Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexandre Meneghello Fuentefria

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • desenvolvimento de novas estratégias para o combate de fungos patogênicos de difícil tratamento
  • As infecções fúngicas tornaram-se um desafio complexo de saúde pública global e a aplicação de uma estratégia única não será suficiente para conter a emergência de espécies de incomum manejo terapêutico e com capacidade de adquirir resistência aos agentes antimicrobianos disponíveis. A atual escassez de novos antifúngicos para substituir aqueles que se tornam ineficazes traz urgência no desenvolvimento de entidades químicas antimicrobianas alternativas, adicionada à necessidade de proteger a eficácia dos já existentes. Ao mesmo tempo, a indústria farmacêutica não apresenta, há pelo menos duas décadas, novos fármacos contra fungos patogênicos com mecanismos de ação diferentes dos disponíveis no mercado, evidenciando a urgente necessidade dessa prospecção. Com base no exposto, o grupo de pesquisa coordenado pelo proponente vem desenvolvendo nos últimos anos diversas estratégias de combate a fungos patogênicos de difícil tratamento, abrangendo desde projetos com biomoléculas purificadas de vegetais até a síntese racional de novas moléculas antifúngicas. Neste sentido, a proposição de pesquisa terá como alvo fungos patogênicos emergentes considerados como agentes de difícil tratamento ou de doenças fúngicas negligenciadas, cujos isolados apresentam com muita frequência a problemática multirresistência aos antimicrobianos. Como eixos norteadores dessa nova proposta estarão: (I) a prospecção e desenvolvimento de novas moléculas antifúngicas que consigam ter um espectro efetivo contra esses microrganismos, tanto na sua forma livre como na forma de biofilme sobre os tecidos e materiais; (II) Estudos da eficácia dessas moléculas em formulações antimicrobianos utilizando modelos da de estudos ex vivo e in vivo; (III) Caracterização do mecanismo de ação das moléculas mais efetivas nos modelos testados; (IV) estudo da segurança toxicológica através das parcerias estabelecidas pela nucleação de grupos de pesquisas coordenados pelo proponente; (V) desenvolvimento de biopolímeros e formas farmacêuticas de liberação seletiva das moléculas selecionadas como promissoras. A proposta está sendo construída com o intuito de abranger capítulos em todos os projetos de mestrado e doutorado sob orientação direta do proponente. Com o explícito objetivo de nuclear os grupos colaboradores dos projetos executados no Grupo de Pesquisa em Micologia Aplicada nos últimos 5 anos, este plano de trabalho está sendo proposto em cooperação com pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Universidade Federal de Santa Maria, Universidade Federal do Pampa, Instituto Federal de Santa Catarina e também com pesquisadores do Instituto de Química Macromolecular da Academia de Ciências da República Tcheca. O coordenador da proposta, prof. Alexandre M. Fuentefria, é bolsista de produtividade do CNPq (PQ-2) e atualmente é orientador pelos Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da UFRGS (CAPES 7) e Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Ambiente da UFRGS (CAPES 5). Atualmente integram o seu grupo 1 pós-doutorando, 8 alunos de doutorado e 2 de mestrado. Nos últimos 5 anos, o Grupo de Pesquisa coordenado pelo proponente publicou cerca de 50 artigos em revistas internacionais e nacionais tendo como tema central o combate a fungos patogênicos de difícil tratamento.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alexandre Mesquita

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • síntese e caracterização de nanomateriais luminescentes: aluminatos, silicatos e pontos de carbono
  • Os materiais nanoestruturados vêm sendo extensivamente estudados, não somente pelas novas propriedades e suas possíveis aplicações tecnológicas, mas também pela busca de uma melhor compreensão dos aspectos físicos e químicos que causam tais mudanças. Em relação a materiais luminóforos, estudos da estrutura em escala nanométrica tem recebido considerável interesse em razão do efeito de tamanho quântico que exibem. Materiais nanoestruturados apresentam propriedades eletrônicas intermediárias entre aqueles de estrutura molecular e sólidos macrocristalinos e são objeto de intensa pesquisa, apresentando uma grande diversidade de aplicações quando na forma nanoestruturada. Entretanto, não existe consenso na literatura a respeito da natureza da emissão de fotoluminescência em vários materiais nanométricos. Nesse contexto, esse projeto tem como objetivo realizar a síntese e a caracterização de materiais nanoestruturados e correlação com propriedades fotoluminescentes. Neste trabalho, utilizar-se-á métodos químicos de preparação, como método hidrotemal assistido por microondas, método dos precursores poliméricos e carbonização de materiais orgânicos. A caracterização morfológica se fará através de técnicas como microscopia eletrônica de varredura de alta resolução (FEG-MEV). As propriedades estruturais das nanopartículas, bem como suas propriedades físicas e químicas, serão determinadas através de técnicas convencionais como difração de raios X, espectroscopia Raman, infravermelho e fotoluminescência.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alexandre Ninhaus Silveira

Ciências Agrárias

Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca
  • desenvolvimento de protocolo de criopreservação do sêmen de astyanax altiparanae.
  • A criopreservação é uma tecnologia com vista a preservação de células, tecidos e embriões em baixas temperaturas. Para isso é necessário a utilização de soluções crioprotetoras que tem função de proteger as células dos possíveis danos causados pelos processos de congelamento e descongelamento. Esta metodologia é fundamental para a formação de um banco de germoplasma, que será de grande importância no auxílio a recuperação e conservação de populações de espécies de peixes ameaçadas de extinção, contribuindo também, no processo de reprodução artificial, pois facilita a inserção de genes de animais melhorados geneticamente e/ou genes provenientes de reprodutores nativos no plantel de reprodutores otimizando a qualidade deste. Porém, para o desenvolvimento de soluções crioproteroras adequadas, que não sejam tóxicas e protejam as células espermáticas dos processos de congelamento e descongelamento é necessário adquirir conhecimento sobre as características seminais da espécie que se pretende trabalhar. Como existem muitas espécies de peixes, cada qual com uma estratégia reprodutiva adaptada ao ambiente em que vive, há a necessidade de pesquisas para o desenvolvimento de protocolos para a criopreservação seminal e seu uso que propiciem resultados satisfatórios de fertilização e produção de larvas adequados a cada espécie. Desta forma este trabalho tem por objetivo conhecer e avaliar os parâmetros cinéticos do sêmen de Astyanax altiparanae, através do programa de análise espermática computadorizada (CASA) e desenvolver um protocolo de criopreservação que permita manter a viabilidade do espermatozoide após o descongelamento.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alexandre Pastoris Muller

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • efeitos do tratamento com insulina intranasal e nanoparticulas de ouro em modelos de doença cerebral
  • Doenças próprias do envelhecimento passaram a ganhar maior expressão no conjunto da sociedade, como a doença de Alzheimer (DA), ocasionando um sério problema para os sistemas de saúde, entretanto os fármacos disponíveis atualmente são pouco eficazes em retardar a progressão da doença. A DA é uma doença neurodegenerativa, caracterizada por perda progressiva de memória e funções cognitivas associada com a perda de neurônios e perda sináptica que em sua etiologia está a neuroinflamação, estrese oxidativo e possivelmente resistência cerebral à insulina. A neuroinflamação está associada à demência cerebral, onde as células glias, em especial, astrócito e micróglia, são submetidas à ativação por mediadores pró-inflamatórios como TNF-α, interleucinas (IL-1β e IL-6). Em contrapartida, a microglia ativada pode apresentar um fenótipo neuroprotetor caracterizado por aumento da expressão e liberação dos fatores neurotróficos (IGF-1, NGF e BDNF) e das citocinas anti-inflamatórias o que minimiza a lesão neuronal, promove reparação tecidual, melhora a saúde neuronal, em última análise, antagoniza a deterioração da memória. Novos fármacos e/ou o uso de fármacos já conhecidos usados para outras doenças, mas que possam ter um efeito em modular ações inflamatórias e oxidativas podem ser alvos para o tratamento de doenças cerebrais crônicas. O uso de insulina intranasal está sendo testado em ensaios clínicos para o tratamento da DA e tem se mostrado muito promissor por atuar como anti- inflamatório e antioxidante no sistema nervoso central (SNC). Além disso, novas tecnologias são necessárias para o tratamento de DA e as nanoparticulas de ouro (GNP), por apresentar efeito anti- inflamatórios e antioxidante, podem ser alvos farmacológicos. O projeto tem o objetivo de avaliar a administração de insulina intranasal e GNP sobre parâmetros comportamentais e neuroquímicos para o tratamento de modelos de demência, além do desenvolvimento de um novo fármaco associando insulina e GNP para doenças cerebrais com a possível geração de uma patente. Utilizares culturas celulares de neurônios e astrócitos e modelos in vivo em ratos Wistar machos adultos para testar as hipóteses. Para induzir neuroinflamação o lipopolissacarídeo (LPS) será utilizado, para indução de demência por taupatia será utilizada ácido ocadaico e para induzir resistência cerebral à insulina será utilizada de estreptozotocina intracerebroventricular. Estes compostos serão utilizados diretamente em culturas celulares ou por injeção intracerebroventricular/ hipocampal. Os tratamentos com insulina 20U, e/ou com GNP no tamanho de 20nm e concentração de 2,5 mg/kg administradas diretamente nas culturas ou via intranasal começarão após a indução dos modelos. Um novo composto será produzido, com a associação de insulina e GNP com a intenção de aumentar a ação protetora dessas moléculas no cérebro. Após os tratamentos avaliaremos a função cognitiva, marcadores de estresse oxidativo, neuroinflamação e funcionalidade mitocondrial. Com estes resultados pretendemos verificar se os tratamentos com insulina intranasal e GNP e também sua associação podem ser eficazes em modelos de doenças cerebrais, propondo novas abordagens para o tratamento de demências.
  • Universidade do Extremo Sul Catarinense - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022