Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Clara da Fonseca Leitão Duran

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • avaliação do impacto de incentivos financeiros a gestantes beneficiárias do programa bolsa família na mortalidade infantil
  • Introdução: O programa de transferência condicionada de renda (PTCR) brasileiro Programa Bolsa Família mostrou ter impacto em diversos desfechos de saúde, incluindo doenças negligenciadas, acesso a serviços de saúde e mortalidade infantil. Intervenções focadas na demanda por serviços, entre elas os PTCR, tem sido utilizadas em diversos países para diminuir os custos para acesso aos serviços de saúde e estimular a adoção de comportamentos saudáveis, no entanto há escassez de estudos que avaliaram os efeitos de tais incentivos com amostra suficientemente grande e desenhos robustos e que procuraram entender os mecanismos pelos quais PTCR agem na mortalidade infantil. Objetivos: Avaliar o impacto do Benefício Variável à Gestante repassado às gestantes acompanhadas nas condicionalidades de saúde do Programa Bolsa Família na mortalidade infantil; e o efeito indireto do impacto do Benefício Variável a Gestante (BVG) nas gestantes acompanhadas nas condicionalidades de saúde do Programa Bolsa Família na mortalidade infantil mediado pelo número de consultas de pré-natal, nascimento pré-termo e baixo peso ao nascer. Métodos: Estudo retrospectivo com desenho quasi-experimental. Dados de cerca de 59 mil gestantes beneficiárias do Programa Bolsa Família identificadas pelo Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família na Saúde entre Janeiro de 2010 e Dezembro de 2014 serão pareados empregando técnicas probabilísticas aos registros identificados de nascidos vivos do Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC) (N=1.118.492) e de óbitos de menores de 1 ano do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) (N=15.093) da Secretaria de Saúde do estado do Rio de Janeiro. Utilizaremos diferentes técnicas estatísticas para avaliar os efeitos diretos e indiretos (por meio do atendimento pré-natal, nascimento pré-termo e baixo peso ao nascer) do BVG recebido em compartida pelo cumprimento das condicionalidades de saúde do Programa Bolsa Família referentes às gestantes na mortalidade infantil. Rodaremos análises de sensibilidade para estimar se a cobertura da Estratégica de Saúde da Família no município modifica a associação entre a exposição e os desfechos intermediários e mortalidade infantil. Também, procuraremos avaliar se nossos achados são robustos criando grupos controles sintéticos. Primeiramente compararemos gestantes elegíveis a receber o BVG, mas, que por estarem em famílias que atingiram o limite de benefícios variáveis por família (5), não o recebem com gestantes que recebem o benefício. Depois, criaremos um grupo controle sintético com gestantes identificadas imediatamente antes e imediatamente após a data limite de identificação para recebimento do BVG no mês subsequente. Nossos achados podem informar o fortalecimento e refinamento do programa brasileiro de transferência condicionada de renda e programas e incentivos similares existentes em outros países tendo em vista o alcance de pelo menos quatro dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Claudia dos Santos da Silva

Ciências Sociais Aplicadas

Museologia
  • o museu paraense emilio goeldi: a transversalidade da ciência para a preservação e sustentabilidade na amazônia paraense
  • O Museu Paraense Emílio Goeldi, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do Brasil, é a instituição, do seu gênero, mais antiga do norte do país, completando 155 anos em outubro de 2021, é a segunda mais antiga do Brasil. Este Museu é pioneiro em diversas áreas e tem ao longo dos anos se destacado no campo das Ciências Humanas e das Ciências Naturais. Sua missão é de realizar pesquisas, promover a inovação científica, formar recursos humanos, conservar acervos e comunicar conhecimentos nas áreas de ciências naturais e humanas relacionadas à Amazônia. Na atualidade desenvolve quase 200 projetos de pesquisa e é referência também na formação de capital humano especializado através de seus programas de pós-graduação com mais de três décadas de atuação na região. Suas pesquisas geram conhecimentos sobre padrões históricos, socioambientais, ecológicos e evolutivos que condicionaram a Amazônia de hoje, e que determinam sua dinâmica atual. Os estudos subsidiam o estabelecimento de políticas adequadas à proteção do patrimônio natural e sociocultural amazônico e à promoção do desenvolvimento sustentável. Objetivo desta proposta é apresentar atividades educativas de divulgação da Ciência produzida no Museu Paraense Emílio Goeldi, na Semana Nacional de Ciência & Tecnologia e Inovação de 2021, que em decorrência do atual cenário, frente a pandemia, serão em sua maioria em formato online. Terão como objeto a comunicação da ciência, por meio de ações educativas, oficinas especializadas, lives, passeios virtuais e disponibilização de materiais didáticos em formato digital.
  • Museu Paraense Emílio Goeldi - PA - Brasil
  • 13/10/2021-31/10/2023
Foto de perfil

Ana Cláudia Fernandes Nogueira

Ciências Humanas

Sociologia
  • ancestralidades destituídas: a manutenção da condição subalterna e sua relação com as ancestralidades das populações rurais na amazônia
  • A proposta de trabalho que se faz neste projeto é problematizar - à luz dos estudos subalternos, pós-coloniais e decoloniais - a relação entre as condições de vida no mundo rural amazônico hoje por meio do resgate da luta pela terra das ancestralidades dos sujeitos que residem em áreas de assentamento rural. Consideramos que os sujeitos desta pesquisa vivem na qualidade de subalternizados, situação engendrada desde seus antepassados e que não foi rompida em virtude do caráter de autoridade colonial do Estado brasileiro. Com isso, objetiva-se relacionar a luta pretérita pela terra, das ancestralidades de residentes em ordenamentos institucionais criados pelo INCRA, com as condições subalternizadas de vida destes sujeitos beneficiários de políticas de regularização fundiária. Desta forma, mapearemos a árvore genealógica de sujeitos rurais residentes em três assentamentos localizados na mesorregião sul amazonense, bem como empreenderemos uma investigação genealógica das trajetórias de vida e das condições de vida destes sujeitos, afim de identificar a relação entre suas condições de vida atuais e de seus antepassados. Compreendemos que esta pesquisa possibilitará a produção de dados a partir de territórios diferentes, compostos pelas populações nativas e por aquelas que migraram para o Estado do Amazonas.
  • Universidade Federal do Amazonas - AM - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cláudia Ferreira Godinho

Ciências Humanas

Educação
  • a leitura no sistema prisional: potencialidades e desafios da remição de pena pela leitura no brasil
  • A leitura em contextos de privação de liberdade tornou-se uma pauta da educação de jovens e adultos desde que a Recomendação n. 44 do Conselho Nacional de Educação, de 2012 possibilitou a remição de pena pela leitura em estabelecimentos prisionais brasileiros. Esta abertura legal ao reconhecimento da leitura como prática social relevante para a socialização de pessoas privadas de liberdade propicia o debate sobre a educação não escolar como um direito desta população, que cresceu significativamente no Brasil nos últimos anos. Considera-se que as práticas de leitura têm potencialidades educativas importantes no que se refere à leitura de mundo e de si para pessoas pobres, negras e com baixa escolaridade, perfil predominante da população prisional brasileira, conforme dados do INFOPEN de 2016. Ao mesmo tempo, o contexto de privação de liberdade apresenta desafios à formulação de propostas educativas voltadas para a garantia do direito à leitura. Diante desse cenário, o presente projeto busca compreender os avanços, potencialidades educativas e os limites da remição de pena pela leitura no que concerne à ampliação do direito à educação no sistema prisional brasileiro.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cláudia Franco

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • estudos sobre a interação dos fatores de restrição apobec3 e serinc de felinos com o vírus da imunodeficiência felina
  • O genoma do vírus da imunodeficiência dos felinos (FIV) apresenta três fases de leitura abertas (gag, pol, env) e codifica as proteínas principais do capsídeo (MA, matriz; CA, capsídeo; NC, nucleocapsídeo), enzimas virais (PR, protease; RT, transcriptase reversa, IN, integrase, DU, desoxiuridina trifosfatase) e envelope (Env) glicoproteínas (SU, superfície; TM, transmembrana), respectivamente. O FIV contém três genes acessórios, vif, orf2 (ou orfA) e rev. As altas taxas de mutação encontradas em FIV representam um importante mecanismo de evasão imune dos vírus. Os fatores de restrição são proteínas antivirais hospedeiras que neutralizam ou “restringem” a replicação viral, atuando como uma primeira linha de defesa contra infecções retrovirais e, mais importante, essas proteínas limitam a gama de hospedeiros lentivirais e a transmissão de vírus entre espécies. Entre essas proteínas estão a proteína incorporadora de serina 3/5 (SERINC ou SER 3/5) e a apolipoprotein B mRNA editing enzyme, catalytic polypeptide-like (APOBEC3 ou A3). Serinc 1-5 são proteínas transportadoras de serina altamente conservadas, dentre elas, SER3 e 5 de humanos foram recentemente reconhecidas como fatores de restrição. As proteínas SER podem restringir o processo de fusão alterando a conformação de Env e, como resultado, a capacidade de transferir o conteúdo viral para o citoplasma é comprometida. Recentemente foi demonstrado que o SER5/3 felino reduzem a infecciosidade do HIV e Ser5 de felinos tem uma atividade de restrição mais forte contra o FIV do que o SER3 de felinos in vitro. Dessa forma, aparentemente o FIV pode escapar da restrição do SER3 (dados não publicados). O A3 foi um dos primeiros fatores de restrição identificados. Em vírus que não expressam Vif, A3 é encapsidado na partícula viral e desamina a citidina no DNA viral de cadeia negativa, gerando a uridina e induzindo hipermutações de G a A no DNA da fita positiva. Esse processo leva à introdução de códons de parada prematuros nas proteínas nascentes. As proteínas A3 interagem com a proteína viral de Gag e podem ser incorporadas na partícula viral nascente e esse mecanismo oferece um alvo potencial para a terapia. Quando Vif é expresso, as proteínas A3 são antagonizadas pelas proteínas Vif de HIV e FIV. A ligação de Vif à proteína A3 é espécie-específica na maioria dos casos analisados. Assim, o Vif de FIV inibe as proteínas felinas A3 e o Vif de HIV não afeta a A3 de felinos. A observação inversa foi encontrada quando o A3 humano foi expresso. Dados sobre a variabilidade de proteínas A3 de gatos positivos e negativos para FIV foram previamente descritos por nosso grupo de pesquisa. O estudo relatou sete haplótipos A3Z3 em gatos que foram correlacionados com infecção por FIV. Posteriormente, duas proteínas com atividade antiviral, A3Z3 e A3Z2Z3 foram descritas. Além disso, estudos in vitro demonstraram que tais proteínas reduzem a infectividade de FIV. Assim, essa proposta visa realizar estudos in vitro para compreender as interações entre variantes naturais de genes env, gag, vif e orf2 com variantes dos fatores de restrição felinos A3 (sete haplótipos) e SER3/5.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022