Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Tatiany Patrícia Romão Pompílio de Melo

Ciências Biológicas

Genética
  • identificação de fatores moleculares determinantes para a infecção in vitro e in vivo de células de inseto pelo vírus zika
  • O vírus Zika (ZIKV) (Flaviviridae, Flavivírus) tem apresentado destaque mundial nos recentes anos após seu último surto no Brasil em 2014. Seu genoma consiste de RNA fita simples de polaridade positiva que codifica para uma poliproteína que é clivada em proteínas estruturais e não estruturais. As proteínas estruturais são: capsídeo (C), membrana (precursora de M) e envelope (E). A proteína do envelope (E) é um importante determinante antigênico dos Flavivírus e tem uma ampla variedade de atividades biológicas tais como a interação com receptores de superfície celular, fusão de membranas e internalização viral na célula. Já as proteínas não estruturais são em número de sete e estão envolvidas em outras etapas do ciclo de infecção viral. Os estudos voltados para entender a biologia da infecção causada pelo ZIKV em diferentes tecidos e espécies de organismos ainda são escassos. Para invadir a célula hospedeira e iniciar a sua replicação, o vírus precisa penetrar no compartimento intracelular. O processo consiste em uma série intrincada de eventos altamente dinâmicos, fortemente coordenados, incluindo, entre outros, a ligação do vírus às células, o tráfico intracelular e a entrega da informação genética do vírus. Alguns membros da família Flaviviridae infectam uma variedade de vertebrados e mosquitos como exemplo o vírus do Oeste do Nilo (WNV), outros têm hospedeiros e vetores limitados como exemplo o vírus da Febre Amarela (YFV). Acredita-se que a capacidade desses vírus de infectar um ou mais hospedeiros e/ou vetores depende diretamente do reconhecimento de receptores específicos na superfície das células alvo pelas proteínas do envelope (E). Estudos tem demonstrado que as partículas flavivirais tem um contato inicial com a célula alvo através de sua concentração na superfície celular mediada por ligação da glicoproteína E com glicosaminoglicanos, tais como o proteoglicano heparan sulfato. Os receptores de lectina tipo C pertencem à uma família protéica bem caracterizada quanto a sua interação com a proteína E do Flavivírus Dengue (DENV), do vírus da Encefalite japonesa (JEV) e do vírus do Oeste do Nilo (WNV) em células de mamíferos e de mosquito. Estudos de caracterização dos receptores do vírus Dengue (DENV) em células de mosquito baseados em ensaios de ligação, ensaios de inibição da infecção mediada por anticorpos e RNAi possibilitaram a identificação de algumas proteínas candidatas a receptor, tais como Prohibitina, Glicoproteínas e Enolases. Apesar das intensas investigações, até o momento, a identidade de um receptor celular que determina a entrada do Flavivírus na célula alvo ainda não está esclarecida. A busca de receptores celulares que mediam a entrada do ZIKV à célula do seu hospedeiro invertebrado é uma área ativa de investigação. A base molecular da interação da proteína do envelope (E) viral com potenciais receptores celulares no Aedes aegypti, principal vetor incriminado na transmissão do ZIKV e em Aedes albopictus e Culex quinquefasciatus, potenciais vetores do Zika e de outros Flavivírus filogeneticamente relacionados, ainda é uma lacuna científica no âmbito dos estudos de interação arbovírus-vetor. A falta de conhecimentos sobre os mecanismos associados à infecção do mosquito vetor pelo ZIKV, incentivaram a presente proposta que visa investigar de forma comparativa a presença de receptores celulares do ZIKV no epitélio intestinal e salivar de fêmeas de Aedes aegypti, Ae. albopictus, C. quinquefasciatus e em linhagens celulares de inseto C6/36 (linhagem celular de Ae. albopictus susceptível à infecção viral e utilizada para detecção, propagação e análise de arbovírus) e Sf9 (linhagem celular de Spodoptera frugiperda não susceptível à infecção). Para isso, pretende-se clonar e expressar o cDNA que codifica para a proteína E do envelope do ZIKV em sistema de expressão procarioto e em sistema de expressão eucarioto. A partir da proteína recombinante pretende-se em seguida produzir anticorpos policlonais dirigidos contra a proteína E do ZIKV de forma a facilitar a detecção da proteína nativa em ensaios de ligação. Extratos protéicos de membranas apicais do epitélio intestinal e de glândula salivar de Ae. aegypti, Ae. albopictus e C. quinquefasciatus e de linhagem celular de inseto C6/36 e Sf9 serão então produzidos e utilizados em ensaios de ligação in vitro do tipo pull-down com a proteína E recombinante do Zika. Com estes ensaios pretende-se caracterizar proteínas ligantes à proteína E passíveis de serem identificadas por espectrometria de massas e análise in silico. Também pretende-se fazer uma análise transcriptômica comparativa de linhagens celulares de inseto frente à infecção do Zika a fim de identificar a regulação diferencial de genes e vias moleculares que possam desempenhar papel determinante na infecção/replicação viral. Os resultados gerados neste projeto devem direcionar novos caminhos de investigação quanto à especificidade e afinidade de ligação deste vírus com macromoléculas presentes no seu vetor e assim auxiliar no direcionamento de medidas de prevenção do ciclo de transmissão viral. Todos os esforços voltados para dissecar as interações moleculares entre o ZIKV e o seu mosquito vetor são uma tentativa de entender as mudanças que ocorrem durante a infecção e que serão úteis na identificação de moléculas que podem potencialmente aumentar ou suprimir a habilidade do vetor de se infectar e ou transmitir o vírus. O presente projeto irá estabelecer no Departamento de Entomologia do IAM um novo enfoque molecular de estudo e contribuirá para a consolidação e desenvolvimento de uma nova linha de pesquisa envolvendo estudos de interação patógeno-vetor, de relevância no contexto da saúde pública atual. Os objetivos que serão concretizados neste projeto representam um avanço no campo da biologia molecular aplicada à entomologia e contribuirão na identificação de novos alvos moleculares que poderão ser utilizados para o bloqueio da transmissão vetorial.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PE - Brasil
  • 15/05/2019-31/05/2022
Foto de perfil

Tatjana Keesen de Souza Lima

Ciências da Saúde

Medicina
  • análise do comportamento epidemiológico e avaliação espacial da covid-19:correlação com comorbidades e biomarcadores prognósticos no padrão de respostas patogênicas ou supressoras desencadeadas por antígenos peptídicos do sars-cov-2 e m. tuberculosis
  • Uma vigilância epidemiológica eficaz é necessária para o gerenciamento bem-sucedido tanto em infecções emergentes quanto negligenciadas. Ela permite que medidas de proteção à saúde pública, como rastreamento e isolamento de contatos, sejam implementadas. O coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2) é um novo beta-coronavírus com um genoma de 30 kb que foi relatado pela primeira vez em dezembro de 2019 em Wuhan, China. A doença já causou mais de 700 mil mortes e quase 22 milhões de casos de infecção SARS-CoV-2 foram relatados em todo o mundo, até o dia dezessete de agosto de 2020. Vacinas contra o SARS-CoV-2 estão em processo de desenvolvimento, porém ainda há a ausência de um entendimento melhor sobre as respostas da imunidade humana ao SARS-CoV-2, devido ao rápido surgimento da pandemia. Há uma necessidade urgente de informações fundamentais sobre as respostas das células T a esse vírus. Comorbidades como a tuberculose (TB) é uma doença infecciosa causada pelo bacilo de Koch, Mycobacterium tuberculosis, de fácil transmissão, afetando principalmente os pulmões. Quanto às formas clínicas da doença, os pacientes com TB são classificados como portadores de infecção assintomática (latente LTB), forma não transmissível e a forma clínica ativa da tuberculose, transmissível (ATB pulmonar ativa). A única vacina licenciada contra a tuberculose (TB), a vacina BCG, induz uma memória protetora que dura ~10 a 20 anos. No entanto, a vacina BCG não oferece proteção substancial contra Mycobacterium tuberculosis em adolescentes e adultos. Sendo assim, o prazo para a diminuição da proteção induzida por BCG ao longo da infância e início da vida adulta coincide com um aumento gradual na incidência de TB. Nos últimos anos, a incidência de TB aumentou, considerada como uma doença negligenciada, trouxe o surgimento de TB multirresistente e TB extremamente resistente a medicamentos. As comorbidades que modulam a função imune podem exacerbar a doença da TB ou contribuir para a progressão de indivíduos com tuberculose latente para ativa. Já foi demonstrado anteriormente coinfecção de SARS-CoV-1, durante a epidemia em 2002 com tuberculose (TB), os pacientes com TB hospitalizados e infectados com SARS-COV-1 foram considerados com maior risco de morte. As respostas imunes do hospedeiro para eliminar patógenos são estimuladas na infecção por TB, e a infecção pelo SARS-CoV-1 pode aumentar a carga imunológica, levando a um sistema imunológico em desequilíbrio ocasionando as tempestades de citocinas, induzindo disfunção tanto pulmonar como em outros órgãos. É importante caracterizar com profundidade os fatores de risco associados com novos vírus respiratório, como no caso do SARS-CoV-2, na intenção de se obter melhores abordagens diagnósticas e apropriado tratamento para esses pacientes, evitando o desenvolvimento de formas graves da COVID-19. Fatores de risco associados a COVID-19 precisam ser elucidados e a infecção por M. tuberculosis gerando formas ativa ou latente da TB, pode ser um fator de risco para uma pneumonia grave na COVID-19. Os objetivos desse projeto serão realizados em conjunto com uma equipe multidisciplinar onde avaliaremos a correlação de casos de SARS-CoV-2 e tuberculose com covariáveis espaciais, e associação com o maior fluxo de aglomeração de pessoas. Além disso, faremos o cruzamento de dados de outros países onde a tuberculose ainda possui grande quantidade de casos, o que afeta a gravidade da COVID-19, para entendermos melhor o perfil de ambas as doenças no Brasil, África do Sul e Índia. Somando a esses objetivos avaliaremos pacientes com TB latente ou ativa infectados simultaneamente com SARS-CoV-2 e correlacionaremos maior ou menor gravidade da doença a depender da resposta imune humoral e celular prévia desses indivíduos. Todas essas abordagens nos permitirão identificar futuras curvas de crescimento ou diminuição de casos de SARS-CoV-2 versus comorbidades, como a tuberculose, além de permitir a identificação de biomarcadores prognósticos que poderão trazer respostas importantes na condução de melhores abordagens clínicas/terapêuticas ou vacinais desses indivíduos.
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 22/01/2021-31/01/2023
Foto de perfil

Tatjana Keesen de Souza Lima

Ciências Biológicas

Imunologia
  • avaliação de subpopulações de linfócitos t na febre chikungunya: correlação entre marcadores clínicos e perfil imunológico de pacientes na fase aguda e crônica
  • Recentemente, surtos epidêmicos de arboviroses no Brasil, tais como a dengue, zika e chikungunya promoveram alerta às autoridades de saúde em busca de soluções importantes no descobrimento de testes diagnósticos diferenciais eficazes. Os arbovírus são mais frequentes em regiões de clima tropical com fatores ideais de proliferação (Calvet, G, 2016), sendo transmitidos por dípteros (Monath, T. P, et al., 1986). O Nordeste do Brasil é uma região cujas condições socioeconômicas e ambientais favorecem a prevalência de um elevado número de casos das arboviroses (Freire, C. L. G., et al,2012). Nesse contexto, a Paraíba é um dos estados mais afetados, destacando o surto de febre Chikungunya (FC) ocorrido em 2016, com registros de casos graves associados ao acometimento articular na fase crônica da doença, bem como condições neurológicas importantes associadas à síndrome de Guillian Barré (Keesen, TSL, et al., 2017). A FC é uma doença infecciosa, transmitida aos seres humanos pela picada da fêmea dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus (KUMAR NP et al., 2011). É uma arbovirose causada por um Alphavirus da família Togaviridae e vem se propagando pela América Latina, incluindo o Brasil, de forma exponencial, gerando grande preocupação e vigilância em autoridades de saúde pública, devido à expansão acelerada do vírus, anteriormente limitada a países africanos e asiáticos (REF). As condições climáticas e ambientais, os habitats naturais e a grande distribuição do principal vetor no Brasil são aspectos que devem ser considerados no controle e combate à expansão da doença. A gravidade da doença articular causada pelo vírus da chikungunya (CHIKV), combinada à natureza explosiva bem como sua capacidade já demonstrada, de se espalhar rapidamente em novas regiões levou ao interesse no desenvolvimento de estratégias para a prevenção, diagnóstico e tratamento da doença induzida pelo CHIKV. A persistência das queixas musculoesqueléticas representa a principal causa de morbidade da FC (JAVELLE E et al., 2015; RODRIGUEZ-MORALES AJ et al., 2016).. Além disso, os fatores que se associam a uma maior gravidade da doença articular e pior prognóstico carecem de mais informação, uma vez que há lacunas com respeito ao desenvolvimento de doenças reumáticas crônicas após infecção pelo CHIKV. Alguns estudos sugerem que a infecção por CHIKV pode induzir autoimunidade em indivíduos susceptíveis, demonstrando que alguns pacientes durante a fase crônica preencheram critérios para artrite reumatoide (AR) e espondiloartrites (EpA) (WIN MK et al., 2010). Estudos em pacientes com FC na Índia demonstraram evidências de um perfil de mediadores imunes dominado por citocinas pró-inflamatórias, associado às artralgias, as quais incluem IFN-alfa, IFN-gama, IL-2, IL-2R, IL-6, IL-7, IL-12, IL-15, IL-17 e IL-18, associado às artralgias (REF.). Nosso grupo recentemente demonstrou a importância do papel das células T CD8 na doença aguda (Dias, et al., 2018). Contudo, a produção científica sobre o controle da doença ainda é um tema recente e pouco explorado, particularmente no que diz respeito ao conhecimento dos mecanismos moleculares e patogênicos que a FC provoca no sistema imunológico dos pacientes. Dado o exposto, a hipótese que norteou esse projeto versa sobre a premissa de que os fatores moleculares, imunológicos e celulares associados à FC podem ser utilizados como marcadores de susceptibilidade ou morbidade na doença, considerando que subpopulações de linfócitos T estejam envolvidas na dinâmica dos mecanismos de regulação ou exacerbação da infecção pelo CHIKV, pelos quais podem interferir no estabelecimento de respostas protetoras ou até mesmo patogênicas na doença. Nesse sentido, esse projeto tem como objetivo central a busca da correlação dos sintomas clínicos associados aos biomarcadores em células T CD4, CD8 e reguladoras (Treg) com a morbidade e a resistência na infecção pelo CHIKV nas fases aguda e crônica da doença. Como complemento, o projeto buscará avaliar o acometimento articular dos pacientes CHIKV crônicos comparando a pacientes portadores de AR, investigando possíveis correlações imunológicas entre as duas doenças. A possibilidade de se obter marcadores precoces de susceptibilidade ao desenvolvimento da infecção pelo CHIKV é um ponto de extrema importância e poderá nortear condutas clínicas e administração precoce de terapêuticas específicas e eficazes, não só à infecção, mas também aos possíveis efeitos associados. A proposta apresentada empregará estratégias experimentais importantes como as análises citométricas de parâmetros múltiplos, além de utilizar a tecnologia da PCR no diagnóstico de pacientes agudos, complementados pela avaliação sorológica para confirmação da doença crônica. De mãos desses resultados, propomos convergir os achados imunológicos e moleculares aos achados clínicos. Nossa expectativa é que as informações adquiridas pela realização deste trabalho ampliem nossos conhecimentos na área da febre chikungunya humana e seus mecanismos imunológicos, permitindo a elaboração de novos protocolos, visando beneficiar diretamente a população de indivíduos infectados pelo CHIKV.
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatyana Mabel Nobre Barbosa

Ciências Humanas

Educação
  • edição biográfica: políticas e práticas editoriais para publicação de textos memorialísticos
  • Para Chartier, um livro só se configura como tal após sua publicação. O que, em certa medida, é uma visão partilhada por Nuno Medeiros, quando, a partir de uma perspectiva da sociologia da edição, concebe essa como um conjunto de ações deliberadas e intencionais de intervenção. Tem-se, portanto, o processo editorial como mediador de ações partilhadas entre o autor e diversos outros sujeitos e esferas: editor, diagramador, ilustrador, revisor, mercado editorial e público-leitor. Tomadas essas considerações iniciais, perguntamos: a partir de quais parâmetros ocorre o processo editorial de uma obra? Quais são as práticas editoriais efetivamente empregadas no processo de edição das obras e como elas traduzem a política editorial? Essas questões são centrais em nossa pesquisa e servem para orientar nossa investigação, tomando a especificidade da edição de obras biográficas, particularmente, àquelas que constituem o corpus deste projeto: 1. um livro de assentos (1924-1968; 70 páginas); 2. o copião de um livro de memórias (1990-2010; 342 páginas), produzidos, respectivamente, por pai e filho, como projeto de transmissão intergeracional da escrita e inventário familiar da vida pública e privada de uma cidade do sertão nordestino; e 3. o diário do editor (2016-; 70 páginas), produzido por nós enquanto editora dos textos supracitados, em razão do registro e acompanhamento da edição para publicação. Partimos das questões iniciais e, em função da especificidade discursiva do gênero biográfico, adotamos a seguinte questão de pesquisa: quais parâmetros devem singularizar as práticas editoriais do gênero biográfico? Para isso, apoiamos nossa pesquisa nos estudos sobre edição e na pesquisa autobiográfica, que nos permitirá conhecer nas especificidades do gênero, a fim de elaborar orientações editoriais em sua consonância. Para a identificação dos parâmetros editoriais, analisaremos o diário do editor, a partir do qual poderemos elaborar categorias empíricas relativas às políticas e práticas editoriais para textos memorialísticos. Nesse sentido, estimamos que esta pesquisa aprofunde os estudos sobre as políticas e práticas editoriais de textos biográficos, identificando e criando, assim, uma série de parâmetros orientadores para sua edição. Esses resultados são fundamentais para a história e cultura locais, tendo em vistas o papel da edição como mediadora da memória da cidade objeto dos textos biográficos constitutivos do nosso corpus.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tayroni Francisco de Alencar Alves

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • estudo de surtos epidêmicos em redes através de processos epidêmicos difusivos com imunidade permanente
  • Nós consideramos o processo epidêmico difusivo com indivíduos removidos ou recuperados (Modelo DEPR), que consiste na presença de partículas difusivas em uma rede de nós conectados simulando o espalhamento de uma infecção. Na dinâmica, o contágio só pode acontecer se em um mesmo nó da rede, estão presentes ao mesmo tempo, ao menos uma partícula suscetível e ao menos uma partícula infectada. A principal modificação que pretendemos considerar, é a possibilidade de uma partícula adquirir imunidade permanente (ou morrer), sendo excluída da dinâmica. Incluindo a imunidade permanente, o sistema sempre evoluirá para uma fase absorvente. Partindo de apenas uma partícula infectada (paciente zero), escolhida aleatoriamente dentre a população, podemos simular um surto epidêmico em uma população não sedentária. Nossos resultados preliminares mostram que existe uma transição de fase de um regime não-epidêmico para um regime epidêmico, aumentando-se o tamanho da população inicial. Desta forma, nós propomos usar um processo estocástico para investigar o comportamento crítico do modelo, acoplado a redes bidimensionais. Esperamos que o comportamento crítico esteja na classe de universalidade da percolação dinâmica e que o sistema na transição, tenha comportamento independente do tamanho da rede, i.e. da escala adotada.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Telma Cristina Ferreira Fonseca

Engenharias

Engenharia Nuclear
  • estudar a distribuição de radiação de baixa energia proveniente das nanopartículas de 198au e 102pd para melhoria dos protocolos de tratamentos de câncer
  • Tratamentos radioterápicos emergentes, incluindo terapia mediada por partículas, terapia de hádrons ou radiossensibilização de células por nanopartículas de alto número atômico exigem a determinação teórica da trajetória da radiação em nanoescala. Isso é importante para avaliar o dano de radiação em níveis celular e de DNA. A dificuldade em calcular a energia depositada ou monitorar a trajetória destas partículas se torna um desafio da parte experimental. Para contribuir com a parte experimental em estudos de pesquisas sobre tratamentos de câncer, diversos códigos computacionais estão disponíveis, como PTra, PARTRAC, KURBUC, TRAX, RITRACKS. Estes códigos podem ser usados ​​para calcular a deposição de energia na escala nanométrica, modelando trajetórias de partículas ou fótons de radiação ionizante, interação-por-interação (“evento por evento”), tipicamente em meio gasoso ou água líquida, para simular os sistemas biológicos. Desde 2007, o Geant4 oferece modelos físicos para descrever as interações de partículas em água líquida no nível nanométrico através do pacote Geant4-DNA. A presente versão deste software permite a implementação de geometrias atomísticas de uma grande variedade de macromoléculas, disponibilizadas diretamente do banco de dados de proteínas (http://www.rcsb.org). Um dos exemplos de modelagem do Geant4-DNA fornece o “pdb4dna” (http://pdb4dna.in2p3.fr) o qual demonstra o uso de modelos de proteínas do banco de dados de macromoléculas. Geralmente em solução, o DNA assume a conformação B, mas quando há pouca água disponível para interagir com a dupla hélice, o DNA assume a conformação A-DNA e a forma Z-DNA apresenta seu sentido de rotação para a esquerda. Em um estudo realizado por Semsarha et al. 2015, verificou-se que a conformação do B-DNA tem menor sensibilidade tanto para quebras de fita simples (do inglês, Single Strand Breaks (SSB) quanto para quebras de fita dupla (do inglês, Double Strand Breaks DSB), enquanto o A-DNA tem alta sensibilidade para a ocorrência de SSB e Z-DNA tem alta sensibilidade para a ocorrência de DSB. Este projeto propõe a modelagem de modelo atomístico de alta resolução de B-DNA que inclui dupla hélice de DNA, Nucleossomes, fibras de Cromatina, laços de Cromatina, territórios cromossômicos, esferas nanométricas de células realistas ou modelos tumorais com nanopartículas radioativas de 198Au ou 102Pd posicionadas no centro da esfera usando o código computacional Geant4-DNA com o objetivo de estudar os vários efeitos biológicos. Para a terapia mediada por nanopartículas, os Kernels de Ponto de Dose (do inglês, Dose Point Kernel, DPK) e o valor S são os dois principais parâmetros importantes para a estimativa de dose, onde o DPK é a distribuição de energia radial de fontes isotrópicas pontuais de elétron e o parâmetro S é a dose alvo por unidade de atividade acumulada. O modelo de DNA é usado para medir o SSB, DSB e a razão DBS / SSB. O Valor S e o DPK serão calculados por simulação computacional para contabilizar a dose depositada em nível celular ou molecular, o que não é possível realizar experimentalmente. Além disto, será realizada a modelagem de phantoms esféricos de células tumorais utilizando MCNPx, EGSnrc e PENELOPE para estudar a dose depositada na periferia das nanopartículas e a dose depositada no simulador esférico com micro dimensões. Fazer a intercomparação destes resultados de simulações com diferentes códigos nos permite avaliar o que melhor atende as necessidades para os diversos casos propostos neste projeto de pesquisa. Para a validação dos modelos computacionais, os resultados serão comparados com resultados experimentais. Estes últimos serão obtidos irradiando-se culturas celulares com nanopartículas funcionalizadas com epigalocatequina-galato (EGCG) in vitro e estimando as doses de radiação. Este projeto conta com a colaboração do Prof. Kattesh V. Katti, do departamento de radiobiologia da Universidade de Missouri, Nanotecnologia do Câncer, EUA e o Prof. Ademar Benévolo Lugão, do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (CNEN / IPEN), São Paulo, SP - Brasil para os resultados experimentais.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Telma Ferraz Leal

Ciências Humanas

Educação
  • heterogeneidade e alfabetização: concepções e práticas
  • A problemática da alfabetização no Brasil tem sido abordada por pesquisadores de diferentes correntes teóricas e sob múltiplas perspectivas. Há, no entanto, questões ainda pouco abordadas ou insuficientemente discutidas. Uma delas diz respeito ao modo como a heterogeneidade dos estudantes é concebida em documentos curriculares, livros didáticos e no discurso dos professores, assim como os modos como os docentes lidam com tal fenômeno na prática cotidiana. Tal temática é de fundamental importância porque os dados de avaliação no país ainda evidenciam grandes distorções e desigualdades na apropriação da escrita e da leitura. Crianças e adultos ainda frequentam as escolas sem terem acesso a conhecimentos que garantam suas inserções em práticas sociais letradas. Obviamente, variadas causas precisam ser consideradas, como as distorções nas condições socioeconômicas das regiões brasileiras, as condições precárias de trabalho dos professores, problemas na formação dos profissionais, estratégias pedagógicas inadequadas, dentre outras. No bojo dessas questões, uma das razões possíveis para tais resultados é a falta de estratégias pedagógicas para lidar com as múltiplas heterogeneidades entre os estudantes. Desse modo, objetiva-se investigar as concepções sobre heterogeneidade e sobre heterogeneidade no contexto da sala de aula presentes em teses, dissertações, artigos de periódicos, documentos curriculares, livros didáticos, assim como as estratégias docentes para lidar com tal fenômeno em sala de aula dos anos iniciais do Ensino Fundamental, no ensino da leitura e da escrita em contextos de escolas do campo e da cidade. A metodologia do estudo será diversificada, considerando as diferentes fases da pesquisa. Inicialmente será realizado um estudo bibliográfico em que teses, dissertações e artigos de periódicos serão analisados com o objetivo de fazer um levantamento do estado da arte e apreender as concepções sobre heterogeneidade presentes nos documentos. Depois, serão analisados cinco documentos curriculares de capitais brasileiras e três documentos curriculares de outros municípios pernambucanos, buscando-se identificar as concepções presentes nestes documentos acerca da heterogeneidade em sala de aula e as orientações aos professores sobre tal questão. Na terceira fase, três coleções de livros didáticos destinadas ao ciclo de alfabetização (aprovadas pelo PNLD e PNLD-campo) serão analisadas, para identificação, no manual do professor, de conceitos ou discussões sobre tal temática e de orientações aos professores sobre como lidar com a heterogeneidade nas diferentes atividades de leitura e escrita propostas, e no livro do estudante, como temas relativos à diversidade / heterogeneidade são abordados. Na quarta fase serão realizadas observações de aulas para investigar que estratégias didáticas são utilizadas pelos professores do campo e cidade para lidar com a heterogeneidade no ensino da leitura e da escrita.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Telmo Mota Ronzani

Ciências Humanas

Psicologia
  • estudo multicêntrico internacional sobre a efetividade de uma intervenção para redução de estigma sobre usuários de álcool e outras drogas
  • O estigma em relação aos usuários de drogas influencia negativamente os resultados das intervenções em saúde. Embora a estigmatização desses usuários seja amplamente observada na sociedade, é preocupante que o estigma seja semelhante entre profissionais da saúde. É necessário avançar em relação ao desenvolvimento de estratégias para a redução do estigma, sobretudo junto a esses profissionais. Será realizado um estudo multicêntrico internacional quase-experimental, no qual será desenvolvida, implementada e avaliada uma nova intervenção para a redução do estigma de profissionais da saúde em relação aos usuários de drogas. Os pesquisadores da instituição proponente irão capacitar os centros colaboradores nacionais e de cinco países para replicarem a intervenção e garantir a padronização do estudo. Será selecionada em cada centro colaborador uma amostra de 50 sujeitos, que participarão da intervenção (GI), sendo 25 de serviços especializados em álcool e outras drogas e 25 de atenção primária à saúde. Em seguida, serão selecionados mais 50 sujeitos para o Grupo Controle (GC), com a mesma composição do GI, de modo a tentar torná-los equivalentes com relação às variáveis de interesse. A amostra total será de 500 profissionais. Com relação à intervenção, serão adotadas estratégias educacionais e de contato reconhecidas na literatura e que serão também vinculadas às técnicas dos manuais da Terapia de Aceitação e Compromisso. Os resultados serão analisados por meio de metodologias quantitativas e qualitativas, separadamente e em conjunto com outros centros, fortalecendo uma rede latinoamericana sobre drogas na Argentina, Brasil, Colômbia, México e Uruguai.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Têmis Maria Félix

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • registo nacional de doenças raras
  • No Brasil, o Ministério da Saúde estabeleceu a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras (PNAIPDR) no âmbito do SUS em 2014. Até o momento foram habilitados nove Serviços de Referência em Doenças Raras, um número considerado insuficiente para atender a demanda na nossa população. A grande maioria dos casos são atendidos em Hospitais Universitários( HU), porém não há conhecimento se os recursos humanos e tecnológicos são adequados no atendimento de Doenças Raras. Apesar do avanço no diagnóstico, principalmente devido às novas tecnologias e a recente estruturação do atendimento de DR no Brasil, ainda faltam dados epidemiológico sobre estas afecções, e estes, quando existentes, restringem-se a doenças específica. O objetivo deste projeto é realizar um inquérito de representatividade nacional acerca da epidemiologia, quadro clínico, recursos diagnósticos e terapêuticos empregados e custos em indivíduos com doenças raras de origem genética e não genética no Brasil. Será estabelecida uma Rede Nacional de Doenças Raras composta por Hospitais Universitários, pertencentes a rede EBSERH e outros HU, Serviços de Referência em Doenças Raras e Serviços de Triagem Neonatal. Um estudo ambispectivo será realizado (o restrospectivo correspondentes aos atendimentos de 2018 e 2019 e prospectivo). O instrumento de coleta de dados vai usar um protocolo padrão com dados sócio-demograficos, clínicos e aspectos clínicos e de diagnóstico de acordo com ontologia internacional.
  • Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS - Brasil
  • 01/01/2020-31/12/2021
Foto de perfil

Temístocles Américo Corrêa Cezar

Ciências Humanas

História
  • usos políticos do passado, usos públicos da história. laboratório de pesquisas historiográficas
  • O Laboratório de Pesquisas Historiográficas visa a construir um espaço permanente de debate e estímulo à pesquisa sobre os Usos políticos do passado. Usos públicos da história. Composto por um amplo grupo de pesquisadores do Brasil e do exterior, seu objetivo principal é o de produzir reflexões teóricas comparadas com o propósito de contribuir com propostas de análises e intervenções efetivas para a sociedade, tais como produção de livros, eventos acadêmicos, exposições, material de divulgação em várias mídias.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021