Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vitor Engrácia Valenti

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • influência aguda da suplementação com base em açaí sobre a recuperação após exercício aeróbio submáximo em indivíduos com sobrepeso: análise do sistema nervoso autônomo, óxido nítrico e estresse oxidativo por meio de um estudo prospectivo, randomizado pla
  • Introdução: Intervenções não-farmacológicas para o tratamento de distúrbios cardiovasculares e metabólicos são fundamentais para reduzir a morbidade e mortalidade cardiovascular. A implementação de exercícios físicos para indivíduos com sobrepeso é relevante para a redução de riscos cardiovasculares. O uso de suplementos com o objetivo de acelerar a recuperação autonômica após exercício colabora para a diminuição de complicações cardiovasculares após o exercício. O açaí (Euterpe Oleracea Mart.) é um fruto típico e popular da região amazônica e o Brasil é seu principal produtor. Suas propriedades antioxidantes levantam a hipótese de que a ingestão de açaí antes do exercício reduz o estresse oxidativo, aumenta a biodisponibilidade de óxido nítrico e acelera a recuperação autonômica após o exercício. Além disso, a divulgação dos benefícios desse fruto pode estimular a exportação e ajudar a economia do país. Objetivo: Verificar os efeitos agudos da suplementação com açaí sobre a recuperação autonômica, estresse oxidativo e biodisponibilidade de óxido nítrico após exercício em indivíduos com sobrepeso. Método: O estudo será realizado em indivíduos adultos jovens de ambos os sexos de 18 a 30 anos de idade. Os voluntários serão divididos em grupos de acordo com sexo, índice de massa corporal (IMC) e razão cintura-estatura (CE): 1- Índice de massa corporal entre 25 e 30 kg/m2 e CE entre 0,5 e 0,55; 2- Índice de massa corporal entre 20 e 25 kg/m2 CE entre 0,4 e 0,5. Não serão analisados indivíduos com distúrbios cardiorrespiratório, neurológicos e demais comprometimentos relatados que os impeçam de realizar os procedimentos, bem como aqueles que estiverem sob medicação que influencie o sistema nervoso autônomo. Uma hora antes dos procedimentos experimentais os voluntários irão ingerir 750 mg de açaí ou placebo em cápsulas de acordo com o protocolo selecionado. O pesquisador nem o voluntário saberão se a cápsula se trata de placebo ou açaí (duplo-cego e placebo-controlado). Após a ingestão das cápsulas os voluntários permanecerão em repouso inicial sentados por 15 minutos. Após essas mensurações os voluntários realizarão exercício físico em esteira ergométrica com inclinação de 1% nos primeiros 5 minutos com FC entre 50% e 55% da FC máxima estimada (220 – idade) para aquecimento, seguido de 25 minutos com FC equivalente a 65%-70% da FC máxima estimada com a mesma inclinação. A variabilidade da frequência cardíaca e a condução elétrica dérmica serão analisados antes do exercício, aos 15-20 minutos durante o exercício e durante a recuperação após o exercício nos seguintes momentos: 5-10 minutos, 15-20 minutos, 25-30 minutos, 35-40 minutos, 45-50 minutos e 55-60 minutos. Para as mensurações bioquímicas, as amostras sanguíneas (15ml) serão coletadas antes do início do exercício, entre 1 e 5 minutos após o exercício e 60 minutos após o exercício. Serão analisadas as quantificação da peroxidação lipídica no plasma ("Thiobarbituric Acid Reactive Substances" (TBARS), a quantificação das defesas antioxidantes não enzimáticas do plasma pelo FRAP (“ferric reducing ability of plasma”) e as concentrações plasmáticas de nitrito/nitrato.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vítor Ennes Vidal

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • leishmania tarentolae como potencial modelo de superexpressão de fatores de virulência – estudo da gp63
  • O parasitismo é um dos principais problemas de Saúde Pública nos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil. No caso das leishmanioses, atualmente existem cerca de 12 milhões de indivíduos infectados, com uma estimativa de 2 milhões de novos casos por ano e 350 milhões de pessoas vivendo em condições de risco de infecção (Alvar et al. 2012). O tratamento das leishmanioses apresenta sérios efeitos colaterais e em alguns casos é ineficaz em virtude do surgimento de cepas resistentes (Machado-Silva et al., 2014; Ennes-Vidal et al., 2017). Nesse contexto, alguns importantes fatores de virulência do gênero Leishmania vêm sendo apontados como alvos promissores para o desenvolvimento de quimioterápicos, ou até mesmo de uma vacina. Dentre estes podemos destacar a GP63 (leishmanolisina), uma glicoproteína de peso molecular em torno de 63 kDa abundante nas formas promastigotas do gênero Leishmania, ancorada na membrana do parasito através de glicosilfosfatidilinositol (GPI). A GP63 possui atividade proteolítica de metalopeptidase dependente de zinco e está relacionada tanto com etapas básicas do ciclo de vida, como a degradação proteica com fins nutricionais, quanto com a patogenicidade de espécies do gênero Leishmania (d’Avila-Levy et al. 2014). Em 2012, Raymond e colaboradores relataram que a GP63 se apresenta altamente expandida no genoma de Leishmania tarentolae, um parasito isolado de lagarto não patogênico ao homem. Curiosamente, os autores detectaram a expressão da proteína em torno de 63 kDa, mas não conseguiram detectar nenhuma atividade proteolítica de GP63 em L. tarentolae. Devido seu fácil manuseio, rápido crescimento e baixo custo de manutenção, L. tarentolae vem sendo utilizada como um modelo experimental para estudos de amplificação de genes (Ouellette et al., 1991), edição de RNA (Simpson et al., 2004), produção heteróloga de proteínas eucarióticas (Basile & Peticca, 2009) e desenvolvimento de vacinas (Breton et al., 2007). Entretanto, sua utilização para expressão de fatores de virulência da própria leishmania tem sido pouco abordada. Portanto, o grande avanço obtido através do desenvolvimento de ferramentas de manipulação genética – como knockdown, knockout, superexpressão e RNAi – tem permitido estudos funcionais que visem a melhor compreensão do papel desempenhado por fatores de virulência, como a GP63 das leishmanias. Deste modo, o objetivo desse estudo consiste em superexpressar uma GP63 de L. tarentolae e expressar de forma heteróloga uma GP63 de espécies patogênicas de leishmania na própria L. tarentolae. Através de ensaios de infectividade in vitro dos mutantes gerados, da purificação da enzima para caracterização enzimática e da imunolocalização dessa molécula pretendemos melhor compreender as funções da GP63 e sua relação com a infecção. Estudos preliminares do nosso grupo voltados a caracterizar a GP63 das cepas de L. tarentolae mantidas em cultura axênica na Coleção de Protozoários da Fiocruz vêm demonstrando que a atividade proteolítica da GP63 está consideravelmente diminuída quando comparada às leishmanias patogênicas, o que pode justificar a ausência de patogenicidade dessa espécie de lagarto ao homem (Lopes, disseratação em andamento). Além disso, 4 clones de L. tarentolae mutantes de GP63 já foram gerados e validados para o desenvolvimento das demais etapas do presente projeto. For fim, este trabalho pretende também validar um modelo de expressão de fatores de virulência de parasitos eucariotos, o que poderia inclusive funcionar como uma plataforma institucional de expressão heteróloga de proteínas.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vítor Estêvão Silva Souza

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • evolução de software baseada em requisitos e ontologias
  • Evolução é um tema de grande importância na Engenharia de Software e os requisitos de software possuem papel central neste âmbito. No contexto de GORE (Goal-Oriented Requirements Engineering), muitas abordagens e ferramentas já foram propostas, no entanto falta-lhes um arcabouço semântico para lidar com problemas conceituais, como, por exemplo, sobrecarga, excesso, redundância e incompletude de construtos. Esses problemas levam a não compreensão e mal uso das linguagem GORE, além de comprometer sua expressividade. Este projeto tem por objetivo utilizar ontologias como ferramentas conceituais no domínio da Engenharia de Requisitos de Software, particularmente no contexto da Engenharia de Requisitos Orientada a Objetivos (GORE) e com foco em questões relacionadas à Evolução de Software. Dentre os resultados esperados, destacam-se: interoperabilidade semântica entre linguagens GORE e abordagens para desenvolvimento de sistemas adaptativos, proposta de linguagem GORE unificada, métodos e ferramentas para gerência de configuração e evolução de software, bem como para o desenvolvimento de sistemas adaptativos, além das ontologias de núcleo e de domínio associadas. Acredita-se que esses resultados terão forte impacto em futuras pesquisas nos domínios analisados.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vitor Hugo Borba Manzke

Outra

Divulgação Científica
  • o impacto das feiras de ciências nas comunidades escolares do ensino básico como ação de divulgação e popularização das ciências
  • A comunidade científica tem tido a preocupação de trabalhar na comunicação e divulgação da ciência, contribuindo para uma ciência mais aberta, mais humanista, e para a compreensão científica de todos os cidadãos. Neste contexto assumem relevância os espaços, equipamentos e estruturas que contribuem para o referido desiderato, em particular, as Feiras de Ciência têm tido um relevante papel no acesso informal à ciência da sociedade em geral e das escolas em particular. O Programa Núcleo de Estudos em Ciências e Matemática – PRONECIM, é um Programa de Pesquisa e Extensão pertencente ao Campus "Visconde da Graça", do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul Rio-grandense - CaVG/IFSul. Foi criado em 2007 com a finalidade de desenvolver ações de Pesquisa e extensão no âmbito do ensino básico, na área de ensino, na formação de professores, e na promoção de eventos científicos. O principal objetivo constituiu-se em congregar atividades interdisciplinares com ênfase nas Ciências da Natureza e na Matemática, a Popularização e a Divulgação das Ciências. Para o desenvolvimento das ações o Programa criou a Rede Regional para o Ensino de Ciências e estabeleceu parceria com as Coordenadorias de Educação da Região – 5ª e 18ª CREs/RS, as Secretarias de Educação dos municípios da Região Sul do Estado, a Associação dos Municípios da Zona Sul do RS, e com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação - UNDIME/RS. A experiência vivenciada na Rede Regional permitiu buscar parcerias internacionais e foi possível criar a Rede Internacional do Ensino de Ciências e Tecnologias na Educação – RIECITE, que faz parte a Universidade de Concepción/Chile, o Politécnico de Bragança e a Universidade do Minho de Portugal, e a Universidade de León/Espanha. A partir da realização dos cursos de formação surgiu a necessidade da realização de eventos científicos que possibilitassem trocas de experiências entre alunos e professores. O PRONECIM passa então a promover o Simpósio Sul Rio-grandense de Professores de Ciências e Matemática e a Feira de Ciências e Mais Saberes - FECIMES visando ampliar a popularização e divulgação das ciências em meio ao ensino básico. O contato direto com os alunos e professores, durante todo o ano, e os relatos ouvidos neste ambiente, permitiu-nos considerar que a Feira deva estar influenciando na decisão profissional e/ou no cotidiano dos alunos que atuam como alunos/pesquisadores, assim como na vida dos professores/orientadores dos primeiros. Outra questão que se levanta é conhecer o que aconteceu com o investimento financeiro do CNPq, MCTI, SEB/MEC, entre outros órgãos fomentadores? Qual o retorno social deste investimento? São perguntas que nos animaram a pleitear a participação no âmbito desta Chamada Universal, concorrendo aos recursos que tornarão possível o desenvolvimento deste projeto de pesquisa que tenta responder uma questão ampla, mas que engloba todas as demais inquietudes. Prioritariamente nos questionamos se: As Feiras de Ciências impactam a sala de aula do ensino básico? Para isso, nosso objetivo é conhecer o impacto produzindo pela FECIMES no ensino básico, na área de abrangência da AZONASUL, e de Feiras de ciências ocorrentes no espaço das instituições parceiras em nível internacional. Organizamos o projeto visando como público alvo os alunos/pesquisadores e os professores/orientadores atuantes prioritariamente na FECIMES e, em uma ação secundária, os que atuam nas feiras realizadas nos demais países. Temos por hipótese que há impacto positivo na vida dos alunos em sua vida futura e que o mesmo acontece com os professores/orientadores, que buscam a qualificação profissional em cursos de pós-graduação. Mas para entendermos o processo e validarmos, ou não, esta hipótese estruturamos o projeto de pesquisa a partir de uma análise qualitativa que se suportará em um levantamento quantitativo. O instrumento para levantamento dos dados necessários a produção da resposta à questão investigatória ocorrerá será um questionário semi-estruturado a ser aplicado para os indivíduos pertencentes ao público alvo nos ambientes brasileiro e dos demais países participantes.
  • Instituto Federal Sul-Rio-Grandense - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vitor Hugo Borba Manzke

Ciências Humanas

Educação
  • 8ª fecimes - feira de ciências e mais saberes
  • A FECIMES - Feira de Ciências e Mais Saberes é promovida pelo Programa Núcleo de Estudos em Ciências e Matemática - PRONECIM/CaVG/IFSul, e em 2019 estará cumprindo sua 8ª Edição. É um evento científico que reúne os experimentos desenvolvidos por alunos do ensino básico orientados por seu professor. O objetivo principal da FECIMES é proporcionar aos alunos do ensino básico em todos os níveis, a EJA e a Educação Inclusiva, além de professores, futuros professores e alunos da pós-graduação, compartilharem o mesmo espaço demonstrando avanços do processo ensino-aprendizagem através de experimentos que dão significância aos conteúdos estudados em sala de aula. Os experimentos apresentados na Feira devem, obrigatoriamente, ser produto oriundo da significância dada pelos alunos aos conteúdos desenvolvidos na sala de aula, onde interagem o professor e os alunos responsáveis pelo experimento. Nesta edição a novidade fica por conta da estimulação das meninas à participarem da Feira, para isso está sendo criado o prêmio Menina Pesquisadora. A FECIMES estrutura-se em 3 etapas sequenciais. A 1ª Etapa ocorre no interior das escolas - FECIMES/Escolar. Os vencedores desta 1ª etapa, participaM da 2ª Etapa que é a FECIMES/Municipal, e a 3ª Etapa é FECIMES fase Regional que reúne os trabalhos vencedores na Etapa Municipal. A etapa Regional da Feira ocorre anualmente em Pelotas/RS, e em 2019, como já ocorreu em 2018, fará parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia - SNCT, no mês de outubro. O evento é aberto a todos os níveis do ensino básico e está dividido em 4 Categorias (Ciências da Natureza e Matemática; Ciências Humanas; Linguagens; e Educação Infantil) organizadas em 6 Subcategorias: Educação Infantil; Anos Iniciais; Anos Finais; Ensino Médio - Médio/Técnico; e se complementa com apresentação de experimentos desenvolvidos em outras duas Subcategorias: EJA e Educação Inclusiva. Ao reunirmos cerca de 80 trabalhos, 160 alunos e 80 professores, além do público visitante, estaremos proporcionando um espaço de popularização e divulgação das ciências. Desta forma, esperamos estar contribuindo significativamente com o processo ensino aprendizagem na escola e no ambiente da sociedade. Considerando sua área de abrangência e participação desde o ambiente da FECIMES/Escolar, temos a projeção de que estarão envolvidos diretamente na 8ª FECIMES, mais de 14.000 pessoas, das comunidades escolares de nossa Região Sul do Rio Grande do Sul.
  • Instituto Federal Sul-Rio-Grandense - RS - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020