Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adriana Ferreira Uchôa

Outra

Biomedicina
  • prospecção extratos bioativos de sementes de plantas encontradas no bioma da caatinga no controle do aedes aegypti e aedes albopictus.
  • Não obstante serem os vetores da mais importante arbovirose da atualidade, a dengue, os mosquitos Aedes aegypti e o A. albopictus têm sido recentemente reconhecidos como vetores da febre do chikungunya e febre zika. Como não há vacina para prevenir a infecção e nem drogas específicas para combater os vírus, o controle do vetor é a solução mais comumente disponível para reduzir a morbidade dessas enfermidades nas áreas endêmicas. No Brasil o uso de inseticidas químicos não tem conseguido prevenir o surgimento de epidemias e produtos oriundos de plantas têm sido apontados como promissores no controle desse inseto. Recentemente um trabalho de bioprospecção do nosso grupo investigou a atividade de 21 extratos brutos de sementes de plantas da Caatinga contra o A. aegypti e verificou-se que todos os extratos apresentaram atividade larvicida, com destaque para os extratos de Myracrodruon urundeuva, A. cearenses, Enterolobium contortisiliquum, Erythrina velutina, Piptadenia viridiflora e Mimosa regnellii. A caracterização parcial desses extratos revelou considerável atividade inibitória para as proteases serínicas. Adicionalmente a adição dos extratos brutos de A. cearenses e E. contortisiliquum nas ovitrampas foi capaz de atrair as fêmeas do inseto para a postura dos ovos. Dessa forma o presente projeto objetiva ampliar a investigação e caracterização dos extratos brutos de sementes de plantas da Caatinga agora com a avaliação de seu potencial no controle de A. albopictus, realizar ensaios em semicampo e campo com os EB de M. urundeuva, Amburana cearenses, E. contortisiliquum, E velutina, P. viridiflora e M. regnellii, verificar se a utilização de ovitrampras contendo extratos brutos de A. cearenses e E. contortisiliquum é capaz de atuar como armadilha para captura de ovos em bairros de elevada infestação predial, investigar in vivo e in vitro a atividade inibitória desses extratos de sementes de plantas na atividade proteolíticas das larvas de A. aegypti e A. albopictus e isolar os inibidores de proteases potencialmente envolvidos na atividade bioinseticida.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2020
Foto de perfil

Adriana Flach

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • composição química e atividade biológicas de própolis
  • Própolis é um material resinoso elaborado pelas abelhas a partir de resinas coletadas de plantas e é utilizada na colônia para proteger o ninho. Sua constituição química é bastante variada e depende entre outros fatores da espécie de abelha e da flora da região o que a torna uma fonte diversificada para exploração de perfil químico e atividade biológica. Por esse motivo o presente trabalho tem como objetivo caracterizar e isolar marcadores, além de determinar do potencial biológico de própolis produzida no extremo norte do Brasil. Para essa finalidade, inicialmente serão selecionadas abelhas produtoras de própolis, coletadas amostras que serão extraídas para obter voláteis, assim como serão extraídas com diferentes solventes extratores. Os extratos e voláteis serão submetidos à atividade antioxidante e antimicrobiana para determinar os extratos mais ativos. Os extratos ativos serão fracionados e caracterizados quimicamente buscando identificar moléculas bioativas.
  • Universidade Federal de Roraima - RR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adriana Frohlich Mercadante

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • investigação do papel de stub1/chip na modulação da estabilidade da proteína prion celular e suas implicações fisiopatológicas
  • A proteína prion celular (PrPC) é uma glicoproteína ancorada na superfície celular por glicosil-fosfatidil-inositol (GPI), presente em vários tecidos e tipos celulares, sobretudo no sistema nervoso central. Alterações estruturais em PrPC dão origem a uma isoforma insolúvel, de conformação alterada e resistente a proteases, conhecida como Scrapie (PrPSc). Esta última é responsável pelas encefalopatias espongiformes transmissíveis (TSEs), doenças neurodegenerativas fatais que afetam tanto humanos quanto outros animais. Apesar de PrPC ser conservada entre várias espécies, só recentemente a função fisiológica dessa proteína começou a ser elucidada. Estudos indicam que PrPC está envolvido em vários processos, tais como neuritogênese, neuroproteção, adesão celular, regulação da função sináptica, olfato, entre outros. Em um projeto anterior do nosso grupo, foi identificada uma interação específica entre PrPC e Stub1 (STIP1 homology and U-Box containing protein 1). Stub1, também conhecida como CHIP (C-terminus of HSC70-interacting protein), é uma proteína citoplasmática que funciona como uma co-chaperona e apresenta atividade ubiquitina E3-ligase e, portanto, realiza a triagem de proteínas para o dobramento ou degradação, participando no controle de qualidade destas moléculas. Estudos mostraram o envolvimento de Stub1/CHIP em doenças neurodegenerativas relacionadas ao dobramento incorreto de proteínas e formação de agregados insolúveis. Como as doenças causadas por prions também são caracterizadas por alterações de dobramento e agregação de proteínas, é lógico supor que PrPC seja um substrato para Stub1/CHIP. Dessa forma, o presente projeto tem como objetivo principal a investigação do papel de Stub1/CHIP na estabilidade/degradação de PrPC. Para tanto, pretende-se caracterizar mais a fundo a interação identificada entre PrPC e Stub1/CHIP, através do mapeamento dos sítios de ligação nas duas moléculas, e da identificação de outras proteínas participantes do complexo. A atividade de Stub1/CHIP na regulação da degradação de PrPC também será avaliada, bem como as vias envolvidas nesses processos. Se a conversão de PrPC para PrPSc depender desse controle de qualidade, Stub1/CHIP apresenta-se como um alvo potencial para abordagens terapêuticas nas doenças causadas por prions. Portanto, outra abordagem deste projeto será a investigação de Stub1/CHIP na degradação ou na estabilidade de PrPC mutantes, com mutações correspondentes às doenças causadas por príons e que apresentam maior probabilidade de adquirir a conformação alterada, semelhante à PrPSc. Formas de PrP citosólicas (cytPrP) também foram descritas tanto em linhagens celulares, quanto em neurônios de determinadas regiões cerebrais e podem ser originadas por falhas no controle qualidade de PrP. A ação de Stub1/CHIP também será avaliada sobre cytPrP. Evidências indicam que cytPrP é tóxico para determinados tipos celulares e, assim, através de ensaios de viabilidade celular, pretendemos avaliar se o aumento ou a diminuição da expressão de Stub1/CHIP pode modular esses efeitos tóxicos. Além disso, Stub1/CHIP é homóloga à proteína STI1 (stress-inducible protein 1). STI1 é uma co-chaperona e um ligante bem estabelecido de PrPC. Dessa forma, a participação da proteína STI1 nos mecanismos relacionados à interação PrPC-Stub1/CHIP também será estudada no projeto em questão. O presente trabalho ajudará a esclarecer o mecanismo de controle de qualidade de PrPC e, portanto, poderá auxiliar no desenvolvimento racional de terapias para doenças causadas por prions.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2020
Foto de perfil

Adriana Garcia Gonçalves

Ciências Humanas

Educação
  • desafios e possibilidades para continuidade da escolarização de estudantes com doença crônica e/ou deficiência com comorbidade em municípios do interior do estado de são paulo
  • Nos últimos vinte anos, houve a criação de importantes leis para a proteção e a manutenção dos direitos da infância e da juventude, com ênfase à educação e à saúde. Ressalta-se o Atendimento Educacional Especializado contemplando as necessidades da escolarização da pessoa com deficiência em ambiente escolar, hospitalar ou domiciliar, para estudantes em afastamento de saúde e ausentes da escola. Entretanto, constata-se que as necessidades educativas dos estudantes com doenças crônicas não têm sido contempladas, muitas vezes pelo desconhecimento da equipe escolar em lidar com a condição desses estudantes, que têm alterado seu estado biológico, além de suas dimensões educativas, emocionais, psíquicas e sociais. Diante disso, a pesquisa objetiva investigar como vem acontecendo a escolarização de estudantes com doença crônica e/ou deficiências com comorbidades e propor ações compartilhadas para continuidade do processo de escolarização desses alunos em rede de colaboração. O Método será composto por três etapas, sendo a primeira o mapeamento dos estudantes com doença crônica e/ou deficiências com comorbidades junto à Diretoria Regional de Saúde - DRS. A segunda etapa será a aplicação de roteiro de entrevista junto aos gestores da divisão de Educação Especial dos Sistemas de Ensino, aos diretores de escola e aos professores de sala regular e/ou do Atendimento Educacional Especializado que tenham vivenciado a experiência de atuar com alunos com doenças crônicas e/ou deficiências com comorbidades. Na terceira etapa, será organizada uma cartilha contendo informações sobre as doenças crônicas e/ou deficiências com comorbidades mais comuns entre os estudantes das escolas dos municípios de abrangência. Os dados serão analisados por etapa e organizados em planilhas e categorias temáticas. Espera-se contribuir com esse campo do conhecimento científico e com inovação ao propor o mapeamento dos estudantes com doenças crônicas e/ou deficiências com comorbidades e a disponibilização de material informativo, para subsidiar a atuação da equipe escolar junto aos estudantes com aquelas condições.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adriana Gibara Guimarães

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • desenvolvimento biotecnológico de nanocápsulas contendo α-terpineol como estratégia terapêutica para a dor oncológica e dor neuropática induzida por quimioterápico
  • A dor é um dos sintomas mais prevalentes e angustiantes vividos por pacientes com câncer, acometendo 75 a 90% dos portadores da doença no estágio avançado (XIA et al., 2013). A dor associada ao câncer é gerada e mantida por um ou mais dos seguintes mecanismos anatômicos: compressão de tecidos ou de nervos periféricos, oclusão vascular, infiltração e metástase do tumor. Além disso, os pacientes também experimentam dor causada pelas terapias destinadas ao tratamento do próprio câncer, como radioterapia, quimioterapia ou procedimentos cirúrgicos (KUMAR, 2011). Outro fator que dificulta o tratamento da dor oncológica é sua neurobiologia complexa e multifatorial. Além de células cancerosas, os tumores apresentam vasos sanguíneos e células do sistema imunológico, tais como macrófagos, neutrófilos e células T. Estas secretam vários fatores capazes de sensibilizar ou excitar diretamente os neurônios aferentes primários, e incluem prostaglandinas, fator de necrose tumoral-α (TNF-α), endotelinas, fator de crescimento tranformador β (TGF-β), interleucina-1 e 6, ATP, bradicinina, os quais ativam e sensibilizam intensamente os neurônios sensoriais. Este mecanismo gera alterações neuroquímicas no SNC, que resultam no aumento dos níveis extracelulares deste neurotransmissor excitatório e concomitante excitotoxicidade do SNC e aumento da regulação da dinorfina, peptídeo pró-hiperalgésico da família opioide (MANTYH et al., 2002; SCHMIDT et al., 2010). A dor neuropática induzida por quimioterapia corresponde a mais comum complicação neurológica do tratamento de câncer e acomete cerca de 90% dos pacientes com câncer tratados com quimioterápico. O desenvolvimento da neuropatia é a razão mais comum para alterar um regime de quimioterapia, quer através da diminuição da dose e frequência ou por seleção de um agente terapêutico diferente, o que pode prejudicar o tratamento do câncer (KIM; DOUGHERTY; ABDI, 2015). Os taxanos, como o paclitaxel, são quimioterápicos fundamentais para o tratamento do câncer de mama e outros tumores sólidos, e funcionam como inibidores do fuso mitótico (PARVATHY; MASOCHA, 2013). No entanto, essa droga antineoplásica produz neurotoxicidade periférica, com dormência, formigamento, dor ardente e alodinia ao frio. Atualmente, não há tratamentos eficazes para prevenir ou minimizar esse tipo de dor, sendo crescente a busca de novas opções terapêuticas através da utilização de modelos experimentais (NIETO et al., 2008). Na fisiopatologia da dor neuropática induzida por quimioterápicos, citocinas inflamatórias como TNF-α e IL-1β foram referidas como estando envolvida no desenvolvimento e manutenção da neuropatia (ZHANG; AN, 2007). Deste modo, os produtos naturais e seus metabolitos secundários, constituem uma importante fonte de compostos bioativos, com significante atividade terapêutica (Atanasov et al., 2015; Newman e Cragg, 2016). Nesse contexto, os óleos essenciais apresentam em sua composição, ampla variedade de substâncias bioativas, como monoterpenos, que compõem cerca de 90% desses óleos e são detentores de múltiplas propriedades farmacológicas (Guimarães et al., 2013; Kozioł et al., 2014). Dentre esses monoterpenos, o α-terpineol (TP), encontrado no óleo essencial de diversas espécies pertencentes ao gênero Eucalyptus (DAGNE et al., 2000), apresenta efeito antinociceptivo mediado por mecanismos periféricos devido a sua capacidade de inibir a enzima cicloxigenase e a produção de mediadores e citocinas inflamatórias como prostaglandina E2 (PGE2), Interleucina-1β (IL-1β) e fator nuclear kappa B (NfkB) (GOUVEIA et al., 2018; HASSAN et al., 2010; HELD; SCHIEBERLE; SOMOZA, 2007; KAWATA; KAMEDA; MIYAZAWA, 2008; KHALIL et al., 2004; OLIVEIRA et al., 2012; QUINTANS JÚNIOR et al., 2011). Em contrapartida, a elevada lipofilicidade e a limitada farmacocinética apresentada pelo TP requer o emprego de nanotecnologias, com o objetivo de melhorar as propriedades físico-químicas, a biodisponibilidade e aumentar os seus efeitos biológicas sistêmicas (Bilia et al., 2014). Nesse sentido, os sistemas carreadores, que direcionam e controlam a liberação de fármacos, apresentam-se como veículos promissores para a administração desse monoterpeno por diferentes vias. Dentre estes sistemas carreadores, as nanocápsulas poliméricas lipídicas (LNCs) têm sido amplamente usadas como estratégias inovadoras visando melhorar a eficácia dos tratamentos anti-inflamatórios e analgésicos, visto que aumentam a concentração de fármacos de forma seletiva no local da lesão (Clemente-Napimoga et al., 2012; Villalba et al., 2014). Desta forma, considerando as consequências que o câncer e o uso de quimioterápicos podem causar à vida dos pacientes com dor crônica e a ausência de estudos experimentais com o uso do TP em nanocápsulas (TP-LNCs) em modelos de dor oncológica e neuropática, este projeto visa avaliar o efeito do TP-LNCs sobre as respostas nociceptivas induzidas pelo sarcoma 180 (S180) e por paclitaxel em roedores. Para tanto, serão utilizados camundongos Swiss machos, os quais serão tratados com as TP-LNCs após a indução do tumor ou da neuropatia induzida por paclitaxel. Os animais serão avaliando quanto à nocicepção, hiperalgesia mecânica (von Frey) e térmica (placa quente, acetona). Após as avaliações comportamentais, os animais serão eutanasiados para avaliação dos mecanismos envolvidos no efeito observado por análise histopatológica, Elisa, imunofluorescência e avaliação de enzimas antioxidantes. O desenvolvimento deste projeto possibilitará a publicação de artigos científicos em periódicos internacionais indexados pelo Qualis da CAPES, depósito de patente junto ao INPI, formação de recursos humanos, contribuindo para o desenvolvimento da Ciência e Tecnologia Nacional e Regional, além de contribuir cientificamente para o estudo farmacológico e tecnológico dos monoterpenos e fornecer evidências para possíveis aplicações futuras.
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adriana Gomes Nogueira Ferreira

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • tecnologia educativa como intervenção de cuidado no manejo das dificuldades vivenciadas na amamentação
  • Apesar dos estudos e estratégias existentes acerca do aleitamento materno, observa-se que a adesão à prática no Brasil ainda está inferior às recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e que diferentes aspectos como socioeconômicos, culturais, associados à qualidade da informação recebida pelos profissionais de saúde durante o pré-natal e puerperio e os problemas e dificuldades decorrentes da amamentação são alguns dos fatores que influenciam a manutenção desta prática. Neste contexto diferentes estratégias educativas têm sido desenvolvidas e validadas, tais como: álbum seriado, iconografia 3d, rádio, telefone, literatura de cordel, websites e simuladores realísticos de baixa fidelidade. No entanto com a popularização da internet e do uso de equipamentos móveis, acredita-se que o desenvolvimento de uma tecnologia educativa na modalidade de software aplicativo poderá auxiliar puerperas no enfrentamento das dificuldades vivenciadas durante a amamentação de modo a fortalecer esta prática e melhorar a saúde da criança, da mãe e família, bem como os indicadores relacionados ao aleitamento materno. Assim, objetivou-se disponibilizar um software aplicativo sobre as dificuldades na amamentação. O estudo será realizado em quatro etapas, a saber: a) construção teórica, momento em que será realizada revisão integrativa e construído o estado da arte relacionada à temática; b) etapa exploratória, descritiva com abordagem qualitativa a partir da realização de entrevista semiestruturada com puerperas acerca do conhecimento dos problemas vivenciados na amamentação e expectativas quanto à tecnologia educativa a ser construída; c) etapa caracterizada pelo desenvolvimento do protótipo do software aplicativo, denominada estudo metodológico e desenvolvimento, e de validação, por meio do qual será desenvolvido o software aplicativo fundamentado nas etapas anteriores e validação de conteúdo realizada por juízes e público-alvo, além da avaliação da usabilidade realizada pelos juízes em computação; e d) nesta etapa será realizado estudo quase-experimental, para verificar as contribuições da tecnologia educativa desenvolvida pele público alvo, serão selecionadas participantes para o grupo controle e grupo intervenção, na qual a intervenção será o acesso ao conteúdo do aplicativo. Os sujeitos do estudo serão puerperas que buscam o banco de Leite Humano do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão com queixas na amamentação, juízes especialistas em conteúdo e computação. Para a coleta de dados qualitativos serão utilizadas roteiro de entrevista semi-estrutrada e registro em diário de campo e para os dados quantitativos, questionário de caracterização dos participantes e de validação, Heurística de Nielsen, e aplicação de pré e pós-testes serão necessários. Os dados qualitativos das entrevistas serão processadas pelo software webQDA. já os dados quantitativos serão analisados por meio do software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 20.0 for windows, apresentados em tabelas, com frequências absolutas e percentuais. Será feita a análise de concordância entre os juízes e puerperas na etapa de validação por meio do coeficiente de concordância de Kappa e o Indice de Validade de Conteúdo (IVC) que serão considerados adequados quando os índices alcançarem valores iguais ou superiores a 0.80. O estudo será submetido à apreciação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Maranhão, por meio da Plataforma Brasil, onde só terá início após a aprovação, respeitando-se os aspectos éticos que envolvem pesquisa com seres humanos. Espera-se que o aplicativo desenvolvido apresente conteúdo de qualidade, atrativo e usabilidade favorável favorecendo as puerperas informações suficientes para auxiliá-las nos momentos em que apresentarem problemas na amamentação.
  • Universidade Federal do Maranhão - MA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adriana Luchs

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • monitoramento e caracterização molecular das infecções causadas por adenovirus entérico 40/41 associados à gastroenterite aguda nas eras pré e pós vacinação universal contra o rotavírus
  • A gastroenterite aguda é uma doença comum que infecta crianças em todo o mundo. Geralmente, é causada por agentes virais, inlcuindo rotavírus (RVA), adenovírus entérico (AdV) e norovírus (NoV). Após a introdução da vacina contra RVA no Programa Nacional de Imunização em 2006 foi observada uma diminuição na circulação desse vírus. Atualmente, relata-se um aumento na frequência de detecção de outros vírus entéricos (i.e. NoV e AdV) associada à introdução vacinal. Os AdV entéricos 40 e 41 (AdV 40/41), únicos membros da espécie F, são os mais comumente associados à infecção gastrointestinal. Na era pós-vacinal, os AdV humanos entéricos são considerados como a 3ª causa de diarreia com relevância clínica em crianças. No Brasil, pouco se sabe sobre a incidência do AdV 40/41 em associação com quadros de diarreia. O presente projeto se propõe a determinar a frequência das infecções causadas por AdV 40/41 em crianças, adultos e idosos com gastroenterite aguda. Os dados epidemiológicos dos pacientes e a sazonalidade das infecções causadas por AdV 40/41 também serão avaliados, focando principalmente no impacto da infecção por AdV 40/41 na etiologia das gastroenterites virais antes e após a introdução da vacina contra o RVA (1998-2015) no Brasil em crianças menores de 5 anos. Esse é um estudo retrospectivo que será conduzido com um total de 11424 amostras fecais (negativas para RVA e NoV) provenientes da vigilância nacional dos RVA, Núcleo de Doenças Entéricas, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, Brasil, coletadas entre os anos de 1998 e 2015. As amostras serão testadas para AdV humano por ensaio imunoenzimático comercial (ELISA) e confirmadas para AdV entérico 40/41 pela reação em cadeia da polimerase (PCR). A sorotipagem para Adv 40 ou AdV 41 será realizada por sequenciamento gênico. Um total de 10% das amostras positvas para AdV 40 e 41 serão selecionadas (cepas representativas) para a realização da análise filogenética, considerando todo o período de estudo. Amostras positivas para AdV no ELISA, mas negativas na PCR para AdV 40/41 serão submetidas a reação de PCR e sequenciamento para identificação da espécie (A-F) e sorotipo, visando identificar outros AdV humanos associados à doença diarreica. Este é um estudo pioneiro no país, o qual visa determinar a frequência dos AdV 40/41 associados a gastroenterite aguda no Brasil no decorrer de um longo de período de tempo (1998-2015). Os dados obtidos com o presente estudo proposto irão contribuir para o melhor entendimento sobre o papel dos AdV 40/41 nos quadros de gastroenterite aguda no país, em particular nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, principalmente após a introdução da vacinação contra RVA. A presente investigação também irá auxiliar no planejamento de estratégias de controle da doença diarreica no país, assim como para medidas terapêuticas e na investigação de surtos, principalmente em crianças menores de 5 anos. Em adição, os conhecidos adquiridos com a epidemiologia molecular dos AdV 40/41 poderá contribuir para o desenvolvimento de futuras vacinas.
  • Instituto Adolfo Lutz - SP - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2020
Foto de perfil

Adriana Madeira Alvares da Silva

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • avaliação do estilo de vida na metilação dos genes bdnf e nr3c1
  • A epigenética é reconhecida como a resposta do indivíduo ao ambiente no sentido de adaptação por meio da expressão diferencial de genes, ou seja, são modificações que afetam a expressão gênica decorrentes de alterações como metilação e acetilação das caudas de histonas e metilação do DNA, que acabam por aumentar ou reduzir a expressão gênica. Alterações na metilação do DNA têm sido sugeridas como possíveis moduladoras da saúde a longo prazo em resposta a eventos ambientais estressores e que podem ser passadas para as gerações futuras. Os hábitos e o estilo de vida são reconhecidos como importantes na determinação de doenças e uma das possíveis vias é a ocorrência de eventos epigenéticos. Estudos têm mostrado que o consumo de álcool e tabaco pode influenciar no grau de metilação do DNA genômico global, porém sem ainda consenso e sem uma relação dose-resposta na alteração epigenética. Doenças psiquiátricas como o estresse, ansiedade e depressão são reconhecidas hoje como associadas à metilação de regiões gênicas do DNA e desregulação do eixo Hipotálamo-Pituitária-Adrenal (HPA), principal sistema neuroendócrino que controla a reatividade ao estresse e a produção de glicocorticóides. O gene NR3C1 é o responsável pela expressão do Receptor de Glicocorticoide (GR) e sua expressão pode ser alterada pela metilação em sua região promotora. O Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro (BDNF), envolvidos no desenvolvimento do cérebro e neuroplasticidade, é responsável pela manutenção da integridade neuronal e neuroplasticidade, e sua metilação também tem sido associada ao risco de desenvolvimento de transtornos psiquiátricos. No entanto, dados sobre metilação dos genes BDNF, NR3C1 e desregulação do eixo HPA associados ao estilo de vida envolvendo tabagismo e etilismo e suas possíveis associações com transtornos psiquiátricos e ainda são escassos. Considerando que o estudo da regulação epigenética auxilia na compreensão do comportamento fisiológico, bem como a etiologia dessas doenças consideradas limitantes, complexas e multifatoriais, este projeto pretende investigar nas populações usuárias do Sistema Único de Saúde, a influência do hábito tabagista e etilista na metilação dos genes BDNF e NR3C1, nas alterações dos níveis de cortisol sérico e no aparecimento de doenças, em especial de doenças psiquiátricas como a depressão, ansiedade e estresse. A proposta busca ainda uma relação dose-resposta e o desfecho de um padrão de metilação dos genes BDNF e NR3C1 em resposta ao habito tabagista e etilista com aspecto inovador em pesquisa, uma vez que trabalhos desta natureza são ainda bastante escassos, sugerindo desta forma o uso dessa marca epigenética como possível biomarcador para doenças psiquiátricas. O presente estudo traz o possível uso destas estratégias biotecnológicas na localização de marcadores de estilo de vida, na melhor compreensão, prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adriana Malheiro Alle Marie

Ciências Biológicas

Imunologia
  • identificação e seleção de pepitídeos miméticos reativos aos soros de pacientes hcv+ e sua influência no desenvolvimento da fibrose hepática in vitro
  • A hepatite C é um problema de saúde pública que afeta mais de 185 milhões de pessoas no mundo. É uma doença de prognóstico muito variável que pode evoluir para cura ou para o desenvolvimento de hepatite C crônica, cirrose hepática, carcinoma hepatocelular e morte. Apesar da elevada sensibilidade e especificidade dos métodos de triagem para o vírus da Hepatite C, há uma grande necessidade de desenvolver marcadores que sejam capazes de predizer cronificação da doença, com percentuais aceitáveis de sensibilidade e especificidade. A identificação de novos epítopos de superfície e seu mimotopos é de grande valia para o desenvolvimento de plataformas nanotecnológicas que poderão ser utilizadas como novas estratégias de diagnóstico rápido e específico, para esta e outras patologias em populações de risco. A tecnologia de Phage Display tem sido proposta como uma das ferramentas promissoras para desenvolver novos testes de diagnóstico em virtude da capacidade de interagir com biomoléculas, além de poder gerar produtos que atendem as exigências dos laboratórios clínicos com relação custo-eficácia. Essa proposta tem por objetivos: a) Selecionar e identificar peptídeos miméticos reativos a soros de pacientes HCV + com fibrose hepática; b) Sequenciar os clones isolados e realizar análises de bioinformática; c) Descrever o perfil de citocinas envolvidas no desenvolvimento da fibrose em cultura de células mesenquimais e hepatócitos;d) Pré-validar os clones selecionados através de ensaios de Phage-ELISA utilizando proteínas totais de pacientes com fibrose hepática;e) Testar a capacidade de indução e proliferação de linfócitos por peptídeos miméticos. Um estudo piloto já foi iniciado pelo nosso grupo está sendo realizado na UFAM, em parceria com o HEMOAM, Instituição de referência para o estudo das doenças do sangue e Banco de Sangue do Estado do Amazonas, Universidade Federal do Pará e Universidade Federal de Uberlândia. Até o presente momento, verificou-se que os peptídeos miméticos reativos aos soros de pacientes HCV+ selecionados pela técnica Phage Display parecem ser promissores para a utilização em ensaios de diagnóstico em fibrose hepática.
  • Universidade Federal do Amazonas - AM - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2020
Foto de perfil

Adriana Maria Meneghetti

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • leitura e experimentação com meninas
  • Este projeto atende a Chamada CNPq/MCTIC Nº31/2018. A proposta tem como título: Leitura e Experimentação com Meninas, e busca a realização de encontros com meninas para leitura de livros de biografia de cientistas ou livros de autoras mulheres, seguido de discussão do tema abordado, para em seguida realizarmos oficinas experimentais relacionadas ao tema. Também será criado a Leitura Itinerante, na qual as meninas serão as mediadoras em espaços de leitura em suas escolas e finalizando o áudio book, que consiste na leitura com gravação de capítulo relevante do livro. O projeto Leitura e Experimentação com Meninas consistirá de cinco etapas: leitura e discussão, oficinas experimentais investigativas, elaboração de material, retorno à comunidade e avaliação do projeto. As atividades serão desenvolvidas com a participação de 25 meninas de três colégios e escolas estaduais do município de Santa Helena, PR em conjunto com a Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Santa Helena. Com isso espera-se a integração entre a comunidade escolar, a difusão das ciências exatas para meninas, pois as escolas terão acesso às obras trabalhadas pelas meninas. As meninas inseridas direta ou indiretamente terão a oportunidade de percepção enquanto meninas empoderadas, com capacidade sim para manter-se em cursos de ciências exatas, e o projeto surge para estabelecer uma relação de desenvolvimento científico entre as meninas. Elas irão entender que são capazes, ao descobrir que várias cientistas passaram por dificuldades, preconceito, tentativas de suborno, e mesmo assim não desistiram de investigar, fazer descobertas que mudaram o mundo. Busca-se no projeto a afirmação, valorização, promoção de capacidades e ampliação da voz das meninas.
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 01/12/2018-31/05/2020