Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Suzete Venturelli

Lingüística, Letras e Artes

Artes
  • laboratório de pesquisa em arte computacional (midialab/unb)
  • Historicamente, o Laboratório de pesquisa em arte computacional – Midialab, da Universidade de Brasília foi fundado em 1989 e está desde então sob minha coordenação. Conta, desde o início, com a participação professores, funcionários, bolsistas de Iniciação Científica, estagiários e estudantes da graduação e pós-graduação, de diferentes áreas do conhecimento, interessados em temas como arte e tecnologia, visual-musica, animação, videoarte, cinema arte, arte computacional, webarte, dispositivos não convencionais de interação, ciberintervenções urbanas, realidade aumentada urbana (RUA), interface humano-computador, entre outros. A produção do MídiaLab Laboratório de pesquisa em arte computacional está inserida na complexidade da produção artística e tecnológica computacionais multimídia. Integram o trabalho colaborativo com outras áreas de conhecimento, como da tecnologia e da ciência da computação, assim como da saúde e do esporte. Participam das produções realizadas anualmente alunos da graduação e pós-graduação, assim como interessados da comunidade em geral, por meio de cursos e oficinas de criação presenciais e a distância. Os projetos já receberam prêmios nacionais e internacionais, tais como Rumos Arte Cibernética-2009: Tijolo Esperto e IdAnce: pista de dança interativa (projetos de Iniciação Científica da UnB), elaborados no âmbito da Iniciação Científica, Funarte: conexão artes visuais, Edital Universal do CNPq, Festival Latino-Americano e Africano de Arte e Cultura e XPTA.LAB do Ministério da Cultura: projeto rede social wikinarua.com. Por via da sua estreita ligação ao Ensino Superior o MidiaLab possui competências num vasto leque de áreas das tecnologias da Informação e Comunicações. A produção integrou desde seu início o trabalho colaborativo com outras áreas de conhecimento, como algumas áreas da tecnologia e a ciência da computação, mais presente no processo. Até hoje participam das produções realizadas anualmente alunos da graduação e pós-graduação, assim como interessados da comunidade em geral, por meio de cursos e oficinas de criação presenciais e a distância. Atualmente os produtos são elaborados para os meios de comunicação informacionais atuais como a TV digital, a rede internet, dispositivos móveis como celulares e espaços de apresentação como galerias, teatros e também espaços abertos no Brasil e no exterior. Na Universidade de Brasília, minhas atividades na pesquisa estão relacionadas com o espaço criativo e de pesquisa do Laboratório, com o objetivo de aprofundar estudos teóricos e práticas artísticas relacionando a arte, a ciência e a tecnologia de modo transdisciplinar. Nesse espaço de pesquisa artística, já formamos mais de 50 bolsistas de iniciação científica, 11 pesquisas de doutorado concluídas e 29 de mestrado, como orientadora principal. O Midialab também contribui enormemente com as demais linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Arte, recebendo inclusive estudantes de outros países co âmbito do programa, ou como alunos especiais como o caso da parceria com a École supérieure d'art d'Aix-en-Provence -França.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Svetlana Ruseishvili

Ciências Sociais Aplicadas

Demografia
  • imigração russa no estado de são paulo na primeira metade do século xx: uma reconstrução histórica através dos registros dos eventos vitais
  • Apesar de haver uma grande variedade de pesquisas históricas e sociológicas sobre diversos grupos de imigrantes em São Paulo, ainda existem comunidades que “permaneceram ignoradas pelas ciências sociais”, como aponta Giralda Seyferth (2004, p.32). Enquanto as principais características de imigrantes italianos, portugueses, espanhóis, sírio-libaneses, judeus e muitos outros, já são contempladas pela vasta produção académica, a própria existência de uma imigração russa no Brasil, que, no entanto, tem quase um século de história, é praticamente desconhecida. Efetivamente, a comunidade russa em São Paulo nunca foi um grupo visível pelos diversos motivos, tanto endógenos (o contexto histórico, político e social dessa imigração, sendo resultado dos desdobramentos da Revolução bolchevique de 1917), quanto exógenos (políticas restritivas do Estado Novo, discursos anti-comunistas, etc.). Além disso, a produção do conhecimento sobre esse grupo de migrantes é dificultada pelos fatores de ordem metodológica. De um lado, os registros de entrada e os livros de bordo, sendo fontes de dados prioritários, são marcados pela grande imprecisão quanto à origem e procedência desses migrantes. Por outro lado, as fontes de dados alternativos, contidos nos acervos particulares, são produzidos em idioma russo, o que praticamente impossibilita o acesso dos pesquisadores brasileiros. Dessa maneira, o presente projeto de pesquisa tem por objetivo preencher lacunas no conhecimento sobre grupos de imigrantes russos no Estado de São Paulo na primeira metade do século XX, dando continuidade para a pesquisa “Ser russo em São Paulo: os imigrantes russos e a (re)formulação de identidade após a Revolução bolchevique de 1917”, realizada com apoio do CNPq (Ruseishvili, 2016). Para isso, são priorizadas as fontes de dados alternativos, a maioria dos quais é redigida em idioma russo e contida nos acervos particulares – registros paroquiais de óbitos, batismos e matrimónios. Assim, a pesquisa buscará a: i) realizar inventário, sistematização e digitalização dos registros paroquiais das igrejas russas em São Paulo; ii) criar um Banco de dados produzidos a partir dessas fontes e iii) por meio de sua análise ancorada nos métodos da demografia histórica, complementada pelos dados trazidos de outras fontes, realizar uma reconstrução histórica das características sócio-demográficas e de mobilidade espacial dos imigrantes russos no Estado de São Paulo na primeira metade do século XX.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022