Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Tatiana Bendo

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • efeito da adição de camada enriquecida com molibdênio sobre o comportamento tribológico de compósito autolubrificante fe-0,6c-3sic.
  • As atividades de pesquisa propostas neste trabalho visam a investigação do desempenho da deposição/crescimento de camadas sobre amostras de material compósito autolubrificante (Fe + 0,6C + 3SiC) produzidas por metalurgia do pó (MP). As amostras serão produzidas a partir da moldagem de pós por injeção (MPI) e sinterização concomitante com enriquecimento da superfície com molibdênio. Esse processo é realizado em descarga luminescente em regime anormal, usando a configuração ânodo-cátodo confinado. Nesta configuração a amostra funciona como ânodo, sendo que o cátodo pode ser construído de algum material metálico que se deseja enriquecer a amostra, no presente caso, o cátodo para enriquecimento com molibdênio é construído de Mo puro (liga TZM – 99,8 % em massa de Mo). Através da pulverização catódica, utilizando condições de plasma adequadas, é possível introduzir elementos metálicos na fase gasosa e promover o enriquecimento superficial com estes elementos químicos na superfície da amostra. Nesse processo é obtida uma camada de alguns micrometros, enriquecida com o elemento de liga Mo, que por sua vez, gera endurecimento dessa região por formação de solução sólida, ou formação de novas fases. Assim, simultaneamente à sinterização a plasma, pode-se gerar no material, uma camada superficial enriquecida com o elemento de liga, com propriedades melhoradas, mantendo-se o núcleo (substrato) dúctil e tenaz. Esta modificação microestrutural da superfície pode ser interessante do ponto de vista tecnológico, pois se tem a melhoria das propriedades mecânicas somente na superfície, onde os componentes sofrem, principalmente, a ação de desgaste por movimento relativo ou corrosão. Além disso, também para fins comparativos, serão produzidas amostras onde o volume total da amostra tem a mesma composição química da superfície das amostras enriquecidas (Fe + 0,6C + 3SiC + xMo). O objetivo do trabalho é avaliar as modificações microestruturais obtidas com o enriquecimento superficial de materiais autolubrificantes e como elas afetam as propriedades do material. Para isso, as amostras serão analisadas por microscopia ótica (MO), microscopia eletrônica de varredura (MEV) e de transmissão (MET). A análise das fases presentes se dará por difração de raios X. Também serão realizadas medidas de densidade, microdureza e interferometria ótica. Por fim, serão realizados ensaios tribológicos para avaliar a durabilidade e o coeficiente de atrito das amostras.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana de Arruda Campos Brasil de Souza

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • caracterização estrutural e funcional de l-asparaginase humana modificada, asrgl1-g10
  • Enzimas asparaginases são um dos componentes essenciais ao tratamento da leucemia linfoide aguda nos últimos 40 anos. Uma asparaginase atua fazendo a depleção da asparagina circulante no plasma, a qual é essencial para a sobrevivência das células leucêmicas. Em contraste às células normais, essas células tumorais apresentam deficiência na habilidade em sintetizar de novo a asparagina e dependem do aminoácido extrínseco a elas para sua proliferação. Atualmente três asparaginases são utilizadas terapeuticamente: L-asparaginase II nativa de Escherichia coli, uma forma PEGuilada dessa enzima e L-asparaginase isolada de Erwinia chrysanthemi. As asparaginases bacterianas estão associadas a diversos efeitos colaterais em virtude a sua alta toxicidade e imunogenicidade. A inclusão de L-asparaginase humana (ASRGL1) no tratamento da leucemia linfoide aguda poderia solucionar grande parte dos problemas enfrentados com as enzimas bacterianas. Entretanto, constitui-se uma solução desafiadora, pois a enzima humana é somente ativa após uma etapa de autoclivagem, que apresenta uma baixa eficiência in vitro, reduzindo sua atividade enzimática. Nosso grupo desenvolveu a primeira variante de ASRGL1 com capacidade intrínseca de hidrolisar L-asparagina in vitro com atividade 50 vezes maior que ASRGL1. Esta invenção está depositada no INPI sob o código BR1020180010336 e também junto ao Tratado de Cooperação de Patentes (PCT, internacional), N° BR2019 050017. O emprego de uma L-asparaginase humana no tratamento de LLA implica em diversas vantagens clínicas, sendo a produção de uma asparaginase humana com capacidade autocatalítica otimizada o primeiro passo no caminho para tornar seu uso no tratamento de leucemias uma realidade. A execução da presente proposta permitirá finalizar a caracterização estrutural e funcional dessa molécula inovadora desenvolvida pelo nosso grupo. Essa caracterização é importante para avaliar a estabilidade e toxicidade em estudos pré-clínicos, fundamentais para o invento se tornar efetivamente um medicamento.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PR - Brasil
  • 05/12/2019-31/12/2021
Foto de perfil

Tatiana de Castro Amato Locatelli

Ciências Humanas

Psicologia
  • educação para redução de riscos do uso de álcool por adolescentes: desenvolvimento de um programa brasileiro.
  • Diante da lacuna de programas preventivos alinhados ao modelo educacional brasileiro, este projeto tem por objetivo desenvolver atividades para compor um programa brasileiro voltado para redução dos riscos relacionados ao consumo de álcool por adolescentes a partir dos seguintes objetivos específicos: (1) consolidar as bases teóricas do programa (2) estruturar atividades que irão compor o programa brasileiro a ser desenvolvido, em conformidade com as exigências técnico científicas, as necessidades da nossa cultura e da educação pública do 8º ano do ensino fundamental II. A pesquisa será dividida em duas etapas subsequentes sendo a primeira uma revisão integrativa da literatura científica internacional sobre as bases teóricas de programas educacionais sobre álcool e a realização de um Learning Alliance (parte 1) para construção da proposta preventiva, a partir da formação de um comitê consultivo com pessoas envolvidas com o público alvo da intervenção (estudantes, familiares, professores, diretores, coordenadores pedagógicos e outros funcionários da escola, especialistas e gestores de políticas públicas). A segunda etapa terá como base a pesquisa-ação, que está dividida em dois tipos de atividades: oficinas pedagógicas nas escolas, onde serão criadas e avaliadas as ações práticas que irão compor o programa e a continuação do Learning Alliance (parte 2) para consolidação das ações que foram testadas nas oficinas. Além de contribuir com a literatura científica na área, o projeto desenvolverá uma proposta para responder a uma lacuna da educação brasileira relativa a educação sobre álcool.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Dillenburg Saint'Pierre

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • avaliação da distribuição de metais e de metaloporfirinas em sedimentos da baía de guanabara, rj, para fins de monitoramento ambiental.
  • A Baia de Guanabara, no Rio de Janeiro, é um ambiente estuarino com influência marinha, onde cerca de 55 rios desaguam, com alto tráfego de barcos e navios e localizada próxima das regiões produtoras de petróleo. O aporte de contaminantes na baía vem sendo apontado como um risco para a biota local e para seus consumidores, assim como para as pessoas que manuseiam os sedimentos superficiais em técnicas de dragagem (Silveira et al., 2017; Aguiar et al., 2016; Soares-Gomes et al., 2016). A porção noroeste da bacia hidrográfica da Baía de Guanabara recebe os efluentes da maioria das indústrias do polo industrial da região metropolitana do Rio de Janeiro, sendo os rios Meriti, Iguaçu e Estrelas, os principais receptores. Diferentes autores apontaram alta toxicidade nos sedimentos dessa região para a biota aquática (MORAES et al., 2000; MARANHO et al., 2010), bem como para a terrestre, em contato com sedimento dragado disposto no solo (Cesar et al. 2017). De forma geral, o ambiente anóxico e a lenta circulação das águas da baía permitem a estabilização e acumulação de metais tóxicos, como Ni, Cd, Cr, Pb, e Hg nos sedimentos, na forma de sulfetos, oxihidróxidos e associados à matéria orgânica. Sabe-se também, que diferentes espécies metálicas apresentam diferentes toxicidades e o entendimento dos processos de mobilização e conversão de espécies de metais tóxicos em ambientes marinhos e estuários é relevante para se propor ações de remediação. Metais associados a frações biodisponíveis podem ser tóxicos à biota aquática, como por exemplo, Ni, que apresenta alta toxicidade para invertebrados e vertebrados, por bloquear os canais de absorção de Ca2+ e Mg2+, através de mecanismos ainda pouco conhecidos (Blewett and Leonard, 2017). Assim, para que haja a compreensão da mobilidade de metais em sedimentos, são necessárias técnicas de extração sequencial para a determinação dos metais ligados a frações distintas. O fracionamento de metais entre as formas biodisponíveis mostra que alguns elementos, como Ni e Cu, se encontram predominantemente na fração orgânica (Cordeiro et al., 2015; Gissi et al., 2016). As técnicas de fracionamento empregam a extração sequencial com soluções ácidas ou redutoras, extraindo e estabilizando o metal na sua forma catiônica ou aniônica. Essas técnicas permitem a investigação prévia da fração concentradora, mas não permitem a determinação do metal na sua forma original. Os metais associados à matéria orgânica podem ter origem antropogênica, considerando que a contaminação por metais na Baía de Guanabara é cerca de 80 % de origem industrial. Em particular, Ni e V são resíduos comuns do refino de petróleo, por estarem presentes em concentrações acima do mg kg-1 em óleos brutos. A ocorrência de Ni e Vi no petróleo se deve à sua complexação com porfirinas, que são núcleos tetrapirrólicos (Caumette et al., 2009). Tetrapirróis são os componentes principais de sistemas respiratórios em seres vivos, sendo esses associados ao Fe (hemoglobina) ou ao Mg (clorofila). A substituição desses por V e Ni em óleos e xistos como derivados de tetrapirróis é uma consequência da degradação da hemoglobina, clorofila e bacterioclorofila durante a diagênese sedimentar dos detritos de organismos vivos, quando submetidos ao estresse termal, durante os processos de maturação do óleo. (Ocampo et al., 1984, 1993). As petroporfirinas se dividem em famílias e com alto grau de complexidade nos óleos, resultando em séries homólogas, que necessitam de técnicas modernas para sua identificação e quantificação. As concentrações de V e Ni são empregadas em estudos sobre a geoquímica do petróleo ou para evitar o envenenamento de catalisadores. A espectrometria de massa com plasma indutivamente acoplado (do inglês, ICP-MS) é uma técnica multielementar que pode ser usada para determinação de elementos em matrizes orgânicas, após diluição em solventes e com o mínimo de preparo de amostra (Duyck, 2007; Poirier, 2016). Por outro lado, a separação das metalo-petroporfirinas é feita com o uso da cromatografia líquida de alta eficiência (do inglês, HPLC), que pode ser facilmente hifenada ao ICP-MS. Recentemente, a HPLC em fase reversa C18 com uma fase móvel de metanol e metanol tolueno, hifenada ao ICP-MS, permitiu separar e quantificar VO-petroporfirinas em frações de porfirinas obtidas a partir de óleos brutos. O preparo de amostra, nesse caso, é feito por cromatografia líquida preparativa com sílica gel (Wandekoken, 2016). Em áreas contaminadas por esgotos domésticos e pela atividade petrolífera, as porfirinas podem ter origens complexas, como a degradação de organismos vivos que se misturam com o chorume (clorofila, protoporfirinas). A determinação de Ni-porfirinas em um extrato de sedimentos da Baía de Guanabara foi feita por HPLC-ICPMS, após extração Soxhlet com tolueno (Duyck et al., 2011). Os sedimentos foram obtidos em perfil de 16,5 cm numa área estuarina que recebe efluentes do rio Meriti. Esse primeiro resultado mostrou a eficiência da metodologia e despertou a necessidade de se estudar Ni, mas também outros metais que possam estar ligados à matéria orgânica. A escolha de solventes para extração de porfirinas pode resultar na extração de outros tetrapirrós como as clorofilas, com uma mistura de tolueno:metanol (3:1), por exemplo. No entanto, o uso do detector de diodos (HPLC) em 400 nm, específico das porfirinas e do ICP-MS para detecção e quantificação do elemento, permite a seletividade para metaloporfirinas. As porfirinas complexadas a outros metais como Cu, Zn, serão também investigadas.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Emanuelli

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • micronização do bagaço de oliva fracionado granulometricamente: aumentando a solubilidade de compostos bioativos para potencializar seu uso na nutrição humana e no arraçoamento animal
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Helena Rech

Ciências da Saúde

Medicina
  • valor prognóstico do gap glicêmico em pacientes criticamente doentes
  • Alterações endocrinológicas têm mostrado associação com prognóstico de pacientes criticamente doentes (1). A hiperglicemia é uma resposta metabólica compensatória ao estresse agudo e sua presença reflete o desenvolvimento de resistência à ação da insulina, sendo um sinal de prognóstico desfavorável em pacientes críticos (2, 3). Muito tem se estudado sobre o manejo dos níveis glicêmicos de pacientes internados em unidade de terapia intensiva (UTI), porém estudos com resultados controversos impedem que haja um consenso sobre o controle glicêmico ideal (4-11). Nesse sentido, a pergunta que se impõe não é se o controle glicêmico deve ser feito, mas sim quais alvos glicêmicos devam ser buscados, para assegurar benefício com baixas taxas de efeitos adversos, como a hipoglicemia por exemplo (8). Um grupo particular de pacientes em UTI são os pacientes com diabetes melito (DM). Estudos sugerem que um controle glicêmico moderado (90-140 mg/dl), associa-se a um maior risco de morte em pacientes não diabéticos quando comparado ao controle glicêmico intensivo (80-110 mg/dl), mas a um menor risco de morte em pacientes com DM (12). A hiperglicemia crônica do paciente com DM parece gerar um acondicionamento celular protetor contra o dano mediado pela hiperglicemia aguda durante a doença crítica. Esse mecanismo de acondicionamento celular consistiria na redução da expressão do transportador de glicose-1 (GLUT-1) e do transportador de glicose-4 (GLUT-4) devido à exposição crônica à hiperglicemia, o que protegeria contra a toxicidade mediada pela sobrecarga celular de glicose (13). Assim, os níveis de glicemia seguros e desejáveis para alguns grupos de pacientes podem não ser os mesmos para pacientes com DM com controle metabólico inadequado expostos à hiperglicemia crônica. A hiperglicemia é sabidamente deletéria e está associada à fraqueza muscular adquirida na UTI, uma grave sequela da doença crítica, de forma independente e pouco estudada (14). A maneira como a glicose lesa os tecidos neuromusculares não é clara, mas a glicotoxicidade está associada à inflamação, extresse oxidativo, disfunção mitocondrial com redução da capacidade de síntese aeróbica de ATP, ativação de caspases e apoptose (15). A despeito disso, não há consenso sobre o controle glicêmico adequado em pacientes criticamente doentes. Evidências sugerem que a implementação de protocolos para controle glicêmico deva ser individualizada, principalmente levando-se em consideração se o paciente é previamente diabético ou não (16, 17). Desta forma, a medida da hemoglobina glicada (HbA1c) pode ter papel importante na admissão de pacientes na UTI, individualizando as metas glicêmicas e permitindo calcular o gap glicêmico, já sugerido como fator prognóstico em alguns cenários de doença não crítica (18, 19). Gap glicêmico é a diferença entre a glicemia na admissão na UTI e a glicemia média estimada a partir do valor de HbA1c. Sendo assim, o objetivo principal deste projeto é investigar o valor prognóstico do gap glicêmico como preditor de desfechos desfavoráveis em pacientes internados em UTI (como mortalidade, tempo de internação, tempo de ventilação mecânica e desenvolvimento de fraqueza muscular adquirida na UTI) e a sua relação com a expressão de citocinas plasmáticas e com a expressão dos genes do receptor da insulina (INSR), GLUT-1 e GLUT-4, potencialmente envolvidos no desenvolvimento de fraqueza muscular adquirida na UTI. Para tanto, serão feitas dosagens séricas de glicemia e HbA1c e dosagens plasmáticas das citocinas, como tumor fator de necrose tumoral (TNF), interleucina-1β (IL-1β), interleucina-6 (IL-6), interleucina-8 (IL-8), interleucina-10 (IL-10), interleucina-17 (IL-17) e interferon-γ (INF-γ) em todos os pacientes admitidos na UTI durante o período do estudo, além da dosagem da expressão dos genes INSR, GLUT-1 e GLUT-4, por meio de técnica de PCR em tempo real em material de biopsias de tecido muscular em 50 pacientes. Ainda, será realizada uma revisão sistemática com metanálise de estudos de gap glicêmico em paciente criticamente doentes para investigar sua associação com desfechos desfavoráveis. Além disso, serão empregadas técnicas inovadoras de análise de dados em Medicina, como o aprendizado de máquina (do inglês, machine learning) para a construção de algoritmos que possam predizer desfechos de pacientes criticamente doentes com maior precisão. Dentro da perspectiva da medicina de precisão e de análises de Data Science e aprendizado de máquina, a identificação de um valor de gap glicêmico que se associe com maior incidência de desfechos desfavoráveis poderia ser uma ferramenta para auxiliar na escolha de alvos de controle glicêmico personalizados para cada paciente, reduzindo assim o risco de potenciais eventos adversos iatrogênicos, principalmente episódios de hipoglicemia. Além disso, a relação entre hiperglicemia de estresse (medida pelo gap glicêmico), inflamação e a expressão de genes INSR, GLUT-1 e GLUT-4, potencialmente implicados no desenvolvimento de fraqueza muscular adquirida na UTI, nunca foi estudada.
  • Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Rodrigues de Moura

Ciências Biológicas

Imunologia
  • investigar o papel do trem na infecção por l. infantum
  • A leishmaniose visceral (LV) afeta de forma considerável a população mundial, constituindo um grande impacto na saúde pública. O Brasil concentra 96% dos casos de LV das Américas e, apesar dos esforços para o controle da doença, dos anos 2000 a 2016, a letalidade aumentou de 3,2% para 7,4%. Em Sergipe, em 2016 foi observado 20,4% de letalidade na LV (BRASIL, 2017). Para a redução da transmissão e da morbimortalidade no Brasil, o Programa de Vigilância e Controle da LV do Ministério da Saúde, recomenda o aperfeiçoamento dos procedimentos diagnósticos e a disponibilidade oportuna de medicamentos (BRASIL, 2014). A identificação precoce dos pacientes que poderão evoluir com gravidade é de fundamental para redução da letalidade. Os pacientes com LV apresentam imunossupressão e uma forte resposta inflamatória sistêmica com capacidade limitada de controle de replicação dos parasitas. Mecanismos relacionados à desregulação da resposta inflamatória e vias de morte de células de defesa imune podem estar envolvidos na patogênese e prognóstico da LV (QUINTELA-CARVALHO et al., 2017). O reconhecimento dos patógenos é o primeiro passo para o desenvolvimento de uma reposta imunológica. Neste sentido, células da imunidade inata expressam vários receptores de superfície celular e moléculas de sensoriamento intracelulares que permitem o reconhecimento autônomo de padrões moleculares associados à patógenos (PAMPs), que dão início à reposta pró-inflamatória contra antimicrobianos (WEBER et al., 2014). Receptores Toll-like (TLR) e Node-like (NLR), que reconhecem um grupo diverso de estruturas microbianas altamente conservadas, representam dois grandes exemplos de receptores da imunidade inata com funções de ativação (ABBAS, LITCHAMAN, PILAI, 2008). Contudo, no ano de 2000, Bouchon, Dietrich; Colonna identificaram um novo grupo de receptores da imunidade inata, conservado evolutivamente, sendo chamados de Triggering Receptor Expressed Myeloid Cells (TREM) (BOUCHON; DIETRICH; COLONNA, 2000). Desde então, este grupo de receptores vem sendo estudado e caracterizado. A ativação do TREM-1 tem se destacado em pesquisas recentes, e, resulta na produção de uma variedade de citocinas pró-inflamatórias que amplificam a resposta imune inata e adaptativa (BOUCHON, et al., 2000; WEBER et al., 2014). O TREM-1 promove a resposta inflamatória às bactérias e ao lipopolissacarídeo do ligante TLR4 (LPS), atua em sinergismo com TLR2 e TLR4. Em contraste, o TREM2 e o TREML1 suprimem os sinais induzidos por TLR e protegem contra a autoimunidade (GUERREIRO et al., 2013; JONSSON et al., 2013; WASHINGTON et al., 2009). Os ligantes para os receptores TREM permaneceram em grande parte desconhecidos; no entanto, vários relatórios sugerem que os receptores TREM podem se ligar a moléculas microbianas e hospedeiras. O TREML4 se liga a células apoptóticas e necróticas tardias , enquanto o TREM1 e o TREM2 reconhecem ligantes aniônicos de bactérias (HEMMI et al., 2009; N’DIAYE et al., 2009). O TREM-1 é um receptor de superfície celular constitutivamente expresso em neutrófilos e monócitos e desempenha um papel fundamental na resposta imune inata, sendo capaz de amplificar e regular a resposta inflamatória. Adicionalmente, o TREM-1 pode ser produzido na sua forma solúvel (sTREM-1), o qual pode ser utilizado como um biomarcador indireto de inflamação sistêmica, concentrações elevadas de sTREM-1 foram detectadas em pacientes com infecções, enquanto um declínio sérico de sTREM-1 indicou evolução clínica favorável do choque séptico, o que sugere que a forma solúvel regula negativamente a ativação do TREM-1 por competir com os ligantes do TREM-1 (GIBOT et al., 2004, 2007; JEDYNAK et al., 2017). Em dados recentes publicados pelo nosso grupo, níveis séricos elevados de sTREM-1 foram associados a gravidade em pacientes com LV, vimos, ainda, que neutrófilos infectados com L. infantum apresentam a liberação de sTREM-1 correlacionada com aumento da carga parasitária (BOMFIM et al., 2017). Em pacientes com LV foi observado a redução deste receptor na superficie de neutrofilos . Por outro lado, a inibição farmacológica da apoptose de neutrófilos induz a morte inflamatória durante a infecção por L. infantum, o que pode esta favorecendo a disseminaçao do parasita e a intensa inflamação (QUINTELA-CARVALHO et al., 2017. Recentemente, foi demonstrado que a sinalização da via TREM-1 em infeções por HIV, inibe a apotose da celula infectada, favorecendo a permanência do virus. Além disso a via do TREM-1 upregula o RNA de interferência mir-155, que é alvo do suppressor of cytokine signaling-1 (SOCS-1), diminuindo a ativaçõa de macrofagos (YUAN,et al.,2016). Nesta proposta, pretendemos avaliar se a via do TREM -1 é importante para o estabelecimento da leishmania em neutrófilos e macrófagos, modulando a resposta microbicida , e, se esta a modulação da via do TREM-1 pela Leishmania esta associada aos mecanismos de morte celular inflamatório. Os resultados obtidos poderão auxiliar na identificação de moléculas relacionadas a gravidade da LV, lançando uma nova luz na compreensão de como as respostas inflamatórias inatas são reguladas, abrindo perspectivas para novos alvos para desenvolvimento de procedimentos diagnósticos, novas abordagens imunoprofiláticas e imunoterapêuticos na LV ,que beneficiarão as populações de áreas endêmicas, no que diz respeito ao controle e tratamento da doença.
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Schor

Ciências Humanas

Geografia
  • da metrópole na selva a região metropolitana: diagnóstico do perfil urbano dos municípios da região metropolitana de manaus - amazonas.
  • A Região Metropolitana de Manaus, foco deste estudo, foi criado em 2007. Em um primeiro momento foi constituída com 7 municípios e atualmente é composta por 13 municípios limitrofes a capital Manaus. Ocupa um território de 127.170 km2, característica espacial que implica em distancias muitas vezes maiores que diversos países. Apesar de ter mais de 10 anos ainda tem-se poucos estudos sobre a articulação entre os municipios que compõem a RMM. Assim sendo esta proposta de pesquisa visa realizar um diagnóstico do perfil urbano dos municípios da RMM, elaborar uma tipologia e contribuir para a discussáo sobre este recorte espacial na academia e subsidiar políticas relativas a implantação da RMM. Para alcançar estes objetivos a proposta está dividida em Etapas que apresentam metas específicas e produtos a serem elaborados, sintetizados abaixo: Etapa 1 _ Coleta de Dados_Perfil Urbano. META 1: Construção de uma tipologia urbana da RMM. Produto 1: Relatório parcial de pesquisa contendo os resultados obtidos na Etapa 1. Etapa 2_ Produção de Material Técnico Científico. META 2: Produção de Material didático e de comunicação. Produto 2: Um Atlas do Perfil Urbano da Região Metropolitana de Manaus. Etapa 3_ Comunicação e Capacitação de Recursos Humanos. META 3: Capacitação de recursos humanos na esfera municipal e estadual. META 4: Capacitação de recursos humanos na UFAM, UEA, SIPAM e FVA. Produto 3: Material a ser utilizado nos Cursos de Formação de Observadores da RMM; Produto 3b: Relatório de Finalização dos Cursos de Formação de Observadores da RMM por município. Para que se realize estas etapas este projeto conta com a parceria de duas universidades, Universidade Federal do Amazonas e a Universidade do Estado do Amazonas, uma ONG Fundação Vitoria Amazônicae o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAM. Espera-se contribuir com o conhecimento da Região Metropolitana de Manaus, capacitar pessoal técnico nos municípios e recursos humanos na UFAM e UEA, e subsidiar políticas adequadas para o desenvolvimento sustentável da região, em especial, na formulação do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de Manaus.
  • Universidade Federal do Amazonas - AM - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Tavares Carrijo

Ciências Biológicas

Botânica
  • redescobrindo espécies ameaçadas em ucs da floresta atlântica: bases para gestão, conservação e acesso à informação
  • Este projeto tem, como ponto focal, as espécies de plantas embriófitas (Briófitas, Licófitas, Samambaias, Gimnospermas e Angiospermas) ameaçadas (CR, EN, VU) e com dados deficientes (DD) ocorrentes em três Unidades de Conservação (UCs) inseridas no Domínio da Floresta Atlântica. Estas UCs porém, diferem quanto ao histórico de criação e desenvolvimento do conhecimento sobre sua flora. São elas: o Parque Nacional do Itatiaia (PNI), o Parque Nacional do Caparaó, e 3) a Floresta Nacional do Rio Preto (Flona RP). Essas diferenças se refletem, atualmente, na quantidade e qualidade de informação disponível para as espécies vegetais protegidas por essas UCs devido aos esforços de coleta diferenciados realizados para cada uma. A motivação de incluir as referidas UCs na presente proposta é oportunizada pela Chamada CNPq/ICMBio/FAPs nº18/2017. Ela tem como origem a percepção de que disponibilizar o conhecimento gerado em décadas de pesquisas conduzidas pelos integrantes e instituições incluídos nesta proposta é de grande importância. Tal conhecimento precisa se tornar prontamente acessível não somente para o público especializado tais como gestores, pesquisadores, educadores, alunos de graduação e de pós-graduação, técnicos; mas fundamentalmente para o público em geral, como as comunidades locais e os visitantes das UCs. Nosso objetivo é prover as UCs contempladas na proposta com uma lista atualizada de espécies, a partir da qual será possível quantificar a riqueza de táxons conhecidos protegidos por cada uma. Cada táxon categorizado sob algum status de ameaçada ou com dados deficientes segundo a Portaria do MMA 443/2014 terá um material testemunho associado, que poderá ser utilizado como referência para sua identificação. A partir da lista de espécies ameaçadas (e DD categorizadas), serão selecionadas as espécies que foram coletadas pela última vez há mais de 30 anos, que foram coletadas uma única vez. Essas espécies são conhecidas por um único registro de herbário, ou até foram coletadas mais de uma vez, porém sempre na mesma localidade da UC. Para essas espécies, serão realizadas expedições visando a localização, o georreferenciamento e a quantificação da abundância de suas populações a campo. Isso nos permitirá reavaliar o risco de ameaça destas espécies segundo os critérios da IUCN, e indicar possíveis vetores de pressão à essas espécies dentro das UCs. Uma a duas espécies, por UC, serão selecionada(s) para um estudo mais detalhado, incluindo aspectos de sua biologia reprodutiva, genética (marcadores moleculares) e citogenética (número de cromossomos e conteúdo de DNA nuclear), visando investigar a manutenção dos processos ecológicos de suas populações. Esta abordagem visa, sobretudo, criar bases e encorajar a comunidade científica a desenvolver estudos ecológicos semelhantes com as espécies nas demais ameaçadas protegidas por estas UCs. Para garantir amplo acesso do público especializado e geral, todo o conhecimento gerado será disponibilizado on line seguindo o modelo estruturado no Portal de Dados do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, permitindo a disponibilização e o uso imediato das informações pelo ICMBio via SISBIO e Portal da Biodiversidade, além do SiBBr e do CNCFlora.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 11/12/2017-31/12/2020
Foto de perfil

Tatiane Almeida de Menezes

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • índice de custo de vida multilateral para população brasileira de baixa renda
  • O objetivo do trabalho consiste em calcular um índice que meça o diferencial de Custo de Vida (CV) das famílias brasileiras de baixa renda levando em consideração tanto a dimensão temporal como as peculiaridades regionais. Como está descrito em FEENSTRA et. al. (2015), a teoria dos números índices possui duas ramificações no que diz respeito ao número de períodos ou de regiões a serem comparados. Os números índices são definido como bilateral, quando deseja-se medir a variação do custo de vida em dois períodos de tempo. Por sua vez, o números-índices multilaterais, compara a variação na cesta de consumo entre mais de duas regiões. Os índices de preços em geral, como, por exemplo, tanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) medem a variação dos preços entre dois períodos consecutivos, tendo seus resultados encadeados seqüencialmente. Se na perspectiva da análise temporal existe uma ordenação natural de períodos que constituem uma série temporal, o mesmo não pode ser dito no âmbito da análise territorial, em que são comparadas várias áreas simultaneamente. Um número-índice com esta finalidade deve ser necessariamente multilateral. O presente trabalho, emprega o método CPD proposta por, a construção do Índice de Custo de Vida Real (ICVR) para a população de baixa renda das cidades brasileiras. Como discute FEENSTRA et. al. 2013, o termo “real” gera uma certa confusão quando aplicado a índices multilaterais. Em geral, o Índice de Custo de Vida Real (ICVR) é empregado para obter o diferencial de custo de vida entre as regiões e não para deflacioná-lo ao longo do tempo (Menezes e Azzoni, 2006). Em outras palavras, a diferença na paridade do poder de compra entre as regiões é alterada a cada ano, assim o termos “ICVR a preço atual” se referem a índices que comparam o CV entre as regiões, porém não desconta a inflação anual, e por conseguinte necessita ser calculado anualmente. Será então empregada a metodologia proposta por Diewert (2005) e Haan (2010), para ajustar o ICVR, para que também tenha uma dimensão temporal.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 07/01/2020-30/11/2020