Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adriane Regina Todeschini

Ciências Biológicas

Biofísica
  • biossíntese de hexosaminas como alvo para a terapia do câncer
  • Diabetes e câncer representam duas doenças complexas e fatais, sendo o câncer a segunda principal causa de mortes globais, enquanto o diabetes ocupa a sétima posição. Há evidências que mostram um aumento substancial da incidência de câncer em pacientes diabéticos, ou seja, 8 a 18% dos pacientes com câncer foram diagnosticados com diabetes. Com o crescimento da associação entre diabetes e câncer, estudos multicêntricos são altamente relevantes no contexto clínico e podem ajudar a combater seus efeitos nocivos. Embora os efeitos mediados pela insulina tenham recebido atenção significativa recentemente, o impacto da hiperglicemia em processos chave de células tumorais foi negligenciado. Nessa direção, o impacto da hiperglicemia sobre a via biossintética da hexosamina (BH), surge como um importante mecanismo na progressão tumoral. A BH pode estar alterando a biologia das células tumorais e acelerando o processo de malignidade através da glicosilação aberrante, apontando a BH como potencial alvo de intervenção terapêutica. Assim, a enzima limitante da BH, a glutamina: frutose-6-fosfato-amidotransferase (GFAT), oferece um amplo espectro de utilidade terapêutica. Nesta proposta, trabalhamos com a hipótese de que a via das hexosaminas atua como sensora de alterações metabólicas induzidas pelo diabetes e participa na sua moduação, alterando a glicosilação celular, contribuindo para a plasticidade das células tumorais. Para confirmar a nossa hipótese propomos realizar um estudo estrutural e funcional da GFAT, 1 e 2. Propomos estudar se a modulação da GFAT afeta o fenótipo e o glicofenótipo celular durante a progressão tumoral. A mudança na expressão GFAT será verificada em amostras humanas de pacientes com câncer de cólon. Avaliaremos a modulação da via das hexosaminas pela inibição da GFAT e as consequências dessa inibição para a composição glicídica global e progressão tumoral. Este estudo deve se traduzir em soluções únicas de cuidados de saúde para países como Brasil, cada vez mais atormentado com o envelhecimento da população e aumento da prevalência de ambas doenças. Acreditamos que estes estudos ajudarão a nossa compreensão de como a glicosilação induzida pela hiperglicemia contribui para a tumorigênese e estabelecerá base para o tratamento farmacológico do câncer e da diabetes.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022