Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adriane Regina Todeschini

Ciências Biológicas

Biofísica
  • biossíntese de hexosaminas como alvo para a terapia do câncer
  • Diabetes e câncer representam duas doenças complexas e fatais, sendo o câncer a segunda principal causa de mortes globais, enquanto o diabetes ocupa a sétima posição. Há evidências que mostram um aumento substancial da incidência de câncer em pacientes diabéticos, ou seja, 8 a 18% dos pacientes com câncer foram diagnosticados com diabetes. Com o crescimento da associação entre diabetes e câncer, estudos multicêntricos são altamente relevantes no contexto clínico e podem ajudar a combater seus efeitos nocivos. Embora os efeitos mediados pela insulina tenham recebido atenção significativa recentemente, o impacto da hiperglicemia em processos chave de células tumorais foi negligenciado. Nessa direção, o impacto da hiperglicemia sobre a via biossintética da hexosamina (BH), surge como um importante mecanismo na progressão tumoral. A BH pode estar alterando a biologia das células tumorais e acelerando o processo de malignidade através da glicosilação aberrante, apontando a BH como potencial alvo de intervenção terapêutica. Assim, a enzima limitante da BH, a glutamina: frutose-6-fosfato-amidotransferase (GFAT), oferece um amplo espectro de utilidade terapêutica. Nesta proposta, trabalhamos com a hipótese de que a via das hexosaminas atua como sensora de alterações metabólicas induzidas pelo diabetes e participa na sua moduação, alterando a glicosilação celular, contribuindo para a plasticidade das células tumorais. Para confirmar a nossa hipótese propomos realizar um estudo estrutural e funcional da GFAT, 1 e 2. Propomos estudar se a modulação da GFAT afeta o fenótipo e o glicofenótipo celular durante a progressão tumoral. A mudança na expressão GFAT será verificada em amostras humanas de pacientes com câncer de cólon. Avaliaremos a modulação da via das hexosaminas pela inibição da GFAT e as consequências dessa inibição para a composição glicídica global e progressão tumoral. Este estudo deve se traduzir em soluções únicas de cuidados de saúde para países como Brasil, cada vez mais atormentado com o envelhecimento da população e aumento da prevalência de ambas doenças. Acreditamos que estes estudos ajudarão a nossa compreensão de como a glicosilação induzida pela hiperglicemia contribui para a tumorigênese e estabelecerá base para o tratamento farmacológico do câncer e da diabetes.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adriane Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • identidade, formação profissional e relações de trabalho: a saúde dos médicos em análise
  • O ingresso crescente de mulheres no mercado de trabalho, inclusive em profissões que eram redutos masculinos como a medicina, vem provocando profundas mudanças na sua dinâmica, afetando principalmente as relações de poder entre gêneros, a distribuição de papéis, a ocupação de cargos estratégicos e a distribuição de renda. Nenhum outra profissão da saúde se iguala no grau de autonomia ou autoregulação de seus profissionais, podendo-se afirmar que os médicos se constituem em uma pequena mas estratégica parcela do setor de serviços, na qual se concentra a criatividade humana sob a forma de expertise especializada. Não obstante, apesar do reconhecimento e status social da profissão, identifica-se na literatura a presença de elementos que podem comprometer não só a aprendizagem, mas também a qualidade das relações socioprofissionais entre os próprios médicos, como também entre eles e demais profissionais de saúde. O ingresso nos cursos de graduação e pós-graduação exige grande capacidade de adaptação em função da intensa carga horária de estudo e ambiente exigente e competitivo, no qual estão presentes fatores estressantes. Nesse contexto, os sintomas mais frequentemente encontrados são: raiva, hostilidade, ansiedade, depressão, ideação suicida, falta de libido e distanciamento emocional dos parceiros, amigos e familiares. Nossa suposição de pesquisa é de que além das repercussões adversas sobre a saúde do próprio profissional será possível identificar consequências negativas para com a própria profissão, como maior cinismo e agressividade, decepção e desejo de abandonar a carreira, além da reprodução de práticas de violência psicológica e física tal como assédio moral. Sendo assim, o objetivo geral da pesquisa se constitui em analisar o processo de construção das identidades dos profissionais médicos, levando em consideração os elementos do contexto de educacional e das práticas cotidianas, e seus efeitos sobre a saúde física e emocional. Os principais objetivos específicos são comparar a auto e heteropercepção quanto aos atributos que melhor caracterizam as identidades profissionais de estudantes de graduação e médicos-residentes, identificar possíveis diferenças de gênero nessa construção, descrever os efeitos do processo de formação na configuração das relações de poder entre profissionais médicos e não-médicos, e analisar os efeitos da formação educacional e das práticas cotidianas na saúde física e emocional de estudantes de graduação e de médicos residentes. O método de investigação escolhido é o estudo multicasos, com uso de técnicas quantitativas e qualitativas para a coleta e a análise de dados. Farão parte da amostra estudantes de graduação de duas instituições de ensino, uma pública e outra privada, e médicos-residentes de programas de residência em hospitais públicos e privados. Dois instrumentos de coleta de dados serão utilizados: um questionários contendo a Escala de Auto e Heteropercepção Profissional (EAHP), e entrevistas em profundidade. Também serão alvo das entrevistas professores e preceptores. Os dados quantitativos serão submetidos a análise estatística descritiva que inclui: teste Kruskal-Wallis ou ANOVA; Teste Mann-Whitney ou Teste T; Correlação de Spearman ou Pearson; Análise Fatorial; e Modelagem de Equações Estruturais via PLS. A proposta de pesquisa apresentada se justifica pela possibilidade de dar sequência a estudos sobre a construção de identidades em profissões de saúde, diversificando os achados e aprofundando as análises, bem como validar a Escala EAHP para a profissão médica. As demais contribuições do estudo serão: a formação de bolsistas de iniciação científica; a ramificação desta proposta nos trabalhos de conclusão de curso de graduação e pós-graduação stricto senso; e a contribuição com insumos para o desenvolvimento de políticas públicas para melhoria da saúde do trabalhador.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022