Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Rosana de Freitas Boullosa

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • escola livre em gestão social: formação tecnológica para processos de políticas públicas
  • Este projeto de pesquisa, intitulado Escola Livre em Gestão Social: formação tecnológica para processos de políticas públicas, busca construir e oferecer processos de formação livre e certificada em gestão social, nas modalidades presencial e a distância, por meio de percursos formativos, de natureza tecnológica, que visem, portanto, a transformação e ampliação das suas bases e de seus repertórios de conhecimento aplicado, para públicos específicos formados por praticantes em gestão social e suas áreas temáticas, envolvidos em processos de políticas públicas, inseridos particularmente no Centro-Oeste e Nordeste do país, composto sobretudo por gestores públicos locais, organizações sociais, organizações comunitária, conselhos locais e outras esferas de participação pública institucionalizada ou em vias de institucionalização. As principais áreas temáticas a serem trabalhadas, dentro da sua natureza tecnológica, além da própria gestão social, são: avaliação e monitoramento, elaboração de projetos, implementação de instrumentos de políticas públicas, instrumentos de participação democrática, problemas públicos, desenvolvimento territorial, gestão de conflitos, arte pública, economia do compartilhamento, dentre outros, envolvendo as noções de transversalidade em políticas públicas. Este projeto nasceu foi um dos principais frutos de um projeto de extensão inovadora da Rede de Pesquisadores em Gestão Social (RGS), intitulado Observatório da Formação em Gestão Social: avaliação, ensino-aprendizagem e inovação, também objeto de Bolsa de Produtividade DT (2012-2015) desta mesma proponente, que envolvia, incialmente, 4 Universidades brasileiras: Universidade Federal da Bahia (UFBA, Universidade Federal do Cariri (UFCA, então Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri (UFC)) e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). O projeto do Observatório expandiu-se logo em seguida, englobou novas universidades, sempre no contexto da RGS, com a entrada da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Universidade de São Paulo (USP-EACH), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Universidade Federal do Tocantins (UFT), bem como da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Cada Universidade possuía um grupo de trabalho, sempre sob a coordenação geral desta mesma proponente, até então lotada no Departamento de Administração da Escola de Administração da UFBA (EAUFBA), tendo contado om o apoio financeiro e de bolsas de pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), da UFBA, todos no contexto da coordenação geral, além de apoios variados das demais Universidades Parceira. De modo resumido, este projeto da Escola Livre em Gestão Social: extensão inovadora para o desenvolvimento tecnológico em gestão de processos de políticas públicas, possui duração de 3 anos, e objetiva projetar e oferecer Percursos Formativos em Gestão Social, nas modalidades presencial e a distância, nas áreas temáticas já acima apresentadas, idem para o público. Do ponto de vista do método, na modalidade presencial, tratam-se de duas linhas de ação: uma primeira, mais ampla, intitulada Edições da Escola Livre em Gestão Social, com edições sequenciadas, pelo menos uma semestre, com a participação de todas as parceiras envolvidas no projeto, com duração mínima de 40 horas por edição. Seus Percursos Tecnológicos de Formação em Gestão Social, desenhados como atividades de extensão inovadora, assumem podem assumir os formatos de Ateliês Tecnológicos (preferencialmente, pois possuem a obrigatoriedade de desenvolvimento de um produto individual e/ou coletivo) ou Mini-cursos (sem produção de produtos), organizados por níveis de complexidade baixa, média e alta, como será descrito mais detalhadamente a seguir. E uma segunda, intitulada Encontros Formativos em Gestão Social, voltada para as próprias Universidades envolvidas, de modo a desenvolver competências instrumentais nos alunos de seus respectivos cursos graduação relacionados ao Campo de Públicas (Administração Pública, Gestão de Políticas Públicas, Políticas Públicas, Gestão Pública e Gestão Social), por entender que estes alunos também carecem de repertório instrumental (sobretudo em método), mas também por divulgar internamente as ações dos parceiros e ajudar na formação de suas/nossas equipes locais. Na modalidade a distância, será implementada uma plataforma virtual que oferece um conjunto definido de possibilidades formativas já desenhadas, em gestão social e suas áreas temáticas, para usuários que desejem empreender seus percursos formativos individuais e online a partir de seus próprios perfis e demandas. Os perfis possíveis, construídos a partir do cruzamento de poucas informações, tais como idade, formação pregressa, motivação, interesse específico, tempo semanal disponível (2 às 10 horas), tempo total disponível (de um a três módulos de 12 horas), além de algumas preferências sobre meios de aprendizagem, serão classificados segundo uma matriz de distribuição e sugestão de percursos formativos. Os materiais para a construção dos percursos serão textos, vídeo-aulas de introdução aos temas, sites, dicionários, revistas específicas, referências bibliográficas, estudos bibliométricos, mapeamentos das ofertas formativas existentes em níveis de graduação e pós-graduação, mapeamento de grupos de pesquisa, mapeamento de ementas de disciplinas em gestão social, dentre outros. Por fim, ressalta-se que este novo projeto já nasce com a parceria das mesmas universidades que o iniciaram, além da entrada da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), sempre no contexto da RGS, bem como da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), contando ainda com o apoio da UnB (financeiro e de bolsas) e de recursos próprios das parceiras envolvidas.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosana Louro Ferreira Silva

Ciências Humanas

Educação
  • ensino de ciências em articulação com os objetivos do desenvolvimento sustentável: um estudo de caso na rede municipal de são paulo
  • Vide projeto anexo
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Rosana Maria Gemaque Rolim

Ciências Humanas

Educação
  • carreiras e remunerações de professores das redes municipais de ensino do estado do pará
  • O Projeto investigará as configurações e tendências de carreiras de professores das redes de ensino da educação básica e de composições da remuneração, a partir do que está estabelecido nos Planos de Cargo, Carreira e Remuneração. O estudo partirá de um mapeamento dos planos existentes em municípios do Estado do Pará, mediante o qual procederá um estudo transversal dos Planos, na perspectiva de identificar e analisar as tendências e ou configurações de carreira e de remuneração de professores decorrentes do quantitativo e de tipos de cargos, de formas de evolução na carreira e da composição da remuneração. Isso demandará o desenvolvimento de metodologias específicas que contemplem as tendências e ao mesmo tempo a diversidade, tendo em vista que os municípios são autônomos no desenvolvimento de suas políticas educacionais.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 01/06/2017-31/01/2021
Foto de perfil

Rosana Pereira Vianello

Tecnologias

Tecnologia e Inovação para Agropecuária
  • piramidação de alelos de resistência à antracnose, mancha angular, murcha de fusarium e escurecimento lento em feijão carioca via ferramentas biotecnológicas
  • Vide projeto anexo
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 29/11/2019-30/11/2022
Foto de perfil

Rosana Salles da Costa

Ciências da Saúde

Nutrição
  • insegurança alimentar, rendimentos e despesas familiares no brasil: uma análise de dados na pesquisa de orçamentos familiares – pof 2018
  • O último relatório do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), publicado em setembro de 2018, apresentou a situação de insegurança alimentar (IA) e nutrição no mundo, enfatizando os avanços no monitoramento da fome, da desnutrição e de IA, como parte da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030. As evidências apontaram para aumento da fome em quase todos os continentes nos últimos anos, após um prolongado declínio. De acordo com a FAO, a comparação dos dados de 2014 e 2017 revelam aumento na proporção de IA grave, intimamente relacionada com a fome presente nas famílias, tanto no mundo ( 8,3% para 10,2%, respectivamente), como na América do Sul (5,5% para 8,7%, respectivamente). Uma das hipóteses para o aumento de IA grave seria o aumento no preço dos alimentos e nas despesas com alimentação, como também o desemprego em países da America do Sul, mais acentuado nos últimos 3 anos. Essa hipótese é corroborada com os dados do I Relatório Nacional Voluntário da Agenda de 2030, organizado pelo Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030. Os pesquisadores ressaltaram no relatório o risco que o Brasil teria de aumento da IA, como consequência do congelamento nos gastos governamentais com políticas sociais de combate à fome, e aumento no desemprego no país em função do déficit fiscal acumulado e o descaso com problemas estruturais como a reforma tributária. No Brasil, desde 2003 a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA) é a ferramenta utilizada para aferir IA, em estudos populacionais. Trata-se de instrumento validado em território nacional, com base na escala norte-americana de aferição de IA. Até 2013, a estimativa de IA no âmbito nacional era feita pelo IBGE na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). A sequência das três últimas PNADs (2004, 2009 e 2013) permitiu identificar sua redução no país. Em 2004, 34,9% das famílias brasileiras conviviam com algum grau de IA, das quais 6,9% tinham IA grave. Em 2013, IA reduziu para 22,6% das famílias, entre as quais apenas 3,2% conviviam com IA grave. Recentemente, o IBGE adotou a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) para avaliar IA pela EBIA, com o intuito de relacionar as despesas e rendimentos familiares, além do consumo individual, com a medida de IA. Esse avanço, inédito no país, será primordial para avaliar dimensões pouco exploradas das causas relacionadas com o desfecho, principalmente após a crise econômica que o país vivencia nos últimos anos. Outro ponto importante da medida de IA na POF consiste em avançar em estudos psicométricos da EBIA, revisitando os pontos de corte para classificação dos níveis Isso será possível em função da interface da EBIA com outras dimensões avaliadas na POF e que não eram aferidas na PNAD (qualidade de vida, consumo alimentar individual e familiar, despesas familiares entre outros). Com base no exposto, o projeto se insere com a proposta de realizar dois subprojetos, simultaneamente, com os seguintes objetivos: (i) a análise da associação entre IA, rendimentos e despesas familiares e (ii) preencher lacunas nas análises psicométricas da EBIA, ambos estudos considerando os microdados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2018 .
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosana Teresa Onocko Campos

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • estratégias inovadoras para qualificar a rede de saúde mental em um município paulista de médio porte: uma pesquisa de implementação.
  • A baixa integração das redes de saúde e a falta de profissionais preparados para providenciar cuidados adequados em saúde mental na Atenção Primária constituem importantes entraves na superação da diferença de mortalidade entre pessoas convivendo com transtornos mentais. Como alternativa para superação desses entraves, na literatura internacional, citam-se a implementação de dispositivos de integração de rede e a formação continuada dos profissionais. Neste sentido, este projeto trata de uma proposta conjunta do Laboratório Saúde Coletiva e Saúde Mental – Interfaces (Unicamp) e da Prefeitura Municipal de Itatiba-SP para realizar uma pesquisa de implementação de dispositivos de integração de rede a fim de qualificar o cuidado em saúde mental no município. Essa pesquisa possibilitará entender como as intervenções previstas funcionam nas configurações do "mundo real", testando abordagens para melhorá-las. Ressalta-se que as pesquisas de implementação são apontadas na literatura internacional como viabilizadoras de políticas e programas de saúde pública mais efetivos. A pesquisa será realizada em três etapas: pré-implementação, implementação e avaliação. Entre as atividades previstas, está a capacitação de gestores e trabalhadores para o trabalho articulado em rede, bem como a formação de tutores que comporão um comitê a fim de favorecer a sustentabilidade da proposta. Os resultados relativos à implementação serão avaliados por meio de uma pesquisa do tipo survey, aplicada em dois momentos e através da comparação de dados secundários acerca do funcionamento da rede na fase pré e pós-implementação. Entre as principais hipóteses a serem testadas, estão a diminuição e/ou qualificação dos encaminhamentos para os serviços especializados; diminuição no tempo de espera para utilização dos serviços; aumento do número de atendimentos em saúde mental na Atenção Primária e aumento do número de altas do serviço especializado com referência para Atenção Primária. Realizar-se-á também avaliação econômica em relação às repercussões da mudança no perfil de financiamento de saúde mental da cidade, aspecto fundamental para estudar a efetividade das políticas públicas.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 10/11/2018-30/11/2021
Foto de perfil

Rosana Teresa Onocko Campos

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • pesquisa de implementação de um ambulatório para vítimas de violência em um hospital universitário
  • A escalada de violência em bairros e comunidades têm trazido imensa repercussão psicossocial para suas vítimas e pessoas próximas. Muitas dessas pessoas recusam procurar ajuda no próprio bairro por medo de represálias e ou de estigmatização. Por outro lado, existe uma carência de dispositivos para a realização desse cuidado, assim como faltam evidências sobre a eficácia de diferentes abordagens terapêuticas. O ambiente universitário mostra-se fértil para o desenvolvimento de tecnologias, porém os grandes hospitais Universitários (HUs) encontram-se comumente muito pouco articulados à rede de serviços municipais e às demandas sociais de sua própria área de cobertura. Torna-se importante que as ofertas desenvolvidas pelos HUs possam ser articuladas desde seu planejamento com o gestor do SUS local. O presente estudo caracteriza uma pesquisa de implementação, com um componente avaliativo quase experimental, para desenhar de maneira participativa e ascendente, implantar, e posteriormente avaliar um novo serviço de assistência psicossocial às vítimas de violência de um distrito sanitário de uma grande cidade brasileira. O controle das condições de planejamento, implementação e avaliação permitirá apontar uma nova tecnologia de cuidado, adequada à realidade das grandes cidades brasileiras e aos aspectos culturais e psicossociais da população alvo. Espera-se também propiciar uma experiência eficaz de integração do cuidado entre os vários níveis de atenção da rede de saúde local.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosana Zacarias Domingues

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • magnetolipossomas: carreadores de fármacos e agentes causadores de hipertermia em terapias para câncer
  • O câncer é uma das principais causas de mortalidade no mundo. No Brasil os cânceres de próstata e mama são os mais frequentes, sendo que em 2013 o câncer de mama ocasionou mais de 14 mil mortes no país. Embora os tratamentos convencionais como a quimioterapia e radioterapia apresentem bons resultados, permanece um desafio minimizar os efeitos colaterais. Uma alternativa de tratamento de câncer é a hipertermia. Essa técnica consiste em uma forma de tratamento de tumores por meio do calor, o qual inibe a proliferação de células malignas e estimulam a morte de células cancerosas. Entretanto, o tratamento por hipertermia apresenta apenas a capacidade de enfraquecer as células tumorais, fazendo-se necessária a combinação de um segundo tratamento de câncer para uma completa destruição de tais células. O uso de formulações contendo fármacos antitumorais e magnetolipossomas - lipossomas contendo nanopartículas magnéticas-, pode conduzir a um tratamento de câncer extremamente eficaz. Portanto, a proposta deste projeto é desenvolver uma nova formulação para o tratamento do câncer, constituída de lipossomas com nanopartículas magnéticas associadas a fármacos antitumorais com características hidrofílicas e hidrofóbicas, como gemcitabina e paclitaxel, que poderá servir como uma nova modalidade de formulação antitumoral associada à hipertermia. As nanopartículas magnéticas presentes no interior dos magnetolipossomas são responsáveis em dissipar calor no meio quando expostas a um campo magnético alternado. O dispositivo é termossensível, assim o fármaco permanece encapsulado no interior dos lipossomas até que a temperatura do meio seja aumentada. Desta forma é possível controlar a liberação do fármaco antitumoral através de um controle da temperatura do meio, resultando na entrega de fármacos em dosagens específicas para células cancerosas, sem destruir células normais. Estudos preliminares realizados pelo nosso grupo de pesquisa demonstraram que a formulação de magnetolipossomas associada aos fármacos antitumorais foi capaz de reduzir a viabilidade de células cancerosas, sendo essa redução intensificada quando aplicado campo magnético nas culturas celulares. Nesse contexto, entender os mecanismos da morte das células cancerosas e a atividade antitumoral das formulações propostas pode abrir caminho para futuras aplicações na terapia do câncer. Na primeira parte deste projeto, que se encontra em andamento em nosso laboratório, está sendo realizada a síntese e caracterização dos magnetolipossomas. Em seguida, testes in vitro realizados em células de câncer de mama humano, como o mecanismo de internalização e localização intracitoplasmática das nanopartículas serão importantes para entender a atividade antitumoral dos magnetolipossomas e fármacos associados à hipertermia. A segunda parte (testes in vivo) será avaliar a atividade antitumoral das formulações em tumor sólido de camundongos Swiss/Nude. Acreditamos que o desenvolvimento das formulações contendo associação de fármacos antitumorais aliados a hipertermia magnética propiciará uma tecnologia pioneira no Brasil para o avanço no tratamento do câncer.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 01/06/2017-30/06/2021
Foto de perfil

Rosane Angélica Ligabue

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • nanoestruturas híbridas com flavonoides e sua avaliação na atividade anticancerígena
  • O câncer é uma doença maligna e complexa e é considerado um problema de saúde mundial, sendo o mote de diversas linhas de pesquisas no mundo. Hoje em dia, a cirurgia, radioterapia, quimioterapia e imunoterapia são terapias comuns no tratamento dos diversos tipos de canceres. Estes métodos possuem diferentes graus de eficácia, no entanto, eles causam efeitos colaterais danosos e sua toxicidade pode desencadear outras doenças nos pacientes submetidos a estas terapias. Com o intuito de desenvolver novos medicamentos para o tratamento do câncer que minimizem os efeitos colaterais, diversas pesquisas estão direcionadas no uso de nanomateriais no tratamento do câncer devido a suas características relacionadas ao tamanho e biocompatibilidade. Dentro deste contexto, este projeto tem como objetivo desenvolver nanotubos de titanatos modificados com flavonoides pertencentes a família da quercetina, e avaliar sua atividade anticancerígena na terapia de câncer de bexiga.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosane Freire Boina

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • lodo de estação de tratamento de água: recuperação-reciclagem do coagulante e compostagem do sólido final
  • A gestão do lodo em uma estação de tratamento de água envolve a problemática de manejo e disposição dos resíduos formados que ainda é considerado um desafio. O volume gerado é grandioso e a características físicas - químicas limitam a destinação e a disposição final desse material. Do exposto, esse projeto de pesquisa visa contribuir com os trabalhos na área de saneamento ambiental ao propor a recuperação e reciclagem do coagulante a base de alumínio aplicados em ETAs, estudando a extração alcalina-ácida, bem como o adequado destino do sólido final ao propor a compostagem por leiras revolvidas como opção de tratamento. Será empregado um método de baixo custo, pautando-se em uma abordagem menos complexa, ambientalmente amigável. Espera-se obter a resultados compatíveis com as regulamentações e normativas vigentes para a adequada destinação/disposição final do lodo de ETA ao gerar dois produtos principais: o coagulante recuperado e o composto orgânico passível de disposição em solo.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022