Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Rafaela Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Planejamento Urbano e Regional
  • práticas educativas para gestão de riscos de desastres
  • As mudanças climáticas estão ganhando destaque nos últimos anos. As secas extremas, chuvas intensas e temperaturas recordes são indícios que o clima global está sofrendo ajustes, resultando, dentre outros problemas, na ampliação e frequência dos desastres naturais, ou seja, aqueles deflagrados por eventos naturais extremos, em várias regiões. A capacidade de adaptação e reconstrução frente às essas mudanças, denominada resiliência, é de fundamental importância, sendo definida pelo IPCC (2007) como a habilidade de um sistema de ajustar-se, moderar danos potenciais, aproveitar oportunidades ou recuperar suas perdas. No Brasil, a gestão de riscos de desastres naturais tem por base as discussões promovidas pela UNISDR/ONU, pautando-se na Lei Federal 12.608/2012, que institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC). O referido instrumento legal estabelece, dentre outras diretrizes, a abordagem sistêmica das ações de prevenção, mitigação, preparação, resposta e recuperação frente aos riscos de desastres naturais. Estabelece também a incorporação do tema transversal Gestão de Riscos de Desastres (GRD) e práticas educativas de educação ambiental nos currículos do ensino fundamental e médio. Visando desenvolver ações de prevenção, tem-se acompanhado a Diretoria de Defesa Civil de Blumenau que desenvolve o programa “Defesa Civil na Escola”, composto pelos projetos “Defesa Civil na Escola” e “Agente Mirim”. Esses projetos visam sensibilizar estudantes da educação formal de 5º. e 6º. ano do ensino fundamental de escolas públicas e privadas do município para GRD. Constituem-se em medidas não-estruturais, de educação ambiental, que tendem a ser economicamente viáveis e socialmente efetivas, potencializando a prevenção de riscos de desastres naturais e a ampliação da capacidade de resiliência das comunidades – um dos passos do programa Cidades Resilientes da ONU. O objetivo geral dessa pesquisa é investigar fundamentos teóricos e experiências de práticas educativas em GRD e suas relações com a Educação Ambiental a fim de promover e avaliar iniciativas para contextos de educação formal e não-formal. A pesquisa é do tipo descritiva e explicativa, de caráter qualitativo. Pauta-se no método de abordagem sistêmico. Serão utilizadas as técnicas de documentação direta, com pesquisa em campo e indireta com pesquisa documental e bibliográfica às distintas bases de dados. Os procedimentos metodológicos atenderão os objetivos da pesquisa, dividindo-se em três etapas: (1) coleta de dados; (2) sistematização dos dados; (3) análise e discussão dos resultados com redação de artigos científicos. Os resultados a serem alcançados serão: (1) análise comparativa das experiências de de práticas educativas em Educação Ambiental (EA) em contextos educacionais formais voltadas para GRD, realizadas na bacia hidrográfica do Rio Itajaí; (2) identificação das práticas educativas em EA em contextos educacionais não-formais voltadas para a GRD nos municípios da BHRI e análise de sua relação com os Planos de Defesa Civil Municipais; (3) investigação das experiências de educação ambiental para GRD em contextos educacionais formais e não-formais dos municípios da BHRI tendo por referência os Planos Municipais de Educação para o Ensino Fundamental bem como a integratividade com as diretrizes e Bases estruturantes da PNPDEC (Lei nº 12.608/2012) e da Educação Nacional (Lei nº Lei nº 13.415, de 17 fevereiro de 2017); (4) identificação de experiências nacionais e internacionais de práticas educativas em EA para Gestão de Risco de Desastres; (5) elaboração de referentes, a partir de uma articulação de fundamentos teóricos acerca de Gestão de Riscos de Desastres e de objetivos para Educação Ambiental, que possam nortear e fundamentar processos de promoção e avaliação de práticas educativas em GRD. (6) desenvolvimento e avaliação da efetividade de produto educacional baseado em tecnologias digitais que apoie a gestão de riscos de desastres. Considera-se que as práticas educativas em contextos de educação formais e não-formais que envolvam a educação ambiental vinculada à GRD se inserem no Objetivo do Milênio (OMD/ONU) “Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente” e se constitui em uma ação permanente de ensino e aprendizagem voltada à construção de cidades resilientes.
  • Fundação Universidade Regional de Blumenau - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rafaella Fortini Grenfell e Queiroz

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • metodologias inovadoras point of care para aplicação em áreas endêmicas: visando o controle da esquistossomose no brasil.
  • A Organização Mundial de Saúde (OMS) identificou a esquistossomose como a segunda parasitíase humana em importância, após a malária. Apesar de a prevalência atual ser difícil de ser medida, 74 países são endêmicos com aproximadamente 207 milhões de pessoas afetadas, 120 milhões de indivíduos sintomaticamente infectados e cerca de 20 milhões com a forma severa. O Brasil é o país mais afetado nas Américas. Estratégias de controle se resumem em saneamento básico, diagnóstico individual e tratamento. O diagnóstico é fundamental para medidas de controle e acompanhamento de intervenções terapêuticas. Não há ainda hoje métodos de alta sensibilidade capazes de identificar a infecção na fase aguda e em pacientes de carga baixa, que são a maioria no Brasil e em muitos países, inclusive da África. A identificação de antígenos (Ag) é essencial para o desenvolvimento de metodologias inovadoras que superem os métodos atuais. Durante a infecção, o sistema imune do hospedeiro é exposto a Ag do parasito e do ovo com produção acentuada de anticorpos e presença de material circulante. Dados publicados pelo nosso grupo demonstraram que a resposta imune contra Ag específicos de diferentes estágios do parasito se relaciona com a forma clínica da doença. A partir de um painel de Ag marcadores ao diagnóstico feito por nosso grupo, foram selecionados dois com forte potencial para aplicação em nova plataforma diagnóstica. Os Ag foram então produzidos de forma recombinante e seus respectivos anticorpos policlonais e monoclonais foram produzidos e purificados. Posteriormente, aplicamos os Ag e os anticorpos em novas plataformas diagnósticas como microesferas, membranas Dot e tiras imunocromatográficas para padronização de metodologias de alta capacidade diagnóstica. Agora, com resultados promissores obtidos, a padronização final e a validação dos métodos serão feitas, de forma a originar kits com potencial de comercialização. O diagnóstico ainda é um desafio, visto que a maioria dos pacientes é de difícil detecção pelos poucos métodos disponíveis.
  • Fundação Oswaldo Cruz - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rafaella Queiroga Souto

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • instrumentalização da enfermagem forense diante do cuidado ao idoso hospitalizado em situação de violência
  • A Enfermagem Forense é uma especialidade recentemente reconhecida no Brasil, deste modo, precisa ser instrumentalizada. Uma de suas competências é atuar na prevenção, detecção precoce e cuidado ao idoso em situação de violência. Objetiva-se instrumentalizar o enfermeiro que atua na rede hospitalar na perspectiva da enfermagem forense. Tratar-se-á de uma revisão sistemática do tipo escopo, seguida de uma pesquisa com métodos mistos do tipo convergente, pois os dados qualitativos e quantitativos serão coletados concomitantemente, e de um estudo de construção e validação de instrumentos. O estudo ocorrerá nos hospitais universitários dos municípios de Campina Grande e de João Pessoa, e, só terá início após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos. Espera-se que o presente estudo permita a construção e validação de instrumentos para rastreio de idosos em situação de violência, assim como de instrumentos do processo de enfermagem. Pretende-se expandir os objetivos do presente estudo em outros cenários de prática do enfermeiro, assim como em pessoas de outros ciclos de vida em situação de violência. Estar-se-á consolidando esta especialidade, o Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba, o Grupo de Estudos e Pesquisas em Enfermagem Forense e suas linhas de pesquisa, diante da formação de doutores, mestres e alunos de iniciação científica vinculados.
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Raffael Massuda

Ciências da Saúde

Medicina
  • tomografia de coerência óptica de retina, inflamação e cognição na esquizofrenia
  • Introdução: A esquizofrenia é um transtorno mental grave, crônico, que está entre as 10 doenças que causam maior perda de funcionalidade e com maior impacto global no mundo. Nos últimos anos, diversas alterações do funcionamento cerebral tem sido demonstrada em pacientes com esquizofrenia associadas a sintomas da doença. Diminuição de volume cerebral, aumento da liberação de marcadores inflamatórios e maior atividade de células microgliais associadas a prejuízos cognitivos e funcionais são alguns dos achados mais recentes em pacientes com esquizofrenia. As técnicas de neuroimagem tem sido utilizadas para observar as alterações do sistema nervoso central e tem auxiliado no entendimento fisiopatológico. A Tomografia de Coerência Optica (TCO) é uma técnica de observação direta dos neurônios da retina. A técnica avalia a forma e espessura das camadas retinianas, sendo esse um método in vivo de avaliação da estrutura neuronal. Alterações morfológicas nas fibras nervosas da retina tem sido associadas com alterações do córtex cerebral em demência e outras doenças neurológicas, porém, poucos estudos foram realizados em pacientes com esquizofrenia e nenhum estudo associou alterações nas camadas de retina, cognição e marcadores inflamatórios. Objetivo: O objetivo deste estudo é identificar alterações na retina - espessura e forma de camada de fibras nervosas - de 30 pacientes com esquizofrenia e compará-los com 30 controles através do uso de tomografia de coerência óptica (TCO) e associá-las com marcadores inflamatórios (IL 6; IL10, TNF alfa, Proteina C Reativa e CCL11) e alterações neurocognitivas.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Raiane Cardoso Chamon

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • análise fenotípica e genotípica da resistência antimicrobiana e virulência de amostras de staphylococcus aureus isoladas no hospital universitário antônio pedro (huap), niterói.
  • As Infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) constituem um grave problema de saúde pública, tanto em países desenvolvidos, quanto naqueles em desenvolvimento. O levantamento dos custos de hospitalização tem sido de grande relevância, tendo em vista que eles representam os custos reais do hospital em itens e serviços utilizados para cada paciente internado. Staphylococcus aureus, Staphylococcus coagulase-negativos, Pseudomonas aeruginosa, Acinetobacter baumanii, Clostridium difficile, Enterococcus spp., Candida spp., Escherichia coli e outras enterobactérias estão entre os principais microrganismos envolvidos em IRAS, cujas taxas variam de acordo com o país e o tipo de infecção. A espécie S. aureus encontra-se presente como microrganismo comensal na pele, nariz e membranas mucosas de humanos e animais saudáveis, sendo a narina anterior o sítio de colonização mais frequente. Contudo, o trato urogenital feminino, pele, garganta e trato gastrintestinal também têm sido identificados como nichos secundários da espécie S. aureus. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (do inglês Centers for Disease Control and Prevention - CDC), dos Estados Unidos, uma a cada três pessoas é portadora assintomática de S. aureus nas narinas, sendo que duas pessoas em cada 100 são colonizadas por amostras de S. aureus resistentes à meticilina (do inglês methicillin-resistant S. aureus - MRSA). A espécie S. aureus apresenta grande relevância clínica, podendo causar desde infecções cutâneas e de tecidos moles, como celulite, impetigo e, até infecções decorrentes da invasão direta dos tecidos, como pneumonia, meningite, endocardite e bacteremia. Infecções de ossos e articulações, como osteomielite aguda e vertebral, também são comumente causadas pelo patógeno, assim como infecções cutâneas graves, como a fascite necrosante. Vários estudos indicam que S. aureus tem sido, nos últimos anos, um dos principais microrganismos isolados de infecções no Brasil e no mundo. No Brasil, S. aureus foi o principal patógeno causador de infecções de corrente sanguínea (ICS) em 16 hospitais das cinco regiões geográficas, onde 43,3% das infecções foram causadas por amostras multirresistentes. Jones e colaboradores (2013) avaliaram cerca de 5000 espécimes provenientes de diferentes tipos de infecção isolados de países da América Latina em 2011, e observaram que a taxa de prevalência de amostras de S. aureus foi de 18,4%, dentre as quais 48% eram MRSA. A maior incidência de amostras MRSA foi no Chile (68%) e no Peru (79%), enquanto no Brasil esta taxa foi de 29%. Nos últimos anos, tem sido relatado um aumento no número IRAS por amostras MRSA de origem comunitária em pacientes. Sader e colaboradores (2016), ao utilizarem um programa de vigilância de infecções causadas por S. aureus, durante o período de 2012 a 2014, observaram que das 8.437 amostras MRSA coletadas de 143 centros médicos dos EUA, 7.116 foram caracterizadas como de origem comunitária, enquanto 1.321 amostras foram reportadas como de origem hospitalar. Um estudo realizado em um hospital universitário do Rio de Janeiro mostrou que amostras MRSA tanto de origem comunitária quanto hospitalar apresentavam características semelhantes, tais como a presença do mesmo cassete de resistência à meticilina e o fenótipo de não-multirresistência, além do fato de pacientes com amostras comunitárias não apresentarem fatores de risco para infecção por MRSA, como seria o esperado. Amostras de Staphylococcus aureus são conhecidas por possuírem elevada taxa de resistência aos antimicrobianos, o que dificulta ainda mais o tratamento de infecções causadas por esses patógenos. O maior atributo de S. aureus que facilita o seu amplo repertório de doenças e sua sobrevivência durante o estágio de colonização no hospedeiro é a sua habilidade de secretar diferentes fatores de virulência, permitindo a sua adesão a diferentes sítios anatômicos, invasão de diversos tecidos e sua evasão do sistema imune do hospedeiro. Cada uma dessas moléculas subverte o sistema imune do hospedeiro de diferentes maneiras, deixando o microrganismo altamente resistente tanto à defesa imune inata quanto à adaptativa. Estes mecanismos de virulência podem atuar de modo sinérgico e coordenado, levando a destruição da barreira epitelial, inibição da opsonização por anticorpos e complemento e interferência com a quimiotaxia de neutrófilos. Diante do exposto, em fevereiro de 2017, a Organização Mundial da Saúde (WHO, do inglês World Health Organization) divulgou uma lista de prioridade global de bactérias resistentes para guiar a pesquisa, descoberta e desenvolvimento de novos antimicrobianos (WHO, 2017), e amostras MRSA e/ou com resistência intermediária ou plena à vancomicina foram listadas como pertencentes à lista de alta prioridade deste plano de ação. Além da resistência antimicrobiana, um dos principais mecanismos que levam amostras de S. aureus a se tornarem disseminadas em uma escala global é a sua capacidade de produzir diversos mecanismos de virulência. Sendo assim, a presente linha de pesquisa tem como objetivo avaliar a prevalência dessas amostras dentro do HUAP, assim como caracterizar a resistência antimicrobiana das amostras isoladas, por métodos fenotípicos e genotípicos, permitindo uma caracterização abrangente das mesmas. Além disso, contribuir com dados que serão apresentados à CCIH do HUAP, bem como contribuir de maneira complementar com o setor de Microbiologia Clínica do serviço de Patologia do HUAP, no que diz respeito a testes complementares para detecção da resistência antimicrobiana em amostras de Staphylococcus aureus. Pesquisar também, através de métodos de biologia molecular, a presença de marcadores de virulência que auxiliem na determinação de perfis de epidemiologia molecular das amostras de Staphylococcus aureus circulantes no HUAP.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Railda Neyva Moreira Araújo

Ciências Agrárias

Agronomia
  • iii feira de ciência, arte e cidadania- iii fecaci
  • Esta proposta visa promover a III edição da Feira de Ciências, Arte e Cidadania (III FECACI), do município de Inhangapí no estado do Pará, a ser realizada na praça Matriz da cidade, no ano de 2020. Este evento será promovido pela escola Agostinho Morais de Oliveira, em parceria com as Escolas de Ensino Fundamental e Médio, Secretarias Municipais e outras instituições e organizações atuantes no municipio, e também conta com a parceria da Universidade Federal do Pará (UFPA). O evento contará com a exposição de mostras científicas, experimentos, projetos, premiação dos melhores trabalhos e apresentações artísticas e culturais.
  • E.E.E.M. Agostinho Morais de Oliveira - PA - Brasil
  • 07/01/2020-31/01/2021
Foto de perfil

Raimundo Carlos Silvério Freire

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • meninas nas exatas e engenharias: uma abordagem centrada na prática
  • A falta de motivação para estudantes de ensino médio seguirem cursos das áreas de ciências exatas e engenharias tem como uma das causas a falta de abordagens e de aplicações práticas voltadas para estas áreas, nas disciplinas cursadas no ensino médio. A evasão estudantil nos cursos de engenharia tem também esse fator como uma das causas principais. Por outro lado, estudantes de escolas de nível médio não se sentem motivados a seguirem cursos de engenharia por estimarem que o curso seja difícil de ser seguido. Esse cenário é particularmente importante nas estudantes (sexo feminino) que, além desses problemas, não se sentem atraídas por profissões “tradicionalmente” masculinas. Com este projeto visa-se atrair, incentivar o ingresso e a permanência de estudantes de ensino médio do sexo feminino para cursarem engenharia elétrica. Para atingir esse objetivo visa-se a formação pela prática de estudantes de ensino médio do sexo feminino (15 bolsistas e 15 não bolsistas). Além disso, visa-se também motivar estudantes do sexo feminino (3 bolsistas e 3 não bolsistas), de engenharia elétrica, para aprofundarem seus conhecimentos, evitando a evasão pela participação no desenvolvimento de projetos práticos a serem realizados em conjunto com as estudantes de ensino médio. As atividades serão realizadas na instituição executora (Laboratório de Instrumentação e Metrologia Científicas – LIMC, da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG) e nas escolas de ensino médio. O projeto vai contar também com a participação de um professor de cada uma das escolas de ensino médio (em um total de 5), que organizará as atividades das estudantes na sua escola, criando espaço para isso e acompanhará as atividades das estudantes no LIMC-UFCG. Para a execução desse projeto o coordenador e as alunas de graduação em engenharia elétrica darão treinamento às alunas de nível médio em programas de simulação, eletrotécnica, eletrônica analógica e digital básica, RFID e microcontroladores. Todas as atividades terão um forte apelo prático e serão desenvolvidos módulos para auxiliar nos treinamentos posteriores. Serão feitas atividades nas escolas de ensino médio, em especial com apresentação de seminários pelas alunas de ensino médio e da graduação em engenharia elétrica e de palestras de professores sobre a formação de nível superior nas ciências extas e nas engenharias. Serão desenvolvidos módulos educativos para treinamentos de eletrotécnica e eletrônica básica, que serão transferidos, ao final do projeto, para as escolas de ensino médio. Serão desenvolvidos também protótipos de instrumentos de medição eletrônicos, como medidores de temperatura, vazão, velocidade de fluidos, sistemas de controle de acesso com RFID e circuitos de comando usados em automação, que serão também transferidos, ao final do projeto, para as escolas de ensino médio. Será dado também um treinamento em uso de equipamentos de laboratório. O proponente já tem experiência em projetos similares e já existe acordos com escolas de nível médio, bem como existe apoio do grupo de estudantes mulheres IEEE WIE UFCG.
  • Universidade Federal de Campina Grande - PB - Brasil
  • 03/01/2021-31/07/2022
Foto de perfil

Raimundo Carlos Silvério Freire

Outra

Microeletrônica
  • circuitos de condicionamento para etiqueta rfid multisensora
  • As etiquetas RFID surgiram como uma opção, com algumas vantagens, a identificação por código de barras. Novas aplicações e necessidades têm surgido com a difusão no mercado dessas etiquetas. O fato das etiquetas RFID poderem acompanhar cada produto desde sua fabricação até o consumidor final as torna excelentes "testemunhas" de todo o histórico da cadeia de distribuição. Por essa razão, há uma crescente demanda por etiquetas que sejam capazes de registrar informações sobre o ambiente ao redor do produto. Com relação a alimentação das etiquetas RFID, elas precisam de uma fonte de energia local. Se esta fonte for uma bateria, sua troca periódica implicará em custos e problemas de logística, especialmente se o número de nós sensores for elevado e/ou se os mesmos estiverem localizados em pontos de difícil acesso. Neste caso, o tempo de vida da bateria precisa ser maximizado, exigindo ainda mais que o sistema do nó sensor consuma o mínimo possível de energia. A popularidade e vantagens técnicas da tecnologia RFID fazem dela uma solução promissora para a implementação de sensores sem fio, razão pela qual vários esforços têm sido realizados para agregar a capacidade sensorial à tecnologia RFID, bem como o de integrá-la à tecnologia WSN (Wireless Sensor Network). Por outro lado, a adição da capacidade de sensoriamento às etiquetas RFID passivas requer a superação de diversos obstáculos de ordem técnica e de regulamentação, para os quais, até o presente momento, ainda não há uma solução plenamente estabelecida e padronizada. O objetivo principal deste projeto é propor uma solução à integração de sensores, em especial de temperatura, a etiquetas RFID passivas, mantendo a compatibilidade com os atuais padrões que regulamentam a tecnologia. Aspectos de muito baixo consumo deverão ser considerados nos circuitos de condicionamento e nos sensores desenvolvidos.
  • Universidade Federal de Campina Grande - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Raimundo Jucier Sousa de Assis

Ciências Humanas

Geografia
  • a china e a incorporação do sudoeste do piauí na geopolítica contemporânea (2008 – 2020)
  • O processo contemporâneo de redesenho do espaço mundial, a partir da crise do capitalismo de 2008, tem reaberto debates sobre o fortalecimento de relações geopolíticas entre novos países, como é o caso das relações do comércio exterior entre o Brasil e a China. No posto de nova “fábrica do mundo”, a China tem necessitado de commodities tanto para a renovação do processo produtivo exportador, bem como, para o suprimento do consumo no mercado interno, tornando-se líder em uma cadeia de transmissão que tem ressonância em outros territórios que se abrem e se incorporam à dinâmica da acumulação chinesa. A presente investigação enseja, dessa forma, analisar como a demanda da China por commodities exerce uma força motriz para a inserção territorial dos municípios do Sudoeste do Piauí vinculada à exportação de grãos e, concomitantemente, como essa incorporação dos territórios municipais abre um espaço novo para o mercado consumidor dos excedentes de produtos industrializados chineses. Para a realização da pesquisa, far-se-á levantamento, tabulação e interpretação de acordos bilaterais entre Brasil e China e de dados estatísticos de exportação e importação, entre os dois países, a partir do banco de dados do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) e do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) entre 2008 a 2020. A análise conjunta dos documentos bilaterais e das estatísticas nos permite um panorama geral sobre a relação comercial do Brasil com a China após a recessão econômica de 2008 e, em específico, a plataforma do MDIC possibilita afunilar as pesquisas para as trocas comerciais no âmbito da unidade federativa do Piauí e da participação dos 33 municípios do Sudoeste do Piauí com as vendas e as compras para com o mercado chinês. E, por fim, o levantamento e a análise desses dados nos autoriza interligar a evolução das trocas comerciais com os padrões de mudança na cobertura e uso da terra desses territórios municipais a partir do acompanhamento da espacialização da área plantada no Sudoeste do Piauí pelos censos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esses dados orientam para a realização precisa de trabalhos de campos para os municípios que se destaquem nas trocas comerciais com a China e, assim, para a produção de mapas temáticos que sintetizem as manchas no “cerrado piauiense” que estão articuladas com as exportações e importações vinculadas ao mercado chinês. Em suma, mapear essas trocas comerciais entre a China e os municípios do Sudoeste do Piauí é uma possibilidade de se revelar como esse fragmento do território piauiense participa do redesenho do espaço mundial, incorporado pelas trocas comerciais vinculadas a uma nova potência industrial e inserido territorialmente como um espaço novo da geopolítica contemporânea.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Raimundo Nonato Ferreira do Nascimento

Ciências Humanas

Antropologia
  • educação e diversidade na escola: reflexões acerca do reconhecimento e valorização da diversidade no espaço educativo.
  • O presente projeto surge da necessidade de se promover uma reflexão sobre os processos de reconhecimento e valorização da diversidade étnicorracial no campo da educação escolar, haja vista, a crescente demanda dos movimentos sociais e grupos organizados pelo reconhecimento de suas identidades. Além destas questões relacionadas as demandas por reconhecimento, temos ainda uma crescente onda de preconceito e discriminação contra ‘o diferente’ que vem se alastrando em nosso país e em nossa cidade. É, portanto, tomando como base esta realidade acima mencionada, que pretende-se refletir sobre as teorias de reconhecimento, tendo como suporte, Charles Taylor (1994), Nancy Fraser (2003), Axel Honneth (2003), entre outros autores que vem trabalhando com essa temática, para que possamos a luz destas teorias, analisar os avanços, limites, desafios e possibilidades das políticas de reconhecimento da diversidade que vem sendo desenvolvidas pelos governos federal, estadual e municipal no campo da educação com vistas a promover o reconhecimento e a valorização da diversidade presente no contexto educativo, para em seguida analisar sua efetividade prática. Esta é uma pesquisa de cunho exploratória e será realizado nos municípios de Floriano, Teresina e Valencia do Piauí. Ainda é válido ressaltar que o presente projeto, faz parte das ações do GPADIE – Grupo de Estudo e Pesquisa em Antropologia, Diversidade, Interculturalidade e Educação, vinculado ao Programa de Pós-graduação em Antropologia -PPGAnt/UFPI.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022