Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Rose Marie Santini

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • infodemia e desinformação: revisão sistemática de literatura sobre estratégias de comunicação e informação em saúde em situações de pandemia.
  • Em face ao desafio enfrentado pelos líderes mundiais e autoridades em saúde coletiva para tomar decisões e definir respostas para crises epidemiológicas como a que atualmente vivemos com a COVID-19, propomos neste projeto desenvolver uma revisão sistemática de literatura para mapear as estratégias comunicação e informação, eficazes e ineficazes, no enfrentamento e contenção de crises sanitárias e pandemias, e examinar seus respectivos efeitos sociais, emocionais e comportamentais. Nesse contexto, o presente projeto visa responder às seguintes questões de pesquisa: (a) quais são as narrativas, condições e dinâmicas sociais que propiciam a propagação da informação e da desinformação em saúde? (b) como combater a produção, disseminação e consumo de informações falsas e inúteis, que atrapalham a coordenação das estratégias de saúde coletiva? (c) como as estratégias de informação e comunicação podem produzir e/ou afetar condicionamentos sócio-emocionais da população como negação, imobilização, hiperatividade e hipervigilância em situações de crise sanitária? (d) quais são as estratégias de comunicação eficazes para orientar e envolver a sociedade na mudança de comportamento necessária para a mitigação da epidemia e prevenção à infecção pelo vírus, como no caso do COVID-19? Nosso projeto propõe revisar, analisar e comparar resultados sobre surtos anteriores de doenças infecciosas como Ebola, H1N1 e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) a partir de uma Revisão Sistemática de Literatura. A síntese das evidências científicas será disponibilizada em painel on-line, onde os gestores possam filtrar e buscar artigos científicos, métodos e comparação de resultados para subsidiar decisões dos gestores públicos de comunicação e saúde. O painel on-line também incluirá a consolidação, por meio de inteligência computacional, dos conteúdos de mídia com divulgação científica sobre estudos de COVID-19, com interface amigável, congregando múltiplos atores para o encaminhamento de soluções para problemas de alta complexidade de forma mais efetiva.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 16/07/2020-31/03/2021
Foto de perfil

Roseana de Almeida Freitas

Ciências da Saúde

Odontologia
  • biomarcadores da transição epitélio-mesenquimal em carcinoma epidermoide de língua oral: estudo imunoistoqímico e in vitro
  • Durante a carcinogênese oral, as células malignas adquirem um fenótipo agressivo que resulta em aumento da motilidade individual e na capacidade para invadir tecidos circunvizinhos. A aquisição deste fenótipo agressivo ocorre em função de modificações genéticas que resultam em alterações na forma das células e na interação com as outras células do parênquima e estroma tumoral, bem como com a matriz extracelular. Para tanto, as células epiteliais malignas desenvolvem um processo regulatório e programado denominado transição epitélio-mesenquimal (TEM), que é crucial para aquisição deste fenótipo maligno agressivo. Durante este processo, as células epiteliais perdem parte de suas características e adquirem outras inerentes às células mesenquimais, processo esse orquestrado por diversos fatores de transcrição indutores destas alterações nas células epiteliais, com consequentes modificações em algumas células do estroma e nos constituintes da matriz extracelular. Pesquisas demonstram que a maior ou menor expressão das proteínas e dos fatores de transcrição indutores envolvidos na TEM, são determinantes para o início do processo de carcinogênese e para a progressão do câncer; no entanto, ainda são necessários estudos que investiguem estas proteínas na carcinogênese e na progressão tumoral no câncer oral. Para este avanço, estudos de associação entre estas proteínas com alterações do epitélio oral em lesões potencialmente malignas e malignas são requeridos. O objetivo deste estudo é investigar o papel da expressão imunoistoquímica de proteínas sinalizadoras da TEM e de modificações no microambiente tumoral em displasias epiteliais e em carcinomas epidermoides de língua oral, bem como identificar possíveis associações da regulação do gene TWIST com a expressão de biomarcadores da TEM e a capacidade de invasão, migração, proliferação e viabilidade celular in vitro. Para o estudo imunoistoquímico, serão selecionados casos de displasias epiteliais e de carcinomas epidermoides em língua oral, nos quais será analisada a imunoexpressão das proteínas E-caderina, Twist, Snail, Gli-1, SHh, Vimentina, N-caderina, TGF-β, α-SMA e MMP-9. Serão investigadas possíveis associações entre o padrão de expressão destas proteínas com as alterações citológicas e arquiteturais das displasias epiteliais indicadoras do potencial de transformação maligna em lesões potencialmente malignas, e com os diferentes graus histopatológicos, potencial metastático e sobrevida em carcinomas epidermoides em língua oral. Para o estudo in vitro será realizado o cultivo celular de duas linhagens SCC-25 e HSC-3 nas quais será feita a regulação do gene TWIST avaliando possíveis associações com a expressão de alguns biomarcadores da TEM por meio da técnica Western Blotting, assim como analisando a capacidade de migração e invasão por meio de ensaios funcionais. Com os resultados obtidos neste estudo, pretende-se contribuir para o melhor entendimento de eventos sinalizadores da transformação maligna em lesões com este potencial em língua oral, além de avançar sobre o conhecimento do papel das proteínas da TEM como possíveis biomarcadores de etapas da carcinogênese e da progressão em carcinoma epidermoide oral.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Roselayne Ferro Furtado

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • validação e estocagem de biossensor eletroquímico utilizando eletrodos descartáveis (screen printed) para detecção de salmonela em leite
  • A salmonelose é uma infecção gastrointestinal bacteriana veiculada por alimentos e causada por Salmonella sp. que representa um preocupante e constante problema de saúde pública. A identificação da bactéria em alimentos pode levar até cinco dias o que prejudica a adoção de medidas especificas para estes casos. Além disso, para a indústria de alimentos, considerar cinco dias para a emissão de um diagnóstico representa um tempo desperdiçado que pode ser traduzido em prejuízo econômico. Neste sentido, novos métodos de detecção que apresentem vantagens na detecção da bactéria devem ser investigados no intuito de prover avanços em ferramentas de controle de segurança de alimentos. Esta proposta tem o objetivo de avaliar o desempenho de um biossensor eletroquímico usando plataforma descartáveis em amostras de leite e também avaliar condições de estocagem do dispositivo visando futura aplicação comercial. Para isso, serão utilizados eletrodos descartáveis e modificação de sua superfície utilizando técnica de automontagem. Um sistema do tipo sanduiche será montado a partir de eletrodos policlonais contra Salmonela sorotipo O Poli A-I e Vi. A resposta eletroquímica será obtida aplicando potencial constante por 60 segundos. Este tipo de transdução segue outros exemplos de biossensores enzimáticos disponíveis no mercado para o monitoramento de diabetes em fluido sanguíneo. O biossensor será validado em pelo menos dez amostras de leite cru e avaliado em diferentes condições de estocagem. Adaptações na metodologia serão realizadas sempre que a resposta analítica do dispositivo não for satisfatória. A avaliação destes parâmetros é importante porque não são encontrados na literatura este tipo de estudo com biossensores eletroquímicos aplicados a área de alimentos e também em virtude de se pretender realizar a transferência tecnológica desta nova ferramenta de análise.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Roseli de Deus Lopes

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • 19a. feira brasileira de ciências e engenharia - febrace 2021
  • A Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – FEBRACE (http://www.febrace.org.br/inspiradores) é um programa criado com o objetivo de induzir e servir de referência para outros programas, projetos e ações, em todo o país, voltados ao estímulo à cultura nacional e ao empreendedorismo em C&T&I na educação básica (fundamental e média) e técnica. Neste sentido, a equipe FEBRACE desenvolve ações ao longo de todo o ano, com uma maior intensidade e visibilidade durante a mostra anual de finalistas (em março, dentro do campus da capital da USP) e durante a participação de finalistas da FEBRACE na Internacional Science and Engineering Fair – ISEF (em maio, nos EUA, junto a finalistas de mais de 70 países). Além disso, a FEBRACE tem parceria com a I-SWEEEP - International Sustainable World, a Genius Olympiad, e com o Instituto Weisman para seleção de estudantes brasileiros para seus programas. A FEBRACE propicia a aproximação entre escolas, universidades e centros de pesquisa e induz a interação espontânea entre estudantes, professores, profissionais e cientistas, criando espaços de trocas de experiências, de novas oportunidades e de ampliação das fronteiras do conhecimento. Estas aproximações e interações acontecem durante a mostra presencial e ao longo de todo o ano, por meio de seus diversos recursos eletrônicos incluindo redes sociais, mediados pela equipe FEBRACE. Inserido no contexto de diversas ações de formação e disseminação voltadas à identificação, valorização e desenvolvimento de novos talentos, a FEBRACE realiza anualmente na USP no mês de março, desde 2003, um grande evento que reúne jovens talentos pré-universitários em Ciências e Engenharia e seus orientadores. Em março de 2021, a ação FEBRACE - Feira Brasileira de Ciências e Engenharia completará dezenove anos de estímulo à cultura científica, à inovação e ao empreendedorismo na educação básica e técnica brasileira, consolidando sua mostra de finalistas como a maior feira de ciências e engenharia do Brasil em abrangência territorial. As principais estatísticas da evolução dos 18 anos da FEBRACE são apresentadas no documento FEBRACE – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia: Inspirando e Despertando Futuros Líderes, disponível em www.febrace.org.br/inspiradores. Nesta proposta destacamos uma síntese da difusão e do impacto da FEBRACE no Brasil: a) somente a 18ª edição da FEBRACE envolveu diretamente mais de 66.000 estudantes de 27 unidades da federação, que desenvolveram projetos investigativos e os submeteram diretamente ou através de uma das 123 feiras afiliadas. Foram selecionados para a mostra 334 projetos, apresentados por 761 estudantes finalistas acompanhados por 510 professores orientadores/coorientadores; b) em seus 18 anos de realização já participaram da FEBRACE mais de 1.180 munícipios brasileiros representados com projetos finalistas, e mais de 4.210 professores orientadores do ensino fundamental, médio e técnico; c) em 18 anos, foram credenciados 260 projetos para feiras internacionais, com destaque para a ISEF, onde os estudantes brasileiros conquistaram 80 prêmios extremamente importantes para o país; d) A FEBRACE, desde sua criação obteve mais de 6.600 inserções espontâneas na mídia (impressa, digital e televisiva). O local de realização da mostra de finalistas é fator determinante de sucesso para atingir os objetivos deste programa. Todas as edições da mostra anual de finalistas da FEBRACE, de 2003 a 2019, sempre foram sediadas no campus de São Paulo da Universidade de São Paulo (USP), uma das maiores e mais importantes Universidades do Brasil e do mundo. Realizar a mostra dentro do campus da capital da USP assegura a participação ativa de um maior número de avaliadores e visitantes altamente qualificados, o que por sua vez garantiu a rápida consolidação e disseminação da marca FEBRACE como de qualidade e credibilidade científica, que serve de referência para outras feiras e ações no país. Este selo de qualidade e credibilidade, segundo pesquisas realizadas junto aos participantes de anos anteriores, também é absolutamente fundamental para que os estudantes e professores finalistas de todo o país consigam captar recursos para sua participação na feira (viagens, translado e hospedagem), bem como tenham maior repercussão na mídia local quando são selecionados como finalistas (o que faz com que outros estudantes, professores, profissionais e pesquisadores passem a conhecer e se interessar pelo tema – efeito de indução desejado). As atividades da edição de 2020 também estavam previstas para ocorrerem em instalações da Universidade de São Paulo (USP), atividades presenciais que precisaram ser canceladas em virtude do início da quarentena no município de São Paulo para atender aos protocolos de prevenção contra o novo coronavírus. Deste modo, as atividades de 2020 foram migradas para a modalidade virtual, criando desafios e oportunidades, como a interação dos estudantes e professores com especialistas que não estariam presentes para as atividades realizadas localmente em São Paulo. Para garantir a segurança de todos o público participante (estudantes, professores, avaliadores voluntários, público visitante, colaboradores e da própria organização) as atividades da FEBRACE 2021 serão novamente integralmente realizadas online por meio virtual. Estudos e estratégias estão sendo aprofundados, no sentido de melhor impulsionar e apoiar ações contínuas, com o mesmo referencial de qualidade, em diferentes regiões do país. Hoje, há uma rede de 123 feiras, de diversas Unidades da Federação, afiliadas e acompanhadas pela FEBRACE. Observa-se uma implantação gradativa de feiras regionais, estaduais e municipais de estímulo à criatividade, inovação e empreendedorismo que se utilizam dos referenciais definidos e divulgados pela FEBRACE. Outro ponto que merece destaque é que este projeto envolve também o acompanhamento pela equipe da FEBRACE, à distância, da implementação e execução de projetos de bolsistas CNPq.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 30/12/2020-31/12/2022
Foto de perfil

Roseli de Deus Lopes

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • 18a. feira brasileira de ciências e engenharia - febrace 2020
  • A Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – FEBRACE (http://www.febrace.org.br/inspiradores) é um programa criado com o objetivo de induzir e servir de referência para outros programas, projetos e ações, em todo o país, voltados ao estímulo à cultura nacional e ao empreendedorismo em C&T&I na educação básica (fundamental e média) e técnica. Neste sentido, a equipe FEBRACE desenvolve ações ao longo de todo o ano, com uma maior intensidade e visibilidade durante a mostra anual de finalistas (em março, dentro do campus da capital da USP) e durante a participação de finalistas da FEBRACE na Internacional Science and Engineering Fair – ISEF (em maio, nos EUA, junto a finalistas de mais de 70 países). Além disso, a FEBRACE tem parceria com a I-SWEEEP - International Sustainable World, a Genius Olympiad, e com o Instituto Weisman para seleção de estudantes brasileiros para seus programas. A FEBRACE propicia a aproximação entre escolas, universidades e centros de pesquisa e induz a interação espontânea entre estudantes, professores, profissionais e cientistas, criando espaços de trocas de experiências, de novas oportunidades e de ampliação das fronteiras do conhecimento. Estas aproximações e interações acontecem durante a mostra presencial e ao longo de todo o ano, por meio de seus diversos recursos eletrônicos incluindo redes sociais, mediados pela equipe FEBRACE. Inserido no contexto de diversas ações de formação e disseminação voltadas à identificação, valorização e desenvolvimento de novos talentos, a FEBRACE realiza anualmente na USP no mês de março, desde 2003, um grande evento que reúne jovens talentos pré-universitários em Ciências e Engenharia e seus orientadores. Em março de 2020, a ação FEBRACE - Feira Brasileira de Ciências e Engenharia completará dezoito anos de estímulo à cultura científica, à inovação e ao empreendedorismo na educação básica e técnica brasileira, consolidando sua mostra de finalistas como a maior feira de ciências e engenharia do Brasil em abrangência territorial. As principais estatísticas da evolução dos 17 anos da FEBRACE são apresentadas no documento FEBRACE – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia: Inspirando e Despertando Futuros Líderes, disponível em www.febrace.org.br/inspiradores. Nesta proposta destacamos uma síntese da difusão e do impacto da FEBRACE no Brasil: a) somente a 17ª edição da FEBRACE envolveu diretamente mais de 72.000 estudantes de 27 unidades da federação, que desenvolveram projetos investigativos e os submeteram diretamente ou através de uma das 116 feiras afiliadas. Foram selecionados para a mostra 332 projetos, apresentados por 751 estudantes finalistas acompanhados por 480 professores orientadores/coorientadores; b) em seus 17 anos de realização já participaram da FEBRACE mais de 1.100 munícipios brasileiros representados com projetos finalistas, e mais de 3.800 professores orientadores do ensino fundamental, médio e técnico; c) em 17 anos, foram credenciados 260 projetos para feiras internacionais, com destaque para a ISEF, onde os estudantes brasileiros conquistaram 80 prêmios extremamente importantes para o país; d) A FEBRACE, desde sua criação obteve mais de 5.800 inserções espontâneas na mídia (impressa, digital e televisiva). O local de realização da mostra de finalistas é fator determinante de sucesso para atingir os objetivos deste programa. Todas as edições da mostra anual de finalistas da FEBRACE, incluindo a próxima de março de 2020, sempre foram sediadas no campus de São Paulo da Universidade de São Paulo (USP), uma das maiores e mais importantes Universidades do Brasil e do mundo. Realizar a mostra dentro do campus da capital da USP assegura a participação ativa de um maior número de avaliadores (mais de 350 avaliadores voluntários) e visitantes altamente qualificados, o que por sua vez garantiu a rápida consolidação e disseminação da marca FEBRACE como de qualidade e credibilidade científica, que serve de referência para outras feiras e ações no país. Este selo de qualidade e credibilidade, segundo pesquisas realizadas junto aos participantes de anos anteriores, também é absolutamente fundamental para que os estudantes e professores finalistas de todo o país consigam captar recursos para sua participação na feira (viagens, translado e hospedagem), bem como tenham maior repercussão na mídia local quando são selecionados como finalistas (o que faz com que outros estudantes, professores, profissionais e pesquisadores passem a conhecer e se interessar pelo tema – efeito de indução desejado). Estudos e estratégias estão sendo aprofundados, no sentido de melhor impulsionar e apoiar ações contínuas, com o mesmo referencial de qualidade, em diferentes regiões do país. Hoje, há uma rede de 116 feiras, de diversas Unidades da Federação, afiliadas e acompanhadas pela FEBRACE 2020. Observa-se uma implantação gradativa de feiras regionais, estaduais e municipais de estímulo à criatividade, inovação e empreendedorismo que se utilizam dos referenciais definidos e divulgados pela FEBRACE. Outro ponto que merece destaque é que este projeto envolve também o acompanhamento pela equipe da FEBRACE, à distância, da implementação e execução de projetos de bolsistas CNPq de Iniciação Científica Junior. A cada ano, por meio deste edital, a FEBRACE premia 70 estudantes de diferentes localidades brasileiras com bolsas CNPq de ICJr, cujo acompanhamento para implementação e execução demanda de nossa equipe uma intensa dedicação e procedimentos rigorosos.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 07/01/2020-31/01/2022
Foto de perfil

Roseli de Deus Lopes

Ciências Humanas

Educação
  • avaliação de impacto da adoção de abordagens envolvendo iniciação à pesquisa e participação em feiras investigativas na educação básica, por meio de aplicação de visual analytics & learning analytics
  • Vide projeto anexo
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Roseli Esquerdo Lopes

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • educação, inclusão escolar e terapia ocupacional: perspectivas e produções de terapeutas ocupacionais em relação à escola
  • A presente pesquisa debruça-se sobre a temática da educação em interface com a terapia ocupacional, com destaque para os sentidos da inclusão escolar e para a escola pública no Brasil. Trata-se, quanto a seus objetivos gerais, de apreender a articulação que vem sendo feita por terapeutas ocupacionais entre Educação e Terapia Ocupacional e de discutir as proposições no âmbito da terapia ocupacional quanto a contribuições desta com relação à escola. Para tanto, se realizará um levantamento e a revisão sistemática de publicações nas principais bases de dados acadêmicas, nacionais e internacionais, no que se refere à educação, escola, educação especial e educação inclusiva, articuladas à terapia ocupacional. Ainda, serão levantados os pesquisadores brasileiros da área de terapia ocupacional que se dedicam à temática em tela, bem como suas produções. Tais pesquisadores serão convidados a colaborar com esta pesquisa por meio da concessão de uma entrevista que versará sobre suas perspectivas, aportes e propostas quanto ao foco deste estudo e, também, sobre como veem a formação dos terapeutas ocupacionais naquilo que vislumbram (ou não) como demandas da escola e da educação para o campo de atenção de terapeutas ocupacionais. Finalmente, propõe-se o um mapeamento de terapeutas ocupacionais atuantes no setor da educação, com destaque para suas ações práticas relacionadas à escola. Espera-se com este trabalho o fomento de uma discussão na terapia ocupacional, no que tange ao campo da educação e a suas demandas, como também à ampliação da reflexão entre aqueles que se voltam para a escola, tomando-se a complexidade da educação brasileira, e sua dificuldade secular, na efetivação de uma escola pública de qualidade para, de fato, todos.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Roseli Gedanke Shavitt

Ciências da Saúde

Medicina
  • biomarcadores cerebrais como preditores de resposta aos inibidores seletivos de recaptura de serotonina no transtorno obsessivo-compulsivo: desenvolvimento de um paradigma rumo à medicina personalizada
  • Esta proposta situa-se na área temática “Biotecnologia e biomedicina, incluindo saúde humana e neurociência”. Os distúrbios neuropsiquiátricos são responsáveis por grande parte da carga de doenças nos países do BRICS. O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é uma das condições mais prevalentes e incapacitantes dessas condições, mas é também potencialmente um dos mais fáceis de se entender por meio da biotecnologia e da biomedicina modernas. Isto deve-se à semelhança dos sintomas do TOC em todo o mundo, aos avanços na compreensão dos neurocircuitos deste distúrbio e à sua resposta seletiva às farmacoterapias serotoninérgicas. Nossa proposta é combinar uma grande amostra de indivíduos com TOC de três países diferentes (Brasil, Índia e África do Sul) e empregar métodos padronizados de neuroimagem para determinar bioassinaturas específicas que possam predizer a resposta à farmacoterapia com um inibidor seletivo de recaptura de serotonina (SSRI). Os três centros participantes desempenharão papéis equivalentes neste projeto. Em todos os locais, as imagens cerebrais estruturais e funcionais serão adquiridas na linha de base e após 12 semanas de tratamento exclusivo com sertralina até 200 mg / dia. Da mesma forma, medidas clínicas e avaliações neurocognitivas serão obtidas na linha de base e no pós-tratamento. Ao identificarmos variáveis clínicas, neurocognitivas e de neuroimagem associadas à resposta aos ISRS em indivíduos com TOC, esperamos desenvolver um paradigma de sucesso da medicina personalizada na área da neurociência clínica, o que seria um passo importante para a saúde humana.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 08/08/2019-31/08/2022
Foto de perfil

Rosely Sichieri

Ciências da Saúde

Nutrição
  • impacto da redução do consumo de açúcar, sódio e gordura nas mortes evitáveis por doenças crônicas não transmissíveis no brasil
  • Mais de 70% das mortes ocorridas no Brasil são decorrentes das doenças crônicas não transmissíveis. O objetivo do projeto é de estimar para a população brasileira a redução das mortes evitáveis de doença cerebrovascular, da doença isquêmica do coração e de diabetes mellitus tipo 2, que seriam decorrentes de modificações na alimentação relacionadas ao consumo de sal, açúcar e tipos de gordura estimados a partir do Inquérito Nacional de Alimentação de 2008-2009. A mortalidade será calculada por sexo e para a faixa etária de 30 a 69 anos de idade. A média dos óbitos por ano serão obtidos do site do DATASUS do Ministério da Saúde para os anos 2015 a 2017. As estimativas serão avaliadas para redução para zero no consumo de bebidas adoçadas e para redução em 50% delas. Também utilizaremos o consumo de açúcares livres com ponto de corte em 10% e de 5% do consumo total de energia. Para sal a redução será para valores menores ou igual a 2000mg/dia, e para consumo de gordura trans menor do que 0,5% do consumo de energia. Será também estimada a redução das mortes evitáveis até 2030, em função modificações no consumo de açúcar, sal e gorduras, estratificada para estabilização da prevalência da obesidade e aumento da obesidade proporcional ao da década 2010. O cálculo dos riscos relativos terá por base os dados do Global burden of disease (GBD) e metánalises atualizadas.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 03/02/2020-28/02/2022
Foto de perfil

Rosely Sichieri

Ciências da Saúde

Nutrição
  • evolução do consumo alimentar no brasil de 2008-2009 para 2017-2018: análise dos inquéritos nacionai
  • Na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do Brasil, realizada em 2008/2009 foi incluído um instrumento de coleta de informações de consumo individual de alimentos, denominado Módulo de Consumo - POF7. Esse esforço para obtenção do perfil de consumo da população brasileira com 10 anos ou mais de idade foi uma parceria da Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição (CGPAN antiga) com o IBGE e o seu desenvolvimento e analise foram coordenados por mim e pela professora Rosangela Pereira da UFRJ, mas seu desenvolvimento contou com o apoio de especialistas em nutrição de todo o país. Uma nova edição da POF coletou dados até agosto de 2018 e a definição dos instrumentos de coleta contou com grupo de coordenação ampliado que irá também fazer a análise de dados de consumo individual. A coordenação desse modulo incorporou duas novas parcerias: a professora Edna Massae Yokoo, da UFF e a professora Dirce Maria Lobo Marchioni da USP. O presente projeto propõe avaliar os dados desse módulo de consumo individual em relação a: 1) alimentos mais consumidos dentro e fora do domicilio; 2) adequação de consumo de macro e alguns micronutrientes; 3) comparação das estimativas de consumo de 2008-2009 com as de 2017-2018, para adolescentes, adultos e idosos. Adicionalmente serão atualizados os dois softwares: Brasil Nutri e Erica- consumo, com a base de dados da POF para utilização por pesquisadores da área. Ainda, os recursos serão utilizados para realizar adicionais medidas bioquímicas do estudo de validação do instrumento utilizado em 2018, sendo que o Principal Investigador dessa proposta é a professora Dirce ML Marchioni.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022