Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alessandra Melo de Aguiar

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • efeito de nanopartículas de bismuto (binps) emcélulas-tronco adultas humanas
  • Os nanomateriais, e em particular, as nanopartículas (NPs) estão na vanguarda da onda da nanotecnologia, e são utilizadas em diversos produtos, incluindo produtos e insumos para saúde, sendo de grande importância não apenas a sua caracterização fisico-química mas também predição de sua toxicidade, em sistemas inovadores como uso de células-tronco para avaliação de seu efeito biológico. Estas partículas consistem em substâncias químicas que possuem dimensões variando de 1 a 100 nm, o que as confere um alto poder de reatividade e uma enorme gama de aplicações, que vão desde a geração de energia e engenharia, até aplicações na área de medicina. Dentro deste contexto, as NPs de bismuto (BiNPs) temsido amplamente avaliadas a fim de serem empregadas nos mais diversos campos. Estas NPs são bastante interessantes pelo fato de apresentarem diversas propriedades médicas, agindo como bactericidas, fungicidas, antibiofilme e antivirais; sendo assim, estas NPs tem sido avaliadas quanto ao seu emprego em antissépticos orais (Hernandez-Delgadillo et al., 2013; Claudio & Chellam, 2014; El-batal et al., 2017; Hernandez-Delgadillo et al., 2017). Além disso, estas NPs tem sido avaliadas para seu emprego em termo-quimioterapia, imagenologia (Li et al., 2016; Liu et al., 2015; Swy et al., 2014; Veintemillas-Verdaguer et al., 2015). Em relação as suas aplicações industriais, BiNPs são bastante atraentes devido ao seu baixo custo quando comparadas com outras NPs metálicas (Claudio & Chellam, 2014). Muito embora muitos compostos derivados de bismuto já tenham sido amplamente empregados para fins médicos, industriais e cosméticos por muitas décadas, pouco se sabe em relação a toxicidade do bismuto quando encontrado em nanoescala (Abudayyaket al., 2017). Apesar da grande aplicabilidade destas partículas no campo da medicina, a grande preocupação consiste no fato de que pouco ainda se sabe em relação a toxicidade causada pelas NPs. A maioria dos ensaios de toxicidade disponíveis são realizados em animais, porém, nos últimos anos, a comunidade científica tem buscado métodos alternativos através de ensaios in vitro. Os ensaios alternativos ao uso de animais buscam não apenas reduzir, substituir ou refinar o uso de animais como também o desenvolvimento de sistemas com melhor predição da toxicidade em humanos, que por vezes é não é completamente acurada nos modelos animais ou nos sistemas in vitro já disponíveis. Nesta linha de trabalho, avaliamos previamente o efeito de BiNPs em células eucarióticas, exercendo citotoxicidade de uma forma dose-dependente, levando a morte celular por apoptose e induzindo a autofagia em concentrações tóxicas.Contudo, são desconhecidos os efeitos de BiNPs em processos celulares como a diferenciação celular. Vários estudos já demonstraram que as células-tronco representam um bom modelo para a predição de toxicidade, apresentando vantagens em relação ao uso de linhagens primárias, por exemplo. Desta forma, este projeto tem como objetivo a caracterização de BiNPs quanto a suas propriedades físico-químicas, avaliação dos efeitos citotóxicos e genotóxicos das NPs, avaliação da interação NPs-células, estudo dos efeitos das NPs sobre a diferenciação adipogênica e osteogênica de células- tronco adultas. Adicionalmente, também será avaliado o seu efeito no crescimento microbiano. Portanto, essa proposta visa disponibilizar maior conhecimento sobre a interação das nanopartículas comas células-tronco humanas e, assim, determinar a taxa de segurança para uso desses materiais, o que é de suma importância para a sociedade, pois essas partículas possuem um grande potencial de aplicação em novos produtos para saúde e já estão sendo utilizadas em larga escala na medicina, biotecnologia e indústria farmacêutica.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 05/12/2019-31/12/2021
Foto de perfil

Alessandra Mendonça Teles de Souza

Ciências da Saúde

Farmácia
  • identificação de inibidores de proteínas não estruturais do zika vírus pela integração de métodos in silico e in vitro
  • O vírus do Zika (ZIKV) entrou em evidência em 2015, quando o último surto ocorreu após seis décadas, iniciando no Brasil e se espalhando por vários países das Américas. O vírus alcançou notoriedade pela sua capacidade de atravessar a barreira placentária humana, causando malformações congênitas, especialmente microcefalia. Além disso, também tem sido associado ao desenvolvimento de complicações neurológicas em adultos infectados, como a síndrome de Guillain-Barré, a mielite aguda e a meningoencefalite. O vetor do ZIKV é o mosquito do gênero Aedes. No Brasil, ele é transmitido pela espécie Aedes aegypti, que é também vetor do DENV, febre amarela (YEV) e chikungunya (CHIKV). Estudos também apontam para outras formas de transmissão: perinatal, sexual e via transfusão de sangue. É impossível reconhecer efetivamente o verdadeiro número de infecções pelo vírus zika no Brasil, já que a doença aponta que aproximadamente 80% dos casos de pacientes infectados não manifestarão sinais ou sintomas, além de uma parcela significativa de infectados que não procurará atendimento de saúde. Não existe tratamento específico para febre por ZIKV. O tratamento dos casos sintomáticos recomendado é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados. Além disso, ainda não há vacina disponível contra o Vírus Zika. As proteínas não estruturais NS1 e NS5 do ZIKV têm sido bastante estudadas e são potenciais alvos terapêuticos para a descoberta e/ou planejamento de inibidores seletivos. Neste contexto, as instituições de pesquisa e os docentes e pesquisadores brasileiros atuantes na área de Química Medicinal enfrentam o desafio científico e dever ético de se comprometerem na busca por alternativas terapêuticas que propiciem e a melhoria da qualidade de vida para os pacientes acometidos pelo Zika Vírus. Este compromisso é também destacado na Agenda 2030, proposta no ano de 2015 pela ONU, conforme detalhado nos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS) traçados nesta agenda internacional, a ser implementada por todos os países integrantes até 2030. Com isso o objetivo deste projeto é a descoberta de inibidores das proteínas NS1 e NS5 para o tratamento da infecção pelo ZIKV. A abordagem in silico iniciará com a construção de modelos tridimensionais dos alvos moleculares por modelagem comparativa. Os modelos dos alvos moleculares serão utilizados na triagem virtual de compostos comercialmente disponíveis no banco de dados ZINC. Em seguida será realizado um consensus docking para selecionar os inibidores em potencial, por docking molecular. Os melhores resultados serão submetidos a avaliações farmacocinéticas e toxicológicas (ADMET) in silico e in vitro. A confirmação da atividade antiviral frente as proteínas NS1 e NS5 será realizada por métodos in vitro. As informações teóricas e experimentais obtidas serão úteis para a descoberta de ligantes bioativos contra o ZIKV. Além disso, este projeto visa fomentar a geração de recursos humanos qualificados na área de planejamento de fármacos.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alessandra Santana Soares e Barros

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • a deficiência enquanto conseqüência da síndrome congênita do zika-vírus: enquadramentos discursivos da mídia impressa brasileira
  • O objetivo desse projeto de pesquisa é descrever o tratamento discursivo dado pela mídia - no contexto da cobertura jornalística da epidemia - à relação entre a síndrome congênita do Zika vírus e as seqüelas que definiam aquelas crianças enquanto pessoas com deficiências. Interessa saber como os jornais disseram que ficariam os bebês da zika quando eles crescessem. A hipótese de trabalho é que houve um enviesamento na abordagem das notícias acerca dos danos cerebrais, ou seja, modos pouco informativos de escrever sobre o seguimento da vida das crianças acometidas e pouca ênfase dada à explicação sobre os atrasos que sofreriam no desenvolvimento infantil. Para responder a essa pergunta de pesquisa será feita análise lingüística das narrativas e, principalmente, dos sentidos subliminares dos textos das matérias, alcançáveis através do vocabulário e recursos semânticos, assim como do conjunto da composição – imagens, fotos e destaques gráficos. De início serão estudados os dois primeiros anos da cobertura jornalística. Se possível, a investigação será desdobrada por sobre os demais anos que se seguirem, no que tange igualmente, aos modos como a mídia houver de continuar retratando a geração das crianças da Zika; pois os bebês que assim nasceram, viverão sob as consequências dos danos neurológicos. Logo, quer sob a forma da curiosidade popular ou sob a interrogação da comunidade científica, os que sobreviveram à Zika congênita haverão de persistir como objetos de interesse do conhecimento público, o que manterá o assunto, portanto, nas páginas dos jornais. Justifica-se essa pesquisa pela importância de auxiliar a mídia a cumprir sua função social. Parte da população, que busca informação através dos noticiários, é de mulheres e famílias que precisam tomar decisões reprodutivas. Assim, é necessário que haja mais clareza acerca do futuro que lhes aguarda, quando sob risco ou já no cuidado de filhos com essa condição neurológica. A primeira grande tarefa prática dessa pesquisa será levantar o conjunto das matérias de jornal a ser analisada. Esse corpus empírico será composto por uma amostra recortada a partir do universo de matérias, reportagens, editoriais e artigos publicados pelos principais jornais de circulação nacional que noticiaram o tema em questão. Para o levantamento será acessado um serviço de monitoramento chamado “Observatório Saúde na Mídia” (https://saudenamidia.icict.fiocruz.br). Este serviço, disponibilizado gratuitamente, é uma iniciativa do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ. Esta plataforma virtual realiza acompanhamento diário das informações sobre saúde publicadas em jornais nacionais e, nesse sentido, mantém um portal on-line para localização e recuperação especialmente daquelas sobre o zika-virus, a dengue e a febre chikungunia. Estão disponíveis ali os textos publicados nos jornais Folha de S. Paulo (SP); O Globo (RJ); O Estado de Minas (MG); A Tribuna (ES); Correio Braziliense (DF); Jornal do Commercio (PE); Correio da Paraíba (PB); O Correio (BA); Zero Hora (RS) e Dez Minutos (AM). Os critérios de seleção para escolha desses jornais pelo Portal eletrônico se basearam em suas representatividades nas respectivas regiões de pertencimento, e no fato de abrangerem áreas de atuação onde há maior incidência de casos das referidas doenças. Paralelamente ao uso desse mecanismo de busca, os acervos eletrônicos, disponibilizados comercialmente pela internet, dos jornais “O Globo”, “Folha de São Paulo” e “Correio Braziliense” serão também acessados. Esta dupla abordagem garantirá uma melhor cobertura amostral além do que favorecerá a apreciação das matérias, reportagens e artigos nos contextos de diagramação das páginas de cada edição do jornal. A consideração deste aspecto, não possibilitado quando do acesso apenas através do Portal eletrônico da FIOCRUZ, permitirá que se julgue eventual importância destacada a uma matéria de capa, por exemplo, assim como os arranjos entre as fotos em seus diferentes destaques e tamanhos, gráficos ilustrativos e demais imagens que compõem, juntamente com os textos escritos, os sentidos implícitos sujeitos à reclamada análise lingüística e semiótica. O primeiro critério para definição da amostra de trabalho será escolher aquelas matérias que fazem menções à Microcefalia/ Síndrome Congênita. Para tanto, se buscará identificar, tanto no título da matéria, quanto no corpo do texto, a presença dos seguintes termos associados à Zika: microcefalia, cabeça pequena, seqüelas neurológicas, bebê, gravidez, grávidas, mãe, mulheres, filhos, síndrome congênita, crianças, recém-nascidos, aborto e demais expressões sinônimas. No primeiro momento da pesquisa serão analisadas as notícias veiculadas pelos Jornais entre os meses outubro de 2015 a Junho de 2017. No segundo, as matérias publicadas pelos jornais entre Julho de 2017 a julho de 2019.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alessandra Teixeira

Ciências Humanas

Sociologia
  • de menores abandonadas a adolescentes infratoras: gênero, controle e punição
  • Este projeto se volta à compreensão das formas de controle e punição dirigidas às meninas e jovens designadas como menores, através da análise dos registros constantes nos prontuários de menores do Serviço Social do Estado de São Paulo, entre os anos de 1930 e 1950, e numa perspectiva contemporânea pretende reconhecer a atualização desses dispositivos através da análise dos prontuários das agora nomeadas adolescentes infratoras internadas na FCasa entre 1990 e 2010. Busca-se identificar as formas de criminalização, repressão e punição dirigidas às meninas adolescentes, ao longo do tempo, assim como os dispositivos de controle sobre o corpo, a sexualidade e a autodeterminação, que impuseram e reificaram iniquidades e discriminações baseadas no gênero, como também na raça e na classe.
  • Universidade Federal do ABC - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022