Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sheila Araujo Teles

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • precisamos conhecer a saúde dos migrantes e refugiados no brasil: situação vacinal, hepatites virais, infecções sexualmente transmissíveis, uso de álcool e violências em uma metrópole da região centro-oeste
  • As restrições impostas pela Europa em aceitar migrantes estrangeiros e refugiados redirecionou o fluxo migratório para outros países como Brasil. Segundo dados do Comitê Nacional para Refugiados, aproximadamente 10 mil refugiados, de mais de 80 nacionalidades diferentes foram acolhidos pelo Brasil nos últimos 10 anos. Estudos mostram que, na população de migrantes estrangeiros e refugiados, as doenças infecciosas são responsáveis por taxas mais altas de mortalidade comparadas as doenças crônicas. Alguns fatores podem contribuir para este cenário como padrão epidemiológico das infecções e a cobertura vacinal no país de origem; o longo período de viagem até o país destino, muitas vezes em condições insalubre e de segurança precária; a superlotação dos campos de refugiados, que favorece a ocorrência de surtos de doenças gastrointestinais e respiratórias; a marginalização e vulnerabilidade que leva à situações de violência e à doenças relacionadas a pobreza. No Brasil, e em especial Goiás, não existem dados, tampouco estudos epidemiológicos abordando a prevalência de doenças infecciosas que acometem esta população de diversas origens. A proposta deste estudo é avaliar a situação de saúde, em especial a situação vacinal, uso abusivo de álcool, vulnerabilidade à violência, como também investigar a epidemiologia das infecções causadas pelos vírus das hepatites virais, sexualmente transmissíveis incluindo as causadas pelo HIV, herpesvirus, HPV e sífilis. Também, vacinar e avaliar a resposta vacinal em crianças e adultos suscetíveis ao vírus da hepatite B, e de crianças/adolescentes contra HPV. Espera-se com este projeto conhecer as condições de vida e de saúde relacionadas às IST neste grupo socialmente desfavorecido e assim contribuir para a construção e consolidação da “Política Nacional de Atenção à Saúde aos Imigrantes e Refugiados” e a Agenda para Desenvolvimento Sustentável 2030.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sheila Cristina Nardelli

Ciências Biológicas

Genética
  • o papel da arquitetura nuclear e remodeladores de cromatina em processos essenciais a sobrevivência de toxoplasma gondii
  • Toxoplasma gondii é o agente etiológico da toxoplasmose, uma doença que atinge cerca de ¼ da população mundial, sendo considerada a infecção parasitária mais comum em humanos. A toxoplasmose é extremamente perigosa quando adquirida durante a gravidez, ou em pacientes imunocomprometidos, podendo resultar em danos severos como malformações congênitas e encefalia. Embora considerada geralmente assintomática em pacientes imunocompetentes, a doença em sua fase crônica tem sido recentemente associada a alterações neurológicas e comportamentais, ressaltando a importância de identificar alvos para o tratamento mais eficiente da toxoplasmose. Nesse contexto, a pesquisa básica centrada em componentes essenciais a sobrevivência do parasita, poderia contribuir não somente na compreensão da biologia do parasita, mas também resultar em tratamentos e diagnósticos mais eficientes. Nosso grupo foca em dois aspectos fundamentais para o controle da expressão gênica: a dinâmica da arquitetura da cromatina, e o papel de remodeladores de cromatina, especialmente as desacetilases de histonas. A cromatina é uma estrutura organizada e dinâmica que atua como uma barreira física a todos os processos dependentes de DNA. Sendo assim, pretendemos compreender como atua a arquitetura da cromatina frente a diferenciação do parasita, buscando remodeladores que atuem alternando o estado da cromatina ao longo da diferenciação. Paralelamente, pretendemos caracterizar as desacetilases clássicas de Toxoplasma, iniciando por aquelas específicas a Apicomplexa. Para tanto, uniremos metodologias de genética reversa a técnicas para avaliação da estrutura dessas proteínas de modo a proporcionar novas perspectivas no controle de expressão gênica e mecanismos biológicos em T. gondii e, sem dúvida, auxiliando na identificação de novos alvos para terapia contra Toxoplasmose, doença de intensa relevância para Saúde Pública no Brasil.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PR - Brasil
  • 05/12/2019-31/12/2021
Foto de perfil

Sheila Giardini Murta

Ciências Humanas

Psicologia
  • coconstrução e avaliação de viabilidade de uma intervenção familiar para prevenção ao abuso de drogas
  • Os adolescentes brasileiros são cotidianamente expostos a fatores de risco à saúde relativos ao ambiente familiar que, em conjunto com outros fatores, aumentam o risco de uso problemático de álcool e outras drogas. Estudos com intervenções preventivas para adolescentes no Brasil são centrados, em sua maioria, no âmbito escolar e menos frequentes são as intervenções preventivas focadas no fortalecimento de fatores protetivos familiares. O presente projeto pretende suprir esta lacuna, ao propor o desenvolvimento sistemático de uma intervenção culturalmente customizada para prevenção ao abuso de drogas em adolescentes e fortalecimento de fatores protetivos familiares, destinada a famílias em situação de vulnerabilidade. Este projeto compreende três estudos e almeja (a) examinar necessidades para subsidiar o desenvolvimento de uma intervenção para prevenção ao abuso de drogas em adolescentes e fortalecimento de fatores protetivos familiares em famílias em desvantagem econômica (Estudo 1), (b) construir a intervenção propriamente dita e descrever sua aceitabilidade, com base no modelo de coconstrução de intervenções (Estudo 2) e (c) investigar a viabilidade da intervenção desenvolvida como parte dos serviços de proteção social básica (Estudo 3). Delineamentos metodológicos qualitativos e participativos são propostos, com uso do modelo de coconstrução de intervenções e estudos de viabilidiade. Espera-se que este projeto, além de resultar na criação de uma tecnologia psicossocial inovadora, atenda a metas de formação de recursos humanos, ensino, publicações e internacionalização.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sheila Tavares Nascimento

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • equilíbrio térmico de pintos de corte
  • O grande desafio na área de Bioclimatologia é a proposta de metodologias para a mensuração das trocas de calor e massa entre os animais e o ambiente que possam ser utilizadas em condições de campo. Este projeto, uma parceria entre a Universidade de Brasília, o Instituto Federal de Brasília, as Faculdades Integradas UPIS e a UNESP, Campus de Jaboticabal, tem como principal objetivo determinar o equilíbrio térmico de pintos de corte durante os primeiros 21 dias de vida. O projeto será conduzido no Laboratório de Bioclimatologia Animal da Universidade de Brasília. Frangos de corte sofrem transformações fisiológicas intensas durante um ciclo de vida comercial, passando de 40g de peso inicial para mais de 2,5 kg na idade de abate, o que acarreta em mudanças significativas na cobertura de penas, no seu equilíbrio térmico e consequentemente nas formas as quais podem ganhar ou perder calor para o ambiente (Nascimento et al., 2017). Frangos de corte têm necessidades térmicas diferentes ao longo do seu período produtivo. Os pintos não apresentam seu sistema termorregulatório maduro no momento da eclosão, o qual é alcançado aproximadamente no décimo dia de vida (Gonzalez et al., 2003). Para as aves no final do ciclo é necessária a inclusão de sistemas de climatização nas instalações, por meio de ventiladores, exaustores e sistemas de resfriamento evaporativo, para auxiliar as aves na manutenção da temperatura corporal e consequentemente, manter o desempenho produtivo. Porém, na literatura, não existe um consenso sobre a correta zona de conforto térmico para frangos de corte, especialmente para animais nos primeiros 21 dias de vida, onde mostram-se sensíveis a baixas temperaturas (Cândido et al., 2016). A partir do estudo sobre o equilíbrio térmico das aves, considerando as vias as quais o calor pode ser produzido (via metabolismo), ganho ou dissipado para o ambiente (evaporação respiratória, radiação de ondas longas e convecção), pode-se determinar de maneira precisa as condições de temperatura e umidade que devem ser mantidas para alcançar máximo desempenho produtivo respeitando-se o bem-estar dos animais. Esses estudos tem relevante importância para a proposição de sistemas de climatização mais eficientes dentro das instalações avícolas. O fornecimento da temperatura de conforto requerida na primeira semana de vida dos pintinhos, associado ao adequado manejo e ambiência, é importante para diminuir o efeito das variações térmicas do ambiente sobre a produtividade de frangos de corte. Assim, quando submetidos a temperaturas abaixo da sua ZCT, grande parte da energia metabolizável é canalizada para a termogênese, e consequentemente diminuição da energia líquida disponível para produção (MACARI et al., 1994). Diante do exposto, faz-se necessário a promoção de estudos voltados a melhor compreensão da zona de conforto térmico de frangos de corte considerando as constantes alterações morfológicas e metabólicas e sua capacidade de manutenção do equilíbrio térmico, sofridas pelas atuais linhagens comerciais, resultantes dos programas de melhoramento genético. Além disso, métodos alternativos e menos onerosos para avaliação da demanda térmica das aves necessitam ser desenvolvidos com foco tanto no bem-estar animal quanto na redução no gasto de energia para aquecimento das aves na fase inicial e/ou arrefecimento para as demais fases. Estudos acerca do equilíbrio térmico e da determinação da zona de conforto térmico para frangos de corte na fase inicial do ciclo de criação (1 a 21 dias) tornam-se necessários, cujos resultados de pesquisa contribuirão com o avanço da produção animal no Distrito Federal e no Brasil, pelo estudo da zona de conforto térmico para frangos de corte na fase inicial de vida, que resultarão no desenvolvimento de eficientes sistemas de climatização das instalações e garantindo, portanto, a sustentabilidade, o conforto e o bem-estar animal. Será determinada a faixa de conforto térmico para frangos de corte entre um e 21 dias de vida, a partir da quantificação do equilíbrio térmico dos animais, considerando a produção de calor metabólico, a perda por evaporação respiratória e o ganho ou perda por radiação de ondas longas e convecção. O sistema de Calorimetria Indireta, desenvolvido em parceria com o Laboratório de Bioclimatologia da UNESP Campus de Jaboticabal, será utilizado para mensurar a produção de calor metabólico dos pintos de corte. Para aferição das temperaturas superficiais e do comportamento das aves, será utilizada um protótipo (caixa-teste), de policarbonato transparente, resistente e totalmente vedada, que permitirá melhor controle do tratamentos pretendidos, desenvolvida em parceria com o IFB. A caixa teste abrigará um grupo de 10 aves durante os 21 dias, e com uma tubulação ligada à caixa para permitir adequada taxa de renovação de ar sem prejudicar a respiração das aves. No interior da caixa-teste será instalado um equipamento destinado tanto ao aquecimento quanto ao resfriamento, de acordo com cada semana de vida do animal e que promoverá constante circulação do ar no interior da caixa. Para o monitoramento das variáveis meteorológicas no interior da caixa teste será utilizado um sistema em plataforma Arduino, para aferição e registro da temperatura e umidade relativa. Será instalado também no interior da caixa um termostato para controle automático da temperatura e umidade relativa pretendida em cada tratamento. A aferição das variáveis meteorológicas do laboratório também será realizada durante todo o ensaio. Para determinação do equilíbrio térmico de pintos de corte da linhagem comercial Cobb serão avaliados durante os 21 dias de vida, em quadrados latinos 6 x 6 (6 aves x 6 dias x 6 horários); também serão posteriormente avaliadas as propriedades radiativas das penas e a morfometria dos órgãos internos, níveis de enzimas do sistema REDOX, TBARS, coloração muscular e produção de espécies reativas ao oxigênio (ROS).
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sheilla Andrade de Oliveira

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • avaliação in vitro e in vivo da capacidade infectiva dos arbovirus chikungunya e zika à hepatócitos e células estreladas do fígado e sua coparticipação na progressão da severidade da lesão hepática.
  • Chikungunya (CHIKV) e Zika (ZIKV) são vírus dos gêneros Alphavirus e Flavivírus respectivamente, transmitidos, principalmente, por mosquitos Aedes aegypti. Embora os sintomas sejam menos frequentes na infecção pelo ZIKV podem ser encontrados rash cutâneo, artralgia artrite e fadiga incapacitantes. Na infecção pelo CHIKV verifica-se alta incidência de recorrência e cronicidade do acometimento articular, com persistência dos sintomas inflamatórios, além de outras complicações associadas. Na infecção pelo ZIKV acometimentos neurológicos são mais frequentes. Os recursos terapêuticos atuais são escassos e o tratamento atende aos sintomas, com o uso de analgésicos e anti-inflamatórios. Embora estudos sobre sintomatologia clínica e sobre o comportamento dos arbovírus estejam bem estabelecidos, investigações acerca das manifestações patológicas associadas à infecção pelo CHIKV ou ZIKV em pacientes hepatotapatas são escassos, porém de grande importância, considerando regiões de coprevalências dessas duas infecções. Assim, pretendemos avaliar in vitro se os CHIKV e ZIKV são capazes de infectar hepatócitos e células estreladas do fígado alterando o processo de reparo hepático. Para tal, linhagens celulares GRX; LX-2 e Hep-G2 serão infectadas por CHIKV ou ZIKV na multiplicidade de infecção (MOI) de 0.1. Avaliação de fatores envolvidos na fibrogênese do fígado serão realizados em culturas individuais das células estudadas. Serão realizados estudos da expressão de α-actina de músculo liso, TGF-β, galectina e colágeno I (RTqPCR). Presença e localização dos vírus nas células serão determinadas por estudos ultraestruturais. Os estudos in vivo irão demonstrar alterações imunopatológicas e parasitárias induzidas pela coinfecção pelos CHIKV ou ZIKV e o parasito Schistosoma mansoni. Para isso, um modelo pré-clínico será estabelecido, utilizando camundongos C57BL/6 ou A129, que serão submetidos à infecção esquistossomótica. Na fase aguda e crônica, os animais serão infectados com cepas CHIKV ou ZIKV isoladas e mantidas em laboratório. Os padrões de viremia, morbidade e mortalidade serão acompanhados até 21 pós-infecção. Após esse período, amostras de sangue total, de intestino e fígado serão coletadas para análises parasitária, morfológica, morfométrica, imunológica e molecular, a fim de avaliar parâmetros histopatológicos, perfil de citocinas e perfis de expressão gênica de fatores associados à lesão hepática, além se investigar a presença do vírus no fígado dos animais cronicamente infectados por S. mansoni e pelos arbovirus. As variáveis quantitativas obtidas serão submetidas à análise estatística. Dessa forma, o presente estudo poderá contribuir para uma melhor compreensão das manifestações patológicas associadas à coinfecção S.mansoni/CHIKV ou ZIKV, o que reforça o desenvolvimento e o aprimoramento de estratégias terapêuticas e profiláticas no combate à febre Chikungunya e infecção pelo Zika vírus quando associadas às doenças hepática.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PE - Brasil
  • 15/05/2019-31/05/2022
Foto de perfil

Sherdil Khan

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • modificação de defeitos em semicondutores óxidos nanoestruturados: aplicação na produção de hidrogênio através da quebra da molécula de água usando irradiação solar
  • Para mitigar as consequências das mudanças climáticas é importante desenvolver processos e tecnologias que aumentem a utilização da energia solar e minimizem as emissões de gases causadores do efeito estufa, tais como o CO2. Dentro deste contexto, a produção de hidrogênio através de fotólise e fotoeletrólise da água usando interfaces semicondutor-líquido, é certamente uma das formas mais promissoras de se produzir energia limpa. Na presente proposta os principais objetivos são: i) estudar e desenvolver metodologias para síntese de nanoestruturas de semicondutores óxidos; ii) realizar dopagens para aumentar a absorção de luz na região do visível; e iii) modificar a superfície e extinguir estados de armadilha das cargas com o objetivo de melhorar desempenho fotocatalítico e fotoeletrocatalítico destes materiais. Os nanomateriais serão aplicados na produção de hidrogênio através da quebra da molécula da água utilizando radiação solar. As nanoarquiteturas dos materiais óxidos como nanotubos e nanopartículas serão sintetizadas via anodização eletroquímica modificada e processo hidrotérmico. Para obter “bandgaps” energeticamente adequados para produção de hidrogênio e para absorção na região visível do espectro solar, a dopagem será realizada em duas etapas; 1) dopagem ínsitu durante aos processos de síntese adicionando agentes dopantes aos eletrólitos; 2) dopagem exsitu com o nitrogênio através de nitretação térmica sob o fluxo de gás amônia. Para melhorar a transporte das cargas fotogeradas durante absorbância do fóton e o processo de redução e oxidação da água serão adicionados co-catalisadores via técnica de Magnetron sputtering e via processo hidrotermal. A morfologia, propriedades óticas, estruturais, eletrônicas, superficiais e elétricas dos nanomateriais, bem como os processos envolvidos para separar a molécula da água em H2 e O2 serão investigados. A compreensão das propriedades físico-químicas desses materiais caracterizados será complementada através das técnicas eletroquímicas e fotoeletroquímicas, como espectroscopia impedância eletroquímica, e será relacionada com à interface semicondutor-líquido utilizado para quebra da molécula da água. As melhores amostras serão utilizadas para determinar eficiência e avaliar a fotoestabilidade dos fotocatalisadores após exposição a luz por longos períodos. Esta proposta visa promover os processos fotoquímicos e fotoeletroquímicos movidos a energia solar que podem mitigar o uso de combustíveis fósseis. Com expectativa de desenvolvimento de tecnologias inovadoras, esta proposta apresenta elementos sinérgicos que combinam a formação e treinamento dos alunos em novas áreas, a conscientização pública nacional que beneficiarão a economia e o meio ambiente do Brasil e do mundo.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sherlan Guimarães Lemos

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • novos complexos do tipo melen/melofen: síntese, propriedades eletroquímicas e aplicações
  • Os ligantes do tipo Salen são sistemas ligantes tetradentados do tipo N2O2 planar obtidos a partir da reação de condensação de precursores diaminas e salicilaldeído (substituído), e que exibem importantes propriedades coordenantes frente a metais de transição. Quando a diamina empregada é a o-fenilenodiamina ou um análogo, os produtos de condensação são referidos como salofens. Semelhantemente aos Salens/Salofens, os derivados diaminometilênicos do ácido de Meldrum também possuem um sistema de sítios coordenantes planar do tipo-N2O2 e, apesar de um número muito menor de exemplos conhecidos comparativamente aos Salens/Salofens, eles expressam apreciável propriedades coordenantes. Em função disso, esta família de ligantes tem sido chamada de Melens/Melofens em menção direta ao material de partida, o ácido de Meldrum. Apesar das semelhanças estruturais entre os Melens/Melofens e os Salens/Salofens, as descrições das propriedades eletroquímicas, das aplicações eletroanalíticas, das propriedades catalíticas e das suas aplicações no desenvolvimento de novos materiais, tanto para estes ligantes quanto para os seus respectivos complexos metálicos é praticamente desconhecida. Contrariamente a isto, existe uma farta literatura que nas últimas décadas tem descrito densamente estes mesmos aspectos para os Salens/Salofens, fato este que impõe esforços científicos necessários para explorar o potencial eletroquímico e catalítico dessa classe de substâncias, que pode resultar no desenvolvimento de novos materiais e outras aplicações – em eletroanálise, por exemplo – associado às propriedades que esses ligantes e seus complexos possam exibir. As investigações representam ainda uma janela de oportunidades de ampliar o conhecimento químico sobre essas substâncias, espelhando-se e comparando os resultados obtidos com aqueles já relatados para os Salens/Salofens. Assim, o objetivo principal desta proposta é realizar a síntese e estudo das propriedades eletroquímicas de novos complexos do tipo Melen/Melofen visando a obtenção de novos materiais e o desenvolvimento de novas metodologias eletroanalíticas, tendo como referência as aplicações relatadas na literatura para os complexos de Salen. Ainda com relação ao comportamento eletroquímico dos novos ligantes e complexos, serão realizadas também a investigação e a proposição de possíveis mecanismos redox a partir da execução de cálculos químico-quânticos.
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sheyla Christine Santos Fernandes

Ciências Humanas

Psicologia
  • como explicar a expressão aberta do cyber-hate? um estudo sobre crenças dos agressores x vítimas
  • O presente projeto tem como finalidade responder a cinco questões centrais: (1) de que forma ocorre a emissão do cyber-hate entre as pessoas nas redes sociais (RSO)? (2) que crenças subjazem tais expressões de violência e ódio? (3) de que forma as vítimas de ofensas digitais experimentam o cyber-hate? (4) que crenças estão associadas às respostas das vítimas ao cyber-hate? (5) é possível se pensar em intervenções para o manejo de comportamentos apropriados nesses âmbitos? Para responder a essas questões, tomou-se como objetivo geral desta investigação analisar a expressão do cyber-hate no Facebook na perspectiva dos agressores e das vítimas à luz da Teoria da Ação Racional (TAR) e da Teoria da Ação Planejada (TAP). Serão consideradas quatro categorias específicas de cyber-hate, o político, o dirigido aos nordestinos, o dirigido às minorias sexuais (mulheres e LGBTs) e o étnico-racial. Dois estudos serão necessários para contemplar o objetivo proposto: inicialmente, será realizado um mapeamento dos diferentes tipos cyber-hate no Facebook, através dos comentários postados em grupos e páginas de livre acesso (Estudo 1). Na sequência, serão disponibilizados nos ambientes virtuais selecionados, questionários abertos acerca das crenças relativas ao cyber-hate (Estudo 2 – Etapa 1). Tomando como base os resultados obtidos, serão elaboradas duas escalas para coletar os dados da segunda etapa do Estudo 2, considerando a perspectiva do cyber-hate para os agressores e para as vítimas. Visando validar as escalas, serão realizadas análises dos itens por juízes e em grupos focais, tendo como objetivo a validação de conteúdo de cada escala. Posteriormente será realizado um estudo piloto da versão preliminar dos instrumentos e, em seguida, através de survey eletrônico, serão coletados os dados finais. Como resultados globais desta proposta, estima-se a obtenção de duas escalas validadas sobre crenças relativas à expressão do cyber-hate, para agressores e para vítimas, respectivamente, bem como, a apresentação de dois modelos explicativos da expressão do cyber-hate, um primeiro modelo sobre a intenção comportamental de expressar cyber-hate no Facebook, e um segundo modelo explicativo da intenção comportamental de resposta ao cyber-hate por parte das vítimas nessa RSO.
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Shirley Conceição Silva da Costa

Outra

Divulgação Científica
  • feira de ciências, empreendedorismo e inovação da bahia (feciba)
  • Vide projeto anexo
  • Secretaria de Educação do Estado da Bahia - BA - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Shirley Conceição Silva da Costa

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • feira de ciências, empreendedorismo e inovação da bahia (feciba)
  • Nesse escopo da experimentação educacional, da formação de profissionais da Educação e de cooperação para criação de novas tecnologias de ensino-aprendizagem se situa a proposta da 9ª FECIBA. Concebemos a Feira de Ciências da como um espaço de mostra de experiências e projetos de pesquisa, protagonizados por estudantes da Educação Básica, na acepção mais universal de ciência e considerando as diversas áreas do conhecimento. No processo, os estudantes são orientados por professores para estimular de construção do conhecimento, fortalecendo a relação ensino-aprendizagem das Ciências na Educação Básica, construindo espaços de valorização e socialização de experiências exitosas em âmbito estadual e consolidando ambientes inovadores e favoráveis a aprendizagem.
  • Secretaria de Educação do Estado da Bahia - BA - Brasil
  • 01/02/2020-31/01/2021