Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Welter Cantanhêde da Silva

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • preparação e caracterização de nanoestruturas híbridas constituídas por magnetita, complexo de azul da prússia e perileno
  • O projeto "Preparação e caracterização de nanoestruturas híbridas constituídas por magnetita, complexo de azul da Prússia e perileno" encontra-se inserido na área de química inorgânica/química supramolecular. Neste projeto adotamos a estratégia de utilizar o complexo de azul da Prússia (Fe4[Fe(CN)6]3), nanopartículas de magnetita (Fe3O4 NPs) e perileno (PTK) com vistas na preparação, caracterização e investigação de propriedades supramoleculares de novas nanoestruturas híbridas. A combinação das propriedades supramoleculares dos materiais de interesse gera novas nanoestruturas híbridas, Fe3O4@Fe4[Fe(CN)6]3-PTK e Fe4[Fe(CN)6]3-PTK, que apresentam propriedades diferenciadas daquelas observadas por seus compostos de origem e com grande potencial para aplicação em terapia fotodinâmica e desenvolvimento de (bio)sensores eletroquímicos de baixo custo.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Wenceslau Goncalves Neto

Ciências Humanas

Educação
  • ação municipal e educação no brasil: minas gerais na primeira república
  • Nas primeiras décadas republicanas, em Minas Gerais, presenciamos uma série de iniciativas por parte do governo estadual, na forma de seguidas reformas, sendo a mais destacada a de 1906, que instituiu os grupos escolares. No entanto, diversas diligências ocorreram, da mesma forma, no nível municipal, complementares, compensatórias ou mesmo antecipatórias à ação do estado. E também encontramos nos municípios várias iniciativas de caráter privado, atendendo conclamação dos poderes públicos, beneficiando-se de estímulos e subsídios disponibilizados pelos mesmos ou seguindo motivações pessoais ligadas à benemerência ou na procura de contrabalançar a ausência educativa do poder público em seus espaços de atuação. Pelo lado dos governos municipais, podemos ver, por exemplo, que a Câmara Municipal de Uberabinha explicita uma preocupação decisiva pela instrução popular: as 4 primeiras leis aprovadas pelos vereadores em 1892 (ano em que as Câmaras são reabertas, após o período de Intendência instaurado com a República) referem-se todas à educação, incluindo Lei de Instrução e Regulamento Escolar, além de determinações com relação às aulas noturnas e à divisão do município em circunscrições literárias. Encontramos aí, dessa forma, um “plano de educação”, caracterizando o município como um território pedagógico e não apenas político-administrativo. O município pedagógico tem sido, provisoriamente, entendido como uma entidade político-administrativa possibilitada no final do século XIX pela presença de uma legislação descentralizadora da gestão do ensino e a extensão da responsabilidade para com a instrução primária aos seus limites, levando à regulamentação local dessa obrigação. No âmbito da crença no poder regenerador da educação e da difusão dos sistemas escolares, as elites locais fazem uso desse processo para a definição de uma identidade municipal e para a defesa de objetivos particulares. Esta concepção tem nos motivado a avançar o estudo da formação do sistema de instrução pública no Brasil para além da análise estadual, estendendo essa investigação aos municípios (podendo conjugar a ação privada), inicialmente tomando Uberabinha como referência. Já há alguns anos e pensando também num projeto de história da educação comparada, temos buscado identificar a categoria município pedagógico em outras cidades do estado de Minas Gerais, expandindo o levantamento em Ouro Preto, Juiz de Fora, Araguari, Uberaba, Mariana, Paracatu, Montes Claros, Diamantina, Sacramento, Araxá, Patos de Minas, Serro, Rio Pomba, Teófilo Otoni (em Oliveira, Lavras, Frutal e Campanha os trabalhos de catalogação estão em fase de finalização), onde encontramos importantes documentos que retratam os esforços pela instrução no contexto municipal. Esses resultados têm nos levado a um repensar sobre o processo de difusão dos sistemas escolares de ensino na segunda metade do século XIX e início do XX, chamando a atenção para o caráter também pedagógico do município em realidades diferenciadas do interior brasileiro, notadamente Minas Gerais, onde o estudo sobre Uberabinha (mas não apenas nele) identificou a centralidade da educação nas preocupações da edilidade e também o concurso dos particulares. O limite temporal estabelecido foi, por um lado, 1889, com o início da República e, por outro, o ano de 1930, marcado pelo final da chamada Primeira República, que será seguido por transformações mais decisivas no cenário educacional brasileiro, inclusive, pela criação do Ministério da Educação. Deve-se chamar a atenção que essas datas são apenas referenciais, podendo a pesquisa voltar-se tanto para períodos anteriores como posteriores. Em função dos resultados já alcançados, que corroboram boa parte de nossas hipóteses, propõe-se, neste momento, a retomada da documentação já compilada dos municípios pesquisados para promover-se análises complementares e/ou comparativas sobre as iniciativas pela instrução, seguida de incursões mais específicas ou complementares de levantamento de fontes em outros municípios ainda não estudados. Também serão pesquisados novos acervos documentais do Arquivo Público Mineiro (Belo Horizonte), relacionados às cidades com a documentação já organizada em nossa pesquisa, para se poder ampliar o horizonte e também as possibilidades de interpretação. Para a análise, serão utilizadas categorias comuns de análise, para se aquilatar as proximidades e os distanciamentos na formação do município pedagógico nas diferentes localidades do estado. Essas categorias vêm sendo discutidas e aprimorados pelo grupo de pesquisa nos últimos anos e permitem múltiplas “entradas” interpretativas. A documentação de quase todos os municípios pesquisados já se encontra catalogada e transcrita, pronta para utilização e a de outros com a transcrição em andamento.
  • Universidade de Uberaba - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022