Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Aldenir Feitosa dos Santos

Ciências Humanas

História
  • educando pela pesquisa numa abordagem ambiental
  • O fortalecimento da cidadania através da difusão científica serve como instrumento de integração dos diversos saberes, propondo reflexões e articulação entre ciência, educação, linguagem e comunicação que permitem a compreensão e domínio públicos sobre a Ciência, Pesquisa, Tecnologia e Inovação. Neste contexto, de geração do saber científico, as escolas são ambientes multiplicadores de conhecimento para a sociedade, visto que os professores e alunos ao desenvolverem a criticidade e a busca pelo conhecimento, através de resoluções de problemas loco-regionais, extrapolam para além dos muros da academia, de forma aplicada os conteúdos curriculares apreendidos durante a sua formação de ensino-aprendizagem. Dessa forma, ações como o Educar pela Pesquisa, além de estimular o aprender a aprender, compreender e intervir na realidade, possibilitará a descentralização dos saberes, visto que as IES irão as escolas estimulando à pesquisa, aprendizagem e inovação em escolas públicas da capital e do interior de Alagoas, promovendo a formação de agentes multiplicadores de importância na integração EDUCAR PELA PESQUISA. Um tema transversal e de caráter interdisciplinar é a Educação Ambiental (EA) através da sustentabilidade, trazendo uma nova forma de ler a realidade e de como atuar sobre ela. Através dessa temática é possível o surgimento de novas propostas educativas, visões de mundo, e um ambiente propício para desenvolver diversas políticas de ensino e aprendizagem, a partir de atitudes, além de informações e conceitos, para que todos os educandos possam compreender que o ser humano não é uma peça isolada do meio ambiente em que vive, mas ele está integrado ao mesmo. Partindo disso, a proposta deste projeto de Feira de Ciências do Estado de Alagoas (FECEAL: educando pela pesquisa numa abordagem ambiental) é promover o desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação no Estado de Alagoas, através da valoração de ações de educação ambiental que estimulem a melhoria da qualidade de vida da população em geral e o desenvolvimento sustentável. Para alcançar os referidos objetivos serão realizadas as atividades que promovam de forma lúdica, criativa, contextualizada, a integração entre alunos, professores e pesquisadores do ensino básico, técnico de escolas públicas e do ensino superior, da capital e do interior do estado de Alagoas, juntamente com a comunidade. As referidas atividades serão desenvolvidas em 5 etapas distribuídas entre as escolas, os Institutos Federais, a Universidade Estadual de Alagoas – Uneal, Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas – Uncisal, Universidade federal de Alagoas - Ufal e o Centro Universitário Cesmac, que mais uma vez atua como instituição executora da proposta e, a ONG SOS Caatinga. Basicamente as etapas se constituem em: Na 1ª etapa ocorrerá preparação dos graduandos das IES participantes da FECEAL, para atuarem como agentes multiplicadores através do Programa de Residência Pedagógica e do incentivo à docência; Formação continuada para docentes da educação básica, através de palestras e oficinas. Na 2ª etapa, ocorrerá experimentação no ensino básico e técnico com a produção de trabalho finalizado e/ou projeto inovador; Atividade de mostras de vídeo através da produção de vídeos com temática ambiental. Na 3ª etapa será realizada a Feira de Ciências na Escola no qual haverá exposição dos trabalhos finalizados e/ou projeto inovador, exposição SOS Caatinga e portas abertas (Cesmac, Uncisal, Uneal e Ifal); A FECEAL com a Exposição de Iniciação Científica , Núcleo de Robótica, Científica-digital e apresentações artísticas e culturais. Na 4ª etapa ocorrerá a vivência dos cursos de graduação, nas clínicas e laboratórios, através da Visitação às clínica-escolas e laboratórios das IES; Vivência no núcleo de robótica através do desenvolvimento de projetos inovadores; Vivência de pesquisa nas IES através do desenvolvimento de parte de suas atividades de pesquisa nos espaços laboratoriais e/ou de clínicas das IES. E por fim, na 5ª etapa ocorrerá a Implementação das bolsas, acompanhamento dos projetos, apresentação dos resultados finais e prestação de contas.
  • Centro Universitário CESMAC - AL - Brasil
  • 15/01/2021-31/01/2023
Foto de perfil

Aldiéris Alves Pesqueira

Ciências da Saúde

Odontologia
  • efeito de diferentes protocolos de polimento e repolimento de consultório (intra-oral) nas propriedades físicas-químicas, mecânicas e biológicas (formação de biofilme) de cerâmica para o sistema cad/cam após simulação in vitro de 3 e 6 anos de uso clínico
  • O melhor método para atingir uma superfície lisa das cerâmicas odontológicas é uma questão de controvérsia, devido à falta de um protocolo estabelecido na literatura. Atualmente, há o questionamento se os kits de polimento para consultório resultam em um acabamento e polimento superior ou semelhante ao obtido com o glaze, sendo esta questão de suma importância. Principalmente para restaurações realizadas por meio do sistema CAD/CAM em consultório, onde cirurgião-dentista fica encarregado do acabamento final e polimento das mesmas, que pode ser realizado antes e após a cimentação. Dessa forma, o presente estudo terá como objetivo avaliar as características físicas, químicas, mecânicas e biológicas (formação de biofilme) da cerâmica de dissilicato de lítio para sistema CAD/CAM, submetida a diferentes protocolos de polimento e após diferentes ciclos de envelhecimento térmico com e sem repolimento. Serão confeccionados 204 espécimes de dimensões 14x4x1,2mm para os ensaios físico-mecânicos e 63 espécimes de dimensões 10x10x1,5mm para os ensaios biológicos, divididos em 07 grupos de acordo com os polimentos realizados em suas superfícies e ciclos de ciclagem térmica (CT). Três sistemas de polimento serão avaliados: (Glaze, Kit de polimento Ceramisté (Shofu) e Kit de polimento OptraFine (Ivoclar)); envelhecidos por meio de diferentes testes: T0 - armazenamento em água destilada por 24 horas (Controle); T1 - após 21.900 ciclos de 5 e 55oC por 30 segundos de CT; T2 - após 43.800 ciclos de CT e T3 - após 21.900 ciclos de CT + repolimento dos espécimes + 21.900 ciclos de CT. Serão consideradas 7 variáveis de resposta: (1) topografia superficial, (2) resistência flexural, (3) módulo de elasticidade, (4) quantificação de células cultiváveis (CFUs) do biofilme, (5) quantificação de biomassa total (CV) do biofilme, (6) atividade metabólica das células do biofilme (XTT) e (7) estrutura do biofilme (MEV). Os dados quantitativos serão submetidos à análise estatística mais apropriada com nível de significância de 5%.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022