Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vanessa Galli

Ciências Biológicas

Botânica
  • mecanismos transcricionais e pós-transcricionais envolvidos na resposta a estresses osmóticos e no amadurecimento de frutos não-climatéricos
  • Os fenilpropanóides são metabólitos secundários produzidos pelas plantas e estão envolvidos em respostas a estresses bióticos e abióticos. Além disso, eles são sintetizados durante o processo de amadurecimento dos frutos. O interesse por estes compostos, especialmente as antocianinas, tem aumentado devido a seus efeitos benéficos à saúde humana. Portanto, o entendimento dos mecanismos envolvidos no acúmulo desses compostos é de extrema importância para o desenvolvimento de plantas com maior resistência/tolerância a estresses bióticos e abióticos e plantas com maior potencial funcional. Neste contexto, o morango se destaca como modelo para estudar os mecanismos envolvidos no acúmulo de antocianinas. Embora as vias de sinalizações envolvidas na síntese destes compostos ainda não estejam elucidadas, existem evidências de que seja dependente do ácido abscísico (ABA), sendo gerada por uma cascata de sinalização envolvendo cálcio (Ca2 +) e proteínas quinases dependentes de Ca2 + (CDPKs). Embora estudos mostrem uma correlação entre o conteúdo de ABA e de fenilpropanóides sob condições de estresse e durante o amadurecimento de frutos não climatéricos, como é o caso do morango, pouco ainda se conhece sobre os mecanismos que determinam o conteúdo de ABA nas células, e como se conecta ao conteúdo de fenilpropanóides. Existem evidências de que o cálcio (Ca2+) possa ser um dos elos conectando estas vias de sinalização, sendo este percebido na célula por proteínas quinases dependentes de cálcio (CDPKs) que traduzem este sinal em uma cascata de fosforilação proteica. Sugere-se que diferentes isoformas desta proteína seriam capazes de perceber diferentes sinais de Ca2+ e fosforilar diferentes substratos. Em Arabidopsis, tem se apontado os fatores de transcrição WRKY (envolvido na resposta a estresses), além da enzima fenilalanina amônia liase (PAL - enzima limitante na rota metabólica de síntese de fenilpropanóides) como possíveis substratos de CDPKs. Estudos prévios realizados pelo nosso grupo de pesquisa mostraram que dentre os genes que codificam para CDPKs em morango, dois (FaCDPK4 e FaCDPK11) são influenciados pelo estresse, por ABA e pelo processo de maturação. No entanto, este resultado precisa ser validado e o efeito sobre o metabolismo de fenilpropanóides determinado. Neste contexto, a técnica de silenciamento gênico usando vetores virais para expressão transiente (vírus-induced gene silencing – VIGS) tem se mostrado efetiva para determinação da funcionalidade de genes em frutos de morango. O crosstalk entre ABA, CDPKs e fenilpropanóide também pode ser regulado por mecanismos pós-transcricionais. Neste contexto, os RNAs circulares tem recebido atenção, podendo atuar com esponjas de miRNAs, ou seja, capturando-os e impedindo-os de regularem seu mRNA alvo. Até o presente momento, nenhum circRNA foi descrito em morango; no entanto, recentemente foi reportado a existência de circRNA afetando a maturação de tomate, um fruto climatérico, sugerindo que este possa ser também um mecanismo de regulação em frutos não-climatéricos. Assim, este projeto tem como objetivo identificar e caracterizar a expressão de fatores de transcrição WRKY e de circRNAs, miRNAs e alvos de miRNAs durante o amadurecimento de frutos de morango e em resposta a estresses osmóticos e aplicação de ABA; e avaliar o efeito do silenciamento transiente de genes FaCDPK4 e FaCDPK11 na expressão de genes associados ao metabolismo de ABA e fenilpropanóides, bem como de WRKY, além do acúmulo de compostos fenilpropanóides, ABA e metabólitos de ABA (ácido abscísico glicosil-ester, ácido faseico e dehidrofaseico). Dessa forma, o conhecimento obtido poderá vir a ser utilizado para o desenvolvimento de plantas com maior conteúdo de compostos funcionais (biofortificados) e tolerantes/resistentes a estresses osmóticos. Estratégias para o controle da maturação de frutos também poderão ser desenvolvidas, seja por meio de engenharia genética ou melhoramento convencional, ou ainda através da aplicação de um produto baseado em ABA ou a base de miRNA ou circRNAs, aumentando a qualidade pós-colheita e o tempo de prateleira destes frutos. A execução deste projeto também permitirá estimular a formação de recursos humanos (graduação, pós-graduação) de alto nível científico, numa interação de conhecimentos de fisiologia vegetal, biologia molecular e bioinformática. Além de consolidar colaborações interdepartamentais e interinstitucionais.
  • Universidade Federal de Pelotas - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanessa Hatje

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • serviços ecossistêmicos e impactos ambientais na baía de todos os santos (seima-bts)
  • Este projeto tem natureza multidisciplinar e multi-institucional e é conceituado como a terceira fase do Projeto Baía de Todos os Santos (BTS), um programa científico de longa duração (30 anos) que está prestes a completar dez anos. A grande motivação para a submissão desta proposta, ao continuar o Projeto BTS, é avaliar, usando linhas de múltipla evidência, como estressores em escala local/regional e global impactam os ecossistemas da Baía de Todos os Santos. Os objetivos específicos são: 1) Determinar a eficiência e a escala de tempo de estocagem de Corg e Cinorg, avaliar os processos de produção e calcificação nos manguezais e gramas marinhas e determinar o efeito das atividades antrópicas nas taxas de enterramento de C; 2) Determinar processos e funções ecológicas chaves dos manguezais e dos bancos de gramas marinhas; 3) Estabelecer a cronologia de contaminação de diferentes habitats, identificando fontes e nível de degradação ambiental; 4) Quantificar os aportes de elementos tecnologicamente críticos (e.g. terras raras) para a Baía; e 5) Investigar mudanças no padrão de circulação da BTS. Localizada na Bahia, a BTS é a segunda maior baía brasileira e um dos maiores e mais ricos sistemas costeiros do Brasil. Banhada por vários estuários, suas águas são bordeadas por manguezais e abrigam diversas ilhas, pradarias de gramas marinhas e recifes de corais. Trata-se, portanto, de um conjunto de ambientes diverso do ponto de vista ecológico, que fornece muitos bens e serviços. Paradoxalmente, a BTS está sujeita a uma multiplicidade de impactos incluindo portos, desmatamento, construção de barragens, dragagens e agricultura. A região abriga ainda parques industriais importantes e uma área metropolitana com cerca de 3 milhões de habitantes. A substituição de habitats naturais como manguezais e gramas marinhas por paisagens urbanas ou industriais na BTS tem produzido mudanças quali-quantitativas nos fluxos de matéria na interface continente-oceano e causando alterações fundamentais na dinâmica e habilidade destes ambientes em prover serviços ecossistêmicos de maneira sustentável. Entre os múltiplos serviços ecossistêmicos providos pelos ambientes costeiros está a capacidade de sequestro e estocagem de C orgânico (Corg), a qual tem gerado muito interesse entre cientistas e tomadores de decisão devido seu potencial papel na mitigação de mudanças climáticas. O Corg estocado nos manguezais e bancos de gramas marinhas é chamado de “Carbono Azul”. Muitas estratégias foram desenvolvidas para evitar ou mitigar as emissões de CO2 através da conservação e restauração de mangues e bancos de gramas marinhas, os quais estão entre os ambientes mais ameaçados do planeta em termos de taxas de perdas. É estimado, por exemplo, que nos últimos 15 anos tenham sido perdidos mais de 24 K hectares de manguezais no estado. Os dados referentes as perdas de bancos de gramas marinhas são inexistentes e nem ao mesmo a extensão destes ambientes foi estimada para a BTS. Vários estudos têm sido realizados na BTS nas últimas décadas, a maior parte de forma fragmentada, no espaço e no tempo. Esta característica inviabilizou a construção de uma base de dados robusta e comparável que permita a avaliação das mudanças vivenciadas nos ecossistemas da BTS ao longo do tempo. Monitoramentos de dados químicos, ecológicos e hidrográficos iniciaram apenas recentemente de maneira mais sistemática. Enquanto hoje conhecemos o padrão de distribuição de várias variáveis bióticas e abióticas em diversos ecossistemas da Baía, o estudo dos processos que explicam os padrões observados ainda é incipiente. Adicionalmente, a dimensão da Baía e a diversidade de ecossistemas e estressores atuando nestes demandam um investimento científico continuado, tanto para possibilitar a construção de séries temporais, para avaliar os processos controladores destes ecossistemas, como para o estudo de problemas presentes e futuros que podem comprometer a saúde dos ecossistemas da Baía, bem como a segurança hídrica e alimentar de suas populações. Existem muitas questões científicas importantes a serem respondidas a respeito dos ecossistemas da BTS. Pensando nestas questões, esta proposta reúne algumas das principais instituições de ensino e pesquisa do N e NE do Brasil que atuam na área de Ciências do Mar, embora não esteja restrita apenas a elas. A equipe é composta de pesquisadores seniores, em consolidação e em iniciação da carreira acadêmica, de maneira que abrange a competência presente e futura. Este projeto envolverá alunos de iniciação cientifica, mestrado e doutorado, que desenvolverão seus trabalhos de campo e laboratório de forma integrada com os pesquisadores, permitindo seu treinamento acadêmico e a produção de artigos científicos que respondam perguntas inovadoras. Pesquisadores estrangeiros renomados, participantes da proposta, asseguram que haverá colaborações com grupos internacionais de referência, permitindo transferência de know-how, compartilhamento de infraestrutura e contribuição para a internacionalização das atividades de pesquisa. Os resultados deste projeto subsidiarão: i. o desenvolvimento de políticas públicas relacionadas à regulação ambiental, visando ao uso sustentável de recursos naturais da BTS; (ii) a elaboração do plano de manejo da APA da BTS; (iii) a construção de bancos de dados biológicos, químicos e hidrográficos para tomadas de decisão referente ao planejamento do desenvolvimento rural e urbano da bacia de drenagem da BTS; (iv) a publicação de artigos científicos em revistas de alto impacto; e (v) a formação de recursos humanos qualificados. Como inovação tecnológica o projeto prevê a valorização dos resíduos de biomassa lignocelulósica coletados em zonas de manguezais e bancos de gramas marinhas com potencial de emprego destes materiais como adsorventes, tanto in natura, como após conversão a carvões ativados e carvões magnéticos, para o tratamento de múltiplos efluentes.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 30/11/2017-30/11/2020
Foto de perfil

Vanessa Hatje

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • fontes, sumidouros e processos controladores da distribuição de elementos terras raras (ree) e εnd no atlântico tropical (15ºn-21ºs)
  • Os elementos terras raras (REE) são um conjunto de elementos químicos extremamente coerente, de modo que suas propriedades variam gradualmente ao longo da série. Esta característica faz com que estes elementos sejam ferramentas valiosas na pesquisa oceanográfica, como marcadores de ciclos biogeoquímicos e de diferentes massas de água, proxies para reações de oxirredução e na caracterização de fontes de material particulado em suspensão. Dentro os REE, o Nd devido às aplicações de seus isótopos, é um elemento que merece destaque. A composição isotópica do Nd dissolvido no oceano reflete o balanço entre a composição radiogênica do isótopo originado do intemperismo continental e do derivado do manto, seja por intemperismo do manto ou atividade hidrotermal. A discrepância entre o comportamento não conservativo das concentrações de Nd e o comportamento conservativo da composição isotópica de Nd foi descrita como o “paradoxo do Nd”. Foi proposto que processos de troca entre os sedimentos e a coluna d’água nas margens continentais, chamados de Boundary Exchange Processes, seriam importantes para explicar o “paradoxo do Nd”, uma vez que forneceriam um novo termo de aporte para o balanço global de Nd nos oceanos, permitindo que houvesse alteração da composição isotópica nas margens continentais, sem necessariamente haver enriquecimento em termos de concentração. Os dados de REE e, principalmente, de isótopos de Nd ainda são escassos para o Atlântico Tropical e Sul. Este fato reflete algumas das dificuldades associadas à medida destes elementos e seus isótopos. Neste contexto e em resposta ao Edital UNIVERSAL MCTI/CNPq N⁰ 28/2018, esta proposta tem os seguintes objetivos: 1) Determinação de REE nas águas do Atlântico tropical oeste entre as latitudes 21ºS e 15ºN obtidas no cruzeiro oceanográfico PIRATA XVII/GEOTRACES Apr 10; 2) Testar a hipótese de “Boundary Exchange” para explicar a discrepância entre as concentrações de Nd e epsilon Nd ao longo de transects em 5ºS e 11ºS na plataforma continental durante o cruzeiro a PIRATA XVIII/GEOTRACES a ser realizado entre setembro e outubro de 2018; 3) Capacitar os integrantes do grupo de pesquisa na preparação de amostras de água oceânica visando a determinação de isótopos de Nd, Ba e na utilização de diluição isotópica nas análises de REE por ICP-MS. Para execução deste projeto está prevista a utilização de amostras de água obtidas em duas campanhas oceanográficas: i. cruzeiro oceanográfico PIRATA XVII/GEOTRACES Apr10 e o ii. cruzeiro oceanográfico PIRATA XVIII/GEOTRACES, ambos realizados com o N/Oc. Vital de Oliveira. O cruzeiro PIRATA XVII/GEOTRACES Apr10 foi realizado com sucesso no verão 2017/2018, enquanto o cruzeiro de 2018 se iniciará dia 29 de setembro a partir de Maceió. As amostras para determinação de REE serão pré-concentradas empregando o sistema seaFAST e as concentrações dos elementos determinadas por um ICP-MS (ICAP-RQ, Thermo Finnigan, Alemanha) acoplado a um sistema de desolvatação (Aridus 3, CETAC, USA) que usa uma mistura de gás nitrogênio-argônio para aumentar a sensibilidade do instrumento e diminuir a formação de óxidos. Precisão e acurácia serão verificadas com amostras de referência GEOTRACES (GSC, GSP). Para os isótopos de Nd, as amostras serão pré-concentradas em cartuchos C18 e o Nd será separado da matriz de água cromatografia de troca aniônica. As amostras serão medidas por espectrometria de massa por ionização térmica ou por um ICP-MS multicoletor. Este projeto promoverá a consolidação e ampliação das linhas de pesquisa do Centro Interdisciplinar de Energia e Ambiente da Universidade Federal da Bahia, desenvolvendo expertise, promovendo capacitação laboratorial, formação de alunos e criando condições para subsidiar o crescimento da pesquisa oceanográfica de oceano aberto na região nordeste do Brasil.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanessa Morais Freitas

Ciências Biológicas

Morfologia
  • estresse celular na modulação das células endoteliais: o papel das vesículas extracelulares
  • O câncer de mama representa o 2º câncer mais letal em todo o mundo, sendo a malignidade mais frequente e mortal na população do sexo feminino. Durante a progressão tumoral, a angiogênese é estimulada por células tumorais e garante o aporte de nutrientes e oxigênio garantindo o crescimento sustentado das células tumorais. Antes da formação desses novos vasos, as condições presentes no microambiente tumoral incluem acidose, hipóxia, limitação de nutrientes e em células metastáticas, ausência de substrato adesivo. Acreditamos que somente células resistentes à essas condições inóspitas podem sobreviver e dar continuidade ao crescimento do tumor. Em contrapartida, o modelo in vitro convencionalmente utilizado no estudo do câncer não reproduz fielmente o microambiente tumoral, pois apresenta pH neutro, normóxico, com meios nutritivos e substratos bidimensionais plásticos tratados para facilitar a adesão celular. Nosso laboratório, utilizando PCR array, avaliou a expressão gênica de células tumorais de mama em diferentes situações de estresse e observamos o aumento da expressão de genes envolvidos na angiogênese quando as células tumorais são cultivadas em pH ácido. Além disso, observamos que células tumorais resistentes ao pH ácido, produzem mais vesículas extracelulares do que as células controle. Essas vesículas podem levar informações específicas para células do microambiente tumoral, incluindo as células endoteliais. Temos o intuito de investigar se a diminuição no pH em culturas de células tumorais poderia induzir a formação de novos vasos por células vizinhas (endoteliais). Além da angiogênese temos a intenção de estudar se as vesículas podem modificar o comportamento das células tumorais aumentando moléculas de adesão e consequentemente o comportamento adesivo de células tumorais ao endotélio. Também investigaremos se a internalização de vesículas extracelulares é diferente entre células endoteliais de diferentes origens, o que pode nos trazer mais informações sobre a formação dos sítios pré-metastáticos. Essas informações irão contribuir para o melhor entendimento da angiogênese e metástases dos tumores, o que pode aumentar as chances de conseguirmos novas terapias para barrar a progressão dos tumores de mama.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanessa Naciuk Castelo Branco

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • oleogéis como substituto de gordura em alimentos industrializados: caracterização das suas propriedades físico-químicas e da sua ação como veículo de administração de compostos bioativos
  • Atualmente, existem várias controvérsias sobre os efeitos deletérios do consumo de gorduras para a saúde humana, principalmente em relação aos ácidos graxos saturados. No entanto, dietas ricas em ácidos graxos trans estão claramente associadas ao aumento do risco de doenças cardíacas e da síndrome metabólica, fato que conduziu órgãos regulatórios e governamentais a recomendar a redução e a restrição do uso dos ácidos graxos saturados e trans em alimentos industrializados, respectivamente. No entanto, a gordura sólida (ácidos graxos saturados e trans) promove a estrutura elástica de muitos alimentos industrializados, conferindo suas propriedades sensoriais desejáveis. Portanto, a indústria de alimentos deve encontrar alternativas para substituir as gorduras sólidas que fornecem propriedades sensoriais semelhantes a esses produtos e supram as expectativas do consumidor em relação ao desenvolvimento de produtos mais saudáveis. Nos últimos anos, a estruturação de óleos vegetais com agentes estruturantes (oleogéis) tem sido amplamente investigada como substitutos deste tipo de gordura. Neste sentido, os oleogéis são organogéis cuja fase líquida oleosa é imobilizado por um agente estruturante, formando uma rede tridimensional contínua que possue propriedades semelhantes a uma estrutura sólida. Logo, é possível que os oleogéis apresentem propriedades mecânicas, principalmente plasticidade e elasticidade, semelhantes às da gordura sólida em produtos alimentícios. Além disso, os oleogéis também podem contribuir para controlar a liberação de compostos bioativos lipofílicos, como tocoferóis, carotenos e fitoesterois, que geralmente apresentam uma absorção intestinal limitada. Portanto, o uso de oleogéis como substitutos de gordura pode fornecer propriedades sensoriais adequadas aos produtos alimentícios, além de aumentar a bioacessibilidade de compostos bioativos. No entanto, existem poucos produtos comerciais disponíveis usando oleogéis como substitutos de gordura, especialmente devido à necessidade ainda existente de um agente estruturante de grau alimentício aceitável, comercialmente disponível e de baixo custo. O efeito de diferentes agentes estruturantes para as propriedades mecânicas e estruturais de oleogéis tem sido relatado, sendo o polímero etilcelulose e as ceras vegetais os agentes estruturantes responsáveis por gerar os oleogéis mais adequados. Entretanto, ambos apresentam limitações que dificultam sua aplicação em escala industrial, reforçando a busca contínua por um agente estruturante mais adequado. Neste cenário, os polissacarídeos são importantes agentes espessantes e emulsificantes para a indústria alimentar, que apresentam alta disponibilidade comercial, além de grau alimentar aceitável e baixo custo. Assim, o uso de polissacarídeos como agentes estruturantes é uma alternativa promissora para contribuir com a aplicação de oleogel como substituto de gordura na indústria de alimentos. No entanto, esse assunto ainda é pouco investigado. Neste contexto, a quitosana é um polímero catiônico derivado da quitina de baixo custo, biodegradável, biocompatível e não tóxico, que apresenta ação antioxidante, anti-hipertensiva, anti-inflamatória, anticoagulante, antidiabética, antimicrobiana, anticancerígena e efeitos neuroprotetores. Além disso, a quitosana é um conservante alimentar com grau alimentício aprovado pela Food and Drug Administration e um agente promissor de liberação controlada de compostos bioativos. Sendo assim, a aplicação da quitosana em alimentos como filmes comestíveis ativos e revestimentos tem sido extensivamente investigada. Portanto, a quitosana apresenta potencial para ser utilizada como agente estruturante para o desenvolvimento de um oleogel biocompatível e biodegradável com propriedades tecnológicas adequadas à indústria alimentícia e para o aumento e o controle da biodisponibilidade de compostos bioativos. Para tal, a presente proposta será dividida em três subprojetos, destinados a responder questões científicas relacionadas à: 1) melhores protocolos para desenvolver um oleogel estável estruturado com quitosana e enriquecido com compostos bioativos lipofílicos; 2) o desenvolvimento de produtos de alta aceitabilidade usando oleogéis estruturados com quitosana como substitutos de gordura e; 3) o papel dos oleogéis estruturados com quitosana como sistemas de liberação controlada de compostos biativos lipofílicos. Análises instrumentais relacionadas à textura, reologia, microscopia, termogravimetria, espectroscopia, cromatografia e sensorial serão utilizadas. Além disso, ensaio in vitro de digestão dinâmica simulada (TIM-1) será usado para compreender o impacto dos oleogéis para a absorção dos compostos ao longo do trato gastrointestinal. Esta proposta integra e dá continuidade a linha de pesquisa coordenada pelo proponente que se articula com uma Dissertação de Mestrado, uma Tese de Doutorado e um projeto de Iniciação Científica já em andamento sob minha supervisão. Ademais, pretende-se selecionar mais três alunos (1 Doutorado, 1 Mestrado e 1 IC) para participar desta proposta. Este projeto conta com equipe multidisciplinar de pesquisadores (UFF, UFRJ, USP e Universidade de Guelph), estudantes de graduação e pós-graduação, colaborando com o fortalecimento de parcerias Institucionais, além da formação de recursos humanos qualificados. Vale ressaltar que outros projetos desta linha de pesquisa recebem apoio financeiro da FAPERJ e da UFF. O desenvolvimento desta proposta resultará em dados de crescente impacto científico, com relevância tecnológica e biológica e significância para a indústria de alimentos e para a saúde humana. Portanto, espera-se ampliar o conhecimento em relação à ciência básica e aplicada dos oleogéis, difundindo essa saber para além da academia, dando os subsídios necessários para a fabricação de novos produtos isentos de ácidos graxos trans e agregados em valor bioativo.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanessa Olzon Zambelli

Outra

Biomedicina
  • papel da aldeído desidrogenase-2 na tolerância induzida por fármacos opioides.
  • Os opioides são fármacos analgésicos eficazes no tratamento da dor moderada a intensa. Porém, o uso crônico de opioides resulta no desenvolvimento de tolerância a seu efeito analgésico. O fenômeno de tolerância trata-se da necessidade de aumentar a dose do opioide para promover o mesmo efeito analgésico. Evidências clínicas sugerem que a população oriental é mais responsiva aos opioides e, possivelmente, mais resistentes ao desenvolvimento de tolerância. Compreender os mecanismos moleculares envolvidos na tolerância aos opióides pode permitir o desenvolvimento de terapêuticas mais eficazes, sem este efeito indesejado. Nesse estudo, estudaremos uma mutação pontual que inativa a enzima aldeído desidrogenase 2 (ALDH2). Essa mutação afeta ~ 560 milhões de asiáticos. Conhecida como ALDH2*2, essa mutação reduz a atividade enzimática em mais de 60% em indivíduos heterozigotos. A ALDH2 é bem conhecida por metabolizar aldeídos reativos, porém, também é responsável pela metabolização de fármacos como nitroglicerina e agentes quimioterápicos. Apesar dessas evidências, não se sabe se esta enzima é responsável pela diminuição da tolerância aos opioides observada em pacientes do leste asiático após. O objetivo deste estudo é avaliar se a enzima ALDH2 regula a tolerância a opioides. Para responder essa questão, desenvolvemos camundongos ALDH2*2, que mimetizam a mutação pontual ALDH2 encontrada na população do leste asiático e Alda-1, uma pequena molécula que ativa seletivamente a ALDH2. Os objetivos específicos são: a) investigar se os camundongos ALDH2*2 respondem diferentemente ao efeito analgésico e tolerância ao efeito analgésico da morfina; b) avaliar se os camundongos ALDH2*2 apresentam diferente padrão de internalização de receptores opioides após a administração crônica de morfina; c) investigar se o uso crônico de morfina induz neurotoxicidade medindo os níveis tóxicos de aldeídos (método DarkZone) e avaliando a função mitocondrial neuronal. A oliceridina, um agonista seletivo da via da proteína G do receptor µ, que não induzir a internalização de MOR e tolerância, será usada como controle. Este mecanismo biológico básico tem, se elucidado, profundas implicações para o tratamento da dor e fornece uma base científica para o melhor controle da dor com analgésicos opioides. Para isso, nossas descobertas podem ajudar a reduzir a dor e os efeitos colaterais indesejáveis de opioides, levando a uma melhor qualidade de vida e a uma redução nos custos hospitalares.
  • Fundação Butantan - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanessa Paes da Cruz

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • estudos genéticos em espécies de tubarões do gênero squalus (chondrichthyes, squalidae) na costa do brasil
  • A pesca excessiva impõe mudanças na estratégia de vida das populações dos organismos, especialmente dos elasmobrânquios (tubarões e raias). Assim, compreender a estrutura das populações torna-se uma importante ferramenta de conservação e manejo dos estoques, que requer um amplo conhecimento sobre aspectos genéticos, biogeográficos, distribuição e ocorrência das espécies. A identificação de estoques geneticamente diferenciados e adaptados ao seu habitat representam um ponto fundamental para o manejo das espécies. Os tubarões do gênero Squalus (família Squalidae) é atualmente formado por 26 espécies e são popularmente chamados de cação-bagre. Este gênero constitui um dos grupos de tubarões mais problemáticos taxonomicamente, principalmente devido à grande similaridade morfológica entres as espécies, onde muitos pesquisadores acreditam que neste grupo existam táxons descritos erroneamente. No oceano Atlântico existem cerca de 11 espécies do gênero Squalus; contudo, no litoral brasileiro essas espécies nunca foram identificadas geneticamente ou tiveram suas populações analisadas. A escassez de dados e as confusões taxonômicas refletem o atual status na lista vermelha da IUCN (International Union for Conservation of Nature), onde grande parte das espécies de Squalus estão listadas como “dados insuficientes” ou inexistentes. Neste contexto, o presente trabalho tem como objetivo principal utilizar a ferramenta genética do DNA barcoding para identificar as espécies de tubarões do gênero Squalus que ocorrem no litoral da costa brasileira, além de desenvolver marcadores do tipo SNPs para estudos populacionais nas espécies identificadas. Para a realização desta pesquisa contamos com 225 amostras de indivíduos do gênero Squalus obtidas de diferentes localidades distribuídas no litoral do dos estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco. Na tentativa de ampliar o número amostral serão realizadas expedições em outras regiões de interesse da costa brasileira. Serão realizadas as etapas de extração de DNA, amplificação do gene COI (DNA barcoding) e SNPs (single nucleotide polymorphisms), obtidos com sequenciamento de nova geração (NGS). Considera-se que tais informações irão contribuir para a identificação da diversidade de espécies do gênero Squalus que ocorrem na costa brasileira, além de estabelecer o conhecimento do real status das populações destas espécies.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanessa Peripolli

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • características da carcaça e da carne de novilhos certificados oriundos de diferentes sistemas de terminação
  • A qualidade da carcaça e consequentemente da carne bovina é dependente de vários fatores intrínsecos e extrínsecos aos animais. Entre os fatores intrínsecos e extrínsecos podemos citar a raça e a nutrição, respectivamente. Estes fatores isolados ou em conjunto definirão a qualidade físico-química, tecnológica e sensorial da carne. Portanto, o objetivo do presente projeto será avaliar o efeito do sistema de terminação e da raça sobre as características da carcaça e da carne de novilhos certificados de acordo com o protocolo do Programa Carne Pampa®. O experimento será conduzido em plantas frigoríficas com inspeção. As amostragens das carcaças serão realizadas por seleção deliberada, sendo selecionadas apenas a carcaça de machos abatidos com idade entre 18 a 24 meses das raças Hereford e Braford terminados a pasto, em semi-confinamento ou em confinamento. Assim, será um delineamento inteiramente casualizado em arranjo fatorial com duas raças (Hereford e Braford) e três sistemas de terminação (a pasto, semi-confinamento e confinamento) totalizando seis tratamentos com 12 repetições. Previamente ao abate os animais serão pesados e o escore de condição corporal avaliado. Serão avaliados o acabamento, a conformação, o peso, o rendimento e o pH das carcaças. Será avaliada a área de olho de lombo, o índice de marmorização, a espessura de gordura subcutânea, os teores de umidade, cinzas e proteína bruta, a quantificação e identificação do perfil lipídico, a cor, as perdas por cocção, a força de cisalhamento, a textura, a oxidação lipídica, a proteína total e o α-tocoferol no musculo Longissimus dorsi de cada carcaça. Independente a raça espera-se que os animais terminados a pasto apresentem carne com maiores teores de α-tocoferol, ômega-3, CLA e estabilidade oxidativa que os animais terminados em confinamento e semi-confinamento trazendo benefícios à saúde humana.
  • Instituto Federal Catarinense - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanessa Silveira Barreto Carvalho

Engenharias

Engenharia Mecânica
  • proposta de apoio à formação de doutores para o fortalecimento de áreas estratégicas dos programas de pós-graduação da unifei
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Itajubá - MG - Brasil
  • 03/04/2020-02/04/2025
Foto de perfil

Vanessa Yuri de Lima

Outra

Divulgação Científica
  • tecnologias sociais e mídias digitais.
  • A proposta para a I Feira de Ciências Júnior da PUCPR Campus Toledo está além da introdução dos jovens na pesquisa, está em incentivá-los a serem ousados em realizar um experimento com responsabilidade, adotando critérios éticos, seguros e com qualidade científica. A feira contribui para o intercâmbio de conhecimentos entre as escolas, sendo um instrumento educativo que melhora o rendimento escolar, tendo como função o desenvolvimento cognitivo dos indivíduos e coletivos. Destarte a implementação da “I Feira de Ciências: Tecnologias sociais e mídias digitais” possibilitará o reconhecimento da pesquisa acadêmica como o caminho que legitima o conhecimento com rigor empírico na fundamentação da prática científica.
  • Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PR - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020