Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Claudia Diniz Lopes Marques

Ciências da Saúde

Medicina
  • estudo brasileiro de pacientes com doenças inflamatórias crônicas imunomediadas infectados pelo novo corona vírus 2019 (severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 - sars-cov-2) – reumacov brasil
  • Os sintomas associados à infecção pelo SARS-CoV-2 são semelhantes aos da gripe comum, mas podem evoluir com maior gravidade, sobretudo pela exacerbação da resposta inflamatória sistêmica, bem como dano pulmonar e risco de morte. À medida que o surto da COVID-19 se tornou uma pandemia, diversos centros questionaram se os pacientes imunossuprimidos estariam com maior risco de desenvolver uma doença grave. Surpreendentemente, ao contrário dos agentes virais comuns (como Adenovírus, Rinovírus, Norovírus, Gripe, vírus sincicial respiratório), o SARS-CoV-2 não demonstrou causar uma doença mais grave nos pacientes imunossuprimidos de acordo com os relatórios de mortalidade e morbidade publicados na China e Itália, incluindo os pacientes com doenças reumáticas imunomediadas (DRIM). Assim, essa observação clínica tem chamado a atenção de reumatologistas sobre um potencial efeito benéfico ou “protetor” das medicações usadas para o controle de atividade da doença sobre os desfechos da infecção pelo SARS-CoV-2. Por outro lado, não existem dados robustos sobre a influência das DRIM na evolução de pacientes com COVID-19. Os medicamentos utilizados para o tratamento das DRIM incluem os glicocorticoides, os medicamentos modificadores do curso da doença sintéticos convencionais (MMCDsc), como metotrexato, leflunomida e azatioprina, MMCD sintéticos alvos específicos (MMCDsae), como inibidores da JAK, e MMCD biológicos (MMCDb), como bloqueadores do TNF, IL6, IL17, moduladores CTLA-4 e depletores de células B, e os imunossupressores, como a ciclofosfamida. Essas medicações podem promover alterações importantes na resposta imunológica e, como consequência, podemos antecipar potencial impacto na resposta imunológica humoral ou celular de proteção contra diversos patógenos. Os principais questionamentos atuais estão relacionados com a possibilidade de como os imunossupressores poderiam influenciar o curso da infecção? A atividade inflamatória da doença seria um fator de pior prognóstico naqueles infectados pelo SARS-CoV-2 ou a identificação de elevados níveis de IL-6 entre os pacientes que tiveram COVID19 mais grave poderia determinar proteção àqueles que são tratados com bloqueadores do receptor da IL-6? Como se comportam os autoanticorpos e as imunoglobulinas séricas nestes pacientes? Neste contexto, este estudo se propõe a avaliar a evolução de pacientes com DRIM, infectados pelo novo coronavírus 2019 (SARS-CoV-2) e descrever o curso da infecção nesses pacientes, bem como o impacto na atividade de doença e a influência de características da DRIM e/ ou de seu tratamento com os MMCD (sintéticos, alvo específicos e biológicos) sobre o curso da infecção. Será realizado estudo multicêntrico, observacional, caso-controle, coorte prospectiva, com grupo de comparação e amostragem de conveniência, para acompanhamento de pacientes adultos com DRIM que apresentarem infecção confirmada pelo SARS-CoV-2 em dois momentos: (1) avaliação transversal com informações sobre os sintomas prévios ou atuais da COVID-19 e situação clínica no momento da inclusão, que poderá ser feita presencialmente ou por contato telefônico; (2) acompanhamento prospectivo da evolução da DRIM por seis meses após a infecção viral. Assim que liberado o distanciamento social, ocorrerá a visita presencial para consulta clínica, exame físico completo e coleta de amostra de sangue e posterior avaliação sorológica confirmatória para infecção pelo vírus SARS-Cov-2. A coleta de dados referentes às características sociodemográficas, detalhes da apresentação das DRIM e seu tratamento, avaliação da atividade da doença utilizando instrumentos validados internacionalmente, bem como quanto à presença de comorbidades e medicações concomitantes. Além disso, serão abordados os aspectos específicos relacionados aos sintomas da COVID19 e seus desfechos de gravidade. Serão incluídos pacientes com COVID19 e pareados com pacientes com DRIM, mas sem sintomas da COVID 19. Os dados serão armazenados em plataforma RedCap, on line. Para analisar as diferenças de desfechos entre os grupos será utilizado um teste não paramétrico para amostras independentes, com significância de 0,05. Todos os desfechos e variáveis preditoras serão demonstrados através de estatística descritiva, utilizando-se a frequência absoluta e relativa das variáveis categóricas e a média (com desvio padrão) ou mediana (com intervalo interquartil) para as variáveis contínuas. As possíveis associações serão testadas por meio do teste Qui-quadrado ou teste de Fisher, quando houver distribuição normal; testes não paramétricos de associação serão utilizados em caso de distribuição não normal; correlações serão verificadas através do teste de Spearman ou Pearson. Também serão calculadas medidas de tamanho de efeito como risco relativo (RR) e redução absoluta do risco (RAR).
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 16/07/2020-15/09/2022
Foto de perfil

Claudia do Ó Pessoa

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • desenvolvimento e caracterização de sistemas de liberação contendo novos protótipos, para a otimização terapêutica de síndrome mielodisplásica e câncer colorretal
  • O câncer é grande problema de saúde pública mundial, e atualmente é responsável por uma em cada seis mortes no mundo. Ao avaliar os principais tipos de canceres os tumores malignos que acometem o cólon e o reto ocupam o terceiro lugar na incidência de câncer e é a quarta principal causa de mortalidade relacionada ao câncer em todo o mundo. Enquanto que a Síndrome Mielodisplásica (SMD) é uma neoplasia que afeta o sistema hematológico que ocorre hegemonicamente pessoas de idade avançada, com uma média de 65-70 anos ao diagnóstico. Neste sentido, para ambas a terapia atual possui eficácia limitada, havendo, portanto, a necessidade de desenvolvimento de novas estratégias de veiculação para moléculas em uso e para novas moléculas. Em trabalho prévio, o grupo de pesquisa demonstrou opotencial das Tambjaminas I e J, que mostraram efeitos citotóxicos frente diversas linhagens tumorais como câncer de colorretal, leucêmicas, próstata entre outras e em estudos por citometria induziram - morte celular por apoptose, com parada do ciclo celular, despolarização mitocondrial, presença de danos de DNA e formação de micronúcleos de maneira concentração e tempo dependente. Enuquanto que a quinoxalina em estudos prévios demonstrou atividade antitumoral in vitro contra linhagens de cânceres humanos, entre elas de câncer colorretal (HCT-116) e linhagens leucêmicas (K562, HL-60, KG-1 e Kasumi-1) e indução de autofagia. Contudo, em função da baixa solubilidade aquosa e farmacocinética desfavorável, os resultados in vivo apresentaram baixa eficácia, havendo necessidade da incorporação da molécula em nanofromulações. Neste sentido, os sistemas de liberação nanoestruturados de drogas, são vantajosos, permitindo o by pass, por melhorar a solubilidade e a farmacocinética, como por aumentar a estabilidade da droga encapsulada, permitindo a liberação lenta e sustentada, reduzindo assim a necessidade de administrações frequentes. Com isso serão produzidos lipossomas contendo tambjaminas e lipossomas contendo quinoxalina, para avaliação in vitro e in vivo em modelo animal de câncer de colorretal e SMD respectivamente. Os lipossomas serão caracterizados por técnicas físico-químicas clássicas, empregando cromatografia líquida de alta eficiência, microscopia eletrônica, termogravimetria, espalhamento dinâmico de luz, etc. Enquanto que a avaliação in vitro envolverá estudos de citotoxicidade em linhagem de tumorais de colorretal e leucêmicas e também contemplará os estudos de captação celular dos nanocarreadores, por microscopia confocal e citometria de fluxo. In vivo, será determinada o efeito antitumoral em modelo xenográfico, com imagem tomatográfica do crescimento tumoral para o câncer de colorretal e modelo genético para o SMD, a ser realizado em cooperação com pesquisador da Austrália National University. As características histológicas e imunohistológicas dos tumores serão avaliadas. Em todo esse processo de desenvolvimento do produto, desde a síntese será considerado o aspecto de proteção intelectual, éticos, biosegurança e BPL.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia do Ó Pessoa

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • desenvolvimento e validação de compostos antimitóticos em lipossomas vetorizados com anticorpos monoclonais anti-egfr para liberação sitio especifica na terapia do câncer de próstata
  • O câncer de próstata afeta milhares de pacientes no Brasil, possuindo elevadas taxas de mortalidade, e por isso representa grave problema de saúde pública. Neste sentido, a terapia atual possui eficácia limitada, havendo, portanto, a necessidade de desenvolvimento de novas estratégias de veiculação para moléculas em uso e para novas moléculas. Em trabalho prévio, o grupo de pesquisa demonstrou a potente atividade da nova molécula antimitótica não tubulinica, o (+)-2,3,9-trimetoxipterocarpano contra o câncer de próstata, com menos efeito neurotóxico. Contudo, em função da baixa solubilidade aquosa e farmacocinética desfavorável, os resultados in vivo apresentaram baixa eficácia, havendo necessidade da incorporação da molécula em formulações mais modernas. Neste sentido, os sistemas de liberação nanoestruturados de drogas, são vantajosos, permitindo o by pass, por melhorar a solubilidade e a farmacocinética, como por aumentar a estabilidade da droga encapsulada, permitindo a liberação lenta e sustentada, reduzindo assim a necessidade de administrações frequentes, além de direcionar a tumores sólidos pelo efeito EPR. Adicionalmente, a funcionalização de nanocarreadores, por exemplo lipossomas, com anticorpos monoclonais, como o anticorpo anti-EGFR, com potencial de reconhecer o receptor EGF superexpresso em alguns tipos de câncer de próstata, permite a liberação direcionada e específica à célula tumoral, com potencial de redução dos efeitos colaterais da droga. Para impulsionar a inovação no tratamento do câncer com o uso de anticorpos monoclonais, desenvolveremos anticorpos anti-EGFR biossimilares, contemplando as etapas de construção genética, expressão, caracterização e produção, seguindo as normas de BPL e biossegurança. Assim, a proposta visa encapsular a molécula pterocarpano e o fármaco modelo, cabazitaxel (antimitótico que agre por estabilização dos microtúbulos), em lipossomas e funcionalizar com anticorpos monoclonais anti-EGFR a serem produzidos pelo grupo, para avaliação in vitro e in vivo no tratamento do câncer de próstata. Os lipossomas e imunolipossomas serão caracterizados por técnicas físico-químicas clássicas, empregando cromatografia líquida de alta eficiência, microscopia eletrônica, espalhamento dinâmico de luz, etc. A avaliação in vitro envolverá estudos de citotoxicidade em linhagem de câncer de próstata com baixa e alta expressão de EGFR, e também contemplará os estudos de captação celular dos nanocarreadores, por microscopia confocal e citometria de fluxo. In vivo, será estudada a toxicidade das formulações envolvidas e análise da farmacocinética, bem como o efeito antitumoral em modelo xenográfico, com imagem tomatográfica do crescimento tumoral para o câncer de próstata, empregando microscopia de fluorescência. As características histológicas e imunohistológicas dos tumores serão avaliadas. Em todo esse processo de desenvolvimento do produto, desde a síntese, desenvolvimento dos anticorpos até a funcionalização dos lipossomas serão considerados os aspectos de proteção intelectual, éticos e BPL. Tem-se o propósito de transferir o conhecimento adquirido e a tecnologia desenvolvida para as unidades de produção da Fiocruz, Bio-Manguinhos RJ e/ou Farmanguinhos, detentora da tecnologia para a produção de biofármacos e fármacos com a missão de atender ao SUS. A proposta portanto está em consonância com a política de inovação em saúde do país. Procuraremos fortalecer o núcleo de excelência na área pesquisa e inovação em fármacos, biofármacos e imunoconjugados para o tratamento do câncer no Brasil, integrando grupos de excelência na Universidade Federal do Ceará, sendo pioneiros na produção de lipossomas funcionalizados com anticorpos monoclonais.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 10/11/2018-30/11/2021
Foto de perfil

Claudia dos Santos Mermelstein

Ciências Biológicas

Morfologia
  • o papel do colesterol e das rafts lipídicas na sinalização por sonic hedgehog durante a miogênese
  • A fibra muscular esquelética é formada a partir da adesão de células precursoras, os mioblastos, que se alongam e se fundem formando células multinucleadas em um processo denominado miogênese. A fusão de mioblastos depende de moléculas presentes na membrana, incluindo proteínas e lipídeos específicos, tais como o colesterol. O modelo de estrutura da membrana plasmática foi revisto com base na descoberta de regiões especializadas de membrana enriquecidas em colesterol, os chamados micro domínios de membrana (ou rafts lipídicas). O objetivo deste projeto é o estudo do papel destes microdomínios na via de sinalização de sonic hedgehog (Shh) durante a diferenciação muscular. Nosso principal modelo de estudo é a cultura primária de células musculares esqueléticas obtida a partir de músculo peitoral de embriões de galinha. Para estudar a membrana, podemos perturbá-la através do uso da substância metil-beta-ciclodextrina (MbCD). MbCD tem alta afinidade por colesterol e quando colocada no meio de cultura de células, se liga ao colesterol e pode assim retirá-lo da membrana plasmática. Resultados de nosso grupo de pesquisa mostram que a retirada de colesterol da membrana de mioblastos provoca um aumento da fusão de mioblastos e a formação de fibras musculares bem maiores do que as encontradas em culturas controle. As culturas tratadas com MbCD mostram também a ativação de via de Wnt/beta-catenina. Nossos resultados mostraram que moléculas de Wnt3a presentes no meio condicionado seriam os responsáveis por estes efeitos. Moléculas de Wnt ficam presas a membrana através de ancoras lipídicas do tipo palmitoil e em regiões ricas em colesterol. Neste projeto vamos analisar se outra via de sinalização importante na miogênese, a via de Sonic hedgehog (Shh), também é regulada por colesterol e pelas rafts lipídicas. Shh também é descrita como tendo ancoras lipídicas do tipo palmitoil e estando presente em regiões ricas em colesterol da membrana plasmática. Vários trabalhos sugerem que Shh tem um papel importante na proliferação de células tronco musculares, as células satélites musculares. Embora já tenha sido estudado o papel de Shh na miogênese, sua relação com os microdomínios ainda não foi estudada. Este estudo é de grande interesse do ponto de vista da busca de estratégias para o desenvolvimento de protocolos experimentais que poderão ser utilizados em terapias voltadas ao tratamento de doenças musculares degenerativas.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Elizabeth Thompson

Ciências da Saúde

Medicina
  • inovação em diagnóstico molecular de infecções de difícil tratamento do sistema nervoso central
  • As infecções do Sistema Nervoso Central representam um grande desafio clínico, tendo em vista que a identificação do agente etiológico, muitas vezes, é realizada em menos de 50% dos casos. Essas infecções impõem um enorme gasto com recursos na área da saúde em todo o mundo e são consideradas emergências neurológicas com altas taxas de mortalidade e morbidade, em parte devido à evolução dos mecanismos de virulência e aquisição de genes de resistência a antimicrobianos. Assim, torna-se essencial que sejam realizados diagnósticos rápidos e precisos para detecção precoce dos agentes etiológicos, tratamentos eficientes e, consequente, menor oneração do Sistema de Saúde Pública. Em 2016, nos Estados Unidos, foi realizado o primeiro estudo piloto do mundo, com 10 pacientes, com a utilização de sequenciamento metagenômico e análise de dados por bioinformática, método nomeado Metagenomic Next Generation Sequencing (mNGS), permitindo a identificação dos agentes etiológicos responsáveis por graves infecções do Sistema Nervoso Central (SNC). Contudo, os pipelines computacionais disponíveis não são suficientemente rápidos e precisos a fim de identificar o agente etiológico em poucos dias. Dessa forma, sua aplicabilidade à prática clínica fica prejudicada. Além disso, não possuem funcionalidades importantes como a análise de predição gênica, anotação funcional e detecção de genes associados à resistência e virulência, dados que são fundamentais para que se possa identificar micro-organismos mais agressivos e resistentes a medicamentos. Já em 2017, com a experiência acumulada na análise de grande quantidade de dados gerados por projetos genômicos e metagenômicos, nosso grupo de pesquisa iniciou estudos a fim de otimizar os algoritmos e métodos computacionais de análise de dados metagenômicos de neuroinfecções, sendo que no final do mesmo ano tivemos projeto aprovado pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul e financiamento do Banco Mundial, com a parceria de Hospitais da região metropolitana de Porto Alegre a fim de realizar pesquisa com o objetivo de desenvolver um método eficiente de diagnóstico de infecções do SNC. O foco principal do presente projeto é o desenvolvimento de novos métodos computacionais e protocolos diagnósticos para essas infecções, que possam levar a uma menor taxa de mortalidade e morbidade e ao controle e combate à resistência, uma vez que métodos diagnósticos eficientes levam à seleção rápida e correta dos medicamentos e a um tratamento também eficiente. Para atingirmos esse objetivo utilizaremos dados metagenômicos de pacientes com suspeita ou confirmação de neuroinfecções, obtidos por novas tecnologias de sequenciamento, disponíveis em bancos de dados públicos, e aprimoraremos um pipeline computacional em desenvolvimento por nosso grupo de pesquisa para a identificação dos agentes etiológicos, bem como dos genes de resistência e virulência desses micro-organismos patogênicos responsáveis por infecções de difícil manejo do SNC. Trata-se de uma abordagem biotecnológica inovadora no Brasil e no mundo. Os dados metagenômicos serão analisados a partir de uma abordagem gênica, que incluirá a montagem de fragmentos, predição de genes, anotação funcional, alinhamento contra bancos de dados de genes de resistência e virulência, por meio de algoritmos de bioinformática que serão reunidos em uma plataforma integrada. A partir desta plataforma, profissionais da saúde e pesquisadores poderão obter informações relacionadas aos agentes etiológicos das neuroinfecções, bem como dados relacionados à resistência e virulência, permitindo uma melhor compreensão da relação entre o caso clínico, os dados moleculares e o mecanismo de infecção, contribuindo para diminuição do tempo de resposta diagnóstica e para a promoção de um tratamento melhor direcionado ao paciente.
  • Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - RS - Brasil
  • 31/08/2020-31/08/2022
Foto de perfil

Claudia Esther Alicia Rocio Hassan

Ciências Biológicas

Genética
  • investigando o papel da microbiota intestinal na patogênese e curso clínico da leucemia linfocítica crônica
  • A leucemia linfocítica crônica (LLC) é a neoplasia hematológica mais frequente no mundo ocidental. É caracterizada pelo acúmulo de linfócitos B CD5+ CD23+ de vida longa e resistentes à apoptose, que trafegam entre o sangue periférico, medula óssea e tecidos linfóides secundários. Os pacientes têm um curso clínico muito heterogêneo, variando de doença indolente a progressão rápida e, eventualmente, transformação para linfoma não-Hodgkin. Um fator importante no desenvolvimento e curso clínico da LLC é a estrutura e sinalização dos receptores de células B (BCRs) ou imunoglobulinas (IG) de membrana. Estudos mostraram que: (1) os genes variáveis da cadeia pesada da IG (IGHV) usados para montar os domínios variáveis da IG clonotípica na LLC diferem daqueles usados pelas células B CD5+ normais; (2) esses IGHVs podem, em ~ 1/3 pacientes, associar-se a genes específicos IGHD e IGHJ resultando em uma região de reconhecimento antigênico (CDR3) de estrutura altamente homóloga e notavelmente semelhante (“BCRs estereotipados”); (3) pacientes com LLC podem ser divididos em categorias com base na presença ou ausência de hipermutação somática no IGHV; (4) os pacientes subdivididos desta maneira têm cursos clínicos muito divergentes, aqueles com IGHV mutados (LLC-M) mostram uma doença indolente, muitas vezes sem necessidade de terapia, enquanto que aqueles com IGVH não mutados (LLC-NM) mostram uma doença progressiva em um curto período de tempo; (5) as capacidades de ligação ao antígeno das células B da LLC segregam de acordo com o status de mutação IGHV, com BCRs NM sendo, em geral, altamente auto- / polirreativos, e BCRs M sendo mais restritivos. Outra evidência do papel dos BCR na biologia da doença é o grande sucesso das terapias com inibidores da tirosina quinase de Bruton, que inibem a sinalização do BCR, levando a um atraso significativo na progressão da doença e a uma grande melhora na qualidade de vida. Essas características levaram à hipótese de que o desenvolvimento de CLL é dirigido por interações antígeno-receptor. Entre os fatores extrínsecos, as infecções bacterianas em sinergia com neo-auto-antígeno e células apoptóticas podem levar à evolução da LLC através do estímulo do BCR com características moleculares distintas. Além disso, na LLC, a BCR colabora com receptores de imunidade inata, entre eles, os receptores Toll-like (TLRs), que reconhecem padrões moleculares associados a patógenos (PAMPs) amplamente conservados. Assim, a pergunta sobre o papel do microbioma intestinal na patogênese e comportamento clínico da doença é plausível e ainda não foi respondida. O microbioma humano, o complexo sistema de populações de microrganismos em um nicho corporal, geralmente estabelece relações benéficas com o hospedeiro, mas algumas relações disbióticas podem resultar no desenvolvimento de doenças inflamatórias e cânceres. Estudos metagenômicos mostram que a microbiota pode contribuir para a suscetibilidade e progressão do câncer por diversos mecanismos, como por exemplo através de modular a inflamação e as respostas imunes, induzir dano ao DNA e produzir metabólitos envolvidos na oncogênese ou supressão tumoral. A ligação patogênica mais reconhecível é entre o microbioma intestinal e o câncer via sistema imune, pois a microbiota residente desempenha um papel essencial na ativação, treinamento e modulação da resposta imune do hospedeiro. O microbioma saudável é dinâmico e é modificado durante o processo de envelhecimento, sendo que os idosos apresentam uma microbiota intestinal disbiótica. Assim, o envelhecimento e a inflamação podem estar inter-relacionados com o processo de câncer, resultando em assinaturas específicas de microbioma. A LLC é uma neoplasia tipicamente diagnosticada por volta dos 70 anos. O fato de a LLC ser uma doença do idoso e a importância dos estímulos microambientais para a sobrevida das células leucêmicas fazem da LLC uma interessante candidata para investigar a potencial associação do microbioma na patogênese e resposta terapêutica da doença. Ainda não existe um estudo sobre o papel do microbioma no comportamento clínico e biológico da LLC. Nossa hipótese é a de que existe uma assinatura microbioma associada à LLC e diferente da população saudável da mesma idade, que os grupos imunogenéticos da LLC diferem no perfil metagenômico, e que uma espécie bacteriana ou combinação deles é identificada entre o intestino ou comensais circulantes, afeta a resposta à quimioimunoterapia. Para testar estas hipóteses propomos o seguinte desenho experimental: (1) O estudo inicial de pacientes com LLC (N=150), caracterização imunogenética (estado mutacional e estereótipos do gene IGVH) e da evolução clínica; (2) Recrutamento de pacientes com linfocitose monoclonal B; (3) Formação de biorrepositório de células leucêmicas e plasma; (4) Seleção de grupos de comparação, pareando por idade, sexo e tipo de receptor (IGVH); (5) Recrutamento de grupos imunogenéticos específicos; 8 LMB, 28 LLC), coleta de fezes para estudos de metagenômica; (6) Estudo de um grupo controle (12 doadores saudáveis pareados por idade e sexo); (7) Estudos da microbiota intestinal bacteriana por sequenciamento massivo paralelo (16S NGS) e análise bioinformática; (8) Estudo das subpopulações linfoides T e NK por citometria de fluxo e proteôma em larga escala de pacientes e doadores; (10) Proposta de um modelo. Um grande ganho deste projeto será iniciar o entendimento do papel da interação microbioma-hospedeiro no desenvolvimento e na resposta clínica de pacientes com LLC. Esse entendimento poderá levar a uma melhor caracterização dos riscos no momento do diagnóstico, e abrirá caminhos para o desenvolvimento de novas terapias alvo.
  • Instituto Nacional de Câncer - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Fortes Ferreira

Ciências Humanas

Educação
  • validação de genes para tolerância ao déficit hídrico e produção de ativos biotecnológicos no desenvolvimento de variedade de bananeira com uso eficiente de água
  • Vide projeto anexo
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - BA - Brasil
  • 29/11/2019-30/11/2022
Foto de perfil

Claudia Ida Brodskyn

Ciências Biológicas

Imunologia
  • avaliação do potencial imunomodulador de nanopartículas carredoras de hsp60 humano no tratamento da leishmaniose cutânea causada por leishmania braziliensis
  • Nos últimos anos, a indução da tolerância oral tem sido utilizada com sucesso em vários modelos experimentais de doenças autoimunes, tais como encefalomielite autoimune experimental (EAE), diabetes e artrite, bem como em outras condições inflamatórias tais como colite e alergias (1). Vários estudos vêm sendo executados com o intuito de avaliar a administração oral de bactérias lácticas, com a finalidade de criar um mecanismo natural de liberação de antígenos diretamente na mucosa intestinal (2). A leishmaniose é uma doença tropical que afeta cerca de 350 milhões de pessoas. Diferentes espécies do parasita estão associadas com diferentes manifestações clínicas da doença, abrangendo desde lesões com acometimento cutâneo até a visceral com alta mortalidade. Tais manifestações também dependem da resposta imune do indivíduo acometido pela doença (3). Embora citocinas inflamatórias sejam fundamentais para a destruição da Leishmania, sua presença, sem um sistema de regulação leva à formação da lesão. É importante o equilíbrio entre a inflamação e a regulação da resposta imune para a destruição do parasita e diminuição do ambiente inflamatório induzido pela infecção. A tolerância oral é definida como um estado de supressão da reatividade imunológica frente a antígenos externos previamente administrados por via oral, levando à supressão da resposta inflamatória, pela indução de células T antígeno-específicas secretoras de diferentes citocinas anti-inflamatórias, como IL-10 e TGF-beta; (4). As proteínas de choque térmico (HSPs), podem servir como candidatas promissoras para a indução de mecanismos reguladores com ativação de células T reguladoras (T regs) (5). A HSP60 humana, por exemplo, pode ser reconhecida por receptores do tipo Toll 2 e por receptores da imunidade adaptativa, afetando a inflamação e reduzindo a entrada de células para o sítio inflamatório (6, 7), além de induzir a diferenciação de células T regulatórias, como Treg Foxp3+ e LAP+ e levar ao aumento na produção de IL-10 pelas células T (8). Lactococcus lactis são bactérias lácticas, Gram-positivas, não patogênicas, amplamente utilizadas na indústria de alimentos e preservação de produtos fermentados (9). Estudos têm demonstrado que Lactococcus lactis recombinantes produtores de HSP65 possuem atividade imunorreguladora capaz de induzir tolerância oral e promover proteção contra aterosclerose, encefalomielite e colite em camundongos (5, 10-12) e artrite adjuvante em ratos (13) por meio da indução de tolerância oral. Nosso grupo demonstrou que o tratamento com Lactococcus lactis recombinante, antes da infecção com L. braziliensis leva a uma redução do processo inflamatório e também no número de parasitas ao longo da infecção, demonstrando que as respostas imunes específicas para o parasita não foram afetadas, mas imunomoduladas, diminuindo assim as consequências imunopatológicas observadas na infecção experimental por L. braziliensis. Uma limitação importante, neste estudo, entretanto, é que a HSP65, proteína de choque térmico responsável pelo efeito tolerogênico, é obtida de Mycobacterium leprae, o que representa um obstáculo para o tratamento clínico em seres humanos. Além disso, a administração oral de L. lactis produtor de HSP65 requer vários dias para alcançar a indução de tolerância oral. Para superar estas limitações, pretendemos otimizar o protocolo de tratamento para pautas de administração mais convenientes e racionais, simplificando o regime para dose única; e favorecer o potencial translacional através da utilização de HSP60 humano, com alta homologia com HSP65 de M. leprae. Para alcançar esses objetivos, pretendemos desenvolver nanoformulações bioadesivas e biodegradáveis para a liberação controlada de HSP60 humano na mucosa intestinal, que serão administradas por via oral. Esta estratégia de indução de tolerância oral representa uma nova alternativa terapêutica a ser testada para diferentes patologias inflamatórias, incluindo a infecção por L. braziliensis. Nanopartículas similares, a que serão utilizadas neste projeto, de polianidrido maleico já foram utilizadas em modelos experimentais de alergia à castanha de caju em nosso laboratório e não apresentaram nenhum tipo de reação adversa, levando à indução de células T regulatórias produtoras de IL-10 (14). Serão desenvolvidas formulações de nanopartículas de polianidrido maléico (PMV/MA NP) contendo HSP60 humano. Estudos do grupo do Dr. Juan Manuel Irache (Universidade de Navarra, Espanha) demonstraram que as formulações de PMV/MA NP aumentam as interações bioadesivas ao longo do trato gastrointestinal, (15, 16). O alto potencial terapêutico das formulações nanoparticuladas de liberação controlada vêm sendo amplamente demonstrado. A incorporação de biomoléculas e antígenos em sistemas de liberação controlada apresenta várias vantagens em comparação com a administração em solução, entre elas: a proteção contra a inativação química, enzimática ou imunológica; o aumento do transporte pelo organismo e da penetração celular; o aumento da biodisponibilidade; e a redução de efeitos adversos e toxicidade (15). Desta forma, as nanopartículas permitem aumentar a potência terapêutica das moléculas encapsuladas e, através da liberação controlada das mesmas a partir da matriz polimérica, minimizar o risco de indução de reações adversas. Assim, estes sistemas nanoestruturados podem ser empregados de forma eficaz para o desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas com alta eficácia e segurança clínica. O desenvolvimento destas nanopartículas será realizada por Dra. Juliana Rebouças (UPE) que apresenta expertise no assunto, tendo sido este o tema de seu Doutorado. Assim, pretendemos investigar se administração por via oral de nanoformulações bioadesivas biodegradáveis para liberação controlada de HSP60 humano em camundongos BALB/c, atua como indutor de tolerância oral, criando um ambiente anti-inflamatório e atenuando os efeitos da infecção por L. braziliensis.
  • Fundação Oswaldo Cruz - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Job Schmitt

Ciências Humanas

Sociologia
  • políticas públicas no rural contemporâneo em tempos de austeridade: as novas configurações das políticas de compras institucionais, desenvolvimento territorial e assistência técnica e extensão rural e seus efeitos em escala territorial
  • As transformações recentes no cenário econômico e político brasileiro alteraram de maneira profunda as perspectivas colocadas para as políticas públicas de promoção do desenvolvimento rural e de apoio à agricultura familiar, aos assentamentos de reforma agrária e povos e comunidades tradicionais. Esta pesquisa tem por objetivo explorar um novo campo de estudos que toma como objeto as transformações, rupturas e processos de desmonte observados nas políticas públicas brasileiras, em um cenário crescente de austeridade, autoritarismo e desregulamentação. A análise destas novas configurações toma como fio condutor os processos políticos e institucionais associados à fragilização de um conjunto delimitado de instrumentos de políticas públicas dirigidos à agricultura familiar, a saber: os mecanismos de compra institucional de produtos oriundos da agricultura familiar operacionalizados no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) e os programas e ações direcionados ao desenvolvimento sustentável dos territórios rurais. O recorte analítico adotado busca articular diferentes níveis de interpretação, contemplando: (i) um olhar mais abrangente sobre as rupturas políticas e institucionais que afetaram o funcionamento das instituições políticas brasileiras no período recente, e que ganham maior expressão com o impeachment da Presidenta da República Dilma Rousseff em 2016, produzindo alterações importantes nos quadros cognitivos e lógicas orientadores da ação governamental; (ii) uma análise da trajetória política e institucional de cada um dos instrumentos de intervenção governamental pesquisados, com especial atenção aos diferentes fatores que influenciaram em sua fragilização; (iii) o estudo das transformações ocorridas na implementação destas políticas em três diferentes territórios rurais - Zona da Mata de Minas Gerais, Agreste da Borborema na Paraíba e Baixo Sul da Bahia - caracterizados pela presença de redes de organizações da agricultura familiar fortemente engajadas na execução e articulação das políticas de desenvolvimento rural e, particularmente, na implementação dos instrumentos de intervenção governamental analisados nesta pesquisa. O referencial teórico proposto busca mobilizar um conjunto diferenciado de perspectivas interpretativas, colocando em relevo as mudanças ocorridas na institucionalidade do Estado, nas relações dos agentes estatais com as organizações da sociedade civil e nos nexos estabelecidos entre as políticas de austeridade, em nível macro, e os processos de enfraquecimento e/ou desmantelamento de instrumentos de intervenção governamental específicos. A metodologia adotada, de base qualitativa, deverá contemplar pesquisa documental, elaboração de quadros cronológicos, entrevistas semiestruturadas com atores-chave na esfera federal e trabalho de campo nos territórios, utilizando metodologias como a observação participante, a organização de grupos focais e a realização de entrevistas em profundidade com atores governamentais e não governamentais.
  • Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Lima Marques

Ciências Sociais Aplicadas

Direito
  • observação sistêmica da violência como sistema orga-nizacional na criminalidade em rede e seus reflexos no mercado: análise comparativa entre a operação mãos limpas e a operação lava jato .
  • O presente projeto visa a identificar como a nova criminalidade em rede opera, ao criar uma organização própria e com repercussões em todos os sistemas sociais da sociedade atual, especialmente no mercado. Busca-se estudar os impactos nas políticas públicas, na violência e na cidadania, identificando, a partir da experiência brasileira e italiana, as novas formas de violência sistêmica. Nosso referencial será a Teoria Geral dos Sistemas Sociais e a Metateoria do Direito Fraterno. A equipe do projeto é formada por professores brasileiros e italianos, os quais estão colaborando conjuntamente desde a década de 90 sobre temas vinculados aos direitos humanos e sobre a forma como suas dimensões são refletidas nas relações intersociais. Nos últimos anos a comunidade acadêmica vem realizando atividades para discutir como a violência foi se estruturando e repercutindo nesta sociedade em rede e no mercado. Para o escopo do projeto dois casos específicos serão analisados: a Operação Mãos Limpas (Itália, 1992) e a Operação Lava Jato (Brasil, 2014). Ambas as operações desvelam não apenas a corrupção sistêmica, mas também novas formas de violência, as quais serão identificadas neste projeto conjunto. Assim, com o presente projeto, objetiva-se instrumentalizar a implementação de políticas públicas no combate à violação de direitos humanos, de modo a trazer efetividade à legislação vigente e a melhoria da regulação do mercado. As Instituições envolvidas são: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Centro Universitário Ritter dos Reis – UniRitter – Laureate International, Unijuí - , Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade Federal do Sergipe, Universidade de Roma Tre, Universidade de Salerno, Universidade de Chieti-Pescara e Instituto Universitário Sophia. Estas Instituições têm atividades que são e podem ser conectadas ainda mais através do presente projeto de pesquisa, pois todas as Instituições de Ensino trabalham com pesquisadores que atuam nestas áreas, como se poderá ver na qualificação de cada professor e de cada colaborador, além de já possuírem redes de pesquisa entre si, trazendo um impacto em âmbitos regionais e internacionais à pesquisa. Em razão da dimensão e da importância global do projeto, foram eleitos dois observadores externos: o professor Peter-Christian Müller-Graff de Heidelberg/Alemanha e Diretor do Instituto de Direito Econômico e Comercial Europeu e Alemão, e o professor Ricardo Lorenzetti, da Universidade de Buenos Aires/Argentina e Ministro Presidente da Suprema Corte Argentina. Ambos os observadores já desenvolvem há longa data atividades acadêmicas em parceria com o Brasil, tendo o professor Lorenzetti, inclusive, recebido o título de Doutor Honoris Causa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul no ano de 2014, e o professor Müller-Graff a Medalha Rio Branco do governo brasileiro, em 2008, em reconhecimento por suas atividades com a ciência jurídica brasileira.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 01/12/2016-31/10/2021
Foto de perfil

Claudia Lima Marques

Ciências Sociais Aplicadas

Direito
  • observação sistêmica da violência como sistema organizacional na criminalidade em rede e seus reflexos no mercado: análise comparativa entre a operação mãos limpas e a operação lava jato
  • O presente projeto visa a identificar como a nova criminalidade em rede opera, ao criar uma organização própria e com repercussões em todos os sistemas sociais da sociedade atual, especialmente no mercado. Busca-se estudar os impactos nas políticas públicas, na violência e na cidadania, identificando, a partir da experiência brasileira e italiana, as novas formas de violência sistêmica. Nosso referencial será a Teoria Geral dos Sistemas Sociais e a Metateoria do Direito Fraterno. A equipe do projeto é formada por professores brasileiros e italianos, os quais estão colaborando conjuntamente desde a década de 90 sobre temas vinculados aos direitos humanos e sobre a forma como suas dimensões são refletidas nas relações intersociais. Nos últimos anos a comunidade acadêmica vem realizando atividades para discutir como a violência foi se estruturando e repercutindo nesta sociedade em rede e no mercado. Para o escopo do projeto dois casos específicos serão analisados: a Operação Mãos Limpas (Itália, 1992) e a Operação Lava Jato (Brasil, 2014). Ambas as operações desvelam não apenas a corrupção sistêmica, mas também novas formas de violência, as quais serão identificadas neste projeto conjunto. Assim, com o presente projeto, objetiva-se instrumentalizar a implementação de políticas públicas no combate à violação de direitos humanos, de modo a trazer efetividade à legislação vigente e a melhoria da regulação do mercado. As Instituições envolvidas são: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Centro Universitário Ritter dos Reis – UniRitter - Laureate International, Unijuí, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade Federal do Sergipe, Universidade de Roma Tre, Universidade de Salerno e Universidade de Chieti-Pescara. Estas Instituições têm atividades que são e podem ser conectadas ainda mais através do presente projeto de pesquisa, pois todas as Instituições de Ensino trabalham com pesquisadores que atuam nestas áreas, como se poderá ver na qualificação de cada professor e de cada colaborador, além de já possuírem redes de pesquisa entre si, trazendo um impacto em âmbitos regionais e internacionais à pesquisa. Em razão da dimensão e da importância global do projeto, foram eleitos dois observadores externos: o professor Peter-Christian Müller-Graff de Heidelberg/Alemanha e Diretor do Instituto de Direito Econômico e Comercial Europeu e Alemão, e o professor Ricardo Lorenzetti, da Universidade de Buenos Aires/Argentina e Ministro Presidente da Suprema Corte Argentina. Ambos os observadores já desenvolvem há longa data atividades acadêmicas em parceria com o Brasil, tendo o professor Lorenzetti, inclusive, recebido o título de Doutor Honoris Causa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul no ano de 2014, e o professor Müller-Graff a Medalha Rio Branco do governo brasileiro, em 2008, em reconhecimento por suas atividades com a ciência jurídica brasileira.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Cláudia Lúcia de Moraes Forjaz

Ciências da Saúde

Educação Física
  • respostas cardiovasculares e autonômicas ao exercício máximo em homens e mulheres com claudicação intermitente
  • A Doença Arterial Periférica (DAP) se caracteriza pela presença de obstruções nas artérias dos membros inferiores, que reduzem o aporte sanguíneo aos músculos, provocando dor durante o exercício (claudicação intermitente - CI). A caminhada é recomendada no tratamento dessa doença, porém sua execução causa respostas cardiovasculares e metabólicas diferentes das observadas em saudáveis. Essas respostas foram investigadas em homens com DAP e CI e, embora a doença seja igualmente prevalente entre os sexos e suas consequências funcionais sejam maiores nas mulheres, as respostas agudas à caminhada não foram investigadas no sexo feminino. O objetivo desse estudo é avaliar e comparar as respostas funcionais, cardiovasculares e autonômicas a um teste ergoespirométrico máximo realizado em esteira rolante em homens e mulheres com DAP e CI. Para isso, 40 indivíduos com DAP e CI (20 homens e 20 mulheres) realizarão duas sessões experimentais em ordem aleatória: uma controle (repouso na esteira) e uma de exercício (teste máximo na esteira). Durante o exercício, serão avaliadas a capacidade funcional (distância inicial de claudicação, distância total de caminhada e consumo pico de oxigênio) e as respostas cardiovasculares (frequência cardíaca – FC e pressão arterial – PA) submáximas e máximas. Antes e após o exercício serão realizadas medidas cardiovasculares (PA, FC, débito cardíaco, resistência vascular periférica, volume sistólico, duplo produto) e autonômicas (variabilidade da FC e da PA e sensibilidade barorreflexa), e após as sessões será feita a monitorização ambulatorial da PA. Os dados entre os sexos serão comparados pelo teste t-student ou pela ANOVA mista de 2 fatores, com P<0,05.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Cláudia Luísa Zeferino Pires

Ciências Humanas

Geografia
  • territórios e territorialidades de quilombos urbanos em porto alegre/rs
  • Esse projeto visa compreender os processos de territorialização das comunidades quilombolas certificadas e em processo de certificação pela Fundação Cultural Palmares do município de Porto Alegre. Por intermédio da construção de uma cartografia social e co-participativa, possibilitar a visibilização e compreensão de identidades e da situação quilombola no espaço-tempo das memórias e do cotidiano que configuram a cidade de Porto Alegre, de modo a reunir, organizar e valorizar a trajetória dos territórios negros da Cidade. Tendo como referência experiências construídas junto a comunidade do Quilombo dos Alpes, propomos para esse projeto a elaboração de uma cartografia social dos quilombos de Porto Alegre, com o intuito de visibilizar as dimensões de pertencimento e territorialidade dos sujeitos quilombolas. Através da identificação e registro das memórias de seus respectivos moradores, gerando como produto final um Atlas das Territorialidades Quilombolas, expresso através da produção de mapas, memoriais, e vídeos-documentários das comunidades. A partir da produção deste material e dos levantamentos gerados pela pesquisa acreditamos colaborar para o fortalecimento das noções de territorialidade quilombola manifestada no espaço urbano e na inter-relação entre os diversos elementos socioculturais e espaciais presentes na formação política e cultural desses territórios, evidenciando processos de significação do conhecimento e da diversidade cultural afro-brasileira em Porto Alegre. O avanço da legislação em favor do povo negro não tem sido acompanhado pela plena aceitação das comunidades quilombolas no seio de nossa sociedade, por isso, é importante o fortalecimento desses grupos na construção de sua coesão interna e vínculos com seu território por meio da produção de materiais e ideias próprias, que possam antecipar-se e ser independentes da legislação. Nesse sentido, busca-se articular o conhecimento produzido na universidade com as memórias destas comunidades, com apoio de metodologias da pesquisa-ação para contribuir com a conquista de ganhos no âmbito da organização, a partir do auto-reconhecimento por parte das comunidades quilombolas de Porto Alegre/RS. Ainda que o Brasil possa ser analisado como uma nação que comporta uma pluralidade de povos e etnias, os princípios jurídicos têm sido efetivados a muito custo como possibilidades para a transformação das desigualdades econômicas e sociais. O debate travado pela efetivação das cotas de ingresso da população negra, indígena e de escolas públicas como ações afirmativas do Estado brasileiro, põe em questão a mediação das diferenças na negociação democrática entre os agentes sociais. Essa é uma conquista recente da democracia brasileira e de extrema importância como representação dos avanços no processo de inclusão social. Entende-se que a reação dos desfavorecidos pelas condições socialmente construídas deve ser levada adiante com responsabilidade, a qual se conquista com o entendimento das causas que geram condições desiguais de acesso aos benefícios sociais, impostas na realidade factual. São fartos os relatos históricos de povos oprimidos que reconstruíram barreiras e exclusões sociais como pretexto para exercer o sectarismo e fomentar preconceitos, reproduzindo a opressão sofrida. A partir desse trabalho de pesquisa e do reconhecimento dos saberes e fazeres das comunidades quilombolas, expressos e representados nos mapas, podemos discutir através e para além dos ambientes das comunidades, considerações sobre as territorialidades quilombolas no espaço urbano, constituídas de valores afro-civilizatórios, e possibilitadora de uma cidade plural e diversa. Considera-se para a realização desse projeto, as seguintes comunidades remanescentes quilombolas certificadas: (a) Alpes, (b) Família Silva, (c) Areal Luiz Guaranha, (d) Família Fidelix, (e) Família Machado e (f) Família Flores, que está sob análise técnica, conforme Fundação Palmares (2017). Consideramos o já exposto para evidenciar a relevância de constituir um mapeamento das comunidades quilombolas de Porto Alegre, visto que se constitui um importante instrumento de planejamento e de geração de políticas públicas como também a inserção desses territórios no mapa do município de Porto Alegre.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Mara de Melo Tavares

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • necessidades emocionais do adolescente e suas demandas para programas de promoção da saúde mental na atenção básica
  • A adolescência compreende uma etapa importante no desenvolvimento humano, sendo caracterizada por conflitos de natureza diversa, bem como de grande potência existencial. Os desafios ético-estéticos dos jovens são pouco enfrentados pelos profissionais de saúde. Embora haja no país um Programa Nacional de Atenção à Saúde do Adolescente, é raro encontrarmos nas unidades de saúde ações concretas de promoção à saúde mental ou apoio emocional aos adolescentes. A escola - em colaboração com as unidades básicas de saúde - constitui espaço privilegiado para o desenvolvimento de ações de apoio emocional/promoção a saúde mental do adolescente, além de ser cenário de aprendizagem para formação de profissionais de saúde. O objetivo da pesquisa é compreender como o encontro unidade básica de saúde-escola-universidade pode contribuir para a promoção da saúde mental dos adolescentes. O método utilizado para a investigação será o descritivo-analítico-experimental da sociopoética; aplicar-se-á a técnica do grupo-pesquisador e práticas artístico-teatrais para produção de dados. Espera-se com esta pesquisa contribuir com a inovação da atenção a saúde mental do adolescente numa perspectiva estética, possibilitando a incorporação dos resultados pelos setores de saúde e educação, colaborando com a estruturação de novos modelos de atendimento ao adolescente e criação de tecnologias relacionais.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Maria Barbosa

Ciências Sociais Aplicadas

Direito
  • a accountability social no judiciário brasileiro
  • Judicialização da política, ativismo judicial e juristocracia não são sinônimos, mas compartilham o pressuposto do agigantamento do papel político do Judiciário. O protagonismo político do sistema de justiça como um todo, e do Poder Judiciário em particular, compromete o Estado Democrático de Direito porque a um só tempo enfraquece o sistema de equilíbrio e controle mútuo dos Poderes, pressuposto do Estado de Direito, e fragiliza a democracia representativa porque fortalece um Poder cujas bases de legitimação não é o voto. No contexto em que Judiciário assumiu um papel político que antes era velado, e como o poder de interpretar ou mesmo criar normas, favorecido pela teoria constitucional contemporânea ocidental, a legitimação do Judiciário passa a depender também da existência de eficientes mecanismos de controle sobre seus resultados e sobre a atuação de seus membros, em um debate sobre a independência judicial. A independência judicial, embora seja pressuposto do estado democrático, quando combinada com o poder político, agora explícito dos juízes, e mau equilibrada na accountability do Judiciário favorece um novo tipo de regime político que o cientista político canadense Ran Hirschl denominou juristocracia. A juristocracia afirma o protagonismo político do judiciário, mas repele o potencial conflito que poderia existir entre Legislativo e Judiciário. Na hipótese da juristocracia, as elites econômica, política e judiciais aliam-se para defender interesses que são próprios da elite, e o fazem através das Cortes porque ali os conflitos políticos revestem-se de um caráter técnico que esvazia o conteúdo político das decisões enfraquece a função dos controles mútuo, torna-se necessário A hipótese central que sustenta o projeto é de que no cenário da juristocracia os mecanismos de controle mútuo entre os Poderes é disfuncional, o que torna essencial o aprimoramento de mecanismos de controle e participação do cidadão sobre a atuação do judiciário, denominada accountability social no Judiciário. O projeto parte de um estudo que explora o protagonismo político do Judiciário em estudos sobre judicialização da política, ativismo judicial e a juristocracia. Em seguida estudam-se as bases da responsabilidade do judiciário e do controle e participação social que sustentam o conceito de accountability social. Segue-se uma investigação comparada que identificará mecanismos de controle social sobre o Judiciário existentes no Canadá, Portugal e Brasil. Analisa-se esses mecanismos a partir da escada de participação sobre controle social proposta por Sherry Arnstein, que distingue oito degraus de participação que partem da simples manipulação da informação até o controle do cidadão. O objetivo é comparar mecanismos existentes e identificar melhores mecanismos de controle do cidadão sobre o judiciário, de maneira a assegurar sua independência, mas combina-la à responsabilidade inerente a toda instituição que exerça o poder. Apenas o exercício accountable do Poder poderá assegurar a legitimidade que falta ao Judiciário por seus membros não serem eleitos e garantir um Poder independente que assegure o estado democrático de direito. Judicialization of politics, judicial activism, and juristocracy are not synonyms, but they share the assumption of the enlargement of the political role of the Judiciary. The rising political protagonism of the justice system as a whole, and of the Judiciary in particular, compromises the democratic rule of law. It weakens the typical system of checks and balances and also the representative democracy, once it strengthens a Power whose base of legitimation is not the vote. In the context in which the Judiciary assumed a political role that was previously veiled, and with the power to interpret or even create norms, favored by contemporary Western constitutional theory, the legitimization of the Judiciary now depends also on the existence of efficient mechanisms of control over its results and on the performance of its members, in a debate on judicial independence.
  • Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Maria Bauzer Medeiros

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • arapuan -- interoperabilidade de dados agricolas em escience
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Maria Fontes de Oliveira

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • inquérito entomológico, por xenomonitoramento molecular (xm), para conhecer o status da transmissão da filariose linfática no brasil.
  • A vigilância entomológica realizada pela técnica de Xenomonitoramento Molecular (XM) permite detectar agentes patogênicos em seu hospedeiro intermediário (vetor). Sendo assim, o presente estudo, busca detectar o agente etiológico da filariose linfática nas Américas, o nematoide Wuchereria bancrofti, no mosquito vetor (Culex quinquefasciatus). Para isso, será necessária uma estruturação nas atividades de campo para obter os mosquitos de forma adequada à análise molecular. A filariose linfática (FL) é uma parasitose que pode causar debilidades físicas incapacitantes e consequentemente causa sério impacto econômico nos países onde é endêmica. Atinge populações de baixas condições socioeconômicas com deficiências de infraestrutura pública. Em 1997 a OMS estabeleceu Programa Global de Eliminação da Filariose Linfática (PGEFL) como meta: eliminar essa enfermidade como problema de saúde pública até o ano de 2020. De acordo com a OMS, a FL é endêmica em 73 países na Ásia, na África e nas Américas. No Brasil, entre os anos de 1951 a 1958, 852 localidades de 24 Unidades Federativas tiveram 811.361 pessoas examinadas por inquéritos hemoscópicos para diagnóstico da FL. Além de inquéritos entomológicos, realizados por dissecção individual de fêmeas de Culex quinquefasciatus, nos quais detectaram larvas infectantes do parasito. Tais inquéritos permitiram identificar focos autóctones de FL em oito estados brasileiros: Ponta Grossa/PR; Belém/PA, Barra de Laguna/SC; Recife/PE; Castro Alves/BA; Florianópolis/SC; São Luís/MA; Salvador/BA; Maceió/AL; Manaus/AM e Porto Alegre/RS onde medidas de controle foram adotadas e levaram a um declínio nas taxas de infecção. Na década de 1980 apenas as cidades de Belém/PA e Recife/PE foram consideradas endêmicas para FL no Brasil; nos anos de 1990 foram verificados focos de transmissão ativa de W. bancrofti em Maceió/AL, Olinda/PE, Jaboatão dos Guararapes/PE e Paulista/PE, além de Recife/PE e Belém/PA. Nos anos de 2001 e 2004 foram notificados os últimos casos de FL em Belém/PA e Maceió/AL, respectivamente. Em 2005 a área endêmica no Brasil ficou restrita a quatro municípios da Região Metropolitana do Recife/PE: Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes e Paulista. Atualmente o Brasil está na fase de avaliação da interrupção da transmissão. Porém, para obter a certificação de eliminação da FL, é imprescindível evidenciar a ausência de transmissão em áreas já submetidas a Administração da Droga em Massa (MDA). Nas Américas, a transmissão da W. bancrofti só é considerada ativa em apenas quatro países: Haiti, República Dominicana, Guiana e Brasil. O XM será utilizado para indicar a interrupção do processo de transmissão do parasito causador da bancroftose em antigos focos endêmicos e investigar o surgimento de novos casos no Brasil. Este método apresenta a vantagem de não ser invasivo, pois investiga a infecção no hospedeiro intermediário do parasito, além de recolher mosquitos do interior das residências geralmente situadas em áreas com alta infestações de Culex quinquefasciatus. O diagnóstico de infecção vetorial foi aperfeiçoado através de uma reação duplex em cadeia da polimerase (PCR). Nessa nova abordagem, é utilizado um controle endógeno com o mosquito como alvo, além da sequência Ssp I do parasita, diminuindo a possibilidade de falsos negativos e tornando assim o diagnóstico mais seguro. Na determinação da taxa de infectividade no diagnóstico vetorial será utilizada a técnica de PCR multiplex com transcrição reversa em um único tubo (RT-PCR one-step multiplex). Além da detecção do parasita W. bancrofti em qualquer estágio de desenvolvimento e também no estádio de larva infectante (L3), tornando, portanto, o diagnóstico vetorial mais informativo quanto a potencialidade de transmissão da FL. Espera-se que: os resultados produzidos no XM subsidiem os programas de controle da FL na comprovação da eliminação da doença no Brasil; além disso, a transferência de tecnologias através dos treinamentos técnicos perpetuem as boas práticas no combate de mosquitos vetores reduzindo a miséria propagada por endemias como a Filariose Linfática.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 15/05/2019-31/05/2022
Foto de perfil

Cláudia Maria Sabóia de Aquino

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • geodiversidade e patrimônio geomorfológico do aglomerado 06 do território de desenvolvimento dos carnaubais, piauí, brasil: base para o planejamento e a sustentabilidade local
  • Nas últimas décadas, é possível constatar um aumento no número de publicações acerca de temas voltados ao estudo geodiversidade e do patrimônio geomorfológico. No Brasil, um país detentor de uma enorme geodiversidade, há carência de estudos sobre tais temáticas, apesar do crescente número de eventos e publicações relacionados ao assunto. Constatação semelhante aplica-se ao Estado do Piauí, daí a realização da presente proposta de pesquisa que tem como objetivo o levantamento da geodiversidade e a avaliação do patrimônio geomorfológico do aglomerado 06 do território de desenvolvimento dos Carnaubais, Piauí, Brasil. A metodologia utilizada basear-se-á em autores como Pereira (2006) e Oliveira (2015). Serão coletados, descritos e caracterizados perfis de solos representativos das diversas Formações geológicas e dos Geomorfossítios, com objetivo de relacionar com a fragilidade dos diversos ambientes. Os resultados obtidos na referida pesquisa subsidiarão iniciativas de geoconservação e geoturismo, possibilitando quiçá o desenvolvimento em moldes sustentáveis do aglomerado 06 do território de desenvolvimento dos Carnaubais, composto pelos municípios de Assunção do Piauí; Buriti dos Montes; Castelo do Piauí; Juazeiro do Piauí; Novo Santo Antônio; São João da Serra; São Miguel do Tapuio.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Marquez Simões

Ciências da Saúde

Medicina
  • avaliação da aeração pulmonar: ultrassonografia e congruência dos achados tomográficos
  • Pacientes submetidos à anestesia geral e ventilação artificial quase sempre desenvolvem atelectasia pulmonar, podendo determinar consequências adversas tanto no intraoperatório quanto no pós-operatório. Recomenda-se o uso de volume corrente fisiológico (6 – 8 mL/Kg de peso ideal) durante o intraoperatório com intuito de minimizar o risco de lesão pulmonar. Para prevenir a formação de atelectasia, minimizando o risco de complicações, tem se recomendado o uso da PEEP. No presente momento, não existe um modo de fazer, a beira leito, um ajuste ótimo dos valores de PEEP para as necessidades de cada paciente, buscando um valor que mantenha os alvéolos aberto sem formação de atelectasia e também sem áreas de hiperdistensão. O objetivo deste estudo é avaliar a concordância entre a USG e a tomografia computadorizada para avaliação de áreas de atelectasia e hiperdistensão pulmonar. Serão estudados prospectivamente, 10 porcos submetidos à anestesia geral. Todos os animais serão anestesiados, com uso de bloqueio neuromuscular, sendo ventilados com fração inspirada de 50% de oxigênio (ou maior para manter SpO2 > 96%), volume corrente de 6 mL/Kg e frequência respiratória para manter a ETCO2 entre 35-45 cmH2O. Os animais terão os pulmões avaliados pela USG e pela tomografia computadorizada, permitindo assim a avaliação da congruência dos achados entre ambas as técnicas após o recrutamento alveolar em diferentes níveis de PEEP.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Claudia Martins Carneiro

Ciências Biológicas

Morfologia
  • análise proteômica e parasitária em camundongos swiss infectados com cepas de trypanosoma cruzi com suscetibilidade variáveil ao benznidazol
  • A doença de Chagas, embora seja a doença parasitária mais importante da América Latina e seja considerada internacionalizada, devido aos intensos fluxos migratórios da população latino-americana, é uma doença tropical negligenciada. Ela é causada pelo tripanossomatídeo Trypanosoma cruzi, o qual possui diversas cepas, com diferentes suscetibilidades ao benznidazol (BNZ), como: Be-78, susceptível; Y, semi resistente e VL-10, resistente. O BNZ é o medicamento de referência para o tratamento da infecção. Porém, pouco se sabe sobre seu mecanismo de ação contra o protozoário. Ferramentas proteômicas, parasitológicas e histopatológicas, quando aliadas, possibilitam uma nítida visão da dinâmica de parasitos dentro do hospedeiro e frente aos tratamentos. Assim, pretende-se com o trabalho ora proposto, realizar de forma inovadora, uma abordagem multiplataforma de análise, que tange a proteômica, parasitologia e histopatologia, revelando as vias moleculares de camundongos Swiss infectados pelo T. cruzi e a dinâmica parasito-hospedeiro frente ao BNZ, nas fases aguda e crônica da doença, além das diversas correlações possíveis analisadas. Este trabalho, também, levantará alvos moleculares com potencial utilização farmacológica.
  • Universidade Federal de Ouro Preto - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022