Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sergio Ruffo Roberto

Ciências Agrárias

Agronomia
  • tecnologias para a produção e conservação pós-colheita de uvas híbridas de mesa brasileiras sob sistema de múltiplas safras anuais
  • O presente Projeto de Pesquisa tem como objetivo desenvolver tecnologias para a produção de alta qualidade e conservação pós-colheita das novas uvas híbridas de mesa brasileiras ‘BRS Vitória’, ‘BRS Isis’ e ‘BRS Núbia’ (Vitis sp.) sob sistema de múltiplas safras anuais, aumentando a sua competitividade tanto no mercado interno como no externo. O projeto será coordenado pelo Setor de Fruticultura da Universidade Estadual de Londrina, PR, e conta com a participação de pesquisadores da Embrapa Uva e Vinho, EPAGRI - Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrologia de Santa Catarina, Instituto Agronômico do Paraná - Área de Ecofisiologia/Climatologia, Universidad Castilla-La Mancha, Espanha e University of California, Davis, EUA, bem como de bolsistas de Iniciação Científica, Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Agronomia, Produção Vegetal. As atividades de pesquisa serão conduzidas em vinhedos experimentais localizados em Empresas privadas produtoras de uva na região de Indicação Geográfica (IG) de Uva de Mesa em Marialva, PR, as quais possuem parceria com a Embrapa Uva e Vinho para o desenvolvimento de novas cultivares de uvas de mesa. Os vinhedos experimentais das novas cultivares foram estabelecidos em agosto de 2013 e as videiras estão sendo conduzidas no sistema latada com sombrite em cordão bilateral, plantadas no espaçamento de 2,5 × 5,0 m e enxertadas sobre o porta-enxerto ‘IAC 766 Campinas’. As atividades serão realizadas durante 3 anos consecutivos (2019-2021) sob sistema de múltiplas safras anuais. O projeto encontra-se estruturado em 4 subprojetos de pesquisa. O primeiro tem como objetivo desenvolver modelos de previsão de datas de colheitas múltiplas das uvas híbridas de mesa com base no histórico de risco de geadas, somatório de graus-dias e diferentes datas de podas. Entre as principais variáveis estudadas destacam-se a duração em dias de cada um dos principais estágios de desenvolvimento da videira, as exigências térmicas empregando-se o somatório de graus-dia, a geração de modelos de previsão da colheita, e as principais características físico-químicas e produtivas das uvas. O segundo subprojeto tem como objetivo estabelecer ajustes ideais de carga e densidade de cachos para as novas cultivares de uvas híbridas de mesa, visando obter altas produtividades e ótimas características físico-químicas da produção, aumentando a sua competividade no mercado de frutas frescas. As mesmas variáveis descritas no projeto anterior serão avaliadas, além da composição fenólica e de outros compostos químicos das uvas por meio de cromatografia líquida de alta eficiência acoplada aos detectores de arranjo de diodos e espectrômetro de massas (HPLC-DAD-MS/MS). O terceiro subprojeto visa desenvolver tecnologias de uso de reguladores vegetais para melhorar a cor da uva híbrida de mesa ‘BRS Isis’, a qual apresenta deficiência de pigmentação da casca quando cultivada em regiões subtropicais e tropicais. Além da avaliação das características físico-químicas da produção descritas no primeiro projeto, especialmente as relacionadas à cor da casca, será também avaliada as taxas de acúmulo de antocianinas e expressão gênica. Por fim, o quarto projeto tem como objetivo desenvolver tecnologias de conservação pós-colheita dessas novas cultivares de uvas híbridas por períodos prolongados em câmara refrigerada, visando a sua comercialização nos mercados interno e externo. Além das características físico-químicas descritas no primeiro projeto, serão avaliadas também a incidência do mofo cinzento causado por Botrytis cinerea, degrana, ressecamento das ráquis e firmeza das bagas ao longo do período de armazenamento em câmara fria e em temperatura ambiente. O delineamento das áreas experimentais será em blocos ao acaso e os dados dos diversos projetos serão submetidos à análise de variância, e as médias comparadas por teste de Tukey a 5% de probabilidade. A Análise de Componentes Principais também será realizada.
  • Universidade Estadual de Londrina - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sergio Santos de Azevedo

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • contribuições para a epidemiologia e o controle da leptospirose em animais de produção em condições semiáridas
  • A leptospirose é uma zoonose bacteriana causada por espiroquetas do gênero Leptospira, que apresenta vasta distribuição geográfica e é evidenciada em todo o mundo e particularmente prevalente em países de clima tropical e subtropical, principalmente nos períodos de altos níveis pluviométricos, devido à elevada sobrevivência da bactéria em ambientes úmidos, o que aumenta o risco de exposição e contaminação de animais susceptíveis e seres humanos. Nos animais de produção, a leptospirose é responsável por importantes perdas econômicas, principalmente relacionadas a problemas reprodutivos como nascimento de animais debilitados e ocorrência de natimortos e abortamentos, bem como pela diminuição da produção de leite e elevação dos coeficientes de mortalidade. Neste contexto, torna-se indispensável o conhecimento de aspectos epidemiológicos e o aprimoramento das medidas de prevenção e controle da leptospirose. Não há dúvidas de que para avançar sobre o tema leptospirose animal é necessário um direcionamento no sentido de se buscar o isolamento de leptospiras para progredir com relação ao diagnóstico e prevenção da doença, bem como fortalecer as ações de combate na região de clima semiárido, caracterizado por poucas chuvas e altas temperaturas, e que quando associado às peculiaridades da vegetação existente, a caatinga, bioma exclusivo do Nordeste e com uma rica fauna silvestre, oferecem condições epidemiológicas únicas que precisam ser analisadas em uma conjuntura diferente dos outros lugares do Brasil e do mundo. O grupo de pesquisa em Doenças Transmissíveis, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), vem se destacando ao longo dos anos nas pesquisas com leptospirose animal, e a parceria conjunta com outros centros de ensino e pesquisa vem proporcionando a formação de recursos humanos qualificados (fixados em instituições de ensino da Paraíba e de outros estados brasileiros) e produção científica consubstanciada, de maneira que este grupo pode ser considerado de referência no estudo da leptospirose no Brasil, particularmente no Nordeste brasileiro. Dessa maneira, formulou-se a presente proposta que será conduzida com quatro subprojetos, a saber: (a) Isolamento e caracterização molecular de leptospiras a partir de bovinos abatidos em condições semiáridas; (b) Investigação epidemiológica para leptospirose em bovinos no estado da Paraíba, semiárido brasileiro; (c) Influência dos índices pluviométricos na detecção de leptospiras em sítios renal e extra-renal em pequenos ruminantes em condições semiáridas; e (d) Investigação epidemiológica para leptospirose em suínos criados em sistema de produção de agricultura familiar no semiárido paraibano, Nordeste do Brasil. Espera-se, dessa forma, promover avanços no conhecimento epidemiológico e no controle da leptospirose em animais de produção em condições semiáridas, contribuindo, assim, com a diminuição de impactos econômicos na produção animal e bloqueio da transmissão da infecção para seres humanos.
  • Universidade Federal de Campina Grande - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022