Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Wladimir Padilha da Silva

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • listeria monocytogenes provenientes de alimentos e ambientes de processamento de alimentos: estrutura genômica e caracterização molecular de determinantes de resistência a antimicrobianos e sanitizantes
  • Listeria monocytogenes é um importante patógeno de origem alimentar que causa a listeriose, uma doença relativamente incomum, mas que pode ocasionar sintomas graves em indivíduos suscetíveis, apresentando taxas de letalidade em torno de 30%. As fontes potenciais de listeriose a partir de alimentos contaminados têm aumentado em função de mudanças na produção, conservação e consumo de alimentos. Aliado a isso, esse patógeno apresenta capacidade de se multiplicar em uma ampla variedade de reservatórios nas plantas de processamento de alimentos, podendo contaminar diversos produtos. Os sintomas clínicos de listeriose são tratados com a utilização de antimicrobianos da classe dos β-lactâmicos, porém, podem ser realizadas associações com outras classes de antimicrobianos. A maioria dos isolados de L. monocytogenes é suscetível a vários antimicrobianos, entretanto, alguns isolados têm demonstrado perfil de resistência e até mesmo de multirresistência. Por ser ubíquo, esse micro-organismo é comumente exposto a antimicrobianos em baixos níveis, o que provoca uma pressão seletiva que favorece a multiplicação de estirpes com perfil de resistência. Além disso, L. monocytogenes possui características que facilitam sua ampla disseminação na indústria de alimentos, e alguns autores vêm relatando a ocorrência de isolados com perfil de resistência, também, aos sanitizantes utilizados em plantas de processamento de alimentos. Essas resistências adquiridas podem ter ocorrido devido a processos de limpeza e sanitização inadequados, favorecendo a persistência de estirpes potencialmente resistentes à diversas condições ambientais e aos produtos utilizados nestes processos. Estudos recentes investigam a relação de co-seleção e co-transferência de resistência aos antimicrobianos e sanitizantes entre bactérias, entretanto, há poucos estudos em L. monocytogenes. No Brasil, não há estudos aprofundados sobre o genótipo de resistência a antimicrobianos e sanitizantes com L. monocytogenes, entretanto, nosso grupo de pesquisa já apresenta importantes resultados nessa temática em isolados de L. monocytogenes oriundos de alimentos e ambientes de processamento do sul do Rio Grande do Sul. Diante do exposto, a presente proposta é inovadora e pretende caracterizar a estrutura genômica, pelas técnicas de PFGE e cgMLST, e identificar as bases de resistência a antimicrobianos e sanitizantes, pelas técnicas de PCR, sequenciamento e RT-qPCR, em isolados de L. monocytogenes provenientes de alimentos e ambientes de processamento de alimentos. Também se objetiva caracterizar a relação filogenética do genótipo de resistência e avaliar a capacidade de transferência horizontal de genes de resistência em ensaios de conjugação in vitro e in situ e através de ensaios de transformação. Dessa forma, a aprovação dessa proposta promoverá um avanço científico importante para o grupo de pesquisa do Laboratório de Microbiologia de Alimentos da Universidade Federal de Pelotas, permitindo a consolidação dessa importante temática dentro de nossa linha de pesquisa, bem como qualificará as pesquisas brasileiras no estudo de resistência a antimicrobianos, visto que estudos com o micro-organismo L. monocytogenes, com esta magnitude, ainda não são realizados no Brasil.
  • Universidade Federal de Pelotas - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Wolf Christian Luz

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • desenvolvimento de controle biorracional de aedes aegypti com fungos entomopatogênicos
  • O projeto propõe, durante os próximos quatro anos, estudos sobre o desenvolvimento de estratégias de controle biológico de Aedes aegypti, vetor chave de arboviroses, com fungos entomopatogênicos. Patógenos fúngicos, especialmente Metarhizium anisopliae (Hypocreales) ganharam grande interesse nos últimos anos como agentes de controle contra mosquitos. Porém, ainda não existe micoinseticida para controle de mosquitos no Brasil. Os estudos irão focalizar sobre técnicas de produção, formulação e aplicação de M. anisopliae s.l. IP 46 contra A. aegypti. Esse isolado fúngico de origem do Centro-Oeste do Brasil mostrou ter grande potencial para controle de mosquitos pela alta atividade simultânea em ovos, larvas e adultos. Meta principal será desenvolver, baseado em conhecimentos sobre a produção, formulação, aplicação desse fungo e sua atividade em A. aegypti, um dispositivo protótipo para controle específico e avalia-lo em condições de semi-campo e campo. A proposta prevê cooperação com instituições públicas de pesquisa e de saúde nacionais e internacionais, treinamento e formação de alunos de graduação e pós-graduação e parceria com empresa apropriada para desenvolvimento de um dispositivo para controle integrado desse vetor no Brasil.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 01/02/2017-31/01/2021