomose, por exemplo, é muito difundida pelo mundo e no Brasil é considerada um grave problema de saúde pública pois têm afetado milhares de pessoas. No estado do Piauí, a notificação de casos de esquistossomose vem diminuindo a cada ano, mas em Picos, principal cidade do Território Vale do Guaribas, a doença ainda é considerada endêmica, tendo como principal hospedeiro intermediário caramujos da espécie Biomphalaria straminea, diferente de outras regiões do Brasil em que B. glabrata e B. tenagophila são mais importantes. Características locais como a escassez hídrica, a diversidade cultural, os baixos índices de saneamento básico, de escolaridade e de desenvolvimento humano são características que marcam o Território, e tornam ainda mais desafiadoras as ações de educação em saúde, bem como pesquisa e controle de casos da doença na região. Em ambientes particulares como o semiárido, o monitoramento da malacofauna a longo prazo contitui uma ferramenta robusta para o etendimento da dinâmica dos hospedeiros e parasitas e predição de eventos de infecção e/ou reinfecção, subsidiando quando for o caso, as ações de controle com o provimento de informações confiáveis a respeito da condição dos ambientes, variações nas comunidades de moluscos e aspectos populacionais do hospedeiro. Além disso, estas informações podem subsidiar a compreensão da complexa relação hospedeiro-parasita neste ambiente repleto de particularidades. Assim, esta proposta objetiva dar continuidade ao trabalho em andamento que consiste em realizar o monitoramento da malacofauna de corpos d’água do Território Vale do Guaribas, Piauí, Brasil, a fim de conhecer a diversidade de moluscos da região e investigar a presença de moluscos hospedeiros intermediários de esquistossomose mansônica e outras helmintoses, fazendo a relação ecológica dos animais desse grupo com ambiente pesquisado. Para isso amostragens mensais serão realizadas em corpos d’água lóticos e lênticos considerados importantes para os municípios de Picos, Itainópolis e São Julião, estado do Piauí. Durante as mesmas serão realizadas também as coletas dos dados ambientais como temperatura da água, pH e profundidade da margem e feita a Avaliação Rápida do Corpo D’Água para caracterização das condições ambientais dos pontos de amostragem. Nos rios serão estabelecidas cinco estações de amostragens e no caso dos açudes serão estabelecidos três pontos ao longo dos mesmos. Os moluscos serão coletados com auxílio de peneiras, armazenados em recipientes de plástico com o substrato e água do próprio ambiente e transportados para o Laboratório de Estudos em Ecologia, Parasitologia e Doenças Negligenciadas (LAPEDONE), do Instituto Federal do Piauí, campus de Picos. No laboratório será feita a triagem do material com a separação dos animais vivos e mortos e classificação das espécies. Todos os moluscos vivos serão mantidos em condições laboratoriais dentro de potes de plástico, com água livre de cloro acrescida de uma mistura de areia e calcário em pó e alimentados. Os animais serão submetidos à eventos de foto-exposições, por quatro horas cada, a fim de estimular a liberação de cercárias. Os dados obtidos serão analisados utilizando o programa SISTAT® 12 para verificar a existência de diferenças nas médias de abundâncias das espécies de moluscos entre os meses e pontos de amostragens bem como a existência de correlações entre os aspectos populacionais dos organismos, variáveis ambientais e parasitismo dos mesmos. O monitoramento sistematizado dos moluscos e de seus parasitos permitirá inferências acerca das relações ecológicas existentes entre eles e o ambiente em que são encontrados, bem como será de extrema importância para a tomada de decisões efetivas em casos de contaminação e/ou recontaminação, principalmente pelo trematódeo responsável pela doença. As ações de vigilância, nestes casos, subsidiarão ações de combate e controle do vetor, bem como ações educativas à população que vive nas áreas de entorno dos corpos d´água afetados.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022