Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sabrina Deise Finamori

Ciências Humanas

Antropologia
  • “maternidade solo”: parentalidades, conjugalidades e noções de família
  • Este projeto tem por objetivo analisar a relação entre parentalidades e conjugalidades a partir dos movimentos atuais em torno do que vem sendo nominado como maternidade solo. Tendo em vista a carga histórica associada ao termo “mãe solteira”, muitas mulheres que cuidam sozinhas de seus filhos, por opção ou não, aderiram à expressão “mãe solo” desvinculando a relação parental da conjugalidade à qual usualmente aparecia vinculada. Reunidas em torno de coletivos feministas ou grupos virtuais, essas mulheres têm produzido, a partir de suas próprias experiências parentais, reflexões em torno dos sentidos sociais da maternidade e de suas práticas cotidianas, feito reivindicações de direitos e denunciado discriminações sofridas por elas ou seus filhos. Ao trazerem esse debate à tona, têm colocado em pauta questões mais amplas que dizem respeito a direitos e deveres maternos e paternos bem como a definições sobre o que constitui o cuidado de crianças e como a noção de família pode ser (re)definida nestes contextos particulares. Assim, por meio de uma pesquisa qualitativa, baseada em levantamento de reportagens sobre a temática, análise da produção audiovisual em torno da questão, como livros, ilustrações e vídeos; mapeamento de fóruns de discussão ou coletivos de apoio (presenciais ou virtuais), etnografia em encontros desses grupos, entrevistas com propositoras ou participantes desses coletivos e fóruns e elaboração de narrativas de vida com mulheres que se autodenominam “mães solo”, a pesquisa visa analisar o quadro valorativo-moral que informa como os conceitos de conjugalidade e parentalidade tem sido articulados e desarticulados nas experiências contemporâneas autodenominadas “maternidade solo”. Ao mesmo tempo, visa compreender em que medida a noção de família é revista e as responsabilidades e os direitos maternos e paternos são reconfigurados neste processo.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sabrina Epiphanio

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • o aumento da permeabilidade vascular pulmonar como alvo no combate à síndrome do desconforto respiratório agudo associada à malária
  • Presente em 97 países, a malária é uma doença infecciosa parasitária, que coloca em risco 40% da população mundial. Infecções por Plasmodium spp. podem levar a um quadro respiratório grave, com complicações pulmonares como a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA). Esta síndrome é caracterizada por inflamação aguda, lesão do endotélio alveolar e do parênquima pulmonar, disfunção e aumento da permeabilidade da barreira alvéolo-capilar pulmonar e, consequente formação de edema. Os mecanismos de regulação da permeabilidade das células endoteliais que envolvem interações dinâmicas e alterações estruturais dos componentes do citoesqueleto possuem papel crítico na modulação da resposta inflamatória e na manutenção do endotélio pulmonar. Assim, face ao desconhecimento de muitos dos elementos determinantes da patogênese da SDRA associada à malária, este projeto tem como objetivo identificar mecanismos de aumento da permeabilidade vascular, com ênfase no estudo das junções interendoteliais, das alterações do citoesqueleto e de suas vias de sinalização, além de métodos de diagnóstico precoce e intervenções terapêuticas. A compreensão desses aspectos é crucial para o desenvolvimento de estratégias profiláticas e para o tratamento da SDRA associada a malária.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sabrina Francesca de Souza Lisboa

Ciências Biológicas

Farmacologia
  • estudo do envolvimento de células da micróglia no encéfalo e receptores de imunidade inata tipo toll 4 da micróglia após exposição a estresse homotípico: possível participação do sistema endocanabinoide.
  • Atualmente, o tratamento farmacológico de primeira escolha para o tratamento de transtornos psiquiátricos como ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático são os antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina. Porém eles possuem uma baixa eficácia clínica e muitos indivíduos desistem do tratamento por causa dos efeitos colaterais. Por esse motivo, a pesquisa básica tem buscado um melhor entendimento de mecanismos encefálicos alterados em animais submetidos a situações de estresse, como alterações em mecanismos neuroimunológicos e no sistema endocanabinoide (ECB), a fim de encontrar possíveis novos alvos para o desenvolvimento de fármacos que poderiam representar um tratamento mais efetivo. Nas últimas décadas, vários trabalhos têm apontando para uma íntima relação entre transtornos psiquiátricos e alterações do sistema imune, inclusive no encéfalo. Observa-se que pacientes com transtornos que envolvem exposição ao estresse apresentam sinais de ativação imune e inflamação, enquanto modelos animais de exposição ao estresse têm demonstrado esta mesma relação. A exposição ao estresse homotípico, mas não heterotípico, pode resultar em ativação persistente de células da micróglia e neuroinflamação, com indução, por exemplo, da expressão do receptor de imunidade inata do tipo toll 4 (TLR4) no córtex pré-frontal medial (CPFm). É desconhecido, entretanto, se as células da micróglia e os receptores TLR4 nestas células em estruturas encefálicas importantes para o controle da resposta ao estresse (particularmente o CPFm e o hipocampo) exercem papel-chave no desenvolvimento das consequências comportamentais relacionadas à ansiedade induzidas por estresse. Em situações de estresse há também ativação do sistema ECB, a fim de limitar as consequências do estresse, inclusive ativação de mecanismos neuroimunes e disfunção em mecanismos de plasticidade sináptica. A ausência de ECBs poderia, portanto, facilitar mecanismos neuroimunes via TLR4, enquanto a inibição da via do TLR4 poderia facilitar a sinalização ECB, favorecendo a recuperação do efeito do estresse. A hipótese deste projeto é testar se o estresse homotípico induzirá ativação das células da micróglia e, particularmente, ativação da via do TLR4 e disfunção do sistema ECB nestas células, contribuindo para o desenvolvimento das consequências comportamentais e plásticas do estresse. Ainda, testar se a inibição de TLR4 nas células da micróglia prevenirá os efeitos do estresse e se este possível efeito envolve receptores para ECBs.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022