Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Lázaro José Chaves

Tecnologias

Tecnologia e Inovação para Agropecuária
  • ferramentas biotecnológicas para o melhoramento acelerado de barueiro (dipteryx alata vogel) e mangabeira (hancornia speciosa gomes)
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 29/11/2019-30/11/2023
Foto de perfil

Leander Luiz Klein

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • pensamento lean em instituições de ensino superior: proposição e validação de uma escala de tipos de desperdícios
  • A eliminação de desperdícios é o foco central do sistema de gestão baseado no pensamento Lean e vem despertando a longa data o interesse de pesquisadores e práticos em diversos setores. Identificar e mensurar os tipos de desperdícios é algo relevante para qualquer organização, pois possibilita o delineamento de práticas e diretrizes para reduzi-los ou eliminá-los, implicando na otimização da gestão dos recursos organizacionais. Além disso, evita que os esforços para eliminar os desperdícios se tornem redundantes, quando outros desperdícios tomam uma posição central na organização. O problema, no entanto, é que fora setor manufatureiro onde o sistema Lean foi concebido, como em Instituições de Ensino Superior (IESs) (foco desse projeto), o entendimento, o avanço e as definições sobre os desperdícios ainda estão em sua infância, havendo apenas estudos exploratórios iniciais (Douglas et al., 2015; LeMahieu et al., 2017; Kazancoglu & Ozkan-Ozen, 2019; Klein et al., 2021). Diante disso, a questão de pesquisa a ser explorada é quais os tipos de desperdício mais comuns em IESs e como mensurá-los? O objetivo dessa pesquisa é construir e validar um instrumento para avaliação e mensuração dos tipos de desperdícios em IESs. Sua consecução é plausível uma vez que os próprios estudos exploratórios mencionados delineiam exemplos específicos de tipos de desperdícios nas IESs, os quais servem de itens de entrada para a elaboração do instrumento. Os procedimentos metodológicos estão divididos em cinco etapas distintas e sequenciais para construção de um instrumento de tipos de desperdícios e teste do modelo final em diferentes países. Prevê-se as seguintes etapas: revisão sistemática da literatura; construção das dimensões e itens, e refinamento e validação dos itens do instrumento com especialistas; análise fatorial exploratória; análise fatorial confirmatória; e modelagem de equações estruturais.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 22/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Leandro Augusto Frata Fernandes

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • uso de lógica modal na concepção de redes neurais convolucionais aplicadas à segmentação semântica de imagens
  • Segmentação semântica de imagens é um problema clássico em Visão Computacional, cuja solução possui aplicações na compreensão de cenas, interação homem-máquina, fotografia computacional, busca em bases de imagens, predição da relação entre múltiplos objetos e suporte à navegação de veículos autônomos. Recentemente, bons resultados de segmentação semântica têm sido reportados pela aplicação de redes neurais convolucionais (CNNs, do inglês convolutional neural networks). Entretanto, esses bons resultados vêm com a desvantagem da necessidade de uma grande quantidade de dados diversificados à disposição em tempo de treinamento. Neste trabalho, será desenvolvida uma nova arquitetura de CNN para segmentação semântica. A arquitetura proposta incluirá conceitos de lógica modal e bissimulação com o objetivo de auxiliar a rede em tempo de treinamento para que o modelo a ser aprendido necessite de uma quantidade menor de exemplos. Lógicas modais já foram aplicadas à CNNs com sucesso, como um formalismo para representação do conhecimento, mas nunca no problema de segmentação semântica. Logo, este projeto propõe uma contribuição original de pesquisa, sendo executado pela colaboração de pesquisadores experientes da área de Visão Computacional e Lógica.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Leandro Bruno Santos

Ciências Humanas

Geografia
  • tecnologias habilitadoras e suas geografias: a difusão das tendências da indústria 4.0 pelo território brasileiro
  • As mudanças de paradigma técnico-econômico não prescindiram do Estado e, recentemente, as políticas de criação e introdução de tecnologias habilitadoras e disruptivas da indústria 4.0 atestam o papel central dos Estados Unidos, China, Japão, Coréia do Sul e Alemanha. Diferentemente das revoluções anteriores, a Indústria 4.0 não é facilmente caracterizada por uma única tecnologia e também apresenta a capacidade de recombinação, introduzindo inovações radicais em atividades antes não atingidas extensivamente. Suas principais tendências são os Cyber Physical Systems (CPS), a Internet of Things (IoT), o Big Data e a manufatura 3D, que têm em comum o aproveitamento da capacidade de disseminação da digitalização e das tecnologias da informação e a união das categorias física, digital e biológica (SCHWAB, 2016). Embora a temática da indústria 4.0 tenha recebido crescente atenção do meio acadêmico, sua geografia e as determinações locais são tópicos que merecem aprofundamento. Nesse sentido, a problemática que orienta essa pesquisa é entender quais os nexos da difusão territorial das tendências da indústria 4.0 com o desenvolvimento das forças produtivas e a distribuição da infraestrutura de ciência e tecnologia pelo território brasileiro. Nossa hipótese é que as tendências da indústria 4.0 se distribuem de forma desigual pelo território, acompanhando a densidade geográfica dos lugares. Essa hipótese se sustenta pelo fato que fatores como força de trabalho, recursos, informação, infraestrutura etc., cuja difusão é desigual e seletiva, são fundamentais para absorver e recombinar o novo conhecimento tecnológico. Visando reunir elementos para responder ao problema desta pesquisa, além do levantamento bibliográfico nacional e internacional, far-se-á levantamento de dados secundários sobre patentes (INPI, USPTO e WIPO), difusão da inovação (PINTEC) e desembolsos (BNDES, FINEP e EMBRAPII) voltados à indústria 4.0 e entrevistas (EMBRAPII, FINEP e BNDES).
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 30/04/2022-30/04/2025
Foto de perfil

Leandro Cavalcante Lipinski

Ciências da Saúde

Medicina
  • desenvolvimento e caracterização de nanocápsulas de insulina e avaliação da atividade destas no epitélio intestinal de ratos obesos
  • Este projeto de pesquisa tem como objetivo a compreensão do mecanismo de ação da insulina nanoencapsulada no epitélio intestinal. O entendimento desse processo complementa os resultados já encontrados pelo grupo de pesquisa. A compra de materiais de consumo será essencial para obtenção de resultados conclusivos, que posteriormente serão divulgados na comunidade científica. A metodologia utilizada é conhecida da equipe de pesquisa que conta com laboratório para a realização completa do projeto. O recurso solicitado será para aquisição de material de consumo para condução de análises. Cabe aqui nesse resumo ressaltar que além de fomentar a pesquisa, durante a execução dos experimentos acompanharão as atividades alunos de Pós Graduação e iniciação científica que trabalham junto aos proponentes. A composição multidisciplinar da equipe permite a convergência de discussão sobre possíveis mecanismos relacionados a diminuição de peso dos ratos obesos tratados com a insulina nanoencapsulada. A compra de material para realização de imunohistoquímica, ensaios enzimáticos e histológicos permitirá a elucidação de uma possível alternativa para o controle da obesidade, um problema de saúde mundial. O ensaio animal será para avaliar os níveis séricos de GPL1, leptina, adiponectina, perfil bioquímico lipídico é padrão imunohistoquímico intestinal para céluas L em ratos tratados com nanocápsulas de insulina oral.
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Leandro da Silva Duarte

Ciências Biológicas

Ecologia
  • avaliação e monitoramento de bioindicadores em sistemas agrícolas no bioma pampa.
  • Atividades humanas exercem um papel determinante na degradação e perda de habitats em ecossistemas nativos. Na era do Antropoceno, torna-se imperativo compreender os processos e mecanismos que determinam a distribuição da biodiversidade em resposta ao uso da terra. Disso depende o estabelecimento de estratégias eficientes de monitoramento da biodiversidade, visando gestão e manejo eficiente dos recursos naturais. Práticas agrícolas podem ter efeitos distintos sobre diferentes dimensões da biodiversidade e serviços ecossistêmicos. Pouco se conhece os impactos de agroecossistemas convencionais e orgânicos na estruturação de comunidades biológicas e a resposta de diferentes organismos às práticas agrícolas. Neste sentido, protocolos padronizados para determinar o monitoramento de grupos de organismos-chave são fundamentais para que estes sejam replicáveis e comparáveis em qualquer bioma brasileiro. O presente projeto irá estudar de forma integrada os efeitos de agroecossistemas convencionais e orgânicos sobre padrões de diversidade taxonômica, funcional e filogenética de organismos de alta relevância ecológica (formigas, abelhas, borboletas, morcegos, aves e plantas) numa paisagem em transformação. Para isso, serão amostradas propriedades de agricultura familiar na Serra do Sudeste no Rio Grande do Sul. Como área referência será utilizado o Parque Estadual do Podocarpus, única Unidade de Conservação contemplada na região da Serra do Sudeste, que mantém remanescentes de Floresta Estacional Semidecidual entremeadas aos campos nativos do Pampa. Serão analisados padrões de diversidade alfa, beta, funcional e filogenética em resposta a caraterísticas ecológicas da paisagem e práticas atributos dos sistemas agrícolas convencionais e orgânicas. A partir destas abordagens, será (i) produzido um corpo sólido de informações que auxilie na conservação dos ambientes nativos no Bioma Pampa, e (ii) fornecido subsídio para o monitoramento de grupos biondicadores em longo prazo.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 24/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Leandro de Araújo Pernambuco

Ciências da Saúde

Fonoaudiologia
  • processo de validação do mann assessment of swallowing ability – cancer (masa-c) para o português brasileiro
  • O câncer de cabeça e pescoço e o seu tratamento envolvem condições de toxicidade que levam à disfagia orofaríngea em mais de 50% dos casos. As alterações na eficiência e segurança da deglutição provocam declínio da qualidade de vida, socialização e prazer alimentar, além de piora do estado clínico geral em decorrência de complicações respiratórias ou nutricionais. Contudo, o único instrumento com propriedades psicométricas para avaliar clinicamente a disfagia orofaríngea em pacientes oncológicos é o Mann Assessment of Swallowing Ability – Cancer (MASA-C). O MASA-C foi desenvolvido nos Estados Unidos e é composto por 27 itens que geram um escore final capaz de indicar a presença de disfagia orofaríngea. O MASA-C busca padronizar critérios de análise para o diagnóstico e orientar a conduta fonoaudiológica, o que permite comparar resultados entre diferentes serviços, em diferentes culturas, desde que o instrumento seja devidamente submetido ao processo de validação. No Brasil, o MASA-C ainda não está disponível e não existem outros instrumentos similares, o que aumenta a variabilidade dos resultados, confunde a interpretação dos dados, dificulta a produção de relatórios, fragiliza a tomada de decisão e compromete a reabilitação do paciente, sendo notória a necessidade de superar essa limitação. Sendo assim, este projeto propõe realizar o processo de validação do MASA-C no Brasil. Supõe-se que será possível obter as evidências de validade e confiabilidade, assim como as medidas de precisão diagnóstica do MASA-C em sua versão traduzida e adaptada para o português brasileiro. O percurso metodológico será conduzido de acordo com as seguintes etapas: 1) Evidências de validade baseadas em: (a) conteúdo e processos de resposta (tradução e adaptação transcultural); (b) estrutura interna (c) comparação com variáveis externas (exames complementares); (d) consequências do instrumento (mudanças após intervenção); 2) Confiabilidade; 3) Acurácia.
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 05/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Leandro de Lima Santos

Ciências Agrárias

Agronomia
  • segurança alimentar e agroindústria familiar ecológica: análise de práticas e potencialidades produtivas alimentares na região sudoeste paulista
  • A pauta global de discussões sobre alimentação foi acentuada a partir da Cúpula Mundial da Alimentação (1996) promovida pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO/ONU), que estabeleceu diretrizes para promoção da segurança alimentar amparadas em cinco eixos, tidos como valores orientadores da produção e do consumo, que vão além da ideia de abastecimento, são eles: saúde, higiene, autenticidade, meio ambiente e solidariedade. Esta pesquisa se propõe a uma análise de práticas e alternativas de produção agroindustrial familiar na concepção de alimentos saudáveis e com inocuidade, que valorizem os produtos da economia regional, que contribuam para a reprodução social dos agricultores, tendo como ênfase os aspectos ligados a autenticidade produtiva e conservação ambiental. Parte-se da hipótese de que a agroindústria familiar ecológica se alinha de forma pragmática aos objetivos de promoção da segurança alimentar, acordados no âmbito da FAO/ONU. Nesse sentido, a agroindustrialização familiar serve ao fortalecimento de uma agricultura sustentável, animada pela agregação de valor e alcance de novos mercados locais para alimentos saudáveis e ecológicos, cujo cultivo tem aumentado na região sudeste paulista, contrastando com a produção de commodities em cadeias agroalimentares longas. A estratégia metodológica constará de diagnóstico das experiências e possibilidades de processamento de alimentos orgânicos ou agroecológicos cultivados pelos agricultores familiares na região sudoeste paulista, possibilitado por entrevistas de caráter exploratório, que serão organizadas em categorias específicas de análise dispostas em três conjuntos temáticos, assim orientando a coleta de dados: 1-Perfil socioeconômico dos agricultores, 2-Identificação de elementos de compatibilidade de produção, comercialização e consumo aos eixos norteadores de segurança alimentar e, 3- Experiências e possibilidades de processamento agroindustrial familiar ecológico.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Leandro Fernandes Malloy-Diniz

Ciências da Saúde

Medicina
  • impacto da pandemia de covid-19 na saúde mental de crianças e adolescentes: fatores de risco e proteção
  • A infecção humana pelo novo coronavírus (COVID-19) parece ser uma grande ameaça à saúde da população e impõe um grande desafio ao sistema de saúde. A própria pandemia promove condições de incertezas e inseguranças consistindo em cenário propício ao aumento de sintomas de ansiedade, depressão e estresse pós-traumático. As crianças e adolescentes compõem um grupo que pelo próprio desenvolvimento encontra-se em estado de maior vulnerabilidade e sobre quem o impacto do estresse acumulado pode manifestar sintomas de diversas formas. Nesse estudo propomos uma avaliação populacional da presença de sintomas e comportamentos psiquiátricos em crianças escolares e adolescentes e um olhar cuidadoso sobre o ambiente que esses jovens estão inseridos. Nessa coorte transversal de medidas repetidas, buscamos avaliar de forma multimodal os desfechos, o ambiente e os marcadores biológicos de impacto da condição estressora. Essas medidas diretas e indiretas da condição de estresse podem ajudar na construção de estratégias de prevenção de situações semelhantes, com planejamento para preservação e promoção do nosso mais valioso bem: nossas mentes.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 31/07/2020-30/08/2022
Foto de perfil

Leandro Freitas de Abreu

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • plataforma experimental para análise e controle de redes dinâmicas
  • Vários sistemas atuais são estudados por meio de modelos dinâmicos conectados em rede (Arenas et al., 2008). Denominadas “redes dinâmicas complexas”, esses modelos são usados para estudar a robustez de sistemas elétricos de potência (Schäfer et al., 2018), compreender a dinâmica de propagação de doenças (Scabini et al., 2020), dentre outras aplicações. Recentemente, foram desenvolvidas técnicas de análise e controle de sistemas dinâmicos interconectados em rede, dentre as quais pode-se citar a análise de observabilidade em redes dinâmicas (Aguirre, Portes e Letellier, 2018), o uso de observabilidade funcional em redes dinâmicas para alocação ótima de sensores (Montanari, 2021), e a definição de fase para avaliação da qualidade de sincronismo entre sistemas dinâmicos não lineares (Freitas, Torres e Aguirre, 2018). Este projeto de pesquisa objetiva a construção de uma plataforma experimental para aplicação e estudo de robustez de potenciais ferramentas desenvolvidas. Várias destas ferramentas foram utilizadas em simulações numéricas ou em dados medidos, provenientes de ambientes não controlados. A plataforma experimental permitirá a validação experimental, em estrutura flexível e ambiente controlado, de técnicas com aplicabilidade em problemas maiores como o controle de sistemas elétricos de potência, propagação de epidemias e consenso de sistemas multi-agentes. Este projeto foi submetido e aprovado na Chamada Fapemig 01/2021 – Demanda Universal, contudo o valor aprovado (R$ 24.668,55) não corresponde ao orçamento necessário para desenvolvimento do projeto, que seria de R$ 80.000,00. Referências (Aguirre, Portes e Letellier, 2018) doi.org/10.1371/journal.pone.0206180 (Arenas et al., 2008) doi.org/10.1016/j.physrep.2008.09.002 (Freitas, Torres e Aguirre, 2018) doi.org/10.1103/PhysRevE.97.052202 (Montanari, 2021) ppgee.ufmg.br/defesas/1597D.PDF (Scabini et al., 2020) doi.org/10.1016/j.physa.2020.125498 (Schäfer et al., 2018) doi.org/10.1038/s41467-018-04287-5
  • Instituto Federal Minas Gerais - MG - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Leandro Gutierrez Rizzi

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • formação e microrreologia de agregados biopoliméricos via simulações computacionais
  • O fenômeno de agregação de cadeias poliméricas, e.g. polipeptídeos e polieletrólitos, é ubíquo na natureza e o seu entendimento deve contribuir cada vez mais para o desenvolvimento racional de uma importante classe de materiais com propriedades viscoelásticas, os quais possuem aplicações em áreas bastante distintas tais como engenharia de tecidos, reparação dental, e nas indústrias alimentícia e farmacêutica. No entanto, a grande diversidade de propriedades apresentadas por tais materiais poliméricos também reflete-se no conhecimento limitado que se tem sobre o processo de formação desses compostos. Por exemplo, a agregação de proteínas, em particular, está associada à mais de quarenta doenças conhecidas como proteinopatias que afetam os seres humanos e ainda não são curáveis, e.g. Alzheimer e diabetes do tipo II. Neste projeto propomos estudos que buscam elucidar a relação entre a resposta mecânica de sistemas formados por agregados biopoliméricos e as interações microscópicas entre seus contituintes fundamentais, as quais levam à formação de estruturas mesoscópicas tais como redes de filamentos semiflexíveis e nanopartículas de polieletrólitos. O plano de atividades proposto no Projeto de Pesquisa visa tanto dar continuidade aos estudos teórico-computacionais desenvolvidos pelo coordenador nos últimos anos junto aos grupos do Dr. Stefan Auer (Leeds, Reino Unidos) e do Prof. Yan Levin (UFRGS), quanto o desenvolvimento de novos estudos a serem realizados em colaboração com grupos experimentais do Departamento de Física da UFV, em particular, o Grupo de Física Biológica, que inclui o Dr. Márcio Rocha, e o Laboratório de Microfluídica e Fluidos Complexos, liderado pelo Dr. Álvaro Teixeira. Basicamente o pedido de compra de um servidor de alto desempenho como item de material permanente reflete o interesse do coordenador em contribuir com a infra-estrutura computacional do GISC (Grupo de Investigação de Sistemas Complexos), coordenado pelo Dr. Silvio da Costa Ferreira Jr., do qual o proponente e seus estudantes fazem parte e que também inclui diversos outros pesquisadores do Departamento de Física da UFV. Vale ainda ressaltar que a pesquisa proposta faz parte dos esforços do pesquisador em estabelecer estudos na áreas de microrreologia teórica e experimental que ainda são incipientes no Brasil.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 18/02/2019-30/06/2022
Foto de perfil

Leandro Londero da Silva

Ciências Humanas

Educação
  • educação para o risco na educação em ciências
  • Nas últimas décadas a Educação para o Risco passou a ser inserida nos currículos de Ciências e nos programas das escolas de alguns países como Portugal, Inglaterra, Estados Unidos e Austrália. Em muitos países e, particularmente, no Brasil, os currículos estão longe de inclui a avaliação de riscos. No Brasil, a Educação para o Risco não era foco das pesquisas em Educação e Educação em Ciências. Esse quadro começou a ser modificado quando a avaliação de riscos passou a ser inserida nos documentos da educação brasileira, como é o caso da BNCC. Os resultados de uma revisão de literatura nacional indicaram a ausência de pesquisas que analisaram a inserção da Educação para o Risco, especificamente no Ensino de Ciências. Esse tema constitui-se como um novo campo de investigação na área. Perante isso, a pergunta que norteia nossa investigação é: Quais são as potencialidades e as delimitações para a inserção da Educação para Risco no Ensino de Ciências? Considero que uma possibilidade de iniciar o diálogo sobre a Educação para o Risco no contexto brasileiro, especificamente, na Educação em Ciências, é procederemos a uma ampla revisão de literatura (nacional e internacional); analisarmos as obras didáticas e objetos digitais aprovados no Programa Nacional do Livro Didático (2021-2024); avaliarmos a adequação dos currículos estaduais no tange a avaliação de riscos; elaborarmos e implementarmos, em aulas de Ciências do Ensino Médio, situações didáticas que contemplem a avaliação de riscos e habilitarmos, por meio de cursos de formação continuada, os professores em exercício docente para trabalharem com o tema risco. Utilizaremos como referencial teórico a Teoria da Sociedade de Risco do sociólogo alemão Ulrich Beck. A Sociedade de risco é um termo usado para descrever a maneira pela qual a sociedade moderna se organiza em resposta ao risco.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 21/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Leandro Malard Moreira

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • criostato de baixa temperatura para experimentos de microscopia óptica linear e não-linear em materiais bidimensionais
  • Este projeto de pesquisa tem como objetivo o estudo das propriedades ópticas de materiais bidimensionais através de técnicas de microscopia óptica linear e não-linear em baixa temperatura. Para tanto visamos estruturar nosso laboratório de pesquisa (Laboratório de Nanoespectroscopia, LabNS - www.labns.com.br) com um criostato de baixa temperatura de tamanho compacto, baixo peso e de baixo "drift" térmico. Com tais características, este criostato é de fácil acoplamento com nosso sistema de microscopia de varredura a laser, de forma a se realizar boas imagens de microscopia óptica linear e não-linear. Os equipamentos de grande porte (lasers contínuos e pulsados e microscópio de varredura por laser) já estão em operação dentro do LabNS. Visamos assim nesse projeto a integração deste criostato óptico a nossos equipamentos com as técnicas de fotoluminescência, fotocorrente e geração de segundo harmônico para realizarmos estudos em física da matéria condensada em materiais 2D (monocamada atômica) como os materiais pertencentes a família dos dichalcogênicos: MoS2, WS2 e WSe2 e nitreto de boro hexagonal. O orçamento solicitado será para aquisição do criostato óptico essencial para a realização dos experimentos em baixa temperatura, como descreveremos na seção 3 deste projeto. Assim esse projeto permitirá a estruturação do Laboratório de Nano-óptica do Dep. de Física da UFMG para realização destas microscopias em baixa temperatura, o que beneficiará diferentes estudos já em andamento na UFMG, assim como irá proporcionar novas áreas de pesquisa. Por exemplo o Prof. Ado Jório, que é também membro de nosso laboratório necessita realizar experimentos de espectroscopia Raman em baixa temperatura, e portanto irá se beneficiar com a compra deste criostato óptico.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2024
Foto de perfil

Leandro Rodrigues Lage

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • o destino da indignação: imagem e sublevações na amazônia
  • O retrospecto da última década, no Brasil, lança-nos uma inquietante questão: qual o destino da indignação? A crise de legitimidade das instituições políticas, o agravamento das injustiças, desigualdades e violências, a degradação progressiva do meio ambiente... Essas são apenas algumas das muitas razões para nos revoltarmos. Na Amazônia, região historicamente constituída como o “Outro” do Brasil, as velhas e novas lógicas colonialistas se acumulam aos dilemas nacionais, constituindo uma atmosfera de ameaças constantes e lutas permanentes. As imagens, esses “avisos de perigo” (Benjamin), surgem tanto na condição de figurações visuais das revoltas quanto como expressões sensíveis da indignação própria daqueles que se sublevam. Tomando-as como gestos de luta, nosso objetivo é analisar e compreender imagens fotográficas enquanto manifestações do desejo de se insurgir contra as injustiças e violências físicas, simbólicas, institucionais, territoriais e culturais que marcam as múltiplas experiências contemporâneas na Amazônia. A proposta se insinua em contiguidade temática com o projeto anterior, intitulado “Levantes amazônicos”, jogando ênfase, dessa vez, sobre as especificidades das imagens fotográficas, pensadas não apenas à luz do imperativo representacional próprio de um paradigma icônico, mas também a partir de suas dimensões sobrevivente e sintomal, isto é, enquanto subjetivações políticas, e também expressões de afetos e emoções partilhados diante de tempos obscuros (Didi-Huberman; Rancière). Ao assumirmos as premissas de que em nosso modo de imaginar jaz uma condição para nosso modo de fazer política, e de que, portanto, fazer imagem é também uma maneira de se revoltar diante da história, nosso interesse empírico e metodológico volta-se, nessa nova proposta, àquelas fotografias que circulam à margem de uma iconografia museal e midiática dos levantes: imagens feitas pelas mãos e pelo olhar daqueles que, indignados, sublevam-se e reapropriam-se do próprio destino.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 18/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Leandro Valle Ferreira

Ciências Biológicas

Ecologia
  • o impacto do estresse hídrico artificial na biota do sub-bosque da floresta amazônica no projeto seca floresta (esecaflor): 20 anos de monitoramento e licões aprendidas
  • Devido à importância do clima para o planeta, nas últimas décadas os estudos vêm se intensificando, inclusive com projeções de cenários climáticos futuros com o uso de modelos matemáticos que levam em consideração vários fatores criando alguns possíveis cenários. Como resultados dessas projeções do clima, existem evidências de que poderá acontecer um aumento do estresse hídrico na Amazônia, mas não se sabe de forma precisa qual seria a resposta da vegetação a essa mudança. Com a intenção de conhecer as repostas da vegetação a redução da chuva na região o projeto ESECAFLOR (Estudo da Seca da Floresta) foi criado para dar essas respostas, onde duas instituições brasileiras (Universidade Federal do Pará - UFPA e o Museu Paraense Emílio Goeldi - MPEG) e duas estrangeiras (Universidade de Edimburgo - UEDIN e Universidade de Exeter), atualmente participam do projeto cujas medições se iniciaram em 2001 e se mantém até hoje. O projeto ESECAFLOR está localizado na base de Pesquisa da Estação Científica Ferreira Penna (ECFPn) do Museu Paraense Emílio Goeldi, localizado na Floresta Nacional de Caxiuanã. Desde 2010, a ECFPn é um dos Sítios de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração (PELD-FNC) apoiado pelo CNPq. A Estrutura do projeto ESECAFLOR é constituída de duas áreas, chamadas de parcelas, com uma área de 1 hectare cada (100m x100m). A parcela controle permanece intacta enquanto na parcela experimental foi instalada uma grande estrutura com trincheiras no entorno, painéis plásticos transparentes e calhas para captar a água da chuva e drenar a mesma para um local afastado, reduzindo entorno de 50% da água da chuva que chegaria ao chão da floresta. Em cada parcela existe uma torre que é usada para medições meteorológicas, para estudos fisiológicos nas copas das árvores, além de servir para observarmos a floresta por cima da copa das árvores. Nas duas parcelas são medidas a temperatura e a umidade do solo em diversos níveis, informações meteorológicas da superfície até acima da copa das árvores, medições periódicas do crescimento da vegetação, assim como, da queda das folhas, frutos e galhos (serrapilheira), o fluxo de seiva em diversas árvores, os fluxos de gás carbônico das árvores e do solo, comparações do impacto da redução hídrica na comunidade de plantas e animais do sub-bosque também são monitorados. Finalmente o projeto ESECAFLOR é referencia na formação de recursos humanos em nível de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado, contribuindo com diversos Programas de Pós-graduação. Além disso, o projeto ESECAFLOR promove o intercâmbio de pesquisadores brasileiros nas instituições estrangeiras parceiras e vice-versa, o que contribui para a formação academia dos mesmos. Nos seus 20 anos de existência o Projeto ESECAFLOR tem uma grande produção bibliográfica, sendo que muitos artigos são referências ligadas ao tema dos impactos de mudanças climáticas no bioma tropical.
  • Museu Paraense Emílio Goeldi - PA - Brasil
  • 03/12/2020-31/10/2024
Foto de perfil

Lectícia Auxiliadora de Figueiredo Oliveira

Engenharias

Engenharia Civil
  • xiii mostra estadual de ciência, tecnologia e inovação – mecti
  • A “Mostra Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação”, instituída por Decreto Governamental nº 299 de 29/05/2007, tem como principal objetivo fomentar nas unidades escolares da rede pública e privada, a iniciação a pesquisa científica júnior como condição para explicar os fenômenos de forma lógica, coerente e consistente, por meio de métodos de observação e experimentação, visando o desenvolvimento científico, tecnológico e inovação do Estado de Mato Grosso. Acreditando que jovens estimulados a discutir temas que envolvam criatividade e inovação em seu cotidiano certamente serão cidadãos mais inovadores e aptos a exercer a sua cidadania, propomos para 2021, a XIII edição da Mostra Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação – MECTI em Cuiabá, Mato Grosso.
  • Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 05/01/2021-31/01/2023
Foto de perfil

Lectícia Auxiliadora de Figueiredo Oliveira

Outra

Divulgação Científica
  • xiv mostra estadual de ciência, tecnologia e inovação – mecti
  • Realizar a XIV Mostra Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação - MECTI no período de 18 a 20 de outubro de 2022, em Cuiabá, Mato Grosso, com objetivo de fomentar nas unidades escolares da rede pública e privada, a iniciação a pesquisa científica como condição para explicar os fenômenos de forma lógica, coerente e consistente, por meio de métodos de observação e experimentação, visando o desenvolvimento científico, tecnológico e inovação do Estado de Mato Grosso. A XIV MECTI visa estimular novas vocações em ciências e tecnologia através do desenvolvimento de projetos criativos e inovadores; Sensibilizar professores e alunos sobre a importância da ciência e tecnologia no cotidiano; Envolver e motivar a comunidade escolar na divulgação da cultura científica desenvolvida na escola; Despertar na população jovem a curiosidade científica; Incentivar a pesquisa desde os primeiros anos escolares e propiciar a formação docentes na busca destes objetivos. A MECTI será realizada em várias etapas como: capacitação de alunos e professores; elaboração e divulgação do regulamento; divulgação do comitê de avaliação e seleção; realização da XIV MECTI e divulgação dos finalistas.
  • Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 25/12/2021-31/12/2023
Foto de perfil

Leda Rita Dantonino Faroni

Ciências Agrárias

Engenharia Agrícola
  • ozônio na conservação de produtos agrícolas: cinética de reação, controle de pragas e degradação de micotoxinas, com base nas caracterïsticas qualitativas dos produtos
  • Na pós-colheita de produtos agrícolas, a presença de fungos, bactérias e insetos, atuam causando perdas significativas tanto na quantidade quanto na qualidade dos alimentos. Com a evolução de resistência a inseticidas, com a contaminação de alimentos por bactérias e fungos micotoxigênicos e da preocupação com os riscos oferecidos à saúde humana e animal, intensificou-se a busca por métodos alternativos, que sejam eficientes e ambientalmente sustentáveis. O ozônio (O3) surge nesse cenário pelo seu elevado potencial oxidativo, sendo eficaz no controle de insetos, fungos, bactérias e vírus, e na degradação de micotoxinas. Por apresentar um tempo de meia vida curto sob pressão atmosférica, sua aplicação em alimentos tem sido feita por meio de movimentação forçada de ar (em fluxo) e, ou dissolvido na água. Outra estratégia que ainda precisa de melhor entendimento é a aplicação do ozônio em sistema fechado sob pressão controlada. É conhecido que, na estratosfera, o ozônio é mais estável, pois está submetido a pressões que variam de 54,6 a 8,6 hPa. Espera-se que, ao aplicar ozônio em um sistema em baixas pressões, ele seja mais estável e atinja maiores níveis de eficiência. Para a utilização do O3, sua cinética de reação e seu efeito nas características dos produtos devem ser compreendidos. O conhecimento de parâmetros como tempo de saturação e constante de decomposição ajudam a entender como ocorre a dispersão e reação do O3 com os produtos e possibilita estabelecer critérios como tempo de exposição e concentração sem causar danos físicos e químicos nos alimentos. Assim, para cada produto a concentração de ozônio, o tempo de exposição e a forma de aplicação devem ser estabelecidas antes se iniciar a sua aplicação comercial, a fim de evitar perdas na qualidade do produto e garantir o uso eficaz e seguro do ozônio. Para grãos e frutas será adotado a injeção do O3 gasoso e dissolvido em água, respectivamente. Para as ervas desidratadas utilizará injeção em baixa pressão
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Leida Calegário de Oliveira

Engenharias

Engenharia de Produção
  • olimpíada brasileira de biotecnologia - obbiotec
  • A Olimpíada Brasileira de Biotecnologia, contextualizada nos novos tempos em que Ciência, Educação e Saúde se interlaçam de forma mais explícita do que nunca antes pensado, está sendo construída para que estudantes de todo o Brasil sintam-se estimulados a estudar e ingressar no campo das ciências aplicadas, para as quais as ciências básicas que integram a Base Nacional Comum Curricular são alicerces indispensáveis. Neste novo modelo de educação, no qual o estudante é protagonista e centro do processo de ensino-aprendizagem, metodologias ativas são fundamentais, por isso, a OBBiotec incorporará ações correlatas para ofertar aos estudantes cursos e games de recuperação de conteúdos e aprofundamento nas aplicações, priorizando experiências significativas existentes no cotidiano. O desenvolvimento das questões será conduzido à luz da multidisciplinaridade, na qual os mais diversos campos do conhecimento se associam à variedade de áreas das ciências biológicas para gerar produtos e processos que transformaram as civilizações humanas. Será realizada no formato online sempre que possível e abrangerá processos biotecnológicos tradicionais e avançados. Contextualizados a partir de exemplos de produtos do cotidiano e de sua estratégica relevância social, os conhecimentos serão abordados pela integração entre a cultura brasileira e seus produtos com os princípios científicos que balizam a geração de biotecnologia, de modo a incentivar uma visão aplicada, mas não distante, algo em que os estudantes possam se reconhecer e perceber perspectiva de atuação. A OBBiotec será desenvolvida não apenas como ferramenta de mensurar o conhecimento trazido pelo estudante, sua capacidade de empregar os saberes em situações cotidianas, estimulando a competição saudável, mas também como mecanismo de fomento ao aprendizado na área, por meio de cursos de formação ao longo do processo e, ainda, pela realização de provas baseadas em atividades práticas, multidisciplinares, instigantes, motivadoras.
  • Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus JK - MG - Brasil
  • 08/12/2021-31/12/2023
Foto de perfil

Leidiane Leão de Oliveira

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • rede clima amazônia: clima urbano e percepção ambiental sobre mudanças climáticas, modelagem do risco social e econômico na amazônia, brasil
  • Um dos grandes desafios governamentais atualmente é a gestão do ambiente urbano. A mudança da cobertura do solo, o crescimento urbano desordenado, desmatamento, cobertura asfáltica das ruas são alguns exemplos de alteração do ambiente natural. Estas modificações fazem com que a população quando exposta a condições climáticas adversas apresente um grau de vulnerabilidade, tentar compreender como essa vulnerabilidade se relaciona como fatores sociais, econômico e ambiental, podem gerar uma ferramenta de gestão eficiente sobre como determinada localidade ou população reagem ao risco de um determinado evento. Neste contexto a presente pesquisa visa caracterizar a vulnerabilidade socioeconômica da população associados a fenômenos climáticos adversos, ilhas de calor, conforto térmico e alagamentos nos três maiores centros urbanos do Leste da Amazônia (Belém-PA, Macapá-AP e Santarém-PA). Essas cidades apresentaram uma grande expansão territorial na última década, tal transformações exige uma demanda cada vez maior de informações sobre a vulnerabilidade de ambientes urbanos em escalas e contextos regionais. Cada fenômeno adverso causa um impacto diferente na população, sendo importante que índices regionais com ênfase nas características dinâmicas de cada município fundamental para propostas e decisões mais assertivas dos gestores locais, regionais e estaduais. Pretendemos avaliar indicadores de extremos climáticos verificando se eles sofreram modificações nos últimos anos, caracterizar ilhas de calor e o regime de precipitação local, também iremos verificar o grau de percepção da população em relação a questões climáticas e mudanças climáticas e promover ações de conscientização ambiental.
  • Universidade Federal do Oeste do Pará - PA - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025