Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Abmael da Silva Cardoso

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • emissão de gases de efeito estufa por equinos e pequenos ruminantes em pastagens
  • O Brasil possui um dos maiores rebanhos de caprinos, ovinos e equinos do mundo e atualmente a emissão dos gases de efeito estufa (GEE) e volatilização de amônia (NH3) emitidos por esses animais tem sida estimada através de fatores de emissão default do painel intergovernamental para mudanças climáticas (IPCC). Igualmente o impacto das características das excretas e efeito de variáveis chaves sobre a produção dos GEE foi pouco estudada. O objetivo deste projeto é quantificar a emissão de GEE por excretas de caprinos, ovinos e equinos, avaliar o efeito da composição química das fezes sobre os fluxos de metano (CH4) e óxido nitroso (N2O), medir a volatilização de NH3 derivadas das excretas, a variação diurna dos GEE em 3 sistemas de uso da terra (agricultura, pastagens e floresta) e a sensibilidade dos fluxos dos gases a variação da temperatura em pastagens manejadas sobre diferentes intensidades de pastejo. Para atingir os objetivos serão conduzidos seis experimentos para avaliar a emissão de GEE no campo e em laboratório. O experimento 1 terá os seguintes tratamentos: fezes e urina de caprinos e ovinos, o 2: fezes, urina e cama de equinos; o 3: fezes de bovinos, caprinos e ovinos; o 4: avaliação de NH3 de excretas de caprinos, equinos e ovinos, 5: avaliação da variação diurna dos GEE em 3 tratamentos (agricultura, floresta e pastagens) e 6: avaliação do efeito da variação na temperatura sobre os fluxos dos GEE em pastagens sobre diferentes intensidades de pastejo.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Abner de Siervo

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • crescimento de monocamadas de dicalcogenetos de metais de transição por mbe e pvd e sua caracterização eletrônica e estrutural
  • Semicondutores de materiais bidimensionais formados por dicalcogenetos de metais de transição (TMD) têm sido extremamente estudados nos últimos anos. As técnicas mais empregadas para se obter algumas camadas são a esfoliação mecânica e o método de crescimento CVD, os quais não permitem o escalonamento para produção industrial de dispositivos optoeletrônicos. Neste projeto propomos o crescimento dos TMDs tais como MoTe2, HfTe2, MoS2 e HfS2 utilizando uma combinação de métodos de crescimento: Molecular Beam Epitaxy (MBE) e Physical Vapor Deposition (PVD). Os principais substratos de interesse serão superfícies bem ordenadas e monocristalinas tais como o sobre Gr/Ir(111) e Gr/Sic(0001) além de monocristais metálicos tais como o Au(111) e Au(788), este último com o intuito de induzir o crescimento de nanofitas de TMD. A caracterização estrutural e eletrônica dos filmes será feita por espectroscopia de fotoelétrons excitados por raios X (XPS) e difração de fotoelétrons (XPD) (se o filme apresentar ordenamento azimutal), além de caracterização estrutural via microscopia de tunelamento de elétrons (STM). Técnicas complementares como Raman e ARPES (no sincrotron) serão empregadas para as melhores amostras. Ao final objetivamos estabelecer métodos de crescimento de monocamadas híbridas (TMD1+TMD2) ou TMD/Gr e ainda TMD/isolante (o caso do h-BN).
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Abrahao Alexandre Alden Elesbon

Ciências Agrárias

Agronomia
  • nea "intercampi": integrando ações para o fortalecimento da agroecologia e produção orgânica no espírito santo
  • O presente projeto tem como objetivo a criação de um Núcleo de Estudo em Agroecologia e Produção Orgânica (NEA) no Instituto Federal do Espírito Santo, reunindo para isso três campi da referida instituição: Ifes – campus Centro-Serrano, Ifes – campus Colatina e Ifes – campus Itapina, integrando ações para a construção coletiva de uma rede para o fortalecimento da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica no Estado do Espírito Santo. As ações serão desenvolvidas paralelamente nos três campi envolvidos, porém atingindo a um público-alvo próprio para a realidade de cada região. No campus Centro-Serrano, o foco estará na implantação de uma Unidade Demonstrativa de Agroecologia (UD) voltada para a olericultura, além de reflorestamento de mata ciliar e um trabalho de mobilização e capacitação de agricultores familiares produtores de orgânicos do município por meio de cursos de extensão de curta duração. No campus Itapina as ações serão direcionadas também para a implantação de uma UD, adotando a implantação de um Sistema Agroflorestal, de práticas de adubação verde e de compostagem, bem como a ações que promoverão a discussão e o fortalecimento da Agroecologia dentro do campus e na oferta de cursos teórico/práticos de extensão de curta duração, voltados à um grupo de agricultores familiares que estão em processo de transição agroecológica no município há mais de um ano. OIfescampus Colatina voltará suas ações de capacitação por meio dos cursos de extensão para temas ligadosao gerenciamento de recursos hídricos, e em ações de reflorestamento em propriedades da região, interagindo e integrando as suas ações junto ao campus Itapina. As atividades seguem a vocação de cada campus, buscando integrar Ensino, Pesquisa e Extensão, em direção a novos arranjos locais ambientalmente mais sustentáveis, socialmente mais inclusivos e economicamente mais solidários. Tendo em vista a forte atividade econômica baseada na agricultura familiar no Estado do Espírito Santo, mas intensamente sustentada em bases convencionais de produção e uso da terra e que causaram uma grande degradação ambiental e problemas de saúde na população, projetos que dialoguem com a comunidade externa, principalmente quanto às técnicas de desenvolvimento mais sustentáveis e que potencializem o intercâmbio entre as instituições da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, buscando conectar os diferentes saberes e suas experiências, são de grande importância na construção de um novo paradigma na produção de alimentos e nas relações com a terra. Neste sentido, o campus Centro-Serrano buscará aplicar sua vocação em Administração para ampliar as atividades voltadas para o desenvolvimento rural sustentável da região, visto que está inserido em uma região com grande potencial e considerável histórico de produção orgânica, porém com grandes dificuldades em estratégias de comercialização de seus produtos e numa região onde a maior parte das propriedades rurais de base familiar ainda empregam técnicas convencionais. O campus Itapina, com seus perfil agrário e, juntamente ao campus Colatina, inserido em uma região altamente desmatada e que passa por sérias dificuldades em relação à seus recursos hídricos, vêm potencializar suas ações no NEA à adoção de práticas e capacitações mais ligadas à produção agrícola sustentável, com um enfoque maior na manutenção e captação de água nas propriedades rurais, bem como a utilização de técnicas de adubação e controle de pragas alternativos. Os três campi, de maneira integrada e de acordo com as necessidades do público-alvo de cada região, irão ofertar cursos de extensão de curta duração que, juntos, totalizem 160 horas de atividades, bem como atividades que promovam a discussão da agroecologia dentro do campus, focados na produção, reflorestamento e no gerenciamento dos recursos hídricos. Esta é uma iniciativa que caminha de acordo com o Plano de Desenvolvimento Institucional do Instituto Federal do Espírito Santo, em direção a uma educação potencializadora do ser humano, no desenvolvimento de sua capacidade de gerar conhecimentos a partir de uma prática interativa com a realidade, e na perspectiva de sua emancipação, tendo em vista a crítica à exploração socioambiental.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 01/03/2018-31/10/2020