Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexandre da Silva Simões

Ciências Humanas

Filosofia
  • mostra nacional de robótica (mnr)
  • A robótica tornou-se nos últimos anos uma importante ferramenta pedagógica interdisciplinar. Sua enorme capacidade de estimular o jovem – naturalmente próximo das novas tecnologias – aliada a sua capacidade de adaptação a diferentes disciplinas dos ciclos fundamental, médio e técnico levaram à proposição nos últimos anos de grande número de trabalhos multidisciplinares em áreas como: matemática, ciências, geografia, artes, línguas, literatura e dança, dentre outras, levando a robótica a se destacar como importante plataforma para a construção do conhecimento por parte do aluno, estimulando novas relações de ensino-aprendizagem e proporcionando aos jovens a oportunidade de experimentar a engenharia e a inovação. A Mostra Nacional de Robótica (MNR), que comemora seus 10 anos de existência, tornou-se o mais importante fórum no país para a apresentação, discussão e divulgação desses trabalhos. O crescimento dessas atividades levou o grupo de pesquisadores responsável pela MNR, OBR, CBR e outros eventos a constituir formalmente no último ano uma entidade sem fins lucrativos, a RoboCup Brasil, que passa a ter a missão de gerir, de forma coordenada e otimizada, esses eventos. Antes dos sucessivos cortes de recursos, a MNR 2017 registrou o recorde anual de 366 trabalhos, com participação de 2.042 pessoas de 390 instituições, de 24 estados no país. A ausência de apoio financeiro no edital 2017 (retomada em 2018) trouxe consequências expressivas para a MNR, que ainda assim vinha mantendo sua média anual de trabalhos. No ano de 2020, contudo, com a interrupção das atividades presenciais nas escolas de todo o país em função da pandemia, a MNR sofreu novo impacto. Foram submetidos à MNR 2020 205 trabalhos por cerca de 500 participantes, e o evento foi realizado no formato virtual. Para 2021, ao mesmo tempo em que paira uma grande insegurança em todo o país no que diz respeito à capacidade de retorno às atividades presenciais, os eventos buscam também novas estratégias para se reinventar, incorporando novos elementos tecnológicos que permitam nova oxigenação em suas atividades. Para 2021, a MNR se propõe a realizar além de sua fase final presencial, mostras regionais virtuais em todo o país, bem como atuar na formação complementar de docentes, vinculada, é claro, à existência de recursos financeiros para tal.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2021-28/02/2023
Foto de perfil

Alexandre de Barros Falcão Ferraz

Ciências da Saúde

Farmácia
  • estudo do extrato bruto, frações e cumarato de 6-epi-ß-verbesinol isolado das folhas de calea phyllolepis frente a células tumorais, bactérias resistentes, arbovírus e modelos de toxicidade
  • Inúmeros são os casos de morte por câncer e doenças microbianas envolvendo bactérias resistentes e arbovírus (zika, chikungunya, dengue, mayaro e febre amarela, etc). A busca na biodiversidade vegetal de alternativas para combater seus distúrbios e doenças é uma estratégia de sobrevivência que acompanha o ser humano desde antes de desenvolver suas capacidades de raciocínio. Com o passar dos anos vemos que esse instinto humano estava correto e continua a ser empregado, seja na forma de preparações caseiras ou através da descoberta de fitoterápicos e fármacos de origem vegetal para auxiliar no tratamento das mais diversas doenças. Particularmente, frente ao câncer a plantas tem sido fundamentais trazendo para a clínica médica importantes substâncias antitumorais como vincristina, topotecan, etoposídeo e paclitaxel. Relatos da literatura mostram que plantas do gênero Calea contém várias classes de compostos fitoquímicos com elevada capacidade bioativa que estão respaldadas por estudos científicos que tem detectado relevantes propriedades biológicas (citotóxica, antifúngica, antiviral, antiparasitária e antimicrobiana). Aliada a estas informações Calea phyllolepis é uma espécie nativa com poucos estudos científicos, dessa maneira este projeto visa investigar a constituição fitoquímica através de screening fitoquímico, doseamentos e análise por cromatografia liquida de alta eficiência, além de ressonância magnética nuclear de hidrogênio e carbono para os produtos isolados. Biologicamente, o extrato bruto e frações e cumarato de 6-epi-ß-verbesinol isolado das folhas de C. phyllolepis, serão avaliados através de ensaios in vitro que irão avaliar ação antiproliferativa contra células tumorais e de fibroblasto, atividade antimicrobiana frente a bactérias atenuadas e resistentes além dos vírus da zika, mayaro febre amarela e modelos de toxicidade (Caenorhabditis elegans e Salmonella typhimurium)
  • Universidade Luterana do Brasil - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alexandre de Magalhaes Vieira Machado

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • vírus influenza recombinantes defectivos para a multiplicação carreando a sequência da interleucina 7 ou interleucina 15 murinas como ferramentas para o desenvolvimento de vacinas de nova geração
  • A infecção pelo vírus influenza A é responsável pela morte de mais de 100 mil pessoas anualmente, sobretudo crianças e idosos. Além disso, as pandemias esporádicas de influenza podem resultar na morte de milhões de pessoas, sendo a vacinação a principal estratégia capaz de reduzir a mortalidade, a morbidade e o impacto econômico resultante das epidemias e pandemias de influenza. Entretanto, a alta taxa de mutação viral, o declínio dos títulos de anticorpos neutralizantes (levando à necessidade da vacinação anual e na substituição dos isolados usados na formulação das vacinas), além da ineficácia na indução da resposta imune contra outros subtipos de vírus influenza, ainda são desafios importantes na vacinação contra esse vírus, justificando os esforços na busca de alternativas para a indução de resposta imune de longa duração e capaz de proteger contra diferentes isolados de vírus influenza. Estudos em modelo murino demostraram que as interleucinas 7 (IL-7) e 15 (IL-15) exercem importante função na regulação do desenvolvimento e manutenção de linfócitos T de memória, especialmente linfócitos T CD8+. A IL-7 promove a sobrevivência e diferenciação dos linfócitos TCD8+ de memória. A IL-15 está relacionada à proliferação homeostática destas células. Além disso, a IL-15 também pode atuar na atração das células T CD8+ efetoras para o sítio de infecção, no aumento do pool de células T de memória e na indução da imunidade heterosubtípica. Desta forma, este projeto propõe a utilização de vírus influenza recombinantes defectivos para a multiplicação, carreando o gene da IL7 ou IL15, como vacinas capazes de induzir resposta imune heterosubtípica de longa duração contra vírus influenza. A partir desse estudo esperamos estabelecer a prova de conceito para o desenvolvimento de vacinas seguras e eficazes capazes de conferir melhor resposta imunológica e compreender melhor o papel da IL7 e da IL15 na indução da resposta imune durante a infecção pelo vírus influenza.
  • Fundação Oswaldo Cruz - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alexandre de Oliveira Lima

Outra

Ciências Ambientais
  • cisternas fertilizadas: fortalecendo a autonomia das mulheres no semiárido
  • Vide projeto anexo
  • Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 01/12/2018-30/11/2021