Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Carina Elisei de Oliveira

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • universidade espaço de conhecimento, identificação e desenvolvimento de talentos em ciência e tecnologia
  • Os investimentos que permeiam a Educação são aqueles que apresentam maiores resultados a médio e longo prazo. Ações afirmativas de divulgação e popularização da ciência, contribuem para o desenvolvimento científico e tecnológico no País. Assim, para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia - SNCT 2022 optamos por investir na Ciência e no tema “Universidade espaço de conhecimento, identificação e desenvolvimento de talentos em Ciência e Tecnologia” presentes no Estado do MS, aplicando na formação de professores para o reconhecimento e a captação de talentos para o mundo da Ciência e Tecnologia. Dessa forma, nosso objetivo é executar o projeto realizados as etapas descritas abaixo: FORMAÇÃO DE DOCENTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TALENTOS EM CIÊNCIA E DESPERTAR E DESENVOLVER A O INTERESSE POR CIÊNCIA NOS ESTUDANTES (ENSINO FUNDAMENTAL I E II, ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA) ETAPA 2: CICLO DE PALESTRAS E OFICINAS DE CT&I/ SEMINÁRIO DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DA UCDB ETAPA 3: OFICINAS DE CT&I (PROGRAMA DE VERÃO/ JAN/FEV_2023 ESTA ATIVIDADE POR SER INTEGRAL TEM QUE OCORRER NO PERÍODO DE RECESSO ESCOLAR PARA QUE TENHA A PARTICIPAÇÃO INTEGRAL DOS ESTUDANTES E PROFESSORES) ETAPA 4: SEMINÁRIOS DE IC (PIBIC/PIBITI/ PIBIC-EM) DAS PÓS GRADUAÇÃO DA UCDB E O PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA/ INICIAÇÃO CIENTÍFICA – JÚNIOR (PIBIC-JR) DA UCDB
  • Universidade Católica Dom Bosco - MS - Brasil
  • 12/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Carina Luisa Ochi Flexor

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • letramento transmídia, práticas comunicacionais e as realidades brasileiras
  • A cultura digital e as TICs vêm suscitando transformações de distintas naturezas, sobretudo, nos modos de produzir, armazenar, distribuir e acessar informações diversas, reverberando em amplas transformações, inclusive, no ambiente educacional em seus diversos níveis. Observando que a rede vem propiciando a circulação de conteúdos transmidiáticos por distintas plataformas, exigindo novas competências para lidar com os diversos hardwares, softwares e seus protocolos, reivindicando uma espécie de letramento que lhe é próprio e, reconhecendo que nem todos os jovens têm as mesmas capacidades, identificar tais competências torna-se premente a qualquer outra estratégia/ação que se possa pensar frente ao desafio que a cultura digital tem imposto à interface comunicação/educação. Adotando como arcabouço teórico-metodológico do Transmedia Literacy (SCOLARI, 2018), a pesquisa tem como objetivo investigar a citada abordagem teórico-metodológica e o mapa taxonômico de competências com o intuito de analisar as competências transmídia desenvolvidas pelos adolescentes brasileiros frente ao uso das TICs. Pretende-se mapear e descrever as competências comunicacionais transmídia dos estudantes da educação básica de algumas cidades do Nordeste e Centro-Oeste do país, com o intuito de elaborar um diagnóstico que seja capaz de orientar a produção de estratégias comunicacionais e materiais pedagógicos para escolas das citadas regiões, permitindo, avaliar se (e como) as particularidades dos contextos socioeconômicos e culturais das distintas regiões produzem diferenças ou semelhanças em relação às competências desenvolvidas pelos adolescentes. De abordagem dedutiva, qualitativa-exploratória e de caráter predominantemente etnográfico, a pesquisa adota as estratégias metodológicas e os instrumentos de coleta de dados (questionários, oficinas, entrevistas semiestruturadas e registros pessoais de uso de mídia) propostos no projeto Transmedia Literacy, adaptados ao contexto brasileiro.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 21/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Carísi Anne Polanczyk

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • inct para avaliação de tecnologias em saúde
  • O IATS é um instituto acadêmico, constituído em 2009 dentro do programa ministerial de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia. Tem como missão desenvolver, fomentar e disseminar a avaliação e monitoramento de tecnologias em saúde no Brasil, com rigor científico e transparência, provendo instituições e o Sistema de Saúde de informações técnico-científicas. É um projeto inovador, na medida em que agrega pesquisadores de múltiplas áreas e expertise para compor uma rede que aproxima as demandas sócio sanitárias de populações, compromissos institucionais de sistema de saúde com a pesquisa clínica e aplicada. Ao longo dos 5 anos de trajetória, os 87 pesquisadores publicaram mais de 600 artigos envolvendo estudos primários (ensaios clínicos), estudos de efetividade e custo-efetividade, revisões sistemáticas e avaliações de programas dirigidos à avaliação de riscos, de eficácia de métodos diagnósticos e terapêuticos, de organização de serviços, entre outros. Os pesquisadores do IATS, organizaram-se em rede e, com base no fomento coordenado pelo comitê gestor, potencializaram sua produção. As metas foram plenamente alcançadas com a formação de recursos (44 mestrados, 78 doutorados e 8 pós-doutorados) e transferência do conhecimento para o setor público (74 mestrados; 44 alunos de especialização e mais de 110 alunos em cursos). Parte expressiva da pesquisa do Instituto foi para atender demandas do Ministério da Saúde, gestores regionais e municipais no que tange a avaliação de tecnologias para a incorporação no SUS publicados em periódicos nacionais e internacionais. Muitos dos projetos foram desenvolvidos em estreita colaboração internacional, com intercambio de pesquisadores e alunos e valorização do IATS; sendo hoje reconhecido como a rede de colaboradores com maior representatividade qualitativa e quantitativa de produção de conhecimento na área de ATS no Brasil e América Latina. Avaliação de Tecnologia em Saúde (ATS) é centrada no paradigma da medicina baseada em evidência para coleta sistemática de informações sobre as novas tecnologias: segurança, eficácia, efetividade e validade para diferentes cenários de prestação de serviço. ATS também considera uma ampla gama de atributos e o impacto micro e macroeconômico. Fazem parte a comparação entre os benefícios à saúde e os custos de uma nova tecnologia, comparativamente as alternativas disponíveis, relação testada em estudos de custo-efetividade e custo-benefício. É esperado que ATS fortaleça o apoio para a tomada de decisão de profissionais de saúde e políticas a serem incorporadas, assim como permita a tomada de decisão informada mais adequada entre médicos e pacientes. As pesquisas planejadas integram distintas áreas da Agenda de Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde, desde temas de saúde da criança, adulto, idoso, mas essencialmente as subagendas 14- ATS e economia da saúde e a sub agenda 18- promoção de saúde. As agendas internas de pesquisa de IATS estão estruturadas de acordo com a demanda sócio sanitária da população brasileira e expertise dos grupos de pesquisa integrantes. As principais agendas focam as doenças crônicas não-transmissíveis (DCNTs) e as doenças infecciosas. Em 2007, as DCNTs compreenderam 72% de todas mortes (doenças cardiovasculares, respiratória crônica, diabetes, câncer e outras crônicas) e 10% foram por doenças infecciosas. A concepção científica do IATS baseia-se em uma plataforma metodológica de apoio a pesquisa em ATS e monitoramento das tecnologias, incluindo pesquisas clínico-epidemiológicas; principalmente ensaios clínicos randomizados, revisões sistemáticas, metanálises e análises econômicas -, inter-relacionados com agendas de pesquisa clínica e populacional desenvolvidas pelos núcleos de Doenças Cardiovasculares, Diabetes e a prevenção das DNCT, Doenças Infecciosas, Atenção Primária em Saúde, Vacinas, Oncologia, Saúde Mental e Alta complexidade. Na expansão deste arcabouço foram inseridos os eixos de gestão, monitoramento das tecnologias e de serviços. Estão previstos a realização de 87 projetos de pesquisa; vários cursos de pós-graduação acadêmico (mestrado profissional) e especialização (presencial e a distância); cursos de curta duração e para gestores; permuta entre pesquisadores nacionais, entre outros INCTs e grupo internacionais de reconhecido destaque acadêmico e cientifico. Nesta fase, os projetos são mais robustos, de maior escala e potencial impacto com a formação de conhecimento tanto em nível internacional em publicações científicas quanto nos subsídios concretos ao SUS. O projeto amplia o corpo de colaboradores para 160 membros, 8 do Comitê Gestor representativo das 9 instituições (4 georegiões do Brasil, 3 tutelações) que compõe o IATS. Com objetivo de reduzir as desigualdades em expertise em ATS, centros do Nordeste (UFPe) e no Centro-Oeste (UNB, UFG) serão fomentados e apoiados, bem como novos parceiros incorporadas nessas regiões (Fiocruz Recife, Piauí). São 85 pesquisadores com doutorado, 15 bolsistas de Produtividade em Pesquisa do CNPq (PQ) em diversas categorias. A pesquisadora proponente, Carisi Polanczyk, é a atual coordenadora adjunta do INCT, função que lhe atribui responsabilidades de idealizadora de projetos, gestora do desenvolvimento nas diversas frentes de atuação e dirigente da estrutura organizacional do Instituto. É professora adjunta da UFRGS e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Cardiologia (nível CAPES 5), pesquisadora CNPq 1B, índice H 22. É integrante da comissão coordenadora do Mestrado Profissional Gestão de Tecnologia em Saúde da UFRGS e membro do Comitê Executivo da Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologia (REBRATS). A vice coordenação será assumida pelo Prof. Antônio Ribeiro, membro atual do comitê gestor, professor titular do departamento de clínica médica da UFMG, pesquisador CNPq 1A, com ampla experiência em pesquisa clínica, gestão em saúde, gestão de projetos multicêntricos e complexos, e colaboração internacional.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 25/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Carla Aparecida Arena Ventura

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • iniciativa qualityrights da organização mundial da saúde (oms): alternativas para diminuir o estigma e promover o conhecimento sobre os direitos humanos das pessoas com transtornos mentais em profissionais de enfermagem brasileiro
  • Pessoas com transtornos mentais vivenciam violações de direitos humanos, são excluídos da vida comunitária, estigmatizados e discriminados em diferentes aspectos da vida, como trabalho, educação, habitação, lazer. Nesse sentido, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apresenta a Iniciativa QualityRights, que tem como principal benefício oferecer meios para facilitar o fim de violações de direitos humanos que acontecem nos espaços de saúde e de assistência social, a melhora da qualidade dos cuidados a essas pessoas, assim como a formação e o desenvolvimento de habilidades para profissionais de saúde. Estudos que aplicaram os módulos do QualityRights em países como Islândia, Tunísia e Índia, indicaram mudanças positivas no nível de conhecimento e atitudes após a finalização do treinamento em diferentes serviços de saúde mental. Portanto, as evidências dos estudos sinalizam que a iniciativa QualityRights promove conhecimento sobre direitos humanos das pessoas com transtornos mentais e reduz o estigma e a discriminação com relação a este grupo vulnerável. Esta proposta busca adaptar culturalmente para o Brasil e avaliar a aplicabilidade e a eficácia da Iniciativa QualityRights para promover o conhecimento sobre os direitos humanos das pessoas com transtornos mentais e a redução do estigma em profissionais de enfermagem em serviços da Atenção Primária à Saúde. Profissionais de enfermagem, apesar de serem responsáveis pela promoção de direitos humanos e redução de atitudes e práticas estigmatizantes com relação às pessoas com transtornos mentais, muitas vezes se distanciam desses papeis devido à falta de conhecimento, experiências de contato negativas, cumprimento de protocolos e visão biomédica ainda predominante. Assim, este estudo controlado e randomizado seguirá duas estratégias metodológicas: 1) Adequação do processo de adaptação cultural dos módulos da iniciativa QualityRigths; 2) Avaliação da aplicabilidade dos módulos e da eficácia da iniciativa QualityRights.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 06/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Carla Busato Zandavalli

Ciências Humanas

Educação
  • a base nacional comum curricular e o discurso da qualidade de ensino como indutor de políticas da educação básica e de formação de professores no brasil
  • Este projeto de pesquisa reúne pesquisadores e estudantes dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação e do Programa de Ensino de Ciências, bem como de cursos de licenciatura da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS); do Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Matemática da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Taubaté (SP). Objetiva analisar a proposição da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), principal política educacional desenvolvida no Brasil a partir de 2016, como elemento indutor da qualidade de ensino e articulador das políticas curriculares, de formação de professores, de materiais didáticos, tecnologias educacionais e de avaliação da educação no Brasil. Toma-se o Estado na acepção de Gramsci (2007), ou seja, o Estado integral. O projeto será desenvolvido a partir de quatro eixos: 1) BNCC e os currículos de referência de estados e municípios; 2) Programas, projetos e ações propostos para a formação inicial e continuada de professores da educação básica, para o desenvolvimento dos currículos e a percepção dos profissionais da educação; 3) BNCC, os materiais didáticos e as tecnologias educacionais; 4) BNCC e as políticas de Avaliação Educacional. Cada eixo contará com subprojetos desenvolvidos no âmbito dos programas e cursos já indicados. Embora os subprojetos tenham lócus de análise diferentes, serão conduzidos a partir de uma unidade teórico-metodológica, a base sócio-histórica (SAVIANI, 1997) com estudos de abordagem qualitativa (BOGDAN; BIKLEN, 2013) e algumas etapas em comum: a) etapa bibliográfica; b) etapa documental; c) coleta em campo; d) tratamento e análise de resultados. As coletas em campo compreenderão os procedimentos éticos da pesquisa, abrangerão a realização de entrevistas e/ou grupos focais e serão analisados por meio da Análise de Conteúdo (BARDIN, 2016).
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - MS - Brasil
  • 01/04/2022-30/04/2025