Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adriana Rovêda Cornélius

Ciências Humanas

Educação
  • vii feira municipal de iniciação científica e tecnológica de novo hamburgo - femictec
  • A VII Feira Municipal de Iniciação Científica e Tecnológica de Novo Hamburgo – VII FEMICTEC, que ocorrerá em setembro de 2019, é um evento que representa a culminância de uma proposta de ensino que busca na iniciação científica uma forma designificar seus processos de ensino e de aprendizagem, contribuindo para o avanço da qualidade do ensino no município. A feira tem como objetivos estimular o interesse pela investigação científica, desde a Educação Infantil, incentivar os alunos ao desenvolvimento de projetos, utilizando as habilidades da pesquisa e do método científico, divulgar os trabalhos realizados nas escolas da Rede Municipal de Ensino de Novo Hamburgo, oportunizando a construção e a socialização do conhecimento, despertar vocações científicas e/ou tecnológicas, bem como identificar crianças e jovens talentosos que possam ser estimulados a seguirem carreiras científico-tecnológicas. As principais atividades planejadas para o ano de 2019 são pautadas na formação de professores em Metodologia de Investigação Científica . Para ampliar a abrangência do evento, será realizada a divulgação da VII Feira Municipal de Iniciação Científica e Tecnológica – VII FEMICTEC para corpo docente, discente e equipes diretivas das Escolas da Rede Municipal de Ensino no início do ano letivo de 2019. Até o mês de agosto de 2019, as escolas da Rede Municipal de Ensino deverão organizar feiras internas de iniciação científica e tecnológica para a seleção de 2(dois) projetos de educação infantil e anos iniciais, 1(um) de anos finais do Ensino Fundamental caso a escola atende até o 7º ano e 2 (dois) de anos finais do Ensino Fundamental caso a escola atenda até o 9º ano, incluídos nas categorias: Educação Infantil, EMEF 1 - 1º ano ao 3º ano (Anos Iniciais), EMEF 2 - 4º ano e 5º ano (Anos Iniciais), EMEF 3 - 6º ano e 7º ano (Anos Finais), EMEF 4 - 8º ano e 9º ano (Anos Finais). As Escolas Municipais de Educação Infantil - EMEIs e de EJA (Educação de Jovens e Adultos, serão convidadas para a feira e incluídas na categoria Educação Infantil e EJA, porém a sua participação será facultativa. As áreas a serem contempladas são as seguintes Linguagens - Língua Portuguesa; Língua Materna, para populações indígenas; Língua Estrangeira moderna; Arte; e Educação Física; Matemática; Ciências da Natureza; Ciências Humanas; História; Geografia e Ensino Religioso.
  • Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo - RS - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Adriana Silva Hemerly

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • “avaliação do potencial biotecnológico de redes regulatórias que controlam o crescimento vegetal”
  • Um dos grandes desafios desse século é aumentar a produção agrícola de forma sustentável. Escassez hídrica e altas temperaturas são as maiores causas de perdas agrícolas a nível mundial. Dentro deste contexto, o melhoramento vegetal se apresenta como um dos mecanismos viáveis para se alcançar uma maior produtividade e biomassa por área, combinada com consumo reduzido de água, além de uma maior tolerância das culturas ao estresse hídrico. A regulação do ciclo celular é um fator determinante do crescimento e, portanto, um possível alvo para o melhoramento vegetal. O nosso grupo de pesquisa vem trabalhando na identificação e caracterização de genes-chave controladores do ciclo celular na planta modelo Arabidopsis thaliana desde 1990. Estudos prévios no LBMP/UFRJ identificaram uma nova rede reguladora do ciclo celular, cuja proteína-chave é ABAP1 e as AIPs (ABAP1 Interacting Proteins), dentre elas estão membros do complexo pre-Replicativo (regula a replicação do DNA), fatores transcricionais e proteínas ainda desconhecidas. Outro complexo proteico que vem sendo estudado no LBMP/UFRJ é o APC/C (Anaphase Promoting Complex), que regula a transição G2/M. A manipulação dos níveis de algumas dessas proteínas na planta-modelo A. thaliana sugere um envolvimento não apenas na regulação da biomassa e produtividade vegetal, mas também na resposta a estresses ambientais. Este projeto tem como objetivo geral desenvolver ferramentas biotecnológicas a partir de genes selecionados dessas redes regulatórias que controlam o ciclo celular vegetal, visando aumentar a biomassa e produtividade vegetal, assim como a tolerância a estresses ambientais (tolerância à seca, salinidade e resistência à nematóides) . Dentre as atividades estão: (a) caracterizar funcionalmente os componentes da nova rede regulatória do ciclo celular em plantas, a via de ABAP1, e sua atuação em conjunto com o complexo APC/C, na planta modelo A. thaliana; (b) desenvolver metodologias para a modificação de níveis de genes selecionados, em plantas de importância agrícola; (c) assim como aplicar em cultivos de importância econômica as ferramentas biotecnológicas geradas. Para esses estudos foram estabelecidas colaborações científicas com: (a) com o "Plant Systems Biology" (PSB) / VIB na Bélgica, para testar em milho as tecnologias desenvolvidas; (b) com a EMBRAPA CENARGEN para testar em soja e algodão; (c) com o INRA/CNRS na França para testar a resistência à nematóides, junto com a EMBRAPA/CENARGEN. Um maior entendimento sobre o papel de proteínas dessas redes regulatórias é essencial para desvendar novos níveis de regulação do ciclo celular vegetal ao longo do desenvolvimento e em resposta a estímulos ambientais; além de levar à identificação de potenciais alvos a serem usados como ferramentas biotecnológicas que acelerem o crescimento e/ou levem ao aumento da biomassa vegetal e da produtividade vegetal. Dessa forma, a concessão desse auxílio à pesquisa permitirá a continuidade dos estudos prévios do LBMP/UFRJ, numa área estratégica para a agricultura do país, permitindo o avanço do conhecimento num tema ainda pouco estudado no país e no panorama mundial. Essas novas ferramentas poderão ser aplicadas nos cultivos agrícolas, colocando-o na vanguarda da modernização para a sustentabilidade das práticas agrícolas mundiais.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 01/06/2017-31/07/2020
Foto de perfil

Adriana Silva Pontes

Ciências Biológicas

Imunologia
  • efeito da laao isolada de caloselasma rhodostoma sobre a liberação de exossomos por neutrófilos humanos.
  • As peçonhas animais são fonte importante de proteínas com alta capacidade de adaptação ao meio ambiente. Além das proteínas, fazem parte das peçonhas peptídeos, enzimas, e outros componentes, os quais induzem diversos efeitos tóxicos em suas vítimas. Dentre as enzimas podemos citar a L-aminoácido oxidase (LAAO). Esta enzima tem sido estudada devido ao seu envolvimento em diversos efeitos fisiopatológicos como hemólise, edema, hemorragia, indução de apoptose, citotoxicidade, efeitos sobre plaquetas, e atividades microbicidas contra parasitas, vírus e fungos. Esses efeitos podem ser atribuídos ao peróxido de hidrogênio, produzido durante sua reação catalítica. Portanto o objetivo deste projeto é avaliar o mecanismo de ação de uma L-aminoácido oxidase isolada da peçonha da sepente Calloselasma rhodostoma sobre neutrófilos in vitro, particularmente sobre a liberação de exossomos. Esse estudo permitirá uma melhor compreensão do mecanismo de ação da LAAO sobre a inflamação, possibilitando novos subisídios para sua utilização como modelo molecular no estudo de processos fisiopatológicos envolvidos na resposta inflamatória.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RO - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022