Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexander Welker Biondo

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • estudo multicêntrico para a vigilância de sars-cov-2 em animais de companhia com interface à saúde única (petcovid-19 study): coorte prospectiva de mamíferos domiciliados para avaliação de risco de transmissão zooantroponótica no brasil
  • O projeto possui como objetivo geral a promoção da vigilância de SARS-CoV-2 em animais de companhia do Brasil com interface à Saúde Única. E como objetivos específicos, 1. Realizar o diagnóstico laboratorial e monitorar, longitudinalmente, a infecção em animais (cães e gatos) de tutores positivos para a COVID-19, com diagnóstico laboratorial confirmado pelo Sistema Único de Saúde; 2. Comparar e determinar as características ambientais e outros fatores associados à infecção nos animais positivos, em diferentes regiões brasileiras; e 3. Propor um fluxograma padrão e proposta de ações para o controle da COVID-19 em animais de estimação em parceria com órgãos de vigilância em saúde, em especial vigilância ambiental e zoonoses, e atenção primária, nas diferentes regiões do Brasil. O estudo será longitudinal prospectivo, com dois momentos de avaliação, sendo incluídos animais de companhia cujo tutor esteja em isolamento domiciliar, com diagnóstico laboratorial confirmado para SARS-CoV-2 por RT-qPCR ou resposta imunológica apenas por IgM (caracterizando doença ativa), até sete dias da data do diagnóstico, residente em uma das cinco capitais: Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Recife (PE) e São Paulo (SP). Serão avaliados 1.000 animais, distribuídos entre as cinco capitais e a definição do número amostral levará em conta o número de indivíduos positivos no trimestre anterior à coleta, considerando aproximadamente 10% do total de casos em humanos. Todos os tutores ou familiares voluntários receberão o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) e questionário de televigilância, a fim de determinar as características ambientais e outros fatores associados à infecção nos animais. Para análise da transmissão de SARS-CoV-2 entre humanos e seus animais, serão coletadas amostras biológicas com intervalo médio de sete dias. Amostras positivas à RT-qPCR serão submetidas ao cultivo celular para isolamento viral e posterior sequenciamento genético para análises filogenéticas. Esta é uma proposta inédita pois, até o momento, não há uma rede de colaboração de enfrentamento à SARS-CoV-2 cujo enfoque seja em Saúde Única e na promoção da articulação de ações voltadas aos animais de companhia entre as diversas regiões, envolvendo diferentes instituições de ensino e pesquisa nacionais e internacionais. Este projeto proporcionará a expansão de colaborações interinstitucionais, envolvendo diferentes universidades brasileiras e estrangeiras que já vinham sendo fortalecidas na Rede One Health Brasil (OHB), como o Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães - FIOCRUZ Recife; Universidade de São Paulo pelo Laboratório de Biossegurança NB3, Departamento de Microbiologia – ICB/USP; além de parceria com o setor de diagnóstico molecular do Laboratório TECSA/MG, com estrutura certificada necessária para o diagnóstico RT-qPCR. No âmbito internacional, ainda a London School of Hygiene and Tropical Medicine-LSHTM, University of London, UK; Purdue University, USA. Finalmente, compromisso de parceria com as respectivas Secretarias Municipais de Saúde. Considerando os recentes relatos sobre a detecção de SARS-CoV-2 em animais e a grande proximidade entre pessoas e seus animais de estimação, principalmente cães e gatos, inclusive no Brasil, torna-se importante elucidar aspectos da história natural da doença, como o possível ciclo zooantroponótico em estudo multicêntrico para a vigilância de SARS-CoV-2 em pets, em consonância com os preceitos do Sistema Único de Saúde e da Saúde Única (indissociabilidade entre saúde humana, animal e ambiental). Os resultados dos testes serão o mais brevemente possível informados aos tutores / familiares através de contato telefônico e pela emissão de laudo eletrônico, que será enviado por e-mail ou aplicativo de comunicação. Em caso de resultado positivo, os demais animais da residência também serão testados em pool por espécie animal e os familiares serão orientados a estabelecer o acompanhamento veterinário por 14 dias e intensificação das medidas de higiene e proteção individual e coletiva. A divulgação científica ocorrerá por meio das redes sociais da OHB (YouTube, Instagram, Twitter e Facebook), das Instituições envolvidas no projeto, através de folders e cartilhas, bem como por outras mídias e Instituições. A comunicação científica ocorrerá por meio de relatórios epidemiológicos enviados às respectivas Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde e pela publicação dos resultados em periódicos nacionais e internacionais. Esta pesquisa contribuirá para a tomada de decisão pelo poder público quanto a medidas de prevenção e controle da COVID-19 frente a animais de estimação como quarentena, isolamento ou outras medidas cabíveis. Espera-se estabelecer propostas de ações intersetoriais entre as instituições de pesquisa e as secretarias municipais de saúde, para que essas por meio de ações integradas entre a Vigilância Ambiental e a Atenção Primária à Saúde, possam estabelecer fluxogramas internos de atenção à saúde animal e proteção à saúde humana, intervindo no tripé homem/animal/ambiente dos diferentes territórios, no contexto da Saúde Única, atuando na comunidade em proximidade com os profissionais de saúde, qualificando o cuidado e a atenção à saúde, nos usuários do Sistema Único de Saúde. As amostras obtidas neste projeto serão preservadas a -80C, de modo a estabelecer um banco de amostras biológicas para estudos posteriores.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 17/08/2020-16/09/2022
Foto de perfil

Alexander Wilhelm Armin Kellner

Ciências Biológicas

Zoologia
  • paleoantar - paleobiologia e paleogeografia do gondwana sul: inter-relações entre antártica e américa do sul
  • O registro fóssil da Antártica tem se mostrado de grande relevância para o conhecimento da paleobiota Austral, suas estratégias adaptativas e relações filogenéticas, desde o Cretáceo até o Paleógeno. Os organismos e suas relações filogenéticas são essenciais para se entender a respeito de padrões de distribuição biogeográficas. Com isso, constituem um registro fundamental para as reconstituições paleogeográficas e ambientais dos continentes gondwânicos, principalmente pela sua localização e identificação de barreiras geográficas. Somado a este está o registro geológico que abarca importantes informações acerca dos paleoambientes pretéritos da região antártica, sua paleoclimatologia e paleobatimetria oceânica, principalmente quando integrado ao estudo dos microfósseis e dados geoquímicos. Desta forma, a presente proposta visa realizar atividades de prospecção, coleta e análises laboratoriais de macrofósseis, microfósseis e rochas coletadas em perfis geológicos detalhados, com a finalidade de compreender a diversificação da biota e dos ecossistemas durante a evolução do Gondwana Sul, apontando para o entendimento das inter-relações entre Antártica e América do Sul, incluindo questões paleogeográficas. Para tal contará com equipe interinstitucional nacional e internacional coordenada pelo proponente, realizada em colaboração com pesquisadores do Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, da China, Canadá, Chile e Inglaterra. A metodologia a ser utilizada é atual e específica para os tipos de análises a serem realizadas (detalhadas no projeto), contando com adaptações à natureza do trabalho na Antártica, baseado em experiências anteriores, havendo, ainda, a ampliação de novas técnicas que não haviam sido empregadas em versões anteriores do projeto (p.ex., geoquímica). O desenvolvimento dos trabalhos será um grande incentivo e oportunidade para a restauração do Museu Nacional/UFRJ, instituição que teve parte do seu acervo destruído por uma tragédia recentemente.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 25/12/2018-31/12/2022
Foto de perfil

Alexandra Acco

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • polissacarídeos do pimentão (capsicum annuum): abordagem quimiopreventiva e terapia adjuvante em células de tumor mamário
  • As neoplasias são um dos problemas mais complexos para a medicina, tanto humana quanto veterinária, dada a sua diversidade e magnitude epidemiológica e econômica. Dentre os tumores, os mamários são altamente prevalentes. Mais de 1,3 milhões de mulheres são diagnosticadas com câncer de mama a cada ano no mundo, sendo este também o tumor mais diagnosticado em cadelas, dos quais 50% são malignos. A quimioterapia é um importante componente da terapia anticâncer em humanos e em animais, mas está relacionada a muitos efeitos adversos. Assim, a quimioprevenção, definida como o uso de agentes naturais ou sintéticos para prevenir processos de carcinogênese, ganha destaque, especialmente quando proveniente de compostos bioativos. Neste contexto, o objetivo do presente trabalho é avaliar a atividade quimiopreventiva e o efeito adjuvante terapêutico de polissacarídeos extraídos do pimentão (Capsicum annuum, CAP). Em estudo prévio demonstramos que estas pectinas têm expressiva atividade antitumoral in vivo e in vitro contra células de tumores mamários, mas não há estudos de seus efeitos em quimioprevenção e em combinação com quimioterápicos já estabelecidos. Estes aspectos serão abordados nesta proposta, além da investigação das vias de transdução atreladas a estes efeitos nas células tumorais de Ehrlich em camundongos e tumorais humanas MCF-7, MDA-MB-231 e MDA-MB-436, todas de origem mamária. Serão avaliados neste estudo pré-clínico com CAP o desenvolvimento tumoral, vias de carcinogênese (estresse oxidativo, inflamação, morte celular e angiogênese), metabolômica e biomarcadores de toxicidade sistêmica. A análise metabolômica será feita em parceria com a Northumbria University, da Inglaterra. Através deste projeto, espera-se elucidar in vivo e in vitro os efeitos quimiopreventivos e adjuvantes à quimioterapia das pectinas do CAP, e assim propor uma alternativa terapêutica para tumores sólidos, especialmente mamários, em medicina veterinária e medicina humana. Esta abordagem, integrando ambas as medicinas, vai de encontro ao conceito “one health”, na qual uma espécie se beneficia dos conhecimentos gerados em outra espécie. Adicionalmente, a formação de recursos humanos em Farmacologia e Oncologia pré-clínica é uma meta implícita nesta proposta, pois em todas as etapas do projeto haverá a participação de alunos de pós-graduação e iniciação científica.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alexandra Augusta Margarida Maria Roma Sanchez

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • alta mortalidade e causas de óbito nas prisões: o caso do estado do rio de janeiro
  • As 750.000 Pessoas Privadas de liberdade no Brasil (PPL), oriundas das camadas mais desfavorecidas da população, estão encarceradas em condições de altamente precárias, em celas superlotadas e insalubres. Esta situação é agravada pela degradação, nas últimas décadas, do sistema de saúde prisional e pelas dificuldades de acesso aos serviços extramuros, mesmo para casos de maior complexidade e emergências. Consequentemente, os recursos disponíveis não fazem face à morbidade, especialmente por doenças infecciosas, que é muito alta entre as PPL, como demonstrado em vários estudos publicados sobre o tema. Entretanto, a mortalidade nessa população é conhecida somente de forma parcial, através de dados agrupados informados pelos estados ao Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça, ou compilados por ONGs. O estudo piloto que realizamos nas prisões do Estado do Rio de Janeiro (RJ), onde a pesquisa que propomos será realizada, mostra taxa de mortalidade muito expressiva (50/100.000 PPL) para uma população jovem, 4 vezes superior à taxa de mortalidade média dos sistemas penitenciários dos outros estados do Brasil (13.6/10.000 PPL) e as causas dos óbitos, desconhecidas. Revelou ainda a grande fragilidade das informações disponíveis decorrente da inexistência, de registros adequados ao nível da administração penitenciária e da impossibilidade de se identificar a origem prisional de um caso de óbito a partir do Sistema de Informação de Mortalidade. Considerando a importância fundamental da mortalidade como indicador do estado de saúde e da assistência prestada às PPL e a inexistência de dados confiáveis, propomos: 1) avaliar as taxas de mortalidade geral e específicas por causas de óbitos nas PPL; 2) comparar essas taxas com as observadas na população geral do estado do RJ e; 3) descrever o fluxo da informação entre as diversas instituições envolvidas para identificar problemas nesse processo, visando corrigi-los e contribuir para o desenvolvimento de um sistema de vigilância eficaz. Trata-se de estudo retrospectivo de coorte não controlada para dimensionar a mortalidade geral e a mortalidade específica por grandes grupos de causas, após procedimentos de linkage de bancos de dados da administração penitenciária (SEAP) com o banco de mortalidade do estado (SIM/SES), complementados por fontes adicionais de informação. A população de estudo inclui todos os indivíduos encarcerados entre janeiro de 2016 e dezembro de 2017 nas unidades prisionais para adultos do Estado do Rio de Janeiro. Estima-se a ocorrência de cerca de 500 óbitos no período de estudo. As causas dos óbitos serão obtidas a partir do SIM e, para os casos em que a causa não estiver definida, será consultada a declaração de óbito e o laudo da necropsia, que deve ser sistemática para todos óbitos de PPL. Caso a causa do óbito permaneça indefinida, dados complementares serão buscados em prontuários de saúde da SEAP-RJ ou da unidade de saúde onde ocorreu o óbito. A descrição do fluxo da informação dos casos de óbitos entre as diversas instituições envolvidas e seu registro se dará a partir de levantamento documental e observação do campo, que permitirá identificar, para corrigir, as falhas deste sistema responsáveis pelas imprecisões relacionadas ao número de óbitos e suas causas. Os resultados desta primeira investigação em profundidade sobre os óbitos nas prisões, cujos resultados serão compartilhados com a administração penitenciária, órgãos da justiça e da saúde do estado do Rio de Janeiro, além de autoridades do nível federal DEPEM/MJ e MS), contribuirão, através do conhecimento da frequência, causas e local de ocorrência dos óbitos, para a reorganização dos serviços de saúde prisional e sua articulação com serviços de saúde extramuros, a fim de permitir a efetiva inclusão das PPL no SUS e reduzir a mortalidade nesta população.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022