Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Abilio Azambuja Rodrigues Filho

Ciências Humanas

Filosofia
  • negações, excessos e lacunas
  • A negação clássica é um operador de contraditoriedade no sentido em que transforma o valor semântico V em F, e vice-versa. Lógicas paraconsistentes admitem excessos (gluts), que são circunstâncias em que uma dada proposição e sua negação recebem ambas o valor V, e lógicas paracompletas admitem lacunas (gaps), circunstâncias em que uma proposição e sua negação recebem ambas o valor F. Lógicas paraconsistentes tem aplicações no processamento de informação, pois bancos de dados frequentemente contém contradições. A lógica intuicionista, que é paracompleta, tem uma estreita conexão com a ciência da computação, expressada pelo isomorfismo de Curry-Howard, que estabelece uma relação direta entre provas intuicionistas e programas. A interpretação de lógicas paraconsistentes e paracompletas coloca diversas questões de caráter filosófico-conceitual. Excessos e lacunas ocorrem também em topologia, álgebra, e áreas correlatas. A topologia oferece um arcabouço conceitual natural para modelar lacunas e excessos - o interior do complemento de um conjunto define uma negação com lacunas, e o fecho do complemento de um conjunto define uma negação com excessos. Abstraindo as operações topológicas conjuntistas, obtêm-se as álgebras de Heyting, que são modelos da lógica intuicionista. A abordagem algébrica também fornece semânticas adequadas para diversas lógicas paraconsistentes e paracompletas, por meio das estruturas Fidel, twist e swap. O objetivo deste projeto é prosseguir de forma colaborativa com as investigações técnicas e conceituais em paracompletude e paraconsistência já realizadas pelos membros da equipe, como também investigar tópicos ainda inexplorados em lógica, matemática e teoria da computabilidade. Pretende-se que a reunião de pesquisadores com experiências diferentes mas complementares no tema do projeto levante novas questões e produza novos resultados em um tópico central da subárea lógica e sua interseção com a matemática e a ciência da computação.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 08/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Abraham Cézar de Brito Rocha

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • desenvolvimento e avaliação de proteínas quiméricas para um diagnóstico sorológico rápido da dirofilariose canina.
  • A Dirofilariose canina é uma doença causada pelo verme Dirofilaria immitis que leva a um comprometimento cardiorrespiratório e posterior morte dos animais. Essa parasitose chama atenção da indústria farmacêutica, porque a prevenção anual gira em torno de $75 por cão e existe aproximadamente 80 milhões de cães infectados nos EUA e 54 milhões no Brasil. O padrão ouro do diagnóstico é o teste de detecção de antígeno circulante, porém há limitações em cães com baixa carga parasitária de fêmeas de D. immitis. Somado a isso, não há um teste de captura de anticorpos disponível comercialmente. Diante do exposto, o objetivo é desenvolver e avaliar proteínas quiméricas para o desenvolvimento de um teste rápido de captura de anticorpos para a dirofilariose canina. Primeiro, serão desenhados genes quiméricos (in silico) que reúnam regiões antigênicas de proteínas de D. immitis identificadas como epítopos para linfócitos B. A fim de diminuir a possibilidade de reação cruzada, as sequências similares a outras espécies de parasitas serão excluídas do gene em construção. Os genes serão clonados em vetores de expressão, que serão usados para transformar células competentes de E. coli. A expressão das proteínas quiméricas será estimulada por IPTG e a purificação será feita por cromatografia. Então, as proteínas serão avaliadas por ELISA indireto com soros de cães positivos e negativos para a dirofilariose (de áreas endêmicas e não endêmicas), além de outras parasitoses para avaliar a reação cruzada. Para cada antígeno, serão analisados a sensibilidade, especificidade, o valor preditivo positivo e negativo. Após a identificação da melhor proteína nos resultados do ELISA, será produzido um teste rápido do tipo lateral flow para avaliar o desempenho dessa plataforma e seu futuro uso no diagnóstico da dirofilariose canina. A expectativa é que o novo teste possa contribuir para um maior conhecimento sobre a epidemiologia da doença, direcionando esforços para controlar esta parasitose.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PE - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Adair Roberto Soares dos Santos

Ciências Biológicas

Fisiologia
  • estudo pré-clínico e clínico do efeito da acupuntura e terapia manual no manejo da dor: pesquisa translacional
  • A dor é um importante problema clínico, social e econômico, no mundo inteiro. A estimativa é que 20% dos adultos sofrem de dor, sendo que esse dado pode variar entre países, podendo atingir índices que chegam a 25% da população diagnosticada com dor crônica. Sendo assim, existem importantes razões para considerar seu tratamento como uma prioridade na saúde pública, não só por sua alta prevalência, mas também como sendo um fenômeno multifatorial, dinâmico e difícil de quantificar, o que dificulta seus dados epidemiológicos em todo mundo. A dor é uma queixa clínica importante, com reflexos negativos na vida social das pessoas, trazendo prejuízo na produtividade e na economia. Além disso, o manejo inadequado da dor é desumano e pode resultar no aumento da morbidade ou mortalidade. Tanto na dor somática, quanto na visceral, o alívio da dor, com o mínimo de efeitos secundários é o principal foco independente da doença que acompanha. A eficácia do tratamento bem como as considerações de ordem econômica é priorizada apesar de que esses objetivos não são alcançados com os fármacos comumente prescritos. No Brasil ainda não possuímos dados concretos, porém acredita-se que os custos com o tratamento da dor também sejam altos e pouco efetivos. Todos os analgésicos comumente usados têm limitações importantes quando usados no controle da dor crônica. Por exemplo, o uso prolongado de paracetamol (acetaminofeno) pode causar alterações na função hepática que são exacerbadas pelo consumo concomitante de álcool e antiinflamatórios não esteroidais estão associados a efeitos colaterais renais, gastrointestinais e cardiovasculares potencialmente graves. Os efeitos colaterais dos analgésicos opiáceos são constipação e sedação (particularmente em idosos) e o tratamento em longo prazo também pode levar à tolerância, hiperalgesia, dependência e uso indevido. Todavia, pacientes com dor crônica frequentemente não respondem bem a uma única abordagem de tratamento, bem como necessitam de cuidados de longa duração com reavaliações frequentes e ajuste da terapia. Tal fato ocorre devido a multiplicidade de fatores que contribuem para a dor crônica. O Laboratório de Neurobiologia da Dor e Inflamação (LANDI), o qual sou coordenador, gradativamente vem procurando formar um grupo de pesquisa multi- e transdisciplinar no manejo da dor. O LANDI desenvolve pesquisa com abordagem farmacológica, em que estuda as propriedades antinociceptivas (analgésicas) e anti-inflamatórias de produtos de origem sintética ou natural, em especial os derivados de plantas medicinais por meio da Etnofarmacologia. Todavia, nos últimos anos o LANDI vem trabalhando em projetos que visam estudar, por meio do uso de ferramentas farmacológicas, o efeito analgésico e anti-inflamatório, bem como o mecanismo de ação da acupuntura, terapia manual, exercício físico e fototerapia (emprego do LASER e LED). Neste sentido, a presente proposta visa estender os dados do nosso grupo acerca do efeito da acupuntura e da terapia manual no controle da dor aguda e crônica de origem pós-operatória, neuropática e muscular (DA SILVA et al., 2011, 2015; CIDRAL-FILHO et al., 2011; MORÉ et al., 2013; MARTINS et al., 2011, 2012, 2013, 2013a). Considerando que de maneira geral a dor crônica é de difícil tratamento e que as drogas disponíveis apresentam baixa eficácia e muitos efeitos colaterais, a realização de pesquisas pré-clínicas e clínicas que possam fornecer subsídios neurofisiológicos do efeito terapêutico da acupuntura e terapia manual são relevantes. Entre as dores crônicas de relevância e impacto na sociedade destaco a fibromialgia (FM) e a dor lombar (DL). A FM é uma síndrome bastante comum, caracterizada por dores articulares e musculares generalizadas, onde também se pode observar a presença de fadiga, alterações do humor, do sono e da cognição. Estima-se que sua prevalência chegue próxima a 5% da população, ocorrendo principalmente em mulheres, com idade que varia de 35 a 60 anos. A etiologia da FM não foi completamente elucidada, contudo, evidências recaem sobre a sensibilização do sistema nervoso central (SNC), o que leva ao quadro de hiperalgesia, alodínia e distúrbios autonômicos. Por outro lado, a DL é uma condição clínica que afeta 90% da população em algum momento da vida, sendo que nos últimos 10 anos esse quadro clínico aumentou em 162%. Muito disso se deve a vida agitada do dia-a-dia. Estudos nos mostram que fatores biopsicossociais como catastrofização, cinesiofobia, ansiedade, depressão, estresse e insatisfação no trabalho, e preocupação financeira podem ser problemas associados com a DL. Ademais, acreditamos fortemente que os dados gerados a partir deste projeto podem fornecer subsídio científicos que reafirmaram a importância da utilização destas práticas no controle da dor crônica no Sistema Único de Saúde (SUS), tendo em vista as políticas relacionadas as Práticas Integrativas e Complementares (PICs). Com isso, podemos contribuir fornecendo dados científicos para a utilização da acupuntura e terapia manual na atenção básica como forma de reduzir a dor e melhorar a qualidade de vida das pessoas com dor crônica. Assim, a presente proposta pretende dar continuidade aos estudos desenvolvidos no LANDI visando avaliar os efeitos da acupuntura e terapia manual no controle da dor e inflamação associado a fibromialgia e lombalgia por meio de uma abordagem da pesquisa translacional, utilizando estudos pré-clínicos e clínicos. Além disso, no decorrer do desenvolvimento do presente projeto pretende-se dar continuidade à formação de pessoal em nível de graduação (iniciação cientifica) e pós-graduação (mestrado e doutorado).
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Adalberto Luis Val

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • inct para adaptações da biota aquática da amazônia - adapta-ii
  • A diversidade biológica existente nos diversos ambientes aquáticos da Amazônia é uma “mina de ouro” biológica. São milhares de espécies de mamíferos, peixes, crustáceos, insetos, plantas, algas, fungos e microrganismos que se espalham desde os grupos ancestrais até os grupos mais especializados. Entre os peixes, por exemplo, encontram-se arraias e acarás vivendo em simpatria; enquanto aquelas pertencem ao grupo dos peixes cartilaginosos que apareceram há cerca de 400 milhões de anos, os acarás constituem um grupo altamente especializado que apareceu mais recentemente. O genoma dessas espécies encerra um conjunto especial de informações que, a despeito de dar origem a uma “marcante unidade bioquímica”, possibilita a geração da diversidade biológica que marca a Amazônia, em particular o ambiente aquático. Estamos muito longe de conhecer a diversidade que podemos ver a olho nu ou sob as lentes de um microscópio, e mais distante ainda, de conhecer o rol de informações que o genoma de cada animal ou planta encerra. Por isso, não raras vezes, temos colocado a Amazônia aos lado de sistemas também desconhecidos como o Mar e o Espaço Sideral. No entanto, o processo de ocupação desordenado que ocorre desde o “descobrimento” do continente americano, em conjunto com a ação do homem moderno no planeta, que divide o ônus do desenvolvimento, como, por exemplo, os efeitos das mudanças climáticas, coloca em risco essa “mina de ouro” biológica aquática, já que os corpos d’água são os receptores finais dessas atividades. Cabe à ciência antecipar-se e produzir informações robustas que permitam a mitigação de efeitos, ou a adaptação aos novos cenários ou, ainda, a compatibilização da expansão urbana, da construção de hidroelétricas, da abertura de estradas, da mineração, do aquecimento global com a conservação ambiental. O conhecimento adquirido na fase inicial do ADAPTA, veiculado em centenas de artigos científicos, dissertações e teses, permite-nos avançar de forma segura e contribuir com informações robustas para a conservação ambiental, para a mitigação dos efeitos das mudanças ambientais e, a partir da habilidade adaptativa de plantas e animais, desenhar processos e buscar novos produtos que permitam ampliar a inclusão social e a geração de renda. Evidentemente, um forte compromisso com a capacitação de pessoal em todos os níveis e a socialização da informação, por meio de unidades demonstrativas, vão permitir que a finalidade social da informação produzida se concretize. Para isso, a presente proposta, baseada no conjunto de informações produzido até aqui, utilizará desde ferramentas convencionais da biologia até tecnologias de última geração, como a genômica, a transcriptômica e a metabolômica, para alcançar os objetivos e será desenvolvida valendo-se das seguintes estratégias: a) experimentos em laboratório e sob condições controladas, com uso de microcosmos que simulam os cenários ambientais previstos pelo IPCC para o ano 2100, já em funcionamento; b) análise comparativa de peixes, plantas e invertebrados vivendo em ambientes naturais com diferentes características ou expostos a ambientes modificados pelo homem; c) avaliação de ação para recuperação de um trecho de igarapé poluído com vistas à produção de um processo a ser aplicado em outros sistemas; d) contribuição para o estabelecimento de uma espécie de peixe tropical amazônica para a aquicultura mundial; e) contribuição para a definição de uma espécie de peixe tropical modelo para experimentação laboratorial; f) capacitação de pessoal em todos os níveis acadêmicos; g) socialização da informação por diversos meios; h) cooperação técnico-científica e intercâmbio de estudantes para assegurar a continuidade dos estudos; e i) interação com INCTs envolvidos com recursos hídricos de outras regiões, incluindo a criação de um programa de doutorado internacional em recursos aquáticos. A presente proposta prevê a colaboração de mais de duas dezenas de laboratórios brasileiros associados, localizados em diferentes regiões do país, liderados por pesquisadores com destaque acadêmico, vários com bolsas de produtividade, bem como de mais de uma dezena de pesquisadores estrangeiros de destaque internacional (vide lista de participantes). A consecução da presente proposta resultará na produção de informações robustas, inéditas, que contribuirão de forma marcante com o avanço científico no que se refere a questões centrais da biologia, da bioquímica, da fisiologia e da ecologia, com o desenvolvimento sustentável da região, ao produzir informações que balizam a tomada de decisões, e com a capacitação de pessoal de alto nível para as instituições locais. Por fim, é importante destacar que a proposta alinha-se com as áreas estratégicas estabelecidas pelo Governo Federal do Brasil e envolve os seguintes temas considerados estratégicos pelo edital: Tecnologias ambientais e mitigação de mudanças climáticas, Biotecnologia e uso sustentável da biodiversidade, Agricultura (aquicultura), e Saúde e fármacos.
  • Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - AM - Brasil
  • 25/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Adalberto Luiz Rosa

Ciências da Saúde

Odontologia
  • participação de agrin na diferenciação osteoblástica e na regeneração do tecido ósseo induzida por células-tronco mesenquimais em defeitos criados em calvárias de camundongos
  • A terapia celular é uma das estratégias da medicina regenerativa que se mostra promissora para o tratamento de defeitos ósseos extensos utilizando, principalmente, células-tronco mesenquimais (MSCs, abreviação do Inglês, mesenchymal stem cells) e o estudo de moléculas que atuam nessas células para favorecer a regeneração óssea é relevante nesse contexto. Dentre essas moléculas, a proteína de matriz extracelular agrin, envolvida em vários processos biológicos, foi detectada em condrócitos e demonstrada sua participação no desenvolvimento do sistema esquelético. No entanto, até o momento, há pouca informação na literatura acerca dos efeitos de agrin na diferenciação osteoblástica de MSCs e na formação óssea por elas induzida, assim como das vias de sinalização celular envolvidas nesses efeitos. Portanto, os objetivos desse estudo são investigar: (1) in vitro, o efeito da sobre-expressão e do silenciamento de agrin por CRISPR/Cas9 sobre a diferenciação osteoblástica de MSCs, (2) in vitro, a participação das vias de sinalização de BMPs, Wnt, Notch e Hippo-Yap/Taz no efeito de agrin sobre a diferenciação osteoblástica de MSCs e (3) in vivo, o efeito de MSCs com sobre-expressão e silenciamento de agrin por CRISPR/Cas9 sobre a regeneração do tecido ósseo em defeitos criados em calvárias de camundongos. Os resultados desse estudo poderão gerar dados importantes acerca da função de agrin no tecido ósseo e para o desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas em situações clínicas que envolvem a regeneração óssea.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Adalene Moreira Silva

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • pesquisa e inovação na industria mineral brasileira: proposta de revolução 4.0 na província mineral de carajás
  • Depósitos de óxido de ferro, cobre-ouro (IOCG) têm sido descritos como depósitos de classe mundial em diferentes ambientes tectônicos, apresentando volumes expressivos de alteração hidrotermal que podem ser mapeados em múltiplas escalas. Os depósitos IOCG são controlados por estruturas transcrustais e ocorrem associados a altas concentrações de magnetita e/ou hematita. Estas concentrações são usualmente mapeadas através de anomalias magnéticas e/ou gravimétricas e representam vetores que funcionam como guias exploratórios chaves para o mapeamento de novos depósitos do tipo IOCG. A ideia do presente projeto é utilizar dados multifonte para mapear a arquitetura do sistema mineral tipo IOCG da Província Mineral de Carajás e caracterizar a assinatura (footprint) das mineralizações associadas, a partir de uma abordagem assistida por Inteligência Artificial. Ao mapear uma região potencial para hospedar mineralizações de cobre, em várias escalas, é possível discriminar os vetores exploratórios e compreender os fatores críticos através dos diferentes tipos de assinaturas. A caracterização do footprint permite o mapeamento de novos alvos que afloram parcialmente ou mesmo alvos que não possuem expressão em superfície. O projeto proposto possui várias vertentes tais como: mapeamento na escala da litosfera, utilizando dados gravimétricos que recobrem Carajás; mapeamento em escala regional através de dados multifonte e caracterização do sistema mineral na escala de distrito através de dados geofísicos, geoquímicos, geológicos, isotópicos, hiperespectrais e petrofísicos. A partir deste enfoque multi-metodológico e inovador pretende-se integrar os dados utilizando técnicas de machine learning e contribuir para a geração de novas aplicações para a indústria mineral 4.0. Os produtos gerados poderão contribuir para a inovação na indústria do cobre através do aumento da taxa de sucesso na prospecção de corpos profundos e nas taxas de recuperação do cobre nos ensaios geometalúrgicos.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Adebaro Alves dos Reis

Ciências Humanas

História
  • v feira de ciência, tecnologia e inovação social da amazônia paraense (v fecitis): valorizando saberes e sabores amazônicos
  • A V FEIRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA PARAENSE (V FECITIS): Valorizando Saberes e SaboresAmazônicos temo objetivo de Promover a V Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação Social da Amazônia Paraense (V FECITIS): valorizando saberes e sabores amazônicos, visando a popularização da ciência, como instrumento de contribuição para o desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do estado do Pará. A V FECITIS terá abrangência estadual, mobilizando participantes dos territórios do Estado do Pará, envolvendo escolas de rede pública de ensino médio e técnico, assim como, os campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. O público alvo serão os pesquisadores e professores da educação profissional e tecnológica dos Campi do IFPA, professores da educação básica do ensino fundamental, médio e técnico de escolas públicas, alunos da educação básica (ensino fundamental, médio e técnico das escolas públicas), do ensino profissionalizante/técnico, do ensino superior, da rede pública ou particular de ensino, bem como todos aqueles que tenham interesse em ciência e tecnologia. A comunidade em geral e segmentos socialmente vulneráveis, tais como: agricultores familiares, quilombolas, ribeirinhos, indígenas, aquicultores, pescadores, meninas e mulheres rurais, deficientes físicos, dentre outras. A V Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação Social da Amazônia Paraense (V FECITIS): Valorizando Saberes e Sabores Amazônicos será realizada junto com o XIV Seminário Internacional em Desenvolvimento Rural Sustentável, Cooperativismo e Economia Solidária (XIV SICOOPES), a partir de metodologias participativas e interdisciplinar. Além disso, a V FECITIS irá utilizar metodologias criativas, valorizando a experimentação, a inovação e a utilização do método científico, incentivando trabalhos interdisciplinares e a atitude investigativa, a fim de estimular o trabalho colaborativo e as atividades de iniciação científica na educação básica.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará - PA - Brasil
  • 12/01/2021-31/01/2023
Foto de perfil

Adebaro Alves dos Reis

Outra

Divulgação Científica
  • vi feira de ciência, tecnologia e inovação social da amazônia paraense (vi fecitis): valorizando saberes e sabores amazônicos
  • A VI FEIRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA PARAENSE (VI FECITIS): Valorizando Saberes e SaboresAmazônicos temo objetivo de valorizar os saberes e sabores amazônicos, visando contribuir significativamente para o desenvolvimento científico, tecnológico e inovação do País, como instrumento de produção, difusão e popularização da ciência e melhoria dos ensinos médio e técnico, possibilitando a identificação de jovens talentosos que possam ser estimulados a seguir carreiras técnico-científicas e docente, para o uso do conhecimento científico como mecanismo de empoderamento, inclusão e transformação social, no estado do Pará. O objetivo geral é de realizar a VI Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação Social da Amazônia Paraense (VI FECITIS): valorizando saberes e sabores amazônicos, visando a divulgação do conhecimento científico e tecnológico e a popularização da ciência que estimulem a curiosidade científica e o pensamento crítico, que contribuam para desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida da população do estado do Pará. A VI FECITIS terá abrangência estadual, mobilizando participantes de quatro territórios do Estado do Pará, envolvendo escolas de rede pública de ensino médio e técnico, assim como, os campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. O público alvo da VI FECITIS serão os pesquisadores e professores da educação profissional e tecnológica dos Campi do IFPA, professores da educação básica do ensino fundamental, médio e técnico de escolas públicas, alunos da educação básica (ensino fundamental, médio e técnico das escolas públicas), do ensino profissionalizante/técnico, do ensino superior, da rede pública ou particular de ensino, bem como todos aqueles que tenham interesse em ciência e tecnologia. A comunidade em geral e segmentos socialmente vulneráveis, tais como: agricultores familiares, quilombolas, ribeirinhos, indígenas, aquicultores, pescadores, meninas e mulheres rurais.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará - PA - Brasil
  • 05/01/2022-31/01/2024
Foto de perfil

Ademar Benévolo Lugão

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • laboratório nacional de nanotecnologia aplicada às áreas nuclear e correlatas
  • A CNEN tem atuação em todo território Brasileiro. Suas 14 unidades, dentre institutos de pesquisa, laboratórios, agências distritais e escritórios regionais, estão distribuídas por nove estados brasileiros e sua sede localiza-se no Rio de Janeiro e ainda no Rio estão o Instituto de Radioproteção e Dosimetria - IRD; o Distrito de Angra dos Reis - DIANG (RJ), o Instituto de Engenharia Nuclear - IEN e o Escritório de Resende (ESRES). As demais unidades espalhadas por todas as regiões do país são: - Distrito de Caetité - DICAE (BA) - Distrito de Fortaleza - DIFOR (CE) - Escritório de Porto Alegre (ESPOA) - Escritório de Brasilia - ESBRA (DF) - Laboratório de Poços de Caldas - LAPOC (MG) - Centro Regional de Ciências Nucleares do Centro-Oeste - CRCN-CO, em Goiânia (GO) - Centro Regional de Ciências Nucleares do Nordeste - CRCN-NE, em Recife (PE) - Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear - CDTN, em Belo Horizonte (MG) - Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares - IPEN, em São Paulo (SP) O IPEN, que produz atualmente 38 diferentes radiofármacos, incluindo o flúor FDG-18F, além de ser o único produtor de Geradores de Tecnécio-99m no país. O IEN, localizado no Rio de Janeiro, produz o FDG-18F, iodo-123 ultra-puro e metaiodobenzilguanidina marcada com iodo-123; o CDTN, em Belo Horizonte, produz o FDG-18F e Na18F; e o CRCN-NE, em Recife, produz somente o FDG-18F. Além desses, o IPEN fornece fios de irídio-192 e sementes de iodo-125, ambos utilizados em tratamentos oncológicos, por meio de procedimentos de braquiterapia. A atuação da CNEN em nanotecnologia é evidente nos avanços nas áreas de atuação seguintes: •medicina nuclear (fortemente ligado à nanotecnologia, pois comercializamos radioisótopos conjugados com moléculas ou nanopartículas com afinidade tumoral); •aplicações na indústria, agricultura e meio ambiente (fortemente ligado à nanotecnologia, pois a aplicação de radiação ionizante gera alterações na nano/microestrutura dos materiais); •pesquisa e ensino relacionados a tecnologias aplicadas (nossos cursos de posgraduação oferecem várias disciplinas em nanotecnologia); A CNEN está formando o laboratório nacional de nanotecnologia aplicada às áreas nuclear e correlatas – NuclearNANO, considerando a integração das suas 14 unidade distribuídas por todo o país. Porém, o laborabório nuclearnano, nesse momento, se consolida por uma atuação em rede das várias instalações e laboratórios do IPEN em SP, do CDTN em MG e do CRCN-NE em Pernanbuco. A nanotecnologia aplicada às áreas nucleares e correlatas atendem de forma intensa, as áreas a seguir: •Saúde: - por meio dos radiofármacos nanoestruturados e desen-volvimento de nanopartículas com aplicações teranósticas ou para o carreamento de fármacos e curativos avançados com nanopartículas de prata etc.; •Agropecuária: - desenvolvimento de sistemas de liberação controlada de defensivos agrícolas (agrotóxicos); reaproveita-mento de celulose por meio da síntese de nanocelulose, uso de radionuclídeos nanoestruturados como traçadores para estudo do desenvolvimento de novas variedades e também diagnostico e tratamento de doenças. •Automobilística: o uso de polímeros nanoestruturados por meio da radiação ionizante já é uma prática comum na indústria automobilística. Por exemplo, os pneus são produzidos por meio da pré-reticulação e oxidação seletiva induzidas por radiação ionizante de camadas de borracha reforçadas por mantas de poliéster e ou aço. Outro exemplo, os fios e cabos elétricos usados debaixo do capô de um automóvel são nanoestruturado por meio da reticulação induzida por radiação. Espumas e compósitos na industria automobilística também são processados por radiação para melhoras de propriedades. •Eletro-eletrônica – dopagem de semicondutores em reator nuclear, fios e cabos elétricos usados em quase todos os dispositivos eletrônicos, computadores celulares, televisão, sistemas militares etc. são nanoestruturado por meio da reticulação induzida por radiação. •Mineração: indução de centros de cor para valorização de gemas e pedras preciosas; •Alimentos: embalagens termoencolhíveis e inteligentes nanoestruturadas por meio da reticulação induzida por radiação; •Farmacêutica e cosmética e conservação de objetos de arte: demandam a esterilização por radiação dos seus produtos e nossos laboratórios precisam apoiar o desenvolvimento das formulações para resistirem ao processo ou minimizar os danos; ETC.
  • Comissão Nacional de Energia Nuclear - RJ - Brasil
  • 18/12/2019-31/12/2023
Foto de perfil

Ademar Benévolo Lugão

Engenharias

Engenharia Nuclear
  • sintese de nanoaparticulas de albumina para deteção de linfonodo sentinela
  • Introdução: O linfonodo sentinela (SLN) é definido como o primeiro linfonodo para o qual as células cancerígenas possuem maior probabilidade de se espalhar a partir de um tumor primário. A disseminação de alguns tipos de câncer geralmente segue uma progressão ordenada, espalhando-se primeiramente para os linfonodos regionais próximos ao tumor. Foco: Para serem captados pelo SLN, grandes moléculas ou coloides devem percorrer o espaço intersticial, atravessar a membrana dos capilares linfáticos, fluir livremente dentro dos vasos linfáticos e, finalmente, serem endocitados pelos fagócitos do linfonodo sentinela. As características relacionadas ao tamanho, forma e carga das partículas são geralmente mencionadas como as mais relevantes para o sucesso do procedimento. Problema: No Brasil usamos a dextrana e o ácido fítico, sistemas já superados com sérios problemas de toxicidade e alergenicidade. Portanto o problema em pauta é a falta de um sistema eficaz, de baixo custo e não tóxico. O objetivo desse projeto é o desenvolvimento de nanopartículas não tóxicas de Albumina para a deteção mais eficaz e sem efeitos colaterais das metástases. Especioficamente visamos o desenvolvimento de técnicas de sintese de nanopartículas de albumina sérica humana (HSA) a partir da reticulação induzida por radiação. Estado da arte (evidência): A radiação ionizante em sistemas aquosos cria especies oxidantes e redutoras que induzem a reticulação de proteínas permitindo a obtenção de nanoparticulas com tamanho controlado e em condições estéreis. Nosso grupo ja publicou cerca de 5 ou 6 artigos internacionais e duas patentes realcionadas ao assunto. Metodologia: 1. Sintetizar nanopartículas na faixa de concentração de 1 mg.mL-1 a 100 mg.mL-1. Homogeneizar, irradiar, liofilizar e caracterizar por DLS, MET, MEV, DSC 2. Radiomarcação: O sistema nanopartículas de HSA será conjugado ao tecnécio-99m. Seguido de avaliação radioquímica, estabilidade radioquímica e citotoxicidade
  • Comissão Nacional de Energia Nuclear - RJ - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025