Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adaíses Simone Maciel da Silva

Ciências Biológicas

Botânica
  • briófitas em habitats com elevadas concentrações de elementos tóxicos: diversidade taxonômica, fenotípica e epigenômica
  • Apesar dos esforços recentes para gerar produtos de uma forma limpa e sustentável, o nível de resíduos tóxicos produzidos por indústrias e pela agricultura, que contaminam os solos e as bacias hídricas, continuam aumentando no Brasil e no mundo. Por outro lado, estes mesmos solos contaminados podem ser colonizados por crostas biológicas (biocrusts) que reúnem diferentes organismos, tais como, briófitas, líquens, fungos, algas e cianobactérias, constituindo um verdadeiro microcosmo extremamente importante para retenção da umidade e ciclagem de nutrientes. Neste contexto, as briófitas, plantas antigas com ciclo de vida curto e adaptações surpreendentes para dessecação, surgem como excelentes modelos para estudos de tolerância, plasticidade e adaptação a condições de estresses abióticos. Visto que o desenvolvimento vegetal é amplamente governado por mecanismos genéticos e epigenéticos, os quais ativam programas fisiológicos e alteram o fenótipo em resposta a sinais ambientais, nossos principais objetivos neste projeto são: 1) Identificar espécies de briófitas estabelecidas em ambientes com alta concentração de metais e metaloides; 2) avaliar o potencial de tolerância dessas espécies a metais e metalóides em condições controladas e seu potencial para modificar características físico-químicas de solos contaminados; 3) caracterizar a plasticidade fenotípica de algumas dessas espécies em resposta a metais; 4) determinar a variabilidade epigenética possivelmente associada a mecanismos de tolerância. Importante ressaltar que este projeto pretende abordar três aspectos de inovação relevantes e correlacionados, ou seja, um inventário taxonômico e florístico de briófitas associadas a áreas com contaminação de metais (metais/metalóides), um estudo da tolerância e plasticidade de briófitas em resposta a diferentes níveis de contaminantes, e a investigação dos mecanismos moleculares associados a adaptação a esses estresses abióticos. Assim, as perspectivas envolvem a descoberta de novas espécies com potencial fitorremediador bem como a compreensão de mecanismos de plasticidade e adaptação em resposta a estresses em plantas.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adalberto Koiti Miura

Ciências Agrárias

Recursos Florestais e Engenharia Florestal
  • nexo pampa: valorização, manejo e restauração da vegetação nativa como estratégia para as seguranças alimentar, hídrica e energética
  • Localizado no extremo Sul do Brasil, o Bioma Pampa ocupa aproximadamente 63% da área do estado do Rio Grande do Sul. O avanço de diferentes culturas agrícolas (e.g. soja, arroz, etc.) representam potenciais perigos para a segurança alimentar, hídrica e energética de agricultores familiares. Além da pressão da grande mudança do uso do solo nos últimos anos, grande parte dos remanescentes de vegetação nativa, florestal ou campestre, estão localizados em unidades de produção agrícola familiar, o que ressalta a importância do modelo de produção familiar na conservação de biodiversidade. Partindo-se da premissa de que só é protegido e valorizado aquilo que se conhece e compreende, a presente proposta tem como principal objetivo construir e articular com técnicos de assistência técnica e extensão rural, professores, estudantes e agricultores familiares, um conjunto de estratégias de pesquisa e transferência de tecnologias, comunicação e intercâmbio de conhecimentos voltados ao manejo e restauração da vegetação nativa como forma de geração de renda, segurança alimentar, hídrica e energétca. O projeto está dividio em três grandes eixos denominados: i) Comunicação Social Para o Nexo Pampa (segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica e geração de renda); ii) Boas Práticas em Manejo e Restauração da Vegetação Nativa, voltadas ao Nexo Pampa; e iii) Capacitação e Educação ambiental para o Nexo Pampa, sendo seu objetivo geral construir e articular com atores sociais da agricultura familiar do Bioma Pampa, em especial do Território Zona Sul do Rio Grande do Sul, um conjunto de estratégias de transferência de tecnologias, comunicação e intercâmbio de conhecimentos voltados à valorização, manejo e restauração da vegetação nativa como forma de se propiciar o nexo das seguranças alimentar, hídrica e energética, além de geração de renda e regularização ambiental das unidades de produção agrícola, em acordo com a Lei de Proteção da Vegetação Nativa (n° 12.651, de maio de 2012). O grande eixo Articulação e Comunicação Social, visa articular, por meio dos recursos de comunicação e de interação, as diferentes atividades do projeto e criar plataformas de interação que permitam dar visibilidade aos mesmos. Além disso, pretende apoiar a articulação interinstitucional e a gestão do projeto, proporcionando um ambiente de diálogo e participação na construção de estratégias conjuntas entre os diferentes parceiros. O grande eixo Boas Práticas em Manejo e Restauração da Vegetação Nativa tem como objetivo gerar medidas capazes de fomentar a produção agrícola, conciliada à proteção dos ecossistemas naturais, garantindo a segurança alimentar, hídrica e energética por meio da criação de uma rede de Unidades de Referência Tecnlógicas (URTs), que visam gerar e/ou aprimorar informações sobre manejo e restauração da vegetação nativa de forma vínculada a produção de alimentos seguros (sistemas agroflorestais, quintais orgânicos), energia de biomassa (tradicional e biogás) e proteção de recursos hídricos (restauração ecológica de APPs hídricas, indicadores de monitoramento, saneamento báscio rural). As URTs servirão de dispositivos de pesquisa de médio e de longo prazo, e ainda, como ferramenta para ações de capacitação e educação ambiental visando oportunizar aos agricultores, técnicos, professores, estudantes e pesquisadores, a troca de experiências e aprendizados. Por último, o grande eixo Capacitação e Educação ambiental terá como público-alvo adultos e, sobretudo, estudantes do meio rural focando em diferentes ações voltadas para a extensão e repartição dos benefícios da segurança alimentar, energética e hídrica e em estratégias de geração de renda e inclusão social. Grande parte da biodiversidade natural é manejada diretamente pelos agricultores familiares nos diferentes agroecossistemas, por meio de suas práticas ecológicas, sociais e econômicas. Nesse contexto, a capacitação e educação ambiental visa articular estratégias de transferência de tecnologias, de comunicação e de intercâmbio de conhecimentos, visando qualificar as experiências dos agricultores familiares e das redes sociotécnicas dirigidas à conservação, manejo sustentável e restauração ecológica da vegetação nativa em nível local e territorial com vistas às seguranças alimentar, energética e hídrica. Todas as atividades serão discutidas, definidas e organizadas no ambiente do Fórum da Agricultura Familiar do Territitório Zona Sul do Rio Grande do Sul.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - RS - Brasil
  • 05/12/2017-31/12/2020