Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Carolina Sousa de Almeida

Ciências Biológicas

Zoologia
  • caracterização morfológica e molecular das espécies de malacostegina (bryozoa, gymnolaemata) do brasil: uma abordagem integrativa
  • Briozoários são animais coloniais lofoforados predominantemente sésseis, encontrados em virtualmente todos os tipos de substratos e ambientes marinhos. Tratam-se de componentes comuns e importantes da comunidade incrustante e espécies exóticas são historicamente registradas em área portuárias e baías de todo o mundo. Destacam-se os representantes da subordem Malacostegina que, devido a ampla gama de substratos naturais e artificiais habitados e a larva planctotrófica dispersável em água de lastro, possuem reconhecido potencial bioinvasor. A identificação taxonômica, entretanto, é dificultada pela grande variação morfológica apresentada por espécimes de diferentes localidades. A integração das abordagens morfológica e molecular já foi sugerida, mas poucos esforços foram empregados. Considerando que a fauna de Malacostegina do Brasil inclui complexos de espécies, espécies exóticas e até invasoras, determinar a identidade genética, plasticidade morfológica, conectividade entre as diferentes populações e capacidade de dispersão desses táxons são essenciais para detecção de eventuais eventos de bioinvasão. Assim, este projeto tem como objetivo avaliar a diversidade de espécies de Malacostegina do Brasil, por meio de um estudo integrado. Para tal, será analisada a morfologia e morfometria, caracterização genética e da variação intra e interespecífica de 12 espécies. A conectividade das populações das espécies Biflustra arborescens (Canu & Bassler, 1928) e Biflustra tenuis (Desor, 1848) registradas em todo o Oceano Atlântico sobre suportes rígidos; Biflustra marcusi Vieira, Almeida & Winston, 2016 que ocorre em toda a costa do Brasil predominantemente sobre algas, mas ocasionalmente sobre suportes rígidos; e Jellyella tuberculata (Bosc, 1802), habitante de algas e considerada cosmopolita em águas tropicais e temperadas quentes, também será avaliada. Aparentemente, espécies encontradas sobre suportes flutuantes (como algas) possuem maior capacidade de dispersão e, assim, as populações de B. marcusi e J. tuberculata compreendem uma única espécie, enquanto os espécimes identificados como B. arborescens e B. tenuis representam várias espécies. Os estudos morfológicos e morfométricos serão realizados no Laboratório de Estudos de Bryozoa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e na Plataforma de Microscopia, Subunidade de Microscopia Eletrônica da Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz (FIOCRUZ-BA). Os espécimes serão analisados inicialmente sob microscópio estereoscópio e posteriormente submetidos a microscopia eletrônica de varredura. O estudo molecular será realizado no Laboratório de Genômica Evolutiva e Ambiental da UFPE e na Plataforma de Genômica, Subunidade de Sequenciamento de DNA da FIOCRUZ-BA e da FIOCRUZ-PE (Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães). Os marcadores escolhidos são segmentos dos genes mitocondriais COI (~1500pb) e RNAr 16S (~600pb), e nuclear DNAr 18S (~1700), amplamente utilizados em estudos com briozoários marinhos. Será feita comparação da variação genética dos fragmentos genômicos, inferência filogenética Bayesiana, estimativa da diversidade de haplótipos e nucleotídeos, análise da estrutura das populações com base na análise de variância molecular e delimitação de espécies com base da divergência do DNA barcode. Os principais resultados esperados são: (i) caracterização morfológica, morfométrica e molecular de briozoários Malacostegina do Brasil; (ii) reavaliação de caracteres morfológicos diagnósticos de Malacostegina; (iii) elucidação da identidade molecular das populações de B. arborescens, B. marcusi, B. tenuis e J. tuberculata ao longo do Atlântico Ocidental; (iv) avaliação da conectividade das populações estudadas. Num cenário mundial onde o conhecimento da biodiversidade e de sua perda está entre as metas estabelecidas pela Convenção sobre Diversidade Biológica, o projeto proposto está diretamente relacionado com políticas públicas globais de impacto ambiental. Dessa forma, elucidar a real identidade desses táxons representa o primeiro passo para entendimento da identidade e dos padrões de dispersão do grupo, fornecendo também subsídios para prevenção e eventual manejo de bioinvasores.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Thomaz Takakura

Ciências Biológicas

Fisiologia
  • remodelamento proteico na região do núcleo retrotrapezóide pode estar associado ao déficit respiratório observado em modelo experimental da doença de parkinson
  • A doença de Parkinson (DP) é uma desordem neurodegenerativa caracterizada clinicamente por tremor, rigidez, acinesia (ou bradicinesia) e instabilidade postural. O tremor tipicamente se inicia assimetricamente e está presente em repouso, geralmente envolvendo mãos, pernas, maxilar, lábios, afetando toda a face. Patofisiologicamente, a DP é classificada como uma sinucleinopatia associada predominantemente à perda de neurônios dopaminérgicos na substância negra, mas outros neurônios do tronco encefálico podem também estar degenerados na DP, contribuindo não só para as alterações motoras, mas também não motoras observadas nessa patologia. Em pacientes que apresentam a DP também é possível observar deficiências respiratórias cujos mecanismos ainda não estão muito bem esclarecidos. As diversas alterações respiratórias observadas na DP podem ser caracterizadas como 1. Obstrução das vias aéreas superiores, 2. Complicações resultantes da ingestão de medicamentos, 3. Complicações resultantes da retirada de medicamentos e 4. Pneumonia. Estudo prévio do nosso laboratório que utilizou um modelo de DP em ratos adultos demonstrou haver redução da frequência respiratória e ventilação a partir do 40° dia após a lesão e essa alteração permaneceu até o 60° dia. A partir do 60° dia, após a avaliação imuno-histoquímica, revelou-se redução no número de neurônios phox2b do núcleo retrotrapezóide (RTN), envolvidos no controle neural da respiração. O objetivo deste projeto é estudar se houve remodelamento protéico na região do RTN e se a ativação dos neurônios restantes nessa região é capaz de restaurar a respiração em um modelo experimental da DP. Para isso, serão realizadas as avaliações respiratórias funcionais por pletismografia de corpo inteiro, neuroanatômicas e bioquímicas por imuno-histoquímica e proteômica.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Clara da Fonseca Leitão Duran

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • avaliação do impacto de incentivos financeiros a gestantes beneficiárias do programa bolsa família na mortalidade infantil
  • Introdução: O programa de transferência condicionada de renda (PTCR) brasileiro Programa Bolsa Família mostrou ter impacto em diversos desfechos de saúde, incluindo doenças negligenciadas, acesso a serviços de saúde e mortalidade infantil. Intervenções focadas na demanda por serviços, entre elas os PTCR, tem sido utilizadas em diversos países para diminuir os custos para acesso aos serviços de saúde e estimular a adoção de comportamentos saudáveis, no entanto há escassez de estudos que avaliaram os efeitos de tais incentivos com amostra suficientemente grande e desenhos robustos e que procuraram entender os mecanismos pelos quais PTCR agem na mortalidade infantil. Objetivos: Avaliar o impacto do Benefício Variável à Gestante repassado às gestantes acompanhadas nas condicionalidades de saúde do Programa Bolsa Família na mortalidade infantil; e o efeito indireto do impacto do Benefício Variável a Gestante (BVG) nas gestantes acompanhadas nas condicionalidades de saúde do Programa Bolsa Família na mortalidade infantil mediado pelo número de consultas de pré-natal, nascimento pré-termo e baixo peso ao nascer. Métodos: Estudo retrospectivo com desenho quasi-experimental. Dados de cerca de 59 mil gestantes beneficiárias do Programa Bolsa Família identificadas pelo Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família na Saúde entre Janeiro de 2010 e Dezembro de 2014 serão pareados empregando técnicas probabilísticas aos registros identificados de nascidos vivos do Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC) (N=1.118.492) e de óbitos de menores de 1 ano do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) (N=15.093) da Secretaria de Saúde do estado do Rio de Janeiro. Utilizaremos diferentes técnicas estatísticas para avaliar os efeitos diretos e indiretos (por meio do atendimento pré-natal, nascimento pré-termo e baixo peso ao nascer) do BVG recebido em compartida pelo cumprimento das condicionalidades de saúde do Programa Bolsa Família referentes às gestantes na mortalidade infantil. Rodaremos análises de sensibilidade para estimar se a cobertura da Estratégica de Saúde da Família no município modifica a associação entre a exposição e os desfechos intermediários e mortalidade infantil. Também, procuraremos avaliar se nossos achados são robustos criando grupos controles sintéticos. Primeiramente compararemos gestantes elegíveis a receber o BVG, mas, que por estarem em famílias que atingiram o limite de benefícios variáveis por família (5), não o recebem com gestantes que recebem o benefício. Depois, criaremos um grupo controle sintético com gestantes identificadas imediatamente antes e imediatamente após a data limite de identificação para recebimento do BVG no mês subsequente. Nossos achados podem informar o fortalecimento e refinamento do programa brasileiro de transferência condicionada de renda e programas e incentivos similares existentes em outros países tendo em vista o alcance de pelo menos quatro dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Claudia Campos

Ciências Agrárias

Agronomia
  • núcleo de agroecologia e produção orgânica do sertão sergipano - nea sertão
  • A proposta objetiva a criação do NEA SERTÃO como espaço de discussões, formação e propagação de tecnologias apropriadas à realidade semiárida sergipana, tendo como pressuposto as metodologias ativas. O NEA SERTÃO será uma importante oportunidade para formação de recursos humanos qualificados a partir de diversas iniciativas educativas como cursos, palestras, oficinas, visitas de intercâmbio entre outras, para atuação no semiárido nordestino, uma região que apresenta demandas específicas, devendo-se portanto, procurar soluções igualmente específicas. A participação ativa de entidades do setor público e das entidades de ATER fortalecem a proposta na perspectiva de sua inserção junto aos camponeses e demais setores da agricultura. As parcerias podem consolidar propostas para serem formuladas e apresentadas ao poder público de forma a garantir melhor adequação as características dos camponeses locais/regionais. Da mesma forma o acompanhamento e acesso aos programas sociais destinados ao agricultor familiar se efetuará de maneira mais eficiente, uma vez que as instituições estarão interagindo para sua execução. Não se pode omitir também a participação de setores organizados da sociedade civil, como os sindicatos, associações de criadores/produtores, empresas agroindustriais, escolas, entre outros, de forma que se estabeleça uma rede de relações institucionais compatíveis para o desenvolvimento sustentável do setor no semiárido.
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 01/03/2018-31/10/2020
Foto de perfil

Ana Claudia Fernandes Amaral

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • desenvolvimento de fitocomplexos-protótipos antileishmania.
  • A LEISHMANIOSE É UMA DOENÇA TROPICAL NEGLIGENCIADA QUE AFETA MILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO E CAUSA MILHARES DE MORTES ANUALMENTE. APESAR DESSE CENÁRIO MUNDIAL, POUCO SE AVANÇOU EM TERMOS DE AGENTES QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NESTA DOENÇA, OS QUAIS POSSUEM ELEVADA TOXICIDADE E CAUSAM GRAVES EFEITOS COLATERAIS. DEVIDO À CARÊNCIA DE INVESTIMENTOS CONTRA LEISHMANIOSE POR PARTE DOS SETORES PRIVADO E PÚBLICO, OS GRUPOS DE PESQUISAS POSSUEM UM PAPEL IMPORTANTE NA IDENTIFICAÇÃO DE NOVOS ALVOS TERAPÊUTICOS E MÉTODOS DE DIAGNÓSTICOS QUE POSSAM VIR A DIFERENCIAR O TRATAMENTO ATUAL. DESTA MANEIRA, A BUSCA POR NOVOS AGENTES TERAPÊUTICOS É UMA NECESSIDADE EVIDENTE, SENDO AS PLANTAS UM MARCO EXPLORATÓRIO IMPORTANTE E PROMISSOR PARA OBTENÇÃO DE ALVOS ANTILEISHMANIA. NESTE PONTO, APESAR DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA, POUCAS ESPÉCIES BOTÂNICAS FORAM ANALISADAS E CONSEQUENTEMENTE ALVOS BIOATIVOS INSUFICIENTES FORAM DETERMINADOS COM CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA AS ETAPAS SUBSEQUENTES AO SCREENING BIOLÓGICO. POR MEIO DO DESENVOLVIMENTO DESTE PROJETO, PRETENDEMOS PROSSEGUIR COM NOSSOS ESTUDOS, INICIALMENTE UTILIZANDO O FITOCOMPLEXO HS2/10 BIOATIVO ANTILEISHMANIA EM NANOFORMULAÇÕES E NOS ENSAIOS NÃO CLÍNICOS IN VIVO. PARALELAMENTE, OS ENSAIOS ANTILEISHMANIA COM COMBINAÇÕES DO FITOCOMPLEXO HS2/10 E AS FRAÇÕES/SUBSTÂNCIAS BIOATIVAS DAS ESPÉCIES BOTÂNICAS VIROLA MOLISSIMA, V. THEIODORA E BOCAGEOPSIS MULTIFLORA PERMITIRÃO AMPLIAR O CONHECIMENTO DO MECANISMO DE INIBIÇÃO DAS CLASSES QUÍMICAS ENVOLVIDAS NA ATIVIDADE. ESTES ESTUDOS REALIZADOS COM ENFOQUE MULTIDISCIPLINAR CONDUZIRÃO AO DESENVOLVIMENTO DE FITOCOMPLEXOS-PROTÓTIPOS. ALÉM DISSO, PRODUZIRÃO RESULTADOS ADICIONAIS E FUNDAMENTAIS QUE PODERÃO SER UTILIZADOS PARA TRANSPOR A BARREIRA DA QUIMIORRESISTÊNCIA POR MEIO DAS COMBINAÇÕES DAS CLASSES QUÍMICAS, REAFIRMANDO O COMPROMISSO E OBJETIVOS DO NOSSO GRUPO DE PESQUISA NOS ESTUDOS CONTRA LEISHMANIOSE.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 21/11/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Ana Cláudia Fernandes Nogueira

Ciências Humanas

Sociologia
  • ancestralidades destituídas: a manutenção da condição subalterna e sua relação com as ancestralidades das populações rurais na amazônia
  • A proposta de trabalho que se faz neste projeto é problematizar - à luz dos estudos subalternos, pós-coloniais e decoloniais - a relação entre as condições de vida no mundo rural amazônico hoje por meio do resgate da luta pela terra das ancestralidades dos sujeitos que residem em áreas de assentamento rural. Consideramos que os sujeitos desta pesquisa vivem na qualidade de subalternizados, situação engendrada desde seus antepassados e que não foi rompida em virtude do caráter de autoridade colonial do Estado brasileiro. Com isso, objetiva-se relacionar a luta pretérita pela terra, das ancestralidades de residentes em ordenamentos institucionais criados pelo INCRA, com as condições subalternizadas de vida destes sujeitos beneficiários de políticas de regularização fundiária. Desta forma, mapearemos a árvore genealógica de sujeitos rurais residentes em três assentamentos localizados na mesorregião sul amazonense, bem como empreenderemos uma investigação genealógica das trajetórias de vida e das condições de vida destes sujeitos, afim de identificar a relação entre suas condições de vida atuais e de seus antepassados. Compreendemos que esta pesquisa possibilitará a produção de dados a partir de territórios diferentes, compostos pelas populações nativas e por aquelas que migraram para o Estado do Amazonas.
  • Universidade Federal do Amazonas - AM - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cláudia Ferreira Godinho

Ciências Humanas

Educação
  • a leitura no sistema prisional: potencialidades e desafios da remição de pena pela leitura no brasil
  • A leitura em contextos de privação de liberdade tornou-se uma pauta da educação de jovens e adultos desde que a Recomendação n. 44 do Conselho Nacional de Educação, de 2012 possibilitou a remição de pena pela leitura em estabelecimentos prisionais brasileiros. Esta abertura legal ao reconhecimento da leitura como prática social relevante para a socialização de pessoas privadas de liberdade propicia o debate sobre a educação não escolar como um direito desta população, que cresceu significativamente no Brasil nos últimos anos. Considera-se que as práticas de leitura têm potencialidades educativas importantes no que se refere à leitura de mundo e de si para pessoas pobres, negras e com baixa escolaridade, perfil predominante da população prisional brasileira, conforme dados do INFOPEN de 2016. Ao mesmo tempo, o contexto de privação de liberdade apresenta desafios à formulação de propostas educativas voltadas para a garantia do direito à leitura. Diante desse cenário, o presente projeto busca compreender os avanços, potencialidades educativas e os limites da remição de pena pela leitura no que concerne à ampliação do direito à educação no sistema prisional brasileiro.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cláudia Franco

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • estudos sobre a interação dos fatores de restrição apobec3 e serinc de felinos com o vírus da imunodeficiência felina
  • O genoma do vírus da imunodeficiência dos felinos (FIV) apresenta três fases de leitura abertas (gag, pol, env) e codifica as proteínas principais do capsídeo (MA, matriz; CA, capsídeo; NC, nucleocapsídeo), enzimas virais (PR, protease; RT, transcriptase reversa, IN, integrase, DU, desoxiuridina trifosfatase) e envelope (Env) glicoproteínas (SU, superfície; TM, transmembrana), respectivamente. O FIV contém três genes acessórios, vif, orf2 (ou orfA) e rev. As altas taxas de mutação encontradas em FIV representam um importante mecanismo de evasão imune dos vírus. Os fatores de restrição são proteínas antivirais hospedeiras que neutralizam ou “restringem” a replicação viral, atuando como uma primeira linha de defesa contra infecções retrovirais e, mais importante, essas proteínas limitam a gama de hospedeiros lentivirais e a transmissão de vírus entre espécies. Entre essas proteínas estão a proteína incorporadora de serina 3/5 (SERINC ou SER 3/5) e a apolipoprotein B mRNA editing enzyme, catalytic polypeptide-like (APOBEC3 ou A3). Serinc 1-5 são proteínas transportadoras de serina altamente conservadas, dentre elas, SER3 e 5 de humanos foram recentemente reconhecidas como fatores de restrição. As proteínas SER podem restringir o processo de fusão alterando a conformação de Env e, como resultado, a capacidade de transferir o conteúdo viral para o citoplasma é comprometida. Recentemente foi demonstrado que o SER5/3 felino reduzem a infecciosidade do HIV e Ser5 de felinos tem uma atividade de restrição mais forte contra o FIV do que o SER3 de felinos in vitro. Dessa forma, aparentemente o FIV pode escapar da restrição do SER3 (dados não publicados). O A3 foi um dos primeiros fatores de restrição identificados. Em vírus que não expressam Vif, A3 é encapsidado na partícula viral e desamina a citidina no DNA viral de cadeia negativa, gerando a uridina e induzindo hipermutações de G a A no DNA da fita positiva. Esse processo leva à introdução de códons de parada prematuros nas proteínas nascentes. As proteínas A3 interagem com a proteína viral de Gag e podem ser incorporadas na partícula viral nascente e esse mecanismo oferece um alvo potencial para a terapia. Quando Vif é expresso, as proteínas A3 são antagonizadas pelas proteínas Vif de HIV e FIV. A ligação de Vif à proteína A3 é espécie-específica na maioria dos casos analisados. Assim, o Vif de FIV inibe as proteínas felinas A3 e o Vif de HIV não afeta a A3 de felinos. A observação inversa foi encontrada quando o A3 humano foi expresso. Dados sobre a variabilidade de proteínas A3 de gatos positivos e negativos para FIV foram previamente descritos por nosso grupo de pesquisa. O estudo relatou sete haplótipos A3Z3 em gatos que foram correlacionados com infecção por FIV. Posteriormente, duas proteínas com atividade antiviral, A3Z3 e A3Z2Z3 foram descritas. Além disso, estudos in vitro demonstraram que tais proteínas reduzem a infectividade de FIV. Assim, essa proposta visa realizar estudos in vitro para compreender as interações entre variantes naturais de genes env, gag, vif e orf2 com variantes dos fatores de restrição felinos A3 (sete haplótipos) e SER3/5.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cláudia Niedhardt Capella

Ciências Humanas

Ciência Política
  • agenda governamental brasileira: mapeamento e análise do período 1995-2014
  • O presente projeto de pesquisa tem como objetivo mapear a agenda governamental no período histórico recente do país, de forma a permitir o acompanhamento e análise das mudanças nas prioridades governamentais. De forma mais específica, a pesquisa abrangerá o Poder Executivo e Legislativo federal e buscará identificar e monitorar os temas presentes na agenda ao longo do período compreendido entre 1995 e 2014. A análise considerará a investigação detalhada dos temas inseridos na agenda, considerando a política setorial a que se referem (saúde, educação, meio ambiente, etc.) e sua movimentação ao longo do período. Trata-se de um esforço essencial para a compreensão do processo de produção de políticas públicas no Brasil. Os resultados da pesquisa permitirão a emergência de novas perguntas sobre a política brasileira, sobre as especificidades do processo de produção de políticas públicas no país, as possibilidades de participação social na formulação, a existência de padrões de mudanças em políticas públicas, entre outros aspectos. Além disso, a pesquisa será desenvolvida de forma articulada com a rede internacional de pesquisa sobre agenda governamental (Comparative Agendas Project), viabilizando análises comparadas com a dinâmica da agenda em outros países.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cláudia Rodrigues Chibinski

Ciências da Saúde

Odontologia
  • avaliação clínica e laboratorial de diferentes protocolos restauradores para dentes com hipomineralização molar incisivo (hmi)
  • A hipomineralização molar incisivo (HMI) é uma condição que afeta aproximadamente 14% da população mundial e está relacionada com dificuldade de adesão devido às alterações na estrutura do esmalte, que resultam longevidade diminuída das restaurações, portanto o estudo de protocolos alternativos de adesão para dentes portadores de MIH é fundamental. Além dessa questão, os pacientes portadores de MIH estão propensos a apresentarem maiores níveis de sensibilidade dental e dor odontológica, o que afetar os níveis de ansiedade relacionada ao tratamento odontológico. Portanto, o objetivo desta pesquisa é avaliar restaurações realizadas a partir de diferentes protocolos restauradores em molares portadores de hipomineralização molar incisivo por meio de critérios laboratoriais (estudo in vitro) e longevidade (ensaio clínico randomizado). Esta pesquisa será desenvolvida em duas etapas. Na primeira etapa, um estudo laboratorial será desenvolvido. A amostra será constituída por 40 dentes portadores de hipomineralização com cárie de dentina (ICDAS 5 e 6) e 40 molares hígidos obtidos em banco de dentes humanos. Os dentes serão aleatoriamente divididos em 4 grupos (n=10): Grupo 1 – aplicação de adesivo universal; Grupo 2 – aplicação de NaOCl prévia à aplicação do adesivo universal; Grupo 3 – aplicação de agente infiltrante prévia à aplicação do adesivo universal; Grupo 4 – aplicação de NaoCl e agente infiltrante prévia à aplicação do adesivo universal. Cavidades padronizadas serão preparadas nos molares saudáveis e lesões de cárie em dentina serão produzidas artificialmente pelo método de ciclagem de pH. Em seguida, eles serão divididos aleatoriamente em 4 grupos e receberão exatamente os mesmos protocolos de adesão descritos previamente. Todos os protocolos adesivos serão realizados com adesivo universal (Scotchbond Universal Adhesive) e as restaurações com resina composta nanohíbrida (Filtek Z350). As interfaces adesivas serão avaliadas a partir dos critérios de microinfiltração, nanodureza e microtração, além da análise qualitativa em MEV. Palitos de todas as condições serão armazenados em saliva artificial a 37C para reavaliação após 12 meses. A segunda etapa do estudo será um ensaio clínico randomizado. Pacientes portadores de MIH, com idades entre 8 e 12 anos, serão selecionados, compondo uma amostra de 250 molares afetados com cavidades de cárie em dentina (ICDAS 5 e 6), que serão divididos aleatoriamente em 5 grupos (n=50) conforme os protocolos de adesão já descritos, além de um grupo controle com restaurações de ionômero de vidro de alta viscosidade (CIV) (Equia Forte). As restaurações em resina composta serão realizadas com isolamento absoluto e remoção parcial de tecido cariado; as restaurações em CIV seguirão o protocolo das restaurações atraumáticas. As restaurações serão avaliadas no baseline, aos 6, 12 e 24 meses por fotografias padronizadas; as restaurações em resina composta serão avaliadas segundos os critérios USPHS modificado e as restaurações em CIV segundos os critérios de avaliação de ARTs. Todas as restaurações serão realizadas por dois operadores treinados nos protocolos a serem testados e as avaliações serão realizadas por um avaliador treinado e calibrado, que não participará no atendimento clínico dos pacientes. O grau de ansiedade dental gerado no momento do atendimento de pacientes portadores de MIH também será avaliado por meio do Venham Picture Test modificado; este teste será aplicado antes e logo após dos tratamentos restauradores. Da mesma forma, será avaliado o auto relato de dor de origem dentária antes e depois da realização dos tratamentos propostos, utilizando-se a Faces Pain Scale Revised (FPS-R). Com a realização deste projeto de pesquisa, espera-se esclarecer qual o protocolo adesivo mais adequado para restauração de dentes portadores de MIH, verificando-se se os achados laboratoriais são refletidos na clínica. Quanto aos níveis de ansiedade dental das crianças, espera-se que esses sejam maiores previamente ao tratamento e que diminua gradativamente nas consultas de controle clínico. No que diz respeito ao autorrelato de dor dentária, espera-se que, ao longo do tratamento e das consultas de controle, ele apresenta níveis cada vez menores.
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022